Arquivo do mês: junho 2012

HQ

Superman n° 1 –   Os Novos 52!

Após a clássica maxissérie Crise nas Infinitas Terras tivemos a chance de conhecer o UDC reformulado na década de 80. Agora quase 30 anos se passaram e depois de Ponto de Ignição vemos a DC Comics reiniciar seus personagens novamente atualizando-os para o século 21.

Em “Superman Contra a Cidade do Amanhã”, temos um Super mais urbano trajando calça jeans e botas e usando seus poderes como o herói clássico da “Era de Ouro”: capaz de saltar arranha-céus com um simples pulo, mais rápido que uma bala, mais forte que uma locomotiva, capa mais curta entre outras características.

Referências a esta época estão recheadas nesta HQ: como superforça, invulnerabilidade e defender uma mulher que apanhava do marido. E nesta nova versão temos a característica mais básica do “Superman clássico”, o fato de ter o seu próprio senso de justiça e ser o defensor dos fracos e oprimidos.

Além de trabalhar pra um Sr. Taylor, é lógico que só pode ser George Taylor, editor do Estrela Diária, onde Clark Kent trabalhou na Era de Ouro.

O General Lane está no encalço do herói como em “Origem Secreta”, o arco de histórias que recentemente atualizou o personagem. Vemos o Super da Era de Ouro  sendo apresentado com as influências do mundo moderno. Com  arte de Rags Morales e roteiro de Grant Morrison.

Em “Qual é o Preço do Amanhã?”, o prédio do Planeta Diário (se parece com o do filme de Chris Reeve) é demolido e um novo foi construído por Morgan Edge (que tornou-se negro), Lois Lane é agora produtora executiva de telejornal e continua ganhadora do prêmio Pulitzer.

O fato surpreendente é que Lois e Clark não estão juntos desta vez, pois Jonathan Carroll é o namorado de Lois. Um dos casais mais famosos das HQs foi desfeito, talvez  pelo menos por enquanto.  A modernidade é uma parte importante da narrativa, pois Jimmy Olsen e Miko atualizam a notícia para Lois on line na internet.

O que menos gostei foi este novo uniforme, pois parece uma armadura e acho que possa estar em sincronia com o uniforme do filme  Superman : O Homem de Aço para 2013. A sunga por cima da calça sempre foi e é motivo de chacota para os super-heróis, mas era como os uniformes surgiram na época de ouro dos quadrinhos. Esta talvez seja uma forma de também atualizar o personagem, porém só o tempo irá dizer se foi bom ou ruim.

Uma coisa interessante é Superman lutar contra um ser de fogo. Este fato remonta a clássica HQ “A Origem da Liga da Justiça”, de 1982. Em que sete alienígenas concorrentes a um trono usam a Terra como campo de batalha, mas são combatidos pelos heróis: Ajax, Aquaman, Mulher Maravilha, Flash e Lanterna Verde.

Enquanto Superman e Batman combatem um último vilão alienígena feito de cristal. Após derrotarem os invasores, os heróis decidem se juntar e formar a equipe.

Esta HQ de 1982 teve sua história modificada na revista Os Melhores do Mundo n° 21, “Liga da Justiça Ano Um”,  aonde a Mulher Maravilha é substituída pela Canário Negro e Superman  aparece  mais não como membro ativo da equipe.

A diferença em “Qual é o Preço do Amanhã?”, é que Superman combate um ser de fogo e deve ser um prelúdio para a  Liga da Justiça destes Novos 52! Agora é o momento de novos leitores conhecerem o UDC e nós mais antigos notarmos as diferenças desta cronologia.

Deixe um comentário

Arquivado em HQ.

Imagens

Superman

Ver o Azulão quebrando correntes é uma ilustração que existe desde a época do artista Joe Shuster.

Apenas não me pergunte qual o significado, mas podemos perceber que ao longo destes 70 anos do herói vários outros artistas fizeram esta mesma imagem como por exemplo: Bruce Timm, Alex Ross, Ed McGuiness, Jim Lee, Gary Frank, Curt Swan, Gil Kane, Rags Morales entre outros que não me recordo agora.

Confira na galeria abaixo

Deixe um comentário

Arquivado em Imagens.

Artista

Ed Benes

É um artista  brasileiro que ficou muito conhecido mundialmente por retratar nossas musas preferidas num estilo absurdamente sexy.

Nascido no Ceará, José Edilbenes Bezerra começou a trabalhar pro mercado americano na Marvel nos anos 90.

E ganhou fama ao trabalhar pra DC nos títulos Superman, Liga da Justiça, Supergirl e Aves de Rapina.

Seu estilo de pin-ups é carregado de sensualidade e deixa qualquer um de queixo  caído ao contemplar sua arte.

Atualmente está oferecendo curso e técnicas de ilustração para promover artistas novatos pro ramo de quadrinhos no Ed Benes Studio

Veja na galeria abaixo o sensacional trabalho de Ed Benes

 
 

Deixe um comentário

Arquivado em Artista

Crítica

As Aventuras de Tintim: O Segredo do Licorne

Confesso que infelizmente nunca tive a oportunidade de ler uma HQ do personagem, mas ao ver a animação produzida por Steven Spielberg e Peter Jackson me deu uma imensa vontade de reparar este erro.

Logo de início  Hergé aparece como caricaturista na praça e faz uma caricatura de Tintim  e quando termina fica igual ao personagem nos quadrinhos (depois notamos que todos os personagens também tem caricaturas em exposição).

Este é o primeiro encontro entre Tintim e o Capitão Haddock cuja dublagem tem a voz do Capitão Barbosa, de Piratas do Caribe ficou ótimo e o personagem é muito carismático.

Outro personagem que gostei foi o cãozinho Milu que ajuda seu dono em várias situações sendo um grande amigo fiel. Na verdade lembra os animais de estimação da Disney que são mais inteligentes que o normal.

Os policiais Dupond e Dupont são bastante  engraçados principalmente no caso do cleptomaníaco ladrão de carteiras que ficou louco com os dois, ri muito nestas cenas.

Por falar em cenas as de ação lembram pra caramba Indiana Jones, é impossível não pensar assim, mas me lembrou também as séries de cinema dos anos (50 fonte de inspiração de vários diretores onde o clima de aventura e ação eram bem intensos).

Os cenários desta aventura são de uma realidade tão linda que fiquei impressionado, pois pra mim Tintim é uma animação com prestígio de filme.

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em Crítica

HQ

Deixe um comentário

Arquivado em HQ.

Meu Texto

A Ascenção da Marvel

Como fã de quadrinhos tive uma boa surpresa quando em 1999 vi “Os X-Men de Brian Singer no cinema. Sem dizer que esta trajetória se inicia com Blade no qual Wesley Snipes interpreta o vampiro que anda de dia.

Bom fora isso teve o filme do Hulk, de Ang Lee (2003), que considero um filme que transpôs as páginas de uma HQ pro cinema fielmente, além de ter uma trama psicológica pesada mais que é a essência do personagem. Eu acho que é um cult igualado somente ao período de John Byrne (Caça-Hulk), nas HQs do Verdão, porém o filme não fez o sucesso considerado.

A Marvel também deu bola fora com: Capitão América (1979), O Justiceiro (1989) com o péssimo Dolph Lundgren, Geração X (1996) filme horrível,“Demolidor” de Mark Steven Johnson (2003) condensando toda a história do personagem neste único filme, pois numa tacada só Matt Murdock conheceu o amor de sua vida Elektra e a perdeu, teve dois vilões o Mercenário e o Rei do Crime (onde também teve a polêmica com personagem negro) interpretado pelo Michael Clark Duncan ótima atuação diga-se de passagem.

O mesmo erro foi cometido em “Homem Aranha 3”, de Sam Raimi (2007), tendo três vilões: Homem Areia, Venom e Harry Osborn enlouquecido. Também não posso deixar de falar de “X-Men 3”,de Brett Ratner (2006,) e sua péssima amarração de roteiro onde Wolverine é o salvador da pátria (igual nas HQs aonde ele aparece em diversos títulos mutantes) e a incrível história do Anjo que nos gibis é membro original dos X-Men, mas no filme é apenas mais um mutante, o sumiço do Noturno entre outros problemas que nem vou citar.

Ainda teve também o filme da Elektra, de Rob Bowman (2005), numa história destilada totalmente água com açúcar que não tinha nada a ver com a personagem das HQs. E sim a beleza de Jennifer Garner é digna de nota, mas além da presença de Terence Stamp (o eterno General Zod) é melhor esquecer este filme.

A lambança foi tanta nas duas franquias (Homem-Aranha e X-Men), que logo cancelaram pra dar um tempo e voltar com adaptações melhores (isso é o que eu espero).

No Quarteto Fantástico 2, de Tim Story (2007) não deu pra mim engolir que o poder do Surfista Prateado estava na prancha (ninguém merece, não é?) faltou mais ficção científica ou uma incursão pela zona negativa fato característico nas HQs do grupo.

Bom, sem sombra de dúvidas 2012 será o ano da Marvel nos cinemas com o novo longa do Aracnídeo dirigido por Marc Webb e  sendo interpretado por Andrew Garfield, mas desde Homem de Ferro 2, de Jon Favreau (2010) a Marvel alcançou um novo patamar na forma de fazer seus filmes. Como já pode ser notado eles unificaram seu universo no cinema (igual aos quadrinhos) para lançar o longa dos Vingadores, gerando grandes expectativas em todos os meios de comunicação sobre HQs, nunca vi tanto alvoroço e nos fãs em geral, sou mais um deles, é claro.

Não entendo porque a DC Comics não aprende a fazer filmes para cinema como a Marvel tem feito? É inegável para qualquer fã de quadrinhos que a Distinta Concorrente tem perdido terreno feio para a Marvel.

Quero saber qual é o mistério em se adaptar pra telona seus personagens de maneira crível? Desde 1999 temos visto a Marvel errar e acertar, mas não desistir de adaptar seus personagens para a telona.

Enquanto a DC prometeu o filme da Mulher-Maravilha que tentaram transformar em série que naufragou antes de ir ao ar.  Ficando só com o episódio piloto que a bela Adrianne Palicki aparece uniformizada.

Flash aonde Ryan Reynolds foi cogitado para ser o velocista escarlate, porém ficou como Lanterna Verde, de Martin Campbell (2011) um filme fraco demais.

Talvez haja o filme do Flash para 2013 vamos esperar, Capitão Marvel foram apenas boatos parece que o projeto foi engavetado, Liga da Justiça também é outro projeto que não deu em nada, sinceramente, se não botar um roteiro enxuto e um diretor competente é melhor não adaptar, continua fazendo animações para DVD que é mais lucro. Há especulações para uma produção em 2013. Li na internet se é verdade só o tempo vai dizer.

A DC também deu bola fora com: Liga da Justiça (1997) melhor nem comentar, Mulher-Gato (2004) sofrível, Hellblazer, de Francis Laurence  (2005) aonde Keanu Reeves interpreta John Constantine não tendo nada a ver com o personagem.

Superman: O Retorno, de Brian Singer (2006), o maior erro pra mim foi aquele filho isso não dá pra negar, a falta de cenas de ação e um roteiro mais consistente ajudaram a derrubar o filme (algo que poderia ter sido resolvido numa continuação, mas não deu).

Só o tempo vai dizer se esta nova adaptação Superman: O Homem de Aço vai vingar. Sinceramente estou receoso e preocupado, pois a DC lança seus longas para cinema mais seus personagens parecem existir sozinhos. Não há nada que indique a existência de outros heróis. Como eu já disse  antes a Marvel mostrou o caminho basta apenas segui-lo.

Deixe um comentário

Arquivado em Meu Texto