Crítica

depois-da-terra

Depois da Terra

M. Night Shyamalan é um diretor de altos e baixos bem discrepantes.  Começou com o inteligente, O Sexto Sentido, no qual Cole Sear (Haley Joel Osment) tinha o poder de enchergar os mortos. Um filme perturbador, pois seus amiguinhos faziam-no sofrer diversas vezes. Até que teve seu tratamento com Malcolm Crowe (Bruce Willis), um psicólogo infantil que havia “perdido” a esposa recentemente.

O que vemos então é de arrepiar e intrigar qualquer um, pois ao mesmo tempo que tenta ajudar o garoto Malcolm descobre sobre si mesmo. Lembro que na época fiquei estupefato com as cenas, principalmente com a revelação do final.

Depois veio Corpo Fechado, que conta a história de David Dunn (Bruce Willis) o único sobrevivente de um acidente que vai descobrindo aos poucos ser um super-herói como lemos nos gibis.

Isto foi somente graças a intervenção de Elijah Price (Samuel L. Jackson) que desde pequeno sofre com uma doença óssea degenerativa (tornando-se um grande fã de quadrinhos).

Ele descobre o segredo de David e de maneira incrível a dinâmica do filme nos conduz a uma história em quadrinhos da vida real (antes  de cogitarmos a existência da série Heroes). Corpo Fechado é uma história de amor aos gibis mostrada de uma forma surpreendente.

Só que em Sinais acabou errando a mão quando revelou que haviam alienígenas invadindo a Terra. Enquanto  manteve o suspense da presença era até assustador e prendia minha atenção, mas a falta de realidade nos efeitos especiais deixaram a desejar.

E pra piorar ainda sugeriram que o Brasil fica no México, mas também outro erro desastroso é mostra-lo na Argentina. Infelizmente os americanos não consultam um mapa da América do Sul pra descobrir onde o país fica (vamos fazer o dever de casa primeiro?).

Infelizmente nunca vi A Vila e a Dama da Água pra comentar, porém pelo que pude entender também não ficaram consagrados.

Bom, chega de enrolar e vamos ao que interessa Depois da Terra tem uma premissa até batida, pois um futuro apocalíptico da Terra já explorado diversas vezes.

Na história após 1000 anos, uma grande catástrofe aconteceu após esgotarmos todos os recursos naturais para nossa subsistência. E assim tornou nosso planeta um lugar hostil forçando os humanos a se refugiarem no planeta Nova Prime.

O General Cypher Raige (Will Smith) é um condecorado militar sendo chamado de Fantasma por simplesmente não demonstrar medo. O inimigo é uma raça animal criada por alienígenas chamada de Ursa sua função exterminar é seres humanos.Ursa ataca o ser humano ao farejar nosso medo (na verdade é bem surreal mais deixa pra lá).

Quando o GeneraL retorna ao lar depois de um longo tempo de ausência encontra seu filho Kitai Raige (Jaden Smith), um adolescente que tenta a todo custa sair da sombra de seu condecorado pai, mas acaba seguindo seus passos.

O fato de Will Smith já ter trabalhado com Jaden nos presenteou com Á Procura da Felicidade, uma história simplesmente emocionante de sobrevivência, persistência e dedicação de um pai por seu filho.

Aqui o assunto muda um pouco de contexto, pois é pura ficção científica.  Não se engane o que vemos acontece de geração pra geração (de pai pra filho).

Esqueça as imagens tecnológicas e concentre-se na verdade, porque Depois da Terra é uma metáfora sobre conflito de gerações (a autoridade paterna e de como preparar seu filho pra realidade do mundo que o cerca).

Após sua nave cair na Terra num pouso desastroso notamos que nosso planeta está totalmente alterado. Cypher precisa de cuidados médicos e manda o menino buscar ajuda pelo planeta inóspito (detalhe a Ursa está viva).

A atuação de Will Smith valoriza seu personagem sendo bem convincente balanceado entre o emocional e o militar. Infelizmente  Jaden Smith nem sempre consegue mostrar a carga dramática necessária soando falso e perdido em alguns momentos.

Mais pai e filho devem aprender a cooperar juntos para escapar da morte. Depois da Terra não é um filme  inesquecível ou espetacular, pois seu desenvolvimento fica variando entre drama, suspense e uma pretensa lição de moral.

Depois da Terra conseguiu provar que Jaden viverá por muitos anos sob a sombra de Will, pois precisará ralar muito para chegar ao seu patamar.

Servindo apenas como uma aventura fantástica e entediante num possível futuro apocalíptico que a humanidade caminha a passos largos para tornar realidade.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Crítica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s