Arquivo do mês: novembro 2011

Superman: Através dos Tempos

Super-Homem – O Homem de Aço (The Man of Steel) John Byrne – 1986 

Pra mim na época não fazia ideia da dimensão da importância desta HQ, mas gostei da arte de John Byrne e todo mês passei a comprar um gibi do Super-Homem. Antes disso meu primeiro contato com o Super nos quadrinhos foi numa HQ aonde ele era dividido em dois por um casal de feiticeiros se não me engano com arte de Gil Kane.

John Byrne é um grande escritor e desenhista, na época um dos mais prolíferos contadores de histórias (e ainda tinha como arte-finalista Dick Giordano).

Byrne sempre teve a fama de fazer mudanças radicais nos personagens que punha as mãos e com o Super não foi diferente. Apesar de descartar a existência do Superboy e da Supermoça e outros personagens da mítica do herói. 

Foi com Byrne surgiu a afirmação de que “Superman nunca foi Superboy”, pois em sua versão Clark Kent vestiu o uniforme somente quando adulto.

Algo complicado pra mim que começava minha carreira de leitor nesta época, porque logo depois de Crise nas Infinitas Terras (uma série bombástica aonde conheci vários heróis), comecei com este renovado Superman.

Nesta época eu já conhecia um pouco do Super Pré-Crise, que podia voar ultrapassando a barreira do tempo, ficar sem respirar no espaço por um longo período entre outras coisas clássicas e conhecia o Superboy também.

O Superman Pré-Crise era praticamente um deus e Byrne humanizou o kriptoniano tornando-o mais aceitável. Foi com a influência do Superman de Chris Reeve e do Super de John Byrne que passei a me tornar um fã de quadrinhos e hoje em dia tenho orgulho.

Ao final da maxi-série Crise nas Infinitas Terras, todo o Universo DC, agora “condensado” em uma só Terra (antes haviam várias delas), foi totalmente reformulado, alterando origens e as recontando para uma nova geração de leitores.

A edição já começa em Krypton com Jor-El descobrindo o motivo que levou a sociedade kriptoniana a entrar em colapso. Então Lara e ele acabam constatando a terrível verdade e tendo como único recurso enviar Kal-El para o longínquo planeta Terra (Lara estava horrizada).

Enquanto o planeta exlpode o foguete do pequeno Kal-El singra pelo espaço (logo há um lapso de tempo).

É quando vemos Jonathan contar pro Clark que foi encontrado num foguete e o rapaz fica atônito com a revelação.

Outra parte importante é que a medida que Clark ia crescendo seus poderes ao mesmo tempo iam se desenvolvendo.

Nesta época Smallville ainda era conhecida por Pequenópolis (aqui no Brasil).

Martha fez o traje, enquanto Jonathan inventou o visual nerd do novo Clark Kent.

O primeiro encontro com Lois Lane foi na comemoração do aniversário  da cidade de Metrópolis. Houve um acidente durante a apresentação do ônibus espacial e como Clark estava na multidão agiu de impulso (ele fica encantado com Lois e o sentimento é recíproco).

Lois Lane tenta uma entrevista com o Superman, mas é Clark quem começa a trabalhar no jornal Planeta Diário. Há até uma certa inveja de Lois por causa desta matéria sempre lembrando-o que roubou dela.

Como curiosidade é aqui que adotam o nome original da jornalista, pois no pré-Crise seu nome era Miriam Lane.

Lex Luthor é o maior empresário e o homem mais poderoso de Metrópolis. Até o surgimento do Homem de Aço na cidade deixando o careca furioso de tanta raiva.

Lex tenta transformar o Azulão em seu empregado e põe a nata da cidade como refém numa situação de risco de propósito (apenas pra chamar a atenção do herói). O empresário é preso, mas logo em seguida sai da cadeia começando seu ódio para destruir de qualquer maneira o Super-Homem.

O cientista Doutor Teng clona o Azulão e a experiência sai pela culatra e temos como resultado temos uma nova versão pro vilão Bizarro,um clone mal feito do herói. Ao usar algumas lembranças de Clark, Bizarro vai atrás de Lois e o confronto de ambos faz retornar a visão de Lucy Lane, irmã de Lois.

O primeiro encontro de Batman e Superman aonde resolvem um caso no museu (aparecimento da vilã Magpie). Os Melhores do Mundo estabelecem um respeito mútuo, algo bastante diferente da amizade que existia no período Pré-Crise.

E por último o Super-Homem descobre sua herança kriptoniana (sendo através de um holograma que Jor-El lhe revela a verdade). Tudo faz parte de suas lembranças, pois ao decidir deixar Pequenópolis contou toda a verdade pra Lana (que sonhava casar com ele).

 O grande êxito da passagem do artista pelas páginas do Azulão. Foi reconstruir seu status quo de uma maneira que tornasse o Homem de Aço mais acessível pra geração de leitores que a editora queria angariar.

Foi assim que em 1986,John Byrne  recriou a mitologia do Superman para uma nova DC e, logo depois criou uma nova série mensal (Superman) que durou até 2006, com 226 números publicados.

Alguns elementos desta reformulação tornaram a ser alterados com o passar dos anos, principalmente na mini-série O Legado das Estrelas, que recontou mais uma vez a origem do herói.

Mas a grande maioria dos leitores adotaram a versão de John Byrne como a oficial, considerada por muitos, a melhor reformulação do herói produzida até hoje.

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Superman: Através dos Tempos

Meu Texto

gilmar -tv colosso

A Televisão e Eu

Minhas recordações- parte 1

Quando estou em casa e se não estiver dormindo (que é na maioria das vezes), escrevendo pro blog, ouvindo alguma música (de preferência antiga anos 60, 70 ou 80) devo estar assistindo TV.

Hoje em dia está difícil para acompanhar algo na telinha aberta, pois são raros os programas que apresentam assuntos que sejam do meu interesse ( pra dizer a verdade eu não tenho TV a cabo). Alguns especialistas reclamam muito da vida na internet (vivemos cada vez mais próximos da “Matrix”), mas o que há de bom na telinha, seja sincero, hein?

Apesar de que gosto não se discute, até certo ponto, discordo com o que a mídia nos impinge goela abaixo. Me lembro que há pouco tempo atrás eu assistia ao Casseta e Planeta com os personagens Massaranduba e o Montanha e me divertia pra caramba, mas infelizmente o humorista Bussunda foi pra um patamar mais alto e parte do programa perdeu a graça pra mim.

Quando passava a TV Colosso eu já não era mais nenhum garotinho, mas aquele programa era tão maneiro que fiquei chateado quando acabou.

As novelas colossais: Os Vegetais não Mentem, Os Filhos da Cadela, e Inimigos para Sempre foram muito engraçadas. Isto pra não falar dos personagens como o Gilmar, Capachão, Acredite se puder e o tradicional final: “Atenção pessoal tá na hora de matar a fome…”

Me lembro pouco de o Globinho lá no início dos anos 80 com a apresentadora Paula Saldanha foi aonde eu assistia família Barbapapa (desenho que eu nem me lembrava mais) revi um pedaçono Youtube.

Na verdade até estranhei o desenho, mas faz parte da minha infância, meu amigo Jansen comentou sobre este desenho comigo há algum tempo atrás e eu não me lembrava. Minha mãe disse uma vez que eu gostava ( fazer o que, né?) todos fomos criança um dia (todos temos o direito de errar, não é?).

Minhas recordações- parte 2

Eu era “fissurado” em A Super Máquina uma das melhores séries dos anos 80, quem cresceu naquela época sabe do que estou falando, K.I.T.T um carro que fala. Bom hoje em dia já é normal carro com computador de bordo falar, mas naquele tempo não era.

Eu me divertia assistindo as aventuras de Michael Knight, meu pai comprou um K.I.T.T. de brinquedo pra mim. Foi um de fricção, mas eu queria o de controle remoto fiquei arrasado, porém brinquei pra caramba.

Até que quebrou uma roda do carro e minha mãe jogou fora sem eu saber, putz! Que raiva que me deu por conta disso.

Na TV Bandeirantes tinha Os Banana Splits, o grupo de atores fantasiados era formado por um cão Fleegle, o leão Drooper, o gorila Bingo e o elefante Snorky aonde em meio a trapalhadas e clipes musicais apresentavam os desenhos Cavaleiros das Arábias, Os Três Mosqueteiros e o seriado A Ilha do Perigo (este não me lembro mais).

E o Clube do Mickey aonde eu adorava o Pateta e suas trapalhadas com aqueles desenhos dos Jogos Olímpicos, no trânsito, construindo sua casa entre outros maneiros pra caramba. Eu viajava com o Pato Donald ele sempre foi um dos meus preferidos com seu temperamento estourado.

Apesar de gostar um pouquinho do Mickey, pois eu lia as HQs aonde ele bancava o detetive e o Pateta era uma versão do James Bond.

Tenho grandes lembranças do seriado O Incrível Hulk aonde David Bruce Banner(Bill Bixby- nos quadrinhos é Robert Bruce Banner) transformava-se no Hulk (Lou Ferrigno) quando perdia o controle em momentos de aflição, desespero, perigo e nervosismo.Era só os olhos dele começarem a esverdeare a transformação iniciava, pra mim foi sempre a melhor parte.

Banner sempre procurava de cidade em cidade uma cura pro monstro no qual se tornava, mas ajudou a todos que encontrava em seu caminho.

Era perseguido por um repórter chato. Terminava sempre sozinho na estrada pedindo carona com uma mochila nas costas e uma música melancólica marcante.

O filme O Incrível Hulk (2008) com Edward Norton é uma homenagem gratificante a quem teve coragem de encarar os personagens fazendo-nos acreditar em suas histórias. Bom está rolando na internet que haverá um novo seriado do Hulk para TV. A série deverá ir ao ar depois do lançamento do filme dos Vingadores.

 

Minhas recordações- parte 3

Um belo dia em 1985 iniciou um desenho que os habitantes de Thundera abandonavam o planeta em naves antes de seu planeta explodir. E uma delas ao pousar no Terceiro Mundo revelava um Lion-O adulto, mas com a responsabilidade que precisava amadurecer rapidamente. Em momentos de perigo ele empunha a Espada Justiceira e gritava: “Thunder, thunder, thundercats…hoooo!!!”

Os vilões eram o Mumm-ra uma múmia que vive numa pirâmide mística, mas que não consegue ver o próprio reflexo e os Mutantes que são muito atrapalhados. Ficava impressionado quando o Jaga aparecia e dava conselhos ao Lion-O. Tudo nesta animação arrebentava a Toca dos Gatos, o Thundertanke só o Snarf enchia o saco.

Recentemente houve o remake desta série em estilo anime e me parece estar ótima. Há chance de estar na grade de programação do SBT pra 2012 (Os Jovens Titãs também).

Ainda me recordo de Se Meu Bug Falasse que antes de tocar a buzina mágica era um ferro-velho caindo aos pedaços e depois ficava novinho e podia até falar. Quanto tempo tem isso? Eu sentava e perdia a noção do tempo até o programa terminar.


Danger Mouse é um agente secreto inglês ao estilo James Bond. Ele tinha um ajudante chamado Ernesto Penaforte e enfrentava o vilão Silas Costa-Verde esse eu gostaria de ter em dvd.

O desenho dos Jackson 5 tinha algumas de suas canções com um visual psicodélico, repleto de cores e formas. E o Michael Jackson tinha animais de estimação: Ray e Charles um casal de ratinhos e a cobra cor-de-rosa Rosie (essa eu não gostava). Sempre em clima de aventura Michael se metia em confusão e o resto dos irmãos ia ajudá-lo.

Minhas recordações-parte final

Jerry Lewis foi o maior comediante americano das décadas de 50 e 60. Junto com seu parceiro Dean Martin fizeram minha alegria na sessão da tarde nos anos 80. O Bagunceiro Arrumadinho, O Professor Aloprado, Artistas e Modelos, O Terror das Mulheres entre outros que não consigo lembrar o nome agora.

Uma das cenas de um filme do Jerry Lewis que mais me lembro foi que ele estava com uma mangueira aonde era levantado e empurrado pra todos os lados (só não me lembro de qual) eu me divertia pra caramba.

O desenho do Rei Arthur é um dos quais eu não consigo retirar da memória, é por causa dele que eu gosto tanto da lenda e tenha posto o nome do meu filho de Arthur.

Arthur filho de lady Igraine e do Rei Uther, após retirar a espada Excalibur da rocha luta contra tirania do Rei Levik em seu reino montando seu cavalo Pegassus ao lado dos “Cavaleiros da Távola Redonda”. É lá na década de 80 que estão algumas das séries, desenhos e filmes que mais gosto. Trazendo sonhos pra mente da criança que fui e cultura pro homem no qual me tornei.

A grande graça de ser criança é a imaginação poder voar pra bem longe (por qualquer motivo, brincadeira ou programa de TV). Mesmo depois de adulto tento manter este aspecto intacto comigo. Sentar e viajar no que me proponho assistir, pois assim faz valer a pena.

Fonte de pesquisa: InfanTV.

Deixe um comentário

Arquivado em Meu Texto

Crítica

Carros 2

É a continuação do longa animado em computação gráfica de 2006, produzido pela Pixar Animation Studios e distribuido pela Walt Disney Pictures. O filme dirigido por John Lasseter (Toy Story) foi um grande sucesso de crítica e bilheteria.

Carros é o segundo filme da Pixar a ter uma continuação (o outro foi Toy Story). John Lasseter, produtor, concebeu a história da continuação do filme enquanto viajava á volta do mundo para promover o filme original.

“Enquanto viajava só pensava “O que é que o Mate faria nesta situação?” Eu conseguia imaginá-lo a conduzir no lado errado da estrada do Reino Unido, aos círculos em Paris, numa auto-estrada na Alemanha, lidar com vespas em Itália e a tentar perceber os sinais de trânsito no Japão.

A emoção continua nesta animação por causa de uma trapalhada do Mate (Larry The Cable Guy) Relâmpago McQueen (Owen Wilson) logo após ter ganho sua quarta Copa Pistão é convidado a participar de um World Grand Prix para vencer o carro de fórmula 1 Francesco Bernoulli (John Turturro).

O enfoque desta vez se divide na corrida de McQueen e na aventura de Mate que vira um espião de repente graças a Finn McMissile (Michael Caine) e a Holley (Elly Wortimer).

As imagens do Grand Prix são bastante detalhadas iniciando no Japão, passando por Paris, Itália e Inglaterra com características típicas de cada país excurcionado tornando-se um espetáculo a parte. Me diverti com esta animação passando a ser uma das que eu mais gosto.

A parte boa é que todos os personagens da primeira animação estão de volta, com exceção do Fabuloso Hudson Hornet ( voz de Paul Newman que faleceu em 2009).

Com um vilão clássico professor Zündapp e um filantropo destacável Miles Eixo de Roda, Carros 2 é diversão garantida não só para crianças, mas pra nós adultos também.
Vale a pena dar uma conferida nos extras Air Mate (sobre aviões) e Toy Story (Férias no Hawaii).

Deixe um comentário

Arquivado em Crítica

Superman: Através dos Tempos

O Melhor Superman – Christopher Reeve

Em 1978 , foi lançado no cinema Superman- O Filme, estrelado por Christopher Reeve com o slogan “ Você vai acreditar que um homem pode voar.” Com direção de Richard Donner e história de Mario Puzo, o mesmo de O Poderoso Chefão, com a colaboração do quadrinhista Carmine Infantino- essa colaboração ás vezes é confirmada e ás vezes é negada.

O filme foi um grande sucesso e é ainda considerada a melhor adaptação de quadrinhos para o cinema. No elenco estão grandes nomes como Marlon Brando (Jor-El), Glenn Ford (Jonathan Kent) e Gene Hackman (Lex Luthor). Margot Kidder dava vida a uma determinada Lois Lane.

Kirk Alyn e Noel Neill, antigos Clark e Lois, interpretam numa breve cena os pais de Lois Lane. Bom,o Último Filho de Krypton que todos de minha geração e eu aprendemos a gostar começa com ele, pois Chris Reeve é o Superman definitivo.

Simplesmente é um fato que não há como negar, sua atuação como o atrapalhado Clark Kent, a mudança de personalidade, as diferenças nos gestos e atitude quando transformava-se no herói são um deleite á parte.

Sua atuação é tão marcante que tornou-se uma referência de como fazer o personagem na telona. Vários artistas dos quadrinhos desenharam o Super com o rosto do Chris, é impossível falar do kriptoniano e não associá-lo a Christopher Reeve o eterno Superman.

Meu sonho de criança era conhecer Christopher Reeve, apertar a mão dele, pedir um autógrafo. Pra dizer a verdade na época, eu nem sabia que ele não falava português, porque tudo que eu entendia vinha da TV. É um sonho que infelizmente nunca irá ser realizado.

Desconhecido antes de vestir o uniforme azul e vermelho, Reeve virou símbolo de perseverança e até tema de debate nos Estados Unidos.

“O que faz o Superman um herói não é o fato de ele ter o poder, mas de ter a sabedoria e a maturidade para usar o poder sabiamente. De um ponto de vista da atuação, foi assim que eu abordei o papel”, disse em entrevistas.

Reeve era filho de uma jornalista e um professor que teria ficado desapontado ao descobrir que o filho seria o Superman dos quadrinhos, e não o da obra do escritor Bernard Shaw. “ Vi como o Superman transforma a vida das pessoas. Eu vi crianças morrendo de tumor no cérebro, cujos últimos pedidos eram falar comigo.

E elas foram para seus túmulos com a crença nesse personagem intacta. Percebi que o Superman importa”, disse Reeve.

Em 12 de outubro de 2004 aos 52 anos perdemos Chris Reeve vítima de um ataque cardíaco, estava tetraplégico desde 1995 quando sofreu um acidente em prova de hipismo (esporte que ele adorava), mas lutou como ninguém pela pesquisa de células-tronco virando ainda mais um símbolo do herói que ficou para nós.

A morte de Christopher foi noticiada de uma forma a homenagear aquele que foi a síntese do herói em carne e osso para todos nós “Morre o Superman”.

Superman- O Filme (1978)

Jor-El, envia seu único filho á Terra para ser salvo da destruição iminente de Krypton.

O foguete parte enquanto o planeta explode.Ao Cair na Terra é adotado por Martha e Jonathan Kent um bondoso casal de agricultores do meio oeste americano, pois Smallville fica próximo ao Kansas (Tótó aonde está você?). Eles o ensinam a ser uma pessoa justa, honesta e simples, mas com valores éticos firmes.

Após a morte do pai adotivo Clark viaja para o sul com o fragmento de cristal que Jor-El lhe deixou, indo pro lugar onde surgirá a Fortaleza da Solidão. Já adulto ruma para Metrópolis, se apaixona por Lois Lane, fica conhecido como Superman, após salvá-la de morrer num acidente de helicóptero, desperta a inveja de Lex Luthor ( “a mente criminosa mais brilhante de nosso tempo”).

E gira o mundo ao contrário ( mentira braba, mas a gente releva, não é?) para salvar Lois da morte.

Superman II- A Aventura Continua (1980)

Três criminosos kriptonianos são exilados na Zona Fantasma por Jor-El e o conselho. O General Zod (TerenceStamp) jura vingança. Superman salva Lois e a cidade de Paris de uma explosão nuclear.

No espaço a detonação liberta o trio de vilões que são atraídos para á Terra, pois com a proximidade com o sol amarelo vão ganhando superpoderes. Enquanto isso Clark expõe sua identidade secreta e declara seu amor por Lois se livrando de seus superpoderes para ser uma pessoa comum.

Seus inimigos procuram vingança destruindo Metrópolis e também a Casa Branca.

Arrependido por deixar tal coisa acontecer. Clark volta pra Fortaleza, recupera seus poderes e tem uma luta memorável na cidade.

Fingindo medo volta pra Fortaleza e lá lançando raios pelas mãos e destacando o emblema (fazer o quê,né?), derrota o trio de vilões (“Luthor sua cobra venenosa”) Alex, Dênis, Jansen e eu adorávamos falar esta frase.

No final apaga a mente de Lois com um beijo (outra mentira horrível.) E promete ao presidente dos Estados Unidos que nunca os abandonará ( bom no Superman: O Retorno vemos acontecer outra coisa.)

Fora essas licenças poéticas com poderes ridículos, ainda continua sendo uma das melhores adaptações do kriptoniano mantendo o ótimo nível do primeiro filme.

Superman 3 (1983) e Superman IV –Em Busca da Paz (1987)

No terceiro o Superman luta contra uma versão má de si mesmo e no quarto contra armas nucleares. Sem mais comentários.

Supergirl – 1984

Os produtores ingleses Alexander e Ilya Salkind resolveram filmar “Supergirl” baseado na criação de Otto Binder e MortWeisinger, de 1958, para a DC Comics.

Foi dirigido por Jeanot Szwarc com a atriz Helen Slater interpretando a Supergirl e ainda tinha Faye Dunaway como a vilã Selena.

A única e melhor coisa neste filme é a beleza de Helen Slater, pois o resto não vale a pena comentar.

1 comentário

Arquivado em Superman: Através dos Tempos

Crítica

Batman: Year One

É o longa animado da Warner Bros. Animation que adapta a obra de Frank Miller Batman : Ano Um. A trama conta o primeiro ano de Bruce Wayne como Batman, tomado por dúvidas e cometendo equívocos.

No elenco estão Ben McKenzie (Batman), Bryan Cranston (Jim Gordon), Eliza Dushku (Mulher-Gato) e Kate Shackhoff (Sarah Essen)

A sinopse traz uma narrativa fiel da clássica Grafic Novel dos anos 80, na qual cometeu-se a grande sacanagem de colocar a Selina como uma prostituta.

Vemos o surgimento do Cavaleiro das Trevas, sua parceria com Gordon e toda mítica a qual estamos acostumados a acompanhar.

A velocidade da animação lembra um anime, pra mim os americanos encontraram um jeito de fazer os desenhos japoneses com seu american way of life (Justiça Jovem é outra prova disto).

Pra quem não conhece o gibi vale a pena e para que já tem é só deleite a cada cena. Ainda tem uma surpresa no final que vale a pena assistir (pra quem assistiu Batman Begins posso dizer que a cena surgiu na HQ.)

Deixe um comentário

Arquivado em Crítica

Superman: Através dos Tempos

 

Super-Homem – Super Amigos (Hanna-Barbera)

“Mais tarde na Sala de Justiça…”

Foi a produção da Hanna-Barbera que teve a maior duração televisiva exatamente de 1973 até 1985.

Na primeira versão de 1973 tínhamos: Mulher-Maravilha, Robin, Batman, Aquaman e Super-Homem. A equipe era auxiliada pelos aspirantes a heróis Marvin e Wendy, uma sobrinha de Bruce Wayne e também pelo Cão Maravilha (cópia descarada do Scooby-Doo).

Os adolescentes não tinham nenhum superpoder e sempre os  heróis tiravam eles de alguma encrenca. Geralmente cada episódio mostrava um herói de plantão no monitor da Sala de Justiça para atender um chamado e agir quando fosse necessário.

O desenho foi inspirado na Liga da Justiça dos gibis, mas tiveram que mudar o nome para Super Amigos (a fim de evitar disputas judiciais).  E principalmente como era destinado ao público infantil retiraram boa parte da violência que existia nos quadrinhos.

Super Amigos contava com o design do famoso artista Alex Toth que ficou consagrado também pelos desenhos: Space Ghost, Os Herculóides e Jonny Quest.

Esta versão do Azulão apesar de ser muitíssimo forte gritava sempre: “Santa Escócia” e nunca podia estar perto de uma kriptonita, pois poderia morrer (infelizmente era assim).

Quando a primeira versão foi cancelada a emissora repetia Super Amigos numa forma editada com o sucesso da audiência fizeram uma nova versão da equipe. Resultando em The All-New Super Friends Hour desta vez os adolescentes saíram para dar a vez pros Super Gêmeos: Zan e Jayna e seu engraçado macaco de estimação Gleek (outra cópia do Blip, de Space Ghost).

A formação também mudou, pois havia outros integrantes como: Lanterna Verde, Homem-Águia (ou seja Gavião Negro), Mulher-Águia (Mulher Gavião), Rima e Átomo (Eléktron).

Só que os  melhores heróis foram criados para integrar a diversidade étnica dos EUA e fazer um “tipo politicamente correto” com a inclusão do japonês Samurai, o afro-americano Vulcão Negro e o índio Chefe Apache (personagens que eu adorava quando moleque).

Alias está aí uma coisa bastante interessante, porque esses personagens clássicos foram homenageados no desenho da Liga da Justiça, de Bruce Timm.  Os Ultimen, foram criado por Maxwell Lord para evitar os possíveis excessos da Liga da Justiça.

Compõe o grupo Wind Dragon (baseado no Samurai), Grande Sombra (baseado no Chefe Apache), Downpour (baseado no Zan), Shifter( baseada na Jayna), Juice (baseado no Vulcão Negro).

No episódio Injustiça para todos há também uma homenagem pro Super Gêmeos em forma de estátua.

Continuando, em 1978 tivemos o clássico O Desafio dos Super Amigos, no original The Challenge of Super Friends.

Desta vez também estavam na equipe: Anel Energético (Lanterna Verde), Relâmpago (Flash), El Dourado e Arqueiro Verde.

Tiveram a grande ideia de retirar os Super Gêmeos para dar ênfase a uma equipe com os piores inimigos da Liga nos gibis.

A Legião do Mal era comandada pelo careca do Lex Luthor, no entanto a parte mais interessante é que sua base parecia o capacete do Darth Vader e ficava escondida num pântano.

Na equipe dos vilões ainda tínhamos: Bizarro, Sinestro, Capitão Frio, Brainiac, Giganta, Solomon Grundy, Cheetah, Grodd, Espantalho, Homem-Brinquedo e Arraia Negra (quando tudo dava errado eles sempre fugiam pra arquitetar outra maldade).

Em 1985 veio última versão intitulada apenas de Super Amigos e pra mim é a melhor de todas, pois se aproximou mais ainda do que havia nos gibis. Super Powers Team: Galactic Guardians mantinha o Lanterna Verde e Flash fixos na equipe.

A grande diferença estava pelo surgimento de dois heróis que faziam um relativo sucesso nos quadrinhos da época. Um era o Cyborgue dos Novos Titãs e Tempestade (na verdade Nuclear).

Pra quem assiste atualmente os Super Amigos é recheado de furos como as fraquezas dos heróis, as falas totalmente infantis, mostrar sons no espaço e outros como falar no que vai fazer para depois fazer exatamente aquilo.

Mais fez a felicidade de muito marmanjo que se lembra com nostalgia quando vê algum vídeo no Youtube.


 

1 comentário

Arquivado em Superman: Através dos Tempos

Superman: Através dos Tempos


reeves

O Estigma do Superman

Mais rápido que uma bala!

Mais forte que uma locomotiva!

Capaz de saltar sobre os prédios mais altos com um simples pulo.

Olhem! Lá no céu!

É um pássaro! É um avião!

Não! É o Super-Homem!

Sim, é o Super-Homem – estranho visitante de outro planeta, que veio á Terra, com poderes e habilidades superiores ás de qualquer mortal.

Super-Homem- pode mudar o curso do rio mais caudaloso, dobrar o aço com as mãos, ele que na vida real é Clark Kent, um discreto repórter de um grande jornal de Metrópolis, trava uma batalha sem fim pela Verdade, pela Justiça e pela América.

Esta era a abertura da clássica série do primeiro Superman da TV. Se eu não estiver enganado na época do programa de rádio e também do cinema com Kirk Alyn também usaram esta abertura.

300full

Superman – George Reeves

Em 1951 , foi exibido nos cinemas o filme Superman and The Mole-Man, com George Reeves. O filme na verdade era um piloto para a série de TV “As Aventuras do Super-Homem”, que só iria estrear dois anos depois. Originalmente em preto e branco, a série começou a ser exibida em cores em 1954. Boa parte das tramas tinha início nas investigações jornalísticas de Lois e Clark.

Quando a série era rodada em preto e branco, as cores do uniforme do Super não davam o contraste necessário na tela. Por isso, o azul e o vermelho foi substituído pelo cinza e marrom. Quando finalmente chegou a fase colorida, os produtores trataram de arranjar um novo uniforme para George, desta vez com as características fidedignas do personagem das histórias em quadrinhos.

O programa durou seis temporadas. Houve duas Lois Lane neste seriado: Philis Coates e a partir da segunda temporada Noel Neill, que apenas voltava ao papel que havia protagonizado nas produções estreladas por Kirk Alyn.

Muitos profissionais que na época trabalhavam nos quadrinhos do herói também foram responsáveis pelos roteiros da série, capitaneados por Mort Weisinger. Foram 104 episódios produzidos dos quais 26 em preto e branco.

George Reeves foi encontrado morto em 16 de maio de 1959. Até hoje as circunstâncias de sua morte não foram esclarecidas. O ator foi encontrado baleado e logo se levantou a suspeita de suicídio para mais tarde ser levada em consideração a hipótese de assassinato motivado por ciúmes.

O filme Hollywoodland-Bastidores da Fama, dirigido por Allen Cutler e estrelado por Ben Affleck trata sobre este assunto resgatando a carreira de Reeves.

George Reeves foi o mais perfeito Super-Homem até então. Ele conseguia convencer tanto como o tímido Clark Kent quanto seu alter ego de capa vermelha. De todos os homens que interpretaram o kriptoniano ele é lembrado como um dos mais favoritos pelos fãs.

Mais do que qualquer outro ator até então, Reeves se viu profundamente identificado com o personagem no inconsciente coletivo. Embora isso tenha feito sua estrela ascender, com o tempo, mostrou ser um veneno para a sua carreira. Isso porque ele passou a não ser mais bem aceito em produções, digamos assim, sérias, já que o público reagia invariavelmente com risadas estridentes toda vez que ele dava as caras nas telas.

Sua única cena em A Um Passo da Eternidade (1953), em que aparecia ao lado do astro Burt Lancaster, por exemplo, teve de ser eliminada porque a plateia presente á exibição-teste do filme começou a gargalhar no mesmo instante em que o avistou.

Reeves ainda interpretou o Super em outro programa, num episódio da série cômica I Love Lucy.

A história de George Reeves tem pontos, quase em comum com a de Christopher Reeve, que além de terem interpretado o mesmo super-herói, tem sobrenome parecido, e também, cada um a sua maneira, um fim trágico.

Em 1958, curiosamente, foi filmado o bizarro episódio piloto de um seriado chamado “As Aventuras de Superpup”, onde pessoas usando fantasias de cachorro interpretavam personagens semelhantes ao de Superman. Era interpretado por Billy Curtis, ainda bem que somente o episódio-piloto foi ao ar.

As Novas Aventuras do Super-Homem – Filmation – 1966

O nome original era The New Adventures of Superman detalhe sinistro é que a introdução  era uma cópia mal feita daquela dos irmãos Fleischer.

A produção era bem pobre, pois usavam cenas de fundo repetidas e também havia pouca movimentação do Azulão. O desenho foi transmitido pela Rede NBC durando de 1966 a 1970.

Além de aparecer em sua identidade secreta de Clark Kent essa versão contava com a presença do pessoal da redação do Planeta Diário: Lois Lane, Perry White e também o chatinho do Jimmy Olsen.

Super-Homem/Clark Kent era dublado por Bud Collyer, o ator da icônica versão radiofônica dos anos 40.

Infelizmente era um desenho muito fraquinho, mas teve a presença de alguns vilões dos gibis como: Lex Luthor, Sr. Mxypltk, Homem-Brinquedo entre outros.

O principal atrativo são as frases clássicas tipo: “para o alto e avante” e “Este é um trabalho para o Super-Homem!”, bordões ditos em todos os episódios.

A primeira mudança aconteceu quando estenderam o desenho pra duração de 30 minutos. Quando tivemos a inclusão de aventuras do Superboy ao lado de Krypto, o supercão e depois terminava com outra sequência do Homem de Aço.

Depois em 1967 o kriptoniano dividiu o programa com Aquaman, mudando o nome para The Superman/ Aquaman Hour. E por último o programa seria novamente mudado, para The Batman/ Superman Hour durando até 1978.

Deixe um comentário

Arquivado em Superman: Através dos Tempos