Arquivo do mês: janeiro 2013

Cosplay Girl

Tiana 1

Princesas Disney

De todas as princesas das produções da Disney que já vi além da Tiana uma das que eu mais gostei foi Giselle interpretada pela linda atriz Amy Adams.

No filme Encantada, Giselle foi banida do seu reino mágico vindo para no mundo real. Despertando no advogado Robert (Patrick Dempsey) um sentimento que ele achava ter esquecido.

Ainda temos a presença do príncipe Edward (James Marsden) que causa várias confusões ao lado do carismático e engraçadíssimo esquilo Pipin.

Bom, e logo a veremos, Amy Adams novamente interpretando Lois Lane no novo longa Superman: O Homem de Aço. Pelo que tenho lido este será um dos melhores filmes já feitos sobre o kriptoniano e eu quero vê-lo.

Bom, este post é para agradar as meninas que adoram se vestir de princesa quando são crianças e para os marmanjos babarem com estas lindas cosplayers que escolhi.

Confira na galeria abaixo além de Tiana algumas princesas Disney como: Giselle, Branca de Neve, Alice, Rapunzel, Tinker Bell, Jasmine, Mulan, Pocahontas entre outras.

Tiana 2

Alice 1 alice -cosplay_by_usagiyuu amazon mandy ariel 1 ariel 2 ariel 3 Ariel 4 ariel 5 Aurora 1 Aurora 2 Aurora 3 Aurora 4 Bela Bela_cosplay_2 branca de neve 0 branca de neve 1 branca de neve 2 branca de neve 3 branca de neve 4 branca de neve 4

branca de neve 5

cinderella 1 cinderella 2 Cinderella 3 Disney Princess 1 Disney Princess 2 Disney Princess 3 Disney Princess 4 Disney Princesses Pose for the camera disney princess 6 disney princess 7 disney princess 8 esmeralda Giselle_Encantada 1 Giselle_Encantada 2 Giselle_Encantada 3 jane

Jasmine 1 Jasmine 2 Jasmine_by_AlisaKiss The Kardashians Throw a Pre-Halloween Party for their Young Sisters And Their Friends Jasmine-Kim Kardashian 2

  mary poppins Mégara Pocahontas 1 Pocahontas 2 Pocahontas 3 Pocahontas 4 princesa aurora rapunzel 1 rapunzel 2 rapunzel 3 sininho 1 sininho 2 sininho 3 sininho 4 sininho 5 sininho 6 sininho 7 sininho 8 sininho 9 Yaya Han - Mulan

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em cosplay girl

Musas de Tinta

tiana-disney

Tiana

Por conta do  texto anterior resolvi fazer o Musas de Tinta em homenagem a uma das princesas Disney que mais me agradaram nos últimos anos.

Tiana destaca-se pelo incrível feito de ser  a primeira princesa afroamericana da Disney e sua animação A Princesa e o Sapo foi dirigida no formato tradicional 2D algo que não se via há algum tempo.

A parte mais interessante nas produções da Disney é que  sua adaptações não são exatamente iguais como a original abrindo um novo precedente de ousar e tornar a história mais agradável para novas gerações como neste caso o Príncipe Sapo, dos Irmãos Grimm.

Nesta animação romântica  podemos notar que houve uma mescla entre o moderno e o antigo, pois a história acontece na década de 20.

Mais  Tiana é uma jovem independente, esforçada, batalhadora e sofredora que guarda todo seu dinheiro para realizar o sonho de comprar o próprio restaurante (tipo uma mulher mais moderna). E apesar de ter lido o livro  que acaba dando nome ao desenho ela não acredita em contos de fadas.

A coisa que mais me chamou a atenção foi seu pai que chegava supercansado do trabalhado mais arranjava ânimo e energia para brincar com ela. Sinceramente já tentei adotar esta atitude com meu filho, mas é algo difícil de manter.

Além das músicas sensacionais temos um clima muito legal da cidade de New Orleans repleto de magia e mistério aonde o princípe Naveen um verdadeiro bon vivant acaba indo fazer uma visita a bela cidade.

Infelizmente o princípe foi transformado num sapo pelo feiticeiro vodu Dr. Facilier  que fez um pacto com seres do outro mundo para conseguir ficar com a fortuna dele.

Eu adorei o personagem vaga-lume Ray que era apaixonado por uma estrela do céu e o jacaré-trompetista Louis que sonhava tocar com os humanos.

Suponho que seu nome seja uma homenagem para o músico Louis Armstrong e a música “What a wonderful world” é uma das minhas preferidas.

A aventura do grupo pelo pântano para procurar a velha Mama Odie é simplesmente hilária e agradável ainda mais pelo problemas que Naveen e Tiana transformada em sapo passaram nas mãos dos caçadores de sapos.

Os cenários são lindos e nos levam a curtir a aventura que mistura humor e fantasia, os personagens são cativantes e o vilão têm um dos finais mais trágicos que já vi nas animações da Disney.

A Princesa e o Sapo é diversão garantida do início ao fim nos deixando com aquela imensa vontade de assistir mais um pouco.

Abaixo temos uma galeria de imagens com várias personagens da Disney.

PrincesaSapo 2 3 4 5 ????????????????????????? THE PRINCESS AND THE FROG 8 charlotte eli facilier lawrence louis mama odie naveen ray

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 a bela adormecida aurora branca de neve com maçã branca de neve pássaro esmeralda jasmine laetiti a7 laetitia 1 laetitia 2 laetitia 3 laetitia 4 laetitia 5 laetitia 6 Lilo Mégara 1 Megara 2 Megara 3 Megara 4 Nani 2 Nani Pocahontas princesa rapunzel

pardoart Sailors_Disney

modern-disney-princesses Mulan Princess 1 Princess 2 sailor-moon Sailors_Disney 4 sailors-disney 1 sailors-disney 2 sailors-disney 3

2 Comentários

Arquivado em Musas de Tinta

Meu Texto

branca-de-neve

Contos de Fadas

Branca de Neve

Walt Disney começou seu império de sonhos com  Branca de Neve e Os Sete Anões uma clássica animação que conta a história adaptada dos Irmãos Grimm.

Branca de Neve é um desenho  encantador mesmo tantos anos depois e demonstra algo que virou a marca registrada da empresa a música em suas animações.

Há alguns anos atrás eu achava esta parte musical irritante ou como dizemos popularmente as cantorias, mas isso faz parte da elegância da animação é uma manobra interessante para nos aproximar dos personagens.

Tanto é que Alladin têm uma música que acho linda A whole new world em que Jasmine canta com o herói e Rei Leão ainda têm Circle of Life  outra música maravilhosa que aliás adoro na interpretação de Elton John.

Bom, Branca de Neve canta com uma bela voz que encanta os animais da floresta aonde todos lhe fazem companhia. Sua pureza de coração é algo maravilhoso.

Engraçado foi notar quando Branca estava lavando a louça os animais estavam ajudando-a lambendo os pratos foi demais. Claro que depois ela lavou da forma tradicional, mas eu nem lembrava desta cena.

Isto demonstra também uma imagem estereotipada da mulher da época bonita e prendada nos afazeres domésticos.

Outra coisa legal também foi quando a Madrasta estava transformada em Bruxa todos os animais saíram em disparada para avisar os anões. Os animais inteligentes também viraram tradição ao longo das décadas nas produções da Disney.

E quando a Bruxa sobe o penhasco e cai para o momento fatal. Sabemos que ela morreu, porque uma pedra enorme caiu após sua queda. Sua morte foi revelada numa cena maravilhosa.

Há muitos anos eu não assistia essa animação o que mais me impressionou além da beleza de Branca de Neve foi seu jeito amável de tratar a todos ao seu redor, talvez seja por isso que haja tantas modelos cosplayers vestidas da personagem.

Branca de Neve também é uma animação mais inocente e termina com o famoso final feliz não que isso seja ruim, mas pra mim faz parte da magia daquela época.

Atualmente podemos notar que os Contos de Fadas não são mais como antes.

shrek

Shreck

Nos livros infantis um ogro é um monstro mais forte do que um homem comum e de maneira  assustadora  devora criancinhas para se alimentar, certo?

Não, pois desde Shrek o ogro com bons sentimentos  que as coisas mudaram radicalmente, porque ele é o herói dos filmes que levam seu nome. E nas adaptações de contos de fadas atuais no final não há mais “e viveram felizes para sempre…”

Neste desenho o Pinóquio aparece de lingerie e a Princesa Fiona que eu achei uma das mais lindas que já vi na verdade era um ogro-mulher (não sei se escreve desta forma, ok!).

Eu não gosto do Shreck, pois meus personagens preferidos são o Burro Falante e o Gato de Botas que roubaram a cena assim que apareceram na animação.

Mais abriu o precedente de parodiar tanto outros clássicos infantis como alguns filmes famosos e as músicas tornaram ainda mais divertidas nosso passeio por suas aventuras.

O meu preferido é Shrek Terceiro no qual o Rei Harold adoece e o ogro têm que ficar no seu lugar.

Antes do rei falecer Shrek fica sabendo da existência de Arthur Pendragon que será o futuro monarca do reino. Na verdade a intenção de Shrek é retornar para o pântano e não deseja ficar com a coroa.

Então vemos as aventuras de Shrek, Gato de Botas e Burro indo atrás do menino rebelde, mas nobre de coração que sofre na escola aonde está.

O vilão da vez é o Príncipe Encantado que trama uma vingança contra o ogro sentimental. Engraçado foi notar que o Mago Merlin é meio biruta, mas consegue fazer o que precisa.

A animação ainda dá espaço para outras personagens aparecerem as princesas Branca de Neve, Bela Adormecida, Cinderela e Rapunzel que fazem uma bagunça enorme junto a Fiona e a Rainha Mãe. Shrek Terceiro é uma aventura hilariante que vale a pena ver de novo.

chapeuzinho

Deu a Louca na Chapeuzinho Vermelho

Temos outra subversão em, Deu a Louca na Chapeuzinho Vermelho, porque seu estilo de apresentação dos seus personagens mais caricatos é bem diferente do qual estávamos acostumados a ver como por exemplo em Toy Story.

Ficamos sabendo que o livro de receitas é roubado e a tranquilidade da floresta muda. Os suspeitos são Chapeuzinho Vermelho, o Lobo Mau, o Lenhador e a Vovó, então o  inspetor Nick Pirueta decide investigar o caso.

Chapeuzinho trouxe algo inusitado para uma animação os personagens principais  contam cada um a sua versão de um acontecimento e vemos por seu ponto de vista. Acho que isto não era novo em filmes, mas numa animação creio que foi.

Além disso a Vovó não era uma velhinha inocente, mas sim agente radical ao estilo Triplo X, o Lobo  não era necessariamente mau mais um repórter enxerido que adora se disfarçar e o Lenhador que era péssimo na profissão, pois na verdade era  um ator que sonhava com o estrelato.

Eu gostei bastante do esquilo doido Ligeirinho, me diverti com o Bode cantor que simplesmente roubava a cena toda vez que aparecia e o simpático Coelho que na verdade era o vilão da trama. Esta animação me agradou bastante e continuo a vê-la sempre que posso.

Uma continuação tem a obrigação de ser melhor que o original. E na Chapeuzinho 2 vimos que  as coisas mudaram de figura há mais aventura e até metalinguagem.

Chapeuzinho Vermelho está treinando com uma organização secreta quando é chamada para ajudar a Agência de Espionagem Feliz Para Sempre a descobrir o paradeiro de João e Maria que desapareceram misteriosamente.

Uma discussão com o Lobo Mau e o sumiço da Vovozinha acabam desnorteando a heroína que têm a missão de salvar João e Maria das mãos da Bruxa Verushka.

Depois notamos que a bruxa é manipulada pelos irmãos e ela foi uma integrante da mesma irmandade da Vovó, porém sempre ficava com o segundo lugar.

Deu a Louca 2, pra mim, foi superior ao primeiro pelas altas cenas de ação e milhares de referências de filmes como: Kunf Fu Panda, Kill Bill, O Silêncio dos Inocentes, Os Suspeitos, Star Wars entre outros que não me recordo agora.

Até no pôster oficial temos  outra referência ao filme Os Goonies um grande sucesso para as crianças da minha geração. Então vamos esperar pela terceira sequência.

cinderela

Deu a Louca na Cinderela

Depois de Chapeuzinho tivemos outra animação com o nome de Deu a Louca, mas este foi com a Cinderela. Nesta história o Mago que controla a balança do bem e do mal dos contos de fada tinha dois assistentes atrapalhados Mambo e Manco.

Quando o Mago resolve  tirar férias deixa a balança aos cuidados de seus assistentes e aí começa a confusão.

Enquanto isso somos apresentados a Ella (apelido de Cinderela) que se prepara para ter sua noite com o príncipe. Rick é o assistente do príncipe que está apaixonado por Ella que infelizmente não dá a mínima pro rapaz.

A vilã da vez é sua bela madrasta Frida que se apossa da balança trocando todo final feliz dos contos e realiza um plano maligno de unir os vilões da Terra Encantada.

Tudo poderia dar certo para Frida se não fosse pela intervenção de Ella, com Rick, Mambo e Manco que se unem para voltar as coisas ao normal.

Não gosto deste desenho, pois achei a produção fraca até demais. Quem me chamou mais atenção foi a Frida, porque depois dela não há mais nenhum personagem interessante pra mim.

giselle

Encantada

Encantada seria apenas mais um filme se não tivesse algumas características diferentes.

A princípio eu não levava fé neste longa, porém mesclou animação e pessoas de carne osso de maneira primorosa.

amy adams -enchanted

A  princesa Giselle  é retirada de Andalasia do mundo dos contos de fadas vindo parar  no “mundo real”.

Sua mente não têm noção do que é a vida de verdade, porque as pessoas por aqui não acreditam em finais felizes.

Desiludida e perdida num lugar estranho, Nova York diga-se de passagem um dos melhores lugares do mundo para se conhecer, ela por um acaso do destino acaba indo parar na casa de Robert (Patrick Dempsey)  que vive com sua filha Morgan (Rachel Covey) a qual perdeu a mãe.

Encantada poderia ser chato, mas a presença e interpretação da belíssima atriz Amy Adams  é simplesmente tão maravilhosa que sua Giselle parece realmente saída de um conto de fadas.

Neste longa tudo me parece uma nova versão  de Branca de Neve.  Giselle é convincente e age de forma muito parecida com a heroína clássica, porque é bastante prendada  veja o momento em que cortou a cortina para fazer um lindo vestido.

E os animais a obedecem ajudando nas tarefas domésticas e um pássaro leva uma mensagem para Nancy, namorada de Robert. Isso sem falar da parte musical, pois o longa  funciona como uma autoparódia de toda a trajetória da Disney.

Como não poderia deixar de faltar o animal inteligente da vez é o esquilo Pip que em Andalasia pode falar e no mundo real é apenas um animal comum.

Quando volta para seu mundo Pip escreve um livro “O Valor do Silêncio”, sem sombras de dúvidas é um dos meus personagens preferidos e desempenha algumas das cenas mais engraçadas do filme.

Narissa é a vilã da vez que por algum acaso também é uma madrasta má que acaba se transformando num enorme dragão.

E o que eu achei impagável foi o príncipe Edward que veio para Nova York como um tradicional herói dos contos de fadas apenas para se ferrar ao longo da trama.

É estranho notar que James Marsden que fez o Cíclope de X-Men não consegue mais emplacar o sucesso de outrora, pois sempre está atuando em comédia. Pra mim está desperdiçando seu tempo e talento em papéis pequenos.

A parte boa é que todos têm um final feliz menos a bruxa má é claro, mas isso é normal num conto de fadas, não é?

A verdade é que os contos de fadas mudaram radicalmente, mas da forma como têm sido caracterizados tornaram muito proveitosa nossa aventura pelo mundo da fantasia.

Nos filmes os contos também foram adaptados veja neste site uma matéria interessante sobre isso.

4 Comentários

Arquivado em Meu Texto

Artista

Nexus

Steve Rude

É  conhecido pela sua maior criação Nexus nos início dos anos 1980. O herói foi inspirado em  Space Ghost, pois sua semelhança é incrível.

Não tive muita sorte em ler muitas HQs  de Steve Rude, porque a única de que me lembro foi Os Melhores do Mundo (The World’s Finest, no original).

Escrita por Dave Gibbons (Watchmen)  esta HQ mostra que Superman e Batman não são tão diferentes como alguns adoram apregoar, pois aqui suas similaridades são demonstradas. E  Além de como sua grande amizade foi forjada.

Na história  ambos se unem para deter um plano que envolve seus piores inimigos Lex Luthor e Coringa. Eu tive esta revista mais infelizmente não me lembro por qual motivo me desfiz dela.

Bom, Steve Rude é dono de um estilo limpo que impressiona, porque seus super-heróis não são extremamente musculosos como outros artistas adoram mostrar.

Sua arte de maneira suave nos conquista e se prestarmos bastante atenção parece realmente que temos a sensação de movimento em seu trabalho.

Confira mais do trabalho de Steve Rude aqui e aprecie também na galeria abaixo.

1 2 allan scott batman 1 Batman 2 batman 3 beauty dreamer big barda and oberon Big Barda big-barda-steve-rude Capitão Marvel Jr. Captain America cokefinal72 Crystal 1 Crystal 2 deadman DrawNexus_11 Flash Gigante Gwen Stacy 1 gwen stacy 2 Iron Man isis_thor mary jane 1 mary jane 2 mary marvel Natasha Power Girl Shazam Space Ghost Spider Woman Spider-Man 0 Spider-Man 1 Spider-Man 2 Spider-Man 3 Starman Steve Rude steve-rude steve-rude-2012 steve-rude-superman Storm Supergirl 0 Supergirl 1 Supergirl 3 Supergirl 4 Superman 0 Superman 1 OLYMPUS DIGITAL CAMERA The Phantom thor Titãs wasp Wonder Woman 2 Wonder Woman

Deixe um comentário

Arquivado em Artista

Crítica

Lucky Luke

Lucky Luke

Nas HQs  ele é o cowboy mais veloz do mundo que consegue atirar mais rápido do que até a própria sombra. Nosso herói foi criado pelo artista Morris, em 1946.

O herói teve uma série animada produzida pela Hanna-Barbera Productions, em 1983.

Lucky Luke enfrenta o crime e a injustiça não só em sua querida cidade, mas aonde quer que esteja.

Pra ajudar Lucky em suas aventuras pelo Velho Oeste temos Jolly Jumper que é simplesmente o cavalo mais esperto do mundo.

E além de Jolly ainda temos Rantanplan que para diferenciar é o cão mais estúpido do universo.

Seus inimigos são os irmãos Dalton quatro encrenqueiros que mais parecem uma versão dos irmãos Metralha da Disney por serem tão burros também.

Pra dizer a verdade quase não sei muito sobre os quadrinhos de Lucky Luke, mas cheguei a assistir algumas animações na Rede Record (Canal 13, no Brasil) alguns anos atrás. Não sou nenhum profundo conhecedor da sua mitologia, porém gostei do que vi.

E assistir as animações deste cowboy é ter uma diversão garantida sendo algo que tão cedo não dá para esquecer.

Jean Dujardin

O Filme

Jean Dujardin interpreta o papel do “homem que dispara mais rápido do que a própria sombra”: Lucky Luke.

Jean Dujardin é um ator francês mais conhecido pelo seu papel como George Valentin em The Artist pelo qual ele ganhou o Oscar de Melhor Ator, em 2012.

O que mais me chamou atenção foi a abordagem dada ao cowboy. Toda a caracterização, o vestuário,  cenário e  estética do filme é baseada no personagem das HQs, pois isto poderia ser até uma homenagem á criação de Morris, mas o passado trágico da perda dos pais acaba retirando todo aspecto cômico do filme.

Justamente isso que ficou estranho pra mim. O filme tenta mesclar western, drama e comédia tudo junto e esse caldeirão acabou tirando toda diversão que a trama poderia render.

A parte mais engraçada ficou com Jesse James (Melvin Poupaud) e Billy, The Kid (Michael Youn) que ficou parecendo mesmo uma criança com o pirulito na boca.

Adorei a Jane Calamidade (Sylvie Testud) estava numa mistura óbvia de homem/mulher querendo ser  par romântico de Lucky.

Estranho é que senti falta do cão Rantanplan, mas o cavalo Jolly Jumper mostrou ser um tremendo tagarela.

Infelizmente apesar do filme ser bom  senti que faltou um roteiro mais coerente, pois fica difícil aceitar as reviravoltas da trama tornando-a sem nexo em alguns momentos.

Pelo que pude ver este Lucky Luke, de Jean Dujardin é o que mais se assemelha com o cowboy dos gibis. Seu carisma dado ao personagem é excelente, mas o roteiro confuso e um tanto exagerado em alguns momentos acabaram estragando sua boa atuação.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Crítica

Herói

z

Namor, O Príncipe Submarino

O herói foi impresso pela antiga editora Timely Comics (atualmente Marvel Comics).

Namor é um daqueles heróis que são jogados pra escanteio pela Marvel mesmo sendo um dos mais importantes ícones da história das HQs.

Um fato curioso é que Spock (Leonard Nimoy), de Star Trek se assemelha demais com o herói aquático. Suponho que o Vulcano tenha sido criado com base no herói, pois são muito parecidos.

Namor, foi criado por Bill Everett, surgiu no gibi Motion Picture Funnies, em 1939. Namor havia surgido para promover a sequência do seriado “Império Submarino”, mas esse tal seriado não saiu do papel.

Dizem as lendas que Namor foi publicado pela primeria vez aqui no Brasil na revista Gibi Mensal, em 1940.

Antes da Segunda Guerra Mundial, o navio explorador  “Oracle” viajava próximo ´pa Antárdica e acabou detonando algumas cargas explosivas no fundo do oceano. A intenção era abrir espaço pra que a embarcação pudesse passar em segurança.

Devido as influência de Paul Destino que não valia nada, a  Oracle procurava pelos resquícios de uma civilização antiga. Sem que soubessem os tripulantes estava destruindo com seus explosivos uma enorme cidade atlante.

Então, o rei Thakorr, mandou sua filha, Fen que comandasse um grupamento até a superfície pra saber o que estava acontecendo. Só que desacatando as ordens de seu pa, Fen foi sozinha. E utilizando uma poção que lhe permitia respirar na superfície subiu no navio.

A tripulação ficou toda embasbacada com sua beleza e para investigar a situação a princesa decidiu ficar (aprendendo os costumes dos seres da superfície). Sua intenção era impedir que novas detonações destruissem seu povo, mas acabou se apaixonado por  Leonard McKenzie, o capitão do navio.

Eles se casaram e pouco tempo depois, McKenzie descobriu a cidade perdida que estava procurando. Infelizmente, Destino sedento por poder achou uma relíquia maligna, o Capacete do Poder (e acidentalmente explodindo tudo).

McKenzie retorna pro navio somente pra ser gravemente ferido nos braços de sua amada, pois fora atacado por soldados do pai dela. Todos pensavam que havia sido raptada enquanto, Fen pensou que seu marido havia morrido.

Ela decide retornar pra cidade submarina que foi reconstruída e descobre tempos depois que estava grávida. Seu filho recebeu o nome de Namor que significa “filho vingador”, na linguagem atlante.

O Príncipe Submarino tem uma força fora do comum, é anfíbio e possui asas nos pés. Sua prima Namora é muito parecida com ele, pois também é fruto de uma relação entre espécies.

Em sua juventude, Namor quase não teve contato com os seres humanos que considerava serem ruins pelas atrocidades que faziam com o oceano. Durante a Segunda Guerra Mundial, alguns combates entre navios causaram muita destruição em Atlantis.

Seu avô lhe envia para se vingar e seu ataque é em Manhattan onde luta contra o Tocha Humana original (a clássica minissérie Marvels demonstra isso com maestria).

Então a bela Betty Dean, uma agente especial do exército é enviada para capturá-lo. Namor fica encantado pela coragem dela, logo tornam-se amigos e depois amantes.

O Príncipe Submarino descobre que os nazistas são seus verdadeiros inimigos e unindo-se ao Capitão América, Tocha e outros heróis formam Os Invasores para combater a ameaça de Hitler.

Após essas aventuras da Era de Ouro, Namor ficou no ostracismo sendo trazido de volta aos holofotes novamente graças a intervenção de Stan Lee e Jack Kirby.

É que, Namor foi reintroduzido na cronologia como um vilão combatendo os odiados seres da superfície (isso ocorreu durante as aventuras do Quarteto Fantástico na década de 60).

O Senhor dos Sete Mares já se apaixonou perdidamente pela linda Sue Richards, a Mulher Invisível do Quarteto Fantástico e encontramos várias imagens deles se beijando na web.

Não sei se em alguma Terra alternativa aconteceu algo, mas no Universo 616 que é o tradicional da Marvel Comics sei que nunca rolou algo mais caliente entre os dois.

O Príncipe Submarino também participou do grupo Os Defensores, uma equipe que inicialmente reunia: O Incrível Hulk e o Dr. Estranho. Na primeira aventura, Yandroth, um cientista e inimigo do Dr. Estranho preparou um dispositivo para destruir o mundo depois que morresse (ele havia obtido esse conhecimento numa outra dimensão).

Então todo estoque de armas nucleares do nosso planeta explodiria  assim que seu coração parasse de bater. Ao ficar conhecendo seu intento maligno, o Dr. Estranho pediu ajuda ao Namor e ao Hulk para que o auxiliassem nesta missão.

Devido a união dels o plano nefasto foi desfeito e devido a isso sempre que o mundo necessitasse, Os Defensores iriam protege-lo.

Depois ingressaram no grupo a belíssima Valquíria, o Surfista Prateado, Gavião Noturno entre vários outros.

Atualmente sei apenas que participa do grupo Os Illuminati (os outros integrantes são o Doutor Estranho, Senhor Fantástico, Professor Xavier, Homem de Ferro e Raio Negro) que foram responsáveis pela expulsão do Hulk da Terra.

E quando o Grandão voltou estava verde de raiva na saga Hulk Contra o Mundo   (sei que foi um trocadilho infame mais é verdade).

Namor já foi casado com Marrina, mas também tve outros relacionamentos como: Lady Dorma, Betty Dean, Carrie Alexander, Namora entre outras.

Seus principais inimigos são: Attuma, Conde Naga, Doutor Dorcas, Princesa Llyra e Tubarão Tigre.

Quanto a série animada lembro que antigamente havia um “desenho desanimado” sobre o regente de AtlantisThor, Homem de Ferro, Capitão América e Hulk também tinham seus respectivos desenhos.

Esta série tinha a incrível forma de imagens estáticas que “parecem” ter movimento, porque foram extraídas diretamente das HQs. Havia também  várias onomatopeias tipo: Pow, Soc, Bang e Crash!

Bom, eu achava o máximo quando assistia e ainda continuo achando nostálgico só por causa do trabalho que tiveram para fazer aquilo. Claro que o orçamento usado não deve ter sido lá aquelas coisas ,mas eu duvido que hoje em dia não seja artigo de colecionador (eu gostaria de ter todos, é claro!).

Além de sua própria série animada que foi televisionada nos Estados Unidos lá nos anos 60 (e no Brasil na década de 80). Namor teve participação especial no desenho do Quarteto Fantástico em 2006.

O que eu gosto no herói é sua personalidade forte e intempestuosa. Namor geralmente é muito arrogante, mas sempre tenta proteger seus súditos dos prolbelmas causados pelos seres da superfície.

Confira na galeria abaixo algumas imagens do Namor que garimpei na web

0.1namor 1 1 2.1 2.2 2 3.1 3.2 3 4 5.1

5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15

invisible_woman

16 17 18 19 20

bruce timm 1 bruce timm 2

BT010

21 S 23 24 25 26 27 28 29 Alan Davis Alex Ross 1 Alex Ross 3 Alex Ross illuminatis michael turner  Namor vs Aquaman wallpaper

Deixe um comentário

Arquivado em Herói.

Batman: Através dos Tempos

batman & robin

Batman & Robin- A Volta do Homem-Morcego- (1949)

A segunda versão do seriado do Cruzado de Capa também foi lançada pela Columbia Pictures (mostrando 15 capítulos).

Bruce Wayne era interpretado por Robert Lowery e Dick Grayson por Johnny Duncan. Como curiosidade foi a primeira vez que vimos o Bat Sinal nos céus de Gotham City.

Na trama o Professor Hammil (William Fawcett) criou um controle remoto capaz de controlar todos os veículos da cidade. Infelizmente, o Mago, um misterioso criminoso rouba esse aparelho.

Então Batman e Robin são enviado numa missão pelo Comissário Gordon (Lyle Talbot) pra captura-lo. Além disso os heróis precisam salvar a bela Vicki Vale (Jane Adams) de vários perigos.

Infelizmente a produção foi marcada por um orçamento inferior ao serial de 1943. Pra piorar houveram diversas críticas quanto ao traje do Batman com seu capuz mal ajustado. E sobro até pro Robin que precisou usar uma calça cor-de-rosa (pra cobrir suas pernas que eram muito cabeludas).

Como se tudo isso não bastasse não havia cinto de utilidades deixando algumas situações muito ruins. Outro fato curioso foi a utiliazação de um Mercury conversível 1949 como Batmóvel.

Somente a atuação de Robert Lowery foi elogiada como Homem-Morcego, pois parecia ser mais durão.

Só pra fechar a única coisa estranha que o nome do ator que interpretou Alfred Pennyworth (Eric Wilton) não foi creditado nesta versão.

Deixe um comentário

Arquivado em Batman: Através dos Tempos