Arquivo da categoria: Meu Texto

Meu Texto

ferrigno e bixbi

O Incrível Hulk

Desde 2003 com o Hulk, de Ang Lee que o herói incompreendido é feito em CGI. A adaptação foi bastante criticada por sua “violência” psicológica e também pela quase falta de ação.

Lembro que na época muita gente reclamou querendo que fosse feito por alguém pintado, mas depois que viram o resultado ninguém mais questionou.

hulk

Mais antes do CGI houve um tempo em que tal tecnologia nem sonhava em existir e os produtores ousaram em criar um seriado do Grandão (que durou de 1978 a 1982).

O saudoso Bill Bixby dava vida ao Doutor David Banner, um homem inteligente atormentado pela morte da esposa. Então tentando liberar uma força desconhecida que aflige ao homem em momentos para proteger pessoas queridas.

David descobre que a radiação gama poderia conferir esta força, mais ao fazer o tratamento em si mesmo  libertou uma criatura incontrolável… o Incrível Hulk.

O halterofilista Lou Ferrigno ficava todo pintado de verde (exceto pelos pés aonde usava sapatilhas verdes) e usando uma peruca verde (dãããã… azul é que não poderia ser!).

A transformação era a parte que eu ficava mais empolgado, pois era num momento de frustração. Quando geralmente bandidos davam uma surra em David (sempre com muitos socos e pontapés).

A câmera dava um close nos seus olhos que ficavam bastante abertos e mudavam pra verde. Ainda havia uma música de fundo pra nós sabermos que iria se transformar.

Camisa, calça e sapato iam se rasgando enquanto o corpo crescendo e ouvíamos gritos guturais. O ápice era quando o Hulk surgia na tela gritando e as pessoas olhavam atônitas.

Lembro que num episódio havia uma apresentação de fisiculturismo. Os participante estavam se exibindo e no meio da apresentação surgiu o Hulk . Todas as pessoas se levantaram aplaudindo-o (nunca esqueci isso).

A série tinha um formato manjadíssimo, porque geralmente David Banner viajava pelo país a procura de uma cura pra sua transformação. E sempre num trabalho novo ia ajudando as pessoas que encontrava  pelo caminho.

Mais no seu encalço havia o chato do repórter Jack McGee (Jack Colvin) que se não me engano sabia do segredo de David e queria culpar o gigante  por causa da morte de uma pessoa.

O final David estava na estrada de mochila nas costas pedindo carona (com uma música tristonha de fundo).

incredible_hulk

O filme O Incrível Hulk, de 2008 é uma homenagem direta a esta série clássica, pois  Bruce  Banner (Edward Norton) diz pra Lou Ferrigno: “você é o cara…” (não precisou falar mais nada).

Pros tempos atuais um cara pintado de verde parece ser horrível, mas foi uma série marcante pra nós que tivemos a oportunidade de assisti-la. Conseguiram transportar pra telinha o aspecto humano do personagem.

thor

A série teve três spin-offs no qual o Grandão marcou presença o primeiro foi O Retorno do Incrível Hulk, em 1988.

David após dois anos da última transformação conseguiu montar uma máquina que poderia ser a cura definitiva para seu monstro interior. Só que acaba reencontrando um cientista amigo de trabalho o Dr. Donald Blake, que  estava de férias na Escandinávia pesquisando sobre Thor, um deus nórdico.

Ao entrar numa caverna Don Blake acha Mjolnir e desperta Thor para os dias atuais (isto é  lá na década de 80 você entendeu). A premissa da origem do Loirão seguia basicamente os gibis, mas na adaptação Blake não suportava a presença de  Thor.

Para chamar o deus nórdico Blake gritava: Odin e depois de um enorme trovão surgia o Loirão. O visual do Thor (Eric Allan Kramer) não tinha nada a ver com aquele que víamos nos quadrinhos, pois parecia um viking de verdade e saradão.

A pior parte é que ambos ficavam na Terra ao mesmo tempo e não trocavam de lugar como víamos nos gibis, vai entender!

Hulk e Thor chegaram a se enfrentar neste filme, mas é algo tão podre que é melhor nem comentar (quer dizer  o filme é tão ruim que eu gostaria de esquece-lo completamente).

julgamento

Depois tivemos O Julgamento do Incrível Hulk, de 1989. David tenta impedir um assalto no metrô, porém é acusado de um crime de assassinato e para defende-lo temos  o advogado cego  Matt Murdock (Rex Smith).

Nos gibis Matt transforma-se no Demolidor certo? Até aí concordo, mas não sei por qual motivo louco os tradutores da época deram o nome de Audacioso pro herói, vai entender?

Resumindo a tosqueira David é preso, vira Hulk fugindo de seu julgamento e após acalmar-se Matt descobre seu segredo.

Para provar sua inocência precisa encontrar uma moça que estava no metrô e serve de testemunha no seu caso. O Rei do Crime estava por trás da tramoia e unindo forças com o Audacioso consegue resolver tudo.

O uniforme do Audacioso parece uma roupa ninja toda negra e temos presença de Stan Lee no tribunal (quem pensa que sua participação relâmpago começou há pouco tempo é ledo engano).

O vilão Rei do Crime foi interpretado por John Rhys-Davies mais conhecido pela participação dos filmes de Indiana Jones e também do Senhor dos Anéis.

É claro que após o sucesso do seriado do Grandão a Marvel pensou em colocar na telinha outros heróis e então surgiram estas pérolas. Infelizmente serve apenas como algo saudoso para nós fãs antigos e mesmo assim eu não pensaria em assistir novamente (sei lá posso perder meus neurônios após isto ).

morte

Só que o pior ainda estava por vir, pois o terceiro filme é a Morte do Incrível Hulk, de 1990.

Se os outros são ruins este é o que eu mais odeio, porque já tinha uma noção de como o Grandão era nos gibis.

David Banner junto com o Dr. Ronald Pratt realizavam um projeto para se livrar de vez do monstruoso alter-ego do Banner (alguém aí disse Hulk!). Jasmim era uma espiã que tentou roubar as informações que o Dr. Pratt descobriu sobre o Hulk (sua intenção era entregar pra terroristas e transformá-los em seres poderosos).

Só que nesse meio tempo Jasmim se apaixona por David e os dois começam a namorar. Pra resumir reféns dos terroristas são libertados enquando os vilões fogem de avião. David se transforma agarrando o avião que decola e um tiro atinge  o tanque de combustível (fazendo a aeronave explodir e na queda  o Hulk morre).

Sinceramente tiros não afetam em nada o Grandão e a cena da queda é muito, muito muito ruim mesmo. Foram tempos ruins e bons da mesma maneira, pois serviram de ponte para chegarmos ao que temos hoje (servem como lembrança para não fazerem as mesmas besteiras).

hulk-os-vingadores

A melhor versão do Hulk foi mostrada nos Vingadores, porque  Mark Ruffallo  atuou de forma perfeita.  Mostrando a  inteligência misturada com a personalidade frágil do pacato Robert Bruce Banner (havia uma debilidade quase irracional ao falar do Hulk).

Houveram boatos de que teríamos um seriado do Grandão, mas o projeto foi engavetado. Eu sinceramente acho melhor que fique assim, pois poderiam estragar a imagem que conseguiram definir no filme dos Vingadores.

Esse é o último post deste blog, pois estarei continuando no Além da Torre 3. Venha continuar comigo nesta entusiasmante viagem nerd.

Anúncios

11 Comentários

Arquivado em Meu Texto

Meu Texto

X-Men-Dias-de-um-Futuro-Esquecido

X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido

Este novo filme dos mutantes que trará novamente Bryan Singer para a franquia que ajudou a consolidar acabou me lembrando o gibi de onde parte da história será adaptada de forma livre..

Os X-Men surgiram nos anos 1960 como uma metáfora para o racismo, mas seu sucesso começou realmente a partir da inclusão de um certo baixinho canadense muito invocado na equipe.

Por mais que seja louvável as ideias originais que Stan Lee e a bela arte do mestre Jack Kirby. Foi justamente a partir do trabalho criativo do roteirista Chris Claremont unido a arte do meu querido John Byrne que temos algumas das melhores e inesquecíveis sagas dos heróis.

A HQ é tão importante que aproveitara para inserir parte do seu contexto em Wolverine e os X-Men (2008) a série animada também explora o futuro sombrio dos mutantes em suas histórias.

Depois que o Instituto Xavier sofreu um ataque muito poderoso Jean aparentemente sumiu e o Professor ficou em coma nos dias atuais (enquanto sua versão futura) divide um elo telepático com Logan.

Ciclope é o líder natural da equipe só que ficou de fora, pois está mentalmente abalado pela falta de sua amada. A animação é a melhor feita com os mutantes de todas até agora. Mesmo que a versão dos anos 90 seja inesquecível sem sombra de dúvidas o nível visto aqui é totalmente superior.

Misturando diversos personagens mutantes de várias fases diferentes temos até velhos conhecidos nosso como Bishop, Mística e Dominó.

A personagem Medula da versão original do gibi volta neste desenho. Lembrando que no série animada  X-Men: Evolution (2000) a diferença esta no personagem Spyke, um sobrinho da Tempestade  que tinha os mesmos poderes da Medula.

Um fato interessante é a mal resolvida história de amor que rola entre Mística (foi a única vez que ela  demonstrou não pensar apenas em si própria) e Logan envolvidos no Projeto Arma X – que deu  ao Wolvie a famosa inserção de Adamantium em seu corpo.

As histórias se dividem entre passado com Wolverine tentando deter a morte do Senador Kelly e os acontecimentos que poderão desencadear aquela catástrofe. E futuro aonde este fatídico momento já aconteceu e Charles precisa se virar para manter-se vivo (orientando Wolverine sempre que possível).

Lembro que Logan estava relutante em assumir a liderança da equipe, porém mesmo com seu temperamento explosivo consegue desempenhar muito bem a função.

Outro fato que vale a pena comentar é que Noturno e Wanda, a linda Feiticeira Escarlate, tiveram um caso de amor que não foi em frente por causa da intervenção de Magneto (cara chato!).

hq-clássica

HQ

Foi publicada pela primeira vez aqui no  Brasil em Superaventuras Marvel #45 e 46 e também X-Men Especial #2 .

Este gibi precedeu o Exterminador do Futuro e sinceramente há várias coincidências em seus conceitos (James Cameron roteirista e diretor do filme clássico nunca determinou se teve inspiração direta no gibi).

A saga marcante pra mim deixou como legado Rachel Summers, filha de Scott e Jean desta linha temporal alternativa que depois foi inserida na continuidade normal (Terra 616).

Mostrando um futuro apocalíptico onde os mutantes eram perseguidos e ficavam presos em campos de concentração. Um feito que infelizmente lembra o período mais negro da história mundial o holocausto da Segunda Guerra Mundial.

Logo no inicio vemos uma Kitty Pride envelhecida andando por uma Nova York quase irreconhecível já que estava destroçada e repleta de escombros. Ela havia combinado de se encontrar com Logan e usava um colar inibidor de poderes mutantes.

Estamos no ano de 2018 (supostamente daqui a 4 anos apenas) e há três faixas sociais: “H”  de seres humanos normais (desprovidos de genes mutantes e que podem ter filhos), “A” de humanos anormais (pessoas comuns possuidoras de genes mutantes proibidas de ter filhos) e “M” , de mutantes a faixa mais baixa da sociedade, composta por párias e marginalizados.

A humanidade voltou praticamente ao tempo das cavernas, pois Kitty viaja num vagão conduzido por cavalos e quando desce no centro de detenção após ser revista pelo sentinela. Podemos vê-la caminhando no cemitério aonde temos as lápides de vários heróis conhecidos nossos: Kurt Wagner, Scott Summers, Charles Xavier, Reed Richards, Bem Grimm, Susan Richards entre outros.

A verdade que neste futuro assustador os robôs Sentinelas caçam e chacinam os mutantes com permissão do governo.

Restam apenas poucos mutantes: Magneto (paralítico preso numa cadeira de rodas tipo Charles), Wolverine (responsável pela Resistência Canadense), Kitty (aqui conhecida como Ninfa), seu marido Colossus e Ororo. Juntos a Franklin Richards e sua namorada Rachel – compõe o núcleo da resistência Anti-Sentinela.

Eles estavam trabalhando secretamente num bloqueador para desligar os colares desinibidores que impossibilitam o uso de seus superpoderes. Então voltamos pra 1986 na sala de treinamento nos primeiros dias de Kitty como uma X-Men.

Nesta época a equipe era liderada pela Tempestade (e Anjo, Colossus, Logan, Noturno e Ninfa completavam o time). Era a primeira sessão da Kitty na sala de perigo e estava se saindo muito bem até que desmaiou de repente.

Nesse momento a consciência de sua versão futura viaja pro passado (Kitty foi escolhida, porque nesta época não havia sido treinada pra se defender de ataques psíquicos). E quando acorda conta sobre como foi parar lá.

A Irmandade de Mutantes estava planejando assassinar o Senador Robert Kelly candidato á presidência dos Estados Unidos e tal acontecimento desencadearia o registro de mutantes e fabricação em massa dos Sentinelas (Kitty fugiu deste futuro apocalíptico pra avisar seus amigos).

Enquanto Ninfa relata sua vida atordoante voltamos a 2018 quando Colossus, Wolverine, Rachel e Tempestade estão fugindo da unidade de concentração sendo perseguidos  e atacados por Sentinelas (Franklin Richards é friamente assassinado).

É quando vemos o famoso “arremesso especial” da dupla Wolvie e Colossus. Então somos conduzidos nestes acontecimentos entre passado e futuro. O corpo inerte de Kitty no futuro não sabe dos problemas que seus amigos enfrentam para poder protege-la.

No Pentágono temos Raven Darkholme, a Mística trabalhando infiltrada no escritório do secretário de defesa. Ela é a líder da Irmandade de Mutantes composta por Sina, Avalanche, Pyro e Blob (se não me engano Mística tem um caso amoroso com a Sina nesta época).

No Senado Charles e Moira McTaggert estavam num importantíssimo debate com o Senador Kelly quando os X-Men discretamente alertam o Professor sobre o que sabem, mas a Irmandade ataca quase que imediatamente.

O confronto que se inicia é rápido e catastrófico, pois em campo Ororo gostaria que Scott continuasse liderando a equipe, mas sua atuação não é ruim. Há diversos confrontos interessantes Blob x Colossus,  Pyro x Anjo e Noturno contra ele mesmo (quer dizer a Mística disfarçada é lógico).

No final quando vamos chegando ao ápice da narrativa tudo vai se intensificando de uma maneira que nos deixa preso no que lemos.  A HQ é envolvente seja no sacrifício de Wolverine, Colossus e Ororo tentando exterminar o controle dos Sentinelas ou Kitty  detendo Sina no último momento que iria matar o Senador.

E ainda deixando suspenso no ar que “talvez” aquele futuro ainda poderia acontecer. Não é a toa que esta história é considerada uma das melhores de todos os tempos dos X-Men.

x-men-days-of-future-past

Filme

Os mutantes vivem num futuro terrível aonde são caçados e exterminados pelos Sentinelas que são robôs gigantescos criados por Bolivar Trask (Peter Dinklage).

Somente poucos sobreviventes conseguem viver escondidos (senão também serão mortos). Entre estes remanescentes temos o professor Charles Xavier (Patrick Stewart), Magneto (Ian McKellen), Tempestade (Halle Berry), Kitty Pryde (Ellen Page) e Wolverine (Hugh Jackman). Juntos eles estão buscando uma forma de evitar que todos os mutantes sejam eliminados da face da Terra.

A única forma que encontraram foi enviar a consciência de Wolverine numa viagem pelo tempo até 1970. Quando irá ocupar o seu corpo daquela época tendo que procurar Xavier (James McAvoy) e Magneto (Michael Fassbender) ainda jovens para que unidos possam impedir aquela terrível realidade.

Dia de Um Futuro Esquecido irá pras telonas em 23 de maio de 2014. Quero estar lá pra assistir comentem se gostaram desta matéria.

2 Comentários

Arquivado em Meu Texto

Meu Texto

abin-sur

As Eternas Crise da DC- Parte final

Ponto de Ignição

HQ

Como não li Crise Final e estava sem nenhum interesse pra acompanhar pulo pra história seguinte.

Foi a saga responsável por recolocar a DC Comics no topo das vendas no mercado americano em 2011. A mais complicada de todas as crises, pois temos vários desdobramentos de personagens principais e secundários nesta nova realidade.

Se em alguns aspectos Ponto de Ignição ficou razoavelmente boa em outros virou um fiasco total pra mim. Estamos tão acostumados a ver o Superman inspirando heroísmo que até fiquei puto com esta versão apalermada e raquítica vista aqui.

Ponto de Ignição: Especial 1, começa com a perda trágica da família de Traci, uma adolescente que tem poderes de magia e que também sabe que esta realidade está errada (não sei quem ela é em nosso universo ou se foi criada pra edição).

Boa parte da Europa encontra-se embaixo d’água e a guerra entre amazonas e atlantes pode exterminar toda raça humana. O pior de tudo é que Traci deverá lutar contra o próprio pai para evitar a catástrofe iminente.

A HQ é dividida pela vida de três personagens Traci 13, Abin Sur sendo a única vez em que mostraram a vida particular dele e, principalmente, como uma simples mudança no contexto altera todo o rumo da  história que conhecemos.

E Hal Jordan que mesmo sem os poderes do anel energético continua agindo como herói (provando que algumas coisas não podem ser modificadas nunca). Fiquei bolado na abordagem de Jordan como um kamikaze suicida, mas não teve jeito mesmo.

A arte de Eduardo Francisco é agradável sem exageros e já comentei que não gosto desta saga.

especial-2

Em Ponto de Ignição: Especial 2, Traci se teleporta pelo mundo seja ajudando Mutano (África), libertando Circe, aprendendo a se virar com Nat Irons (Brasil), conhecendo Guy Gardner (Austrália) ou lidando com desígnios divinos com Jason Todd (Gotham) continua tentando deter o pai e convocando heróis pelo caminho (sem sucesso).

Enquanto, Lois Lane fugindo das amazonas é salva por Penny Black, uma ex-oficial da Marinha e integrante da resistência (no que sobrou da Europa).

A HQ varia com a arte fraca de Gianluca Gigliotta e a totalmente estranha de Gene Há, porém todos os roteiros são regulares.

Receitas Heroicas explora o soldado Neil Harris que virou cobaia do exercito. Num projeto comandado por Sam Lane. Mais conhecido como Espécime Zero foi tratado como um animal diversas vezes transformando num ser superpoderoso e praticamente sem emoção nenhuma (seu corpo foi enxertado com o DNA do Apocalypse).

É aqui que vemos Kal-El raquítico e franzino privado de ficar no Sol e sem a influência dos Kent. Nota-se como são parte importante na vida de Kal e o confinamento deixou sua mente confusa.

A parte estranha é que Sam Lane, que sempre detestou o kriptoniano na continuidade normal, tratava-o como filho (de forma diferente com a qual havia feito com o Espécime Zero).

A história termina com a morte de Lois e Superman assumindo sua condição de herói e infelizmente não comprei a edição final.

ponto-ignicao

A minissérie em 5 partes com arte de Andy Kubert e roteiro de Geoff Johns tratou da trama principal (e nela temos Barry Allen que morreu heroicamente salvando o universo).

O velocista voltou, mas pra mim era melhor que continuasse morto, pois não aguento mais este negócio doido de morrer e voltar (ficou entediante).

Barry Allen investiga a morte do Garoto-Elástico (uma identidade heroica antiga de Jimmy Olsen se não me engano nos anos 50). A presença do Perseguidor Implacável, um motociclista vindo de uma Terra Paralela (uma versão de Barry).

Ele veio ao nosso mundo para impedir que uma anomalia temporal destruísse tudo que existe, mas pensava que Bart, o Kid Flash fosse quem procurava. Mais na verdade o Flash Reverso (Eobard Twayne) era quem provocou tudo, pois descobriu um modo de roubar a energia da Fonte de Aceleração (local de onde vem os poderes da maioria dos velocistas da DC).

Seu ódio em destruir o Flash é tão grande que transforma a vida dele jogando-o numa realidade totalmente diferente da que conhecemos e prova disso está no fato do vilão ter assassinado a mãe do herói.

Seu desejo inconsciente de salvá-la é que provoca toda mudança na realidade que conhecemos. Então neste mundo Barry se encontra privado de seus poderes, sua mãe esta viva e Iris namora outro cara.

Pra piorar há uma guerra rolando entre Atlântida e as amazonas enquanto Bruce Wayne foi quem morreu no Beco do Crime e seu pai assumiu o manto do morcego (Martha ficou louca virando uma versão do Coringa).

Foi angustiante ver Barry tentando ter seus poderes de volta, mas parecia ser o único jeito de consertar tudo.

Toda a realidade ficou mudada  e como se não bastasse a cabeça de Barry vai ganhando informações sobre as variáveis desta realidade causando diversas dores.

Houveram diversas mudanças como o Capitão Marvel que virou Capitão Trovão sendo que seis adolescentes se transformam no herói e Cyborgue é visto como escoteiro do governo e representando o ideal heroico do Superman.

A inclusão de outros personagens me chamou a atenção como Penny Black (a heroína Britânia), Mulher-Elemental que parece ser maluca. E Frankstein e os Agentes da Sombra, os monstros da década de 50 virando combatentes na surdina, mas algo assim já havia sido feito com Hellboy.

Na época não gostei de Ponto de Ignição e continuo não gostando, mas sei que mudanças editorias sempre existiram e vão continuar acontecendo.

A renovação trouxe heróis mais uma vez renovados e o sucesso da empreitada segurou as vendas por algum tempo. Eu sabia que 52 edições nunca iriam se segurar por muito tempo são muitas equipes criativas rolando e o mercado é competitivo demais.

O saldo positivo foi o recomeço do Superman que misturou a Era de Ouro com um conceito renovado pro século XXI que culminou num aumento de suas vendas. Um Batman envolvido numa trama de arrepiar os cabelos e a Liga da Justiça também recomeçando vistos com descrédito pela população.

Vamos ver o quanto este novo universo irá durar?

liga-da-justica_ponto-de-ignicao

Animação

A grande diferença é que incluíram a LJA, pois no gibi temos apenas Barry atuando na outra realidade (sinceramente foi apenas pra chamar atenção).

Apesar da animação conseguir condensar bastante as edições só quem leu poderá entender direito o que rola na história.

Começa com o menino Barry Allen e sua mãe que lhe ensina uma lição sobre a vida. Sua morte trágica faz com que o herói deseje mudar o passado. A situação fica braba quando a galeria dos vilões ataca o museu do Flash (faltando apenas o Flautista e o Trapaceiro).

No design dos personagens tanto os heróis quanto os vilões são altos e magros ficando num  estilo de anime. Então visto assim temos várias cenas de sangue, tiros e mortes (a violência é muito grande, mas dentro do contexto).

Pra se ter uma noção Diana mata Steve Trevor e Aquaman acaba com Lex Luthor, algo impensável na continuidade normal, nem na HQ temos algo parecido (apenas sugerido).

Quando Barry troca de realidade tem a morte do Garoto-Elástico, uma das bizarras transformações de Jimmy Olsen a procura de superpoderes (acho que já comentei isto antes?).

A luta de Batman no alto do prédio contra a vilã Ioiô é muito rápida e impactante. Como no gibi Barry confronta seus conhecimentos com o que se lembra e entra na Batcaverna. Sendo massacrado por Thomas que sobreviveu ao assalto enquanto Bruce morreu.

O enredo principal se divide entre Barry restabelecer o mundo no qual conhece e também tentar acabar com a guerra entre Aquaman e Mulher Maravilha.

Atlantis e Themyscira tratavam de um acordo de relações comerciais, mas Aquaman e Diana viraram amantes. Mera viu tudo partindo pra vingança, mas Diana pra se defender matou a rainha atlante e usou sua tiara como troféu (fato que fez surgir a guerra entre as nações míticas).

Eu não sou nenhum fã da HQ, justamente por ser parecida demais com “O Que Aconteceria Se?”, da Marvel Comics (mais seu sucesso é inegável e aprecio a trama principal por causa de Barry e só).

A animação não enrola mostrando ação no momento certo e a guerra final entre atlantes e amazonas é magnifica.

Deixaram de lado, Bart Allen, que usa a identidade heroica de Kid Flash e Patty Spivott que assume o uniforme do Perseguidor Implacável, mas a falta dos personagens não influiu em nada na história toda.

Liga da Justiça: Ponto de Ignição é uma das melhores animações feitas pela DC, pois conseguiram trabalhar de uma maneira mais aceitável a saga e de uma forma que pudéssemos entender facilmente.

Espero que tenham gostado desta pequena retrospectiva de algumas crises da editora e até a próxima viagem (confira aqui o gibi anterior).

Deixe um comentário

Arquivado em Meu Texto

Meu Texto

crise infinita

As Eternas Crises da DC – Parte 6

Crise Infinita

Pra comentar sobre esta crise devemos nos lembrar de Contagem Regressiva nela soubemos que Donna Troy e Jason Todd deveriam ter ficado mortos definitivamente. Não é nenhuma novidade que os heróis morrem e voltam do túmulo como se  trocassem de roupa, pois tal acontecimento tornou-se corriqueiro.

Bom, na trama eles são  tratados  como anomalias temporais, pois com a volta do Multiverso também havia vários Monitores (cada um tomando conta de sua Terra). Os Monitores viraram um tipo de Vigia do universo DC. Eles faziam reuniões e decidiram que as anomalias deveriam ser exterminadas.

Havia algo  de errado “novamente” no universo e somente o cientista Eléktron poderia ajudar. O diminuto herói estava sumido após sua esposa ter enlouquecido e assassinado a adorável  Sue Dibny (numa das histórias mais inteligente e dinâmica que já pude ler).

O quarteto formado por Donna, Jason, Kyle Rayner e o Monitor renegado Bob viajam pelo Multiverso procurando o Pequeno Polegar (eu quis dizer Eléktron). O subtítulo era justamente “A Busca por Ray Palmer” das diversas Terras encontradas pelos viajantes me interessou uma em que Zod era o Superman e  Eléktron era uma moça muito inteligente de apenas 18 anos (acho que era isso não me recordo direito).

Eu confesso que até cheguei a comprar algumas edições, mas parei na oitava.  A  história ficou fraca e estavam enrolando demais para poder acompanhar até o final.

A parte interessante foi os Monitores se rebelarem para tentar evitar a crise que viria e como vilões tínhamos a Sociedade do Crime da Terra-3 (que também morrem e voltam no universo).

Então Crise Infinita está conectada a Crise de Identidade, pois a Trindade não confia mais um no outro. E também a Crise nas Infinitas Terras, pois foram mexer naquela colossal tragédia que merecia ter ficado no passado (pra não aporrinhar mais a paciência de ninguém).

A HQ já começa sombria com Bruce, Kal e Diana discutindo nos destroços da base na Lua.  Bruce disse para Kal-El que não inspirava ninguém desde que havia morrido (deixando o Azulão sem graça).

O assunto mais chocante foi a Mulher Maravilha assassinar  Maxwell Lord para salvar o Super de seu controle mental. O Irmão-Olho satélite que Batman construiu para catalogar todos os superseres para ter um plano de ataque contra eles (mostrou a cena para o mundo inteiro).

A conclusão é que tal fato abalou a confiança da população nos heróis e a Liga foi dissolvida.

Uma nova crise se anunciava com a Sociedade Secreta atacando de forma implacável os Combatentes da Liberdade que ao invadirem um galpão são quase todos exterminados.

O primeiro a morrer foi Condor Negro, logo depois Bomba Humana mata o Dr. Polaris, mas morre pelas mãos de Bizarro n° 1 e o Exterminador mata friamente  a Lady  Fantasma (as lutas são brutais).

E a Trindade mesmo a contragosto terá que se reunir para enfrentar os problemas que estariam por vir.

O impactante neste roteiro de Geoff Johns é explorar bem esta nova crise só que existencial da maneira como os heróis enxergam o que acontecia ao seu redor e sua impotência pro mundo.

Pena que a arte de Phil Jimenez não ajudou, pois ficou uma porcaria. O corpo de alguns heróis estava desproporcional o maior exemplo era a Poderosa (ela estava pouco feminina e musculosa ao extremo).

O enredo é sombrio, pois a Trindade não confia mais um no outro e com a Liga  dissolvida os vilões fazem o que bem entenderem. A violência absurda e a falta de esperança é a premissa desta HQ refletindo isto ao longo da narrativa.

A presença do Super-Homem e Lois Lane originais, Lex Luthor da Terra-3 e Superboy Primordial conectando Crise Infinita a clássica Crise nas Infinitas Terras.

O Super-Homem cansado de assistir os heróis deste mundo se destruírem e não seguir seu ideal de honra, coragem e lealdade (ficou frustrado pelo seu sacrifício ter sido em vão).

O Pirata Psíquico explorou os medos da Poderosa fazendo suas “memórias” perdidas voltarem. Na verdade os roteiristas haviam feito uma bagunça com a continuidade da heroína e resolveram limpar tudo na HQ “DC Apresenta n° 1 – SJA: Arquivos Confidenciais”.

Na HQ  Superman, n° 52 Ligação com Crise Infinita temos com arte de Jerry Ordway e Dan Jurgens aqui temos a origem de Kal-L, Lois Lane da Terra-2, Alexander Luthor da Terra-3 e Superboy Primordial.

Infelizmente a Lois original já estava debilitada e morrendo deixando Kal-L desesperado para salva-la (caindo na historinha mentirosa de Lex). Ele tenta recrutar Bruce na caverna mais o Morcego recusa.

Bom, Lex Luthor da Terra-3 apresentou ser o mesmo safado que não presta da nossa Terra e secretamente manipulou o Superboy Primordial num plano para criar uma Terra perfeita.

Superboy Primordial se mordia de inveja de Conner Kent, pois ele havia perdido tudo para salvar o universo. E estava confinado na seca sabe como é hormônios em ebulição (subiu pra cabeça e acabou ficando louco).

Na edição seguinte temos  Superman está é sua Vida (dividida em três partes). Na primeira parte temos Kal-L o Super-Homem original que se casa com a Lois da Terra 2 e enfrenta o nazismo na Segunda Guerra Mundial junto a Sociedade da Justiça.

Na segunda Kal-El durante a reformulação de John Byrne, sua morte na batalha contra Apocalypse e  um momento  que aconteceu em Crise de Identidade (um fato do passado exilando o Doutor Luz na Zona Fantasma).

Quando aprendemos aspectos primordiais das versões do herói. É na terceira parte que conclui com a luta  entre ambos na renascida Terra 2.  Seus socos são tão poderosos que reverberam pelo Multiverso (podemos ver diversas versões da briga entre os dois). Mais quando chega o fim não tem jeito e Lois morre de velhice ao lado do Super-Homem (tocante).

O Luthor da Terra-3 estava disfarçado de LL da nossa Terra manipulando toda a Sociedade Secreta dos Super-Vilões para que sua Terra Perfeita viesse a existir (conseguiu utilizando corpos de heróis e vilões para energizar a carcaça vazia do Anti-Monitor).

Pra piorar o cachorro louco do Superboy Primordial atacou Conner Kent numa das lutas mais bestiais que já vimos envolvendo “todos” os Titãs que já atuaram na equipe. Pra ter uma noção o Primordial é muito mais poderoso do que nosso Superman (baseado na versão da Era de Prata).

A destruição é tão grande que mesmo a Patrulha do Destino e a Sociedade da Justiça que também vieram ajudar não conseguiram deter o insano rapaz (como consequência Primordial assassinou  vários heróis).

Até que Bart, Wally e Joel Ciclone afastam Primordial daqui prendendo-o na força de aceleração (só que não deu certo). Wally parecia que iria morrer como aconteceu com Barry, mas ele e sua família sumiram sendo transportados para outro lugar.

A Mulher-Maravilha original desce  do Olimpo pra chamar atenção de Diana e dar-lhe um propósito. No qual nunca havia tido em sua vida (ser ela mesma).

Eu odiei Crise Infinita pelo fato que Primordial mesmo enfraquecido assassinou Kal-L em Mogo. É quando vemos nosso Super esculachando o guri e tentando dificuldades para derrota-lo (vociferando qual o verdeiro significado de ser um “Superman”).

Outra coisa ruim é ter que ficar lendo diversas revistas para entender o enredo principal. Você fica perdido de tantos desdobramentos de personagens que a história fica até diluída e confusa (poderia ter ficado bem melhor se não fosse olho grande em ser caça-níquel).

As capas de George Pérez estavam ótimas, mas a confusão de artista no miolo da série ficou ruim demais pela inconstância (eu preferia que somente Ivan Reis fosse o artista principal).

O único saldo positivo desta série foi termos um novo Besouro Azul Jaime Reyes (que participou do desenho Batman: Os Bravos e Destemidos).

Ao final desta saga tivemos Um Ano Depois, na qual a Trindade volta as suas atividades heroicas após este tempo. Enquanto a série 52 mostra o que esteve acontecendo nesse período.

Confira a quinta parte aqui.

Deixe um comentário

Arquivado em Meu Texto

Meu Texto

crise-de-identidade

As Eternas Crises da DC – parte 5

Crise de Identidade

Inicialmente eu iria abordar somente as crises cósmicas, mas esta abalou o universo dos heróis. Demonstrando algo num nível que nunca havia sido imaginado antes.

Tudo começou em “A Grande Crise de Identidade” em 1975. O Doutor Luz disfarçado num gigante de gelo é levado para Fortaleza da Solidão. E lá dentro acaba usando um metal chamado AMNÉSICO  extraiu as identidades secretas dos  integrantes da Liga: Lanterna Verde (Hal Jordan), Arqueiro Verde (Oliver Queen), Batman (Bruce Wayne), Eléktron (Ray Palmer), Flash (Barry Allen) e Superman (Clark Kent).

Aquaman (Arthur Curry) também participa mais o vilão achava que ele não tinha identidade secreta.  O vilão devolve as memórias trocadas enquanto Oliver pensa que é Ray Palmer. Bruce pensa ser Ollie. A Liga vence graças a astúcia de Arthur e Kal destrói o metal.

No final todos concordam em sempre contar suas identidades secretas para os membros da equipe (para não haver mais problemas).

Outra história que serviu de base foi “A Liga que Derrotou a Si Mesma” aonde a Sociedade Secreta dos Supervilões um grupo composto pelo Mago, Safira Estrela, Homem-Florônico, Professor Zoom e Arrasa-Quarteirão. Troca de lugar com a LJA: Superman, Zatanna, Mulher-Maravilha, Batman e Lanterna Verde.

O Mago utilizou um artefato fenício trocando heróis e vilões de corpos. E depois Zatanna no corpo de Safira Estrela consegue reverter o processo (na época a história poderia até ter sido legal, porém atualmente achei fraca).

No entanto é nelas que encontramos a base para Crise de Identidade, pois trata-se da Liga na famosa fase dos anos 70. Numa noite o Doutor Luz invade o Satélite da Liga pra procurar sua pistola de luz só que encontra Sue Dibny sozinha de plantão no monitor e a estupra.

Nesse meio tempo ela havia acionado o botão de emergência, mas quando Flash chega o ato já havia sido consumado. Pouco tempo depois chegam Oliver, Hal, Dinah, Zatanna e Carter derrubando-o.

Luz conheceu a fraqueza de um herói (seu ente querido) então  o Arqueiro pediu a Zatanna que fizesse o vilão esquecer do que aconteceu. A Liga se dividiu em opiniões uns a favor outros contra mais no final concordaram em lobotomizar o vilão.

Daí então Luz virou um ser patético e essa foi a primeira de várias outras, pois praticamente todos os vilões receberam o mesmo tratamento .  Sendo que até Batman havia tido suas lembranças reprimidas. O roteiro de Brad Meltzer conseguiu sintetizar a essência definitiva do Morcegão (daí então vem a explicação de porque Bruce prefere agir sozinho).

Na HQ  Liga da Justiça n° 46 (2006) com arte de Chris Batista e roteiro de Geoff Johns e Allan Heinberg. Temos “Crise  de Consciência” – parte dois  aonde o Cavaleiro das Trevas havia descoberto o que fizeram com ele, pois na hora da primeira votação sabiam que seria totalmente contra.

Todos os vilões que foram lobotomizados estavam revoltados após descobrirem a verdade.  No embate  o Gavião Negro e a Mulher-Gato estavam bastante feridos, pois era realmente uma luta de vida e vida.

O Tornado Vermelho havia sido destruído e a Liga Satélite foi a Batcaverna “pedir desculpas” ao Morcego (fato que não adiantou nada) a intenção era manter todos unidos pra saber quem deflagrou as antigas memórias dos supervilões. A raiva de Bruce era tão grande que deu um soco no rosto do Carter (imagem estampada na capa) ao final sabemos que Despero havia feito isto de propósito. Isto desencadearia  outra saga Vilões Unidos que infelizmente não acompanhei.

Voltando,  Sue Dibny foi assassinada sem qualquer evidência física ou química de quem cometeu o crime. Só pra constar o apartamento era bem protegido (com tecnologia alienígena).

Sue e Ralph Dibny são os queridinhos da Liga, pois mesmo diante das aventuras demonstravam abertamente seu carinho um pelo outro. Sue era de uma personalidade encantadora e também grande amiga da maior parte dos integrantes da Liga (e por isso era muito querida).

Então depois de sua morte todos os entes queridos são procurados e a Liga junto com toda comunidade heroica promovem uma caça de informações. Primeiro uma corrida desesperada atrás do Doutor Luz é quando vemos que há uma “Liga” dentro da própria Liga (e depois de vários vilões).

A melhor parte na HQ não é ver os medalhões principais da editora, porque a trama se concentra nos personagens de segundo escalão trabalhando-os de uma maneira inigualável.

Mais quando o Doutor Luz paga para que o Exterminador o proteja vemos uma das melhores lutas que já pude ver. Slade havia se preparado para a eventualidade derrotando cada componente da equipe de maneira eficaz e inteligente.

A história te envolve mostrando as relações interpessoais da equipe, pois se na SJA há uma preocupação constante em ser um herói. A Liga demonstra como ser um combatente pro que der e vier.

A Liga da Justiça não é só uma equipe que luta, porque se juntaram apenas pra defender a Terra (nesta história vemos que são uma família).

A HQ nasceu clássica por natureza, pois num dado momento Ollie revela a verdade pro Wally e mostra que Kal-El só escuta aquilo que deseja ouvir (uma revelação estarrecedora sobre o componente mais poderoso da equipe).

É neste contexto com reviravoltas a todos os momentos que vemos uma morte que ninguém imaginaria. Batman segue para a casa de Tim Drake, pois Jack pai do rapaz estava num embate contra o Capitão Bumerangue (no final da quinta edição vemos os corpos de ambos estendidos no chão).

Bruce se desespera por não ter condições de poder fazer absolutamente nada pra ajudar seu pupilo. Vendo novamente uma morte na qual lembra sua tragédia pessoal.

A HQ nos conduz pela trama pela similaridade dos conflitos pessoais nas relações que vemos entre os personagens são maridos, mulheres, pais e filhos (qualquer pessoa faria tudo que estivesse ao seu alcance para proteger seu familiar).

Crise de Identidade é uma trama policial de suspense que te prende com a pergunta quem se beneficia? As expressões faciais de Rags Morales demonstram toda carga dramática necessária a situação.

Eu gostei, porque tudo que eu aparentemente conhecia sobre os heróis foi jogado por terra, pois os segredos escusos poderiam abalar toda confiança nos membros da equipe (ficava apreensivo para poder ler outra edição).

O diferencial foi mostrar que todos os heróis por mais poderosos que possam ser (ou não) ainda tem fraquezas nas quais podemos encontrar em qualquer pessoa.

Ficamos sabendo que todos sem exceção não estão acima do bem e do mal, pois na verdade também são seres humanos. Lembrando que as capas são do saudoso artista Michael Turner.

Os acontecimentos vistos em Crise de Identidade desencadearam as histórias do Projeto Omac no qual Batman cria o satélite Irmão-Olho e Contagem Regressiva  culminado na Crise Infinita (o próximo post).

Relembre da quarta parte aqui.

Deixe um comentário

Arquivado em Meu Texto

Meu Texto

dc-vs-marvel-1

As Eternas Crises da DC – Parte 4

DC x Marvel: O Conflito do Século

Apesar de não ter importância alguma atualmente é uma crise de proporções cósmicas, mas que aconteceu nas duas editoras e que vou comentar aqui.

Na época (1997) fizeram muita divulgação sobre o acontecimento que concretizou o sonho da maioria dos fãs de gibis que uniu em crossover as duas maiores editoras do mercado americano.

Foi no gibi Lanterna Verde & Surfista Prateado: Alianças Profanas que tudo começou.

Nesta edição Parallax em busca de poder para mudar o passado viaja para o Universo Marvel atrás do vilão Ciborgue (ou Superman Ciborgue) que destruiu um planeta e encontra o Surfista Prateado.

Enquanto Thanos também viaja para o UDC utilizando Terrax (ex-arauto de Galactus) visando ludibriar o Lanterna Verde (Kyle Rainer)  buscando o poder de Oa para destruir o universo então enganam os respectivos heróis que entram num combate de proporções cósmicas colocando em riscos a ambos os universos.

Thanos e Parallax antagonizam por terem visões diferentes, porque enquanto Hal deseja remodelar o universo em contrapartida Thanos quer destruí-lo totalmente para agradar a Morte.

A história em si é muito fraca, mas deixa a semente para o crossover.  No final está a caixa reluzente que contém as fissuras dos universos.

A trama de Marvel x DC inicia com duas entidades cósmicas que representam uma o Universo DC e a outra o Universo Marvel que acreditavam serem universos distintos.

Ambos são gêmeos extradimensionais que já existiam antes do Big-Bang e de repente redescobrem a existência um do outro. E acabam decidindo que deveria existir apenas um deles.

Como não poderiam lutar devido sua igualdade de poderes que aniquilaria a ambos decidem de comum acordo escolher os mais poderosos guerreiros nos seus respectivos universos. Impondo a condição de que se não lutarem seus mundos iriam desaparecer.

E assim o universo que acumulasse mais derrotas deixaria de existir. As lutas até que são interessantes, pois tivemos Thor x Capitão Marvel (aonde o Capitão perdeu ao retornar para seu alter ego), Superman x Hulk(um confronto titânico no Grand Cânion), Batman x Capitão América (ambos se equivalem em astúcia e inteligência).

Lobo x Wolverine(sendo que Logan inexplicavelmente ganhou), Namor x Aquaman (Namor perdeu esmagado por uma baleia orca) , Thanos x Darkseid (não sei qual deles é pior), Flash x Mercúrio (aonde Mercúrio perdeu),  Superboy x Homem-Aranha (os dois falavam demais) e Mulher-Maravilha x Tempestade (a Guerreira Amazona abdicou da vantagem do poder de Thor para lutar e acabou perdendo).

A melhor parte é que os leitores puderam votar escolhendo o resultado final de alguns confrontos.

Chegou um ponto onde as batalhas ficaram equilibradas restando apenas uma para decidir o destino dos universos.

Na primeira HQ  o Cabeça de Teia estava perambulando por Nova York quando seu sentido de aranha começa a tilintar indo encontrar um mendigo com a caixa de papelão reluzente e some de repente. Indo  totalmente desnorteado parar em Gotham City justamente ao lado do Coringa (que tentava explodir um prédio).

E vemos o mesmo acontecer com o Fanático que lutava contra Gambit, Tempestade e Wolverine indo viajar para Metrópolis enfrentando o Superman (na fase cabeluda).

E assim tanto heróis quanto vilões vão sumindo e reaparecendo em universos diferentes. É interessante lembrar que o Hulk estava na fase que parecia um halterofilista com rabo de cavalo, inteligente e controlando sua raiva.

O Mercenário surge na Batcaverna pegando Robin (Tim Drake) como refém. Quando o Menino-Prodígio reaparece está no quarto de Jubileu e durante esta anomalia temporal eles emendaram um romance.

No comando da redação do Plante Diário temos J. Jonah Jameson que mandou Perry White embora e a inclusão de Peter Parker como novo fotógrafo do jornal. Até que Clark Kent numa matéria conclui que há mudanças na realidade como a conhecemos quando Aço enfrenta o Homem-Absorvente, em Washington.

Então vemos o Lanterna Verde x Duende Verde, Capitão América x Bane, Demolidor x Charada, Batman x  Venom, Capitão Marvel x Dr. Destino e Motoqueiro Fantasma x Etrigan.

Houveram também algumas parcerias entre Doutor Estranho com Starman (David Knight), Supergirl e Mulher-Hulk e Anjo com Gavião Negro.

Havia alguns combates menos importantes como Elektra x Mulher-Gato ou Surfista Prateado x Lnaterna Verde (Kyle Rayner), mas o que podemos notar mesmo é o discurso de todos os personagens.

Eles se questionam, porque lutar quando ambos os universos estão em perigo? Mesmo quando saem vitoriosos não gostam de terem vencido.

Sinceramente as edições não são tão interessantes atualmente. Talvez o único personagem relevante seja Axel Asher (Acesso) que de forma confusa  sempre se achou um zero a esquerda. De repente descobriu ser um guardião e ainda de dois universos que estavam em crise.

Amalgam_universe

A única coisa marcante de Marvel x DC que aconteceu num momento crucial da crise  foi quando os dois guardiões cósmicos (Tribunal Vivo da Marvel e Espectro da DC) se uniram formando algo novo. Surgindo desta forma o Universo Amálgama que consistia na união dos heróis de ambas as editoras.

Enquanto alguns foram bem estruturados outros nem vale a pena comentar , mas vamos lembrar dos melhores.

Tivemos Garra das Trevas (Batman com Wolverine) na edição com arte de Jim Balent e roteiro de Larry Hama. Aonde temos uma mistura de Arma X com a tragédia da morte dos pais de Bruce. Um passado descoberto por Carol Danvers (vulgo Caçadora). A parte boa foi ver Jubileu trajada de Robin (ou na verdade Pardal com shortinho e tudo).

Na aventura o grupo salva o presidente Clinton de ser assassinado pelo Hiena (mistura de Dentes de Sabre com Coringa) mais insano impossível. Garra das Trevas foi o melhor amálgama de todos que pude rever.

Super Soldado (Superman e Capitão América) com arte de Dave Gibbons e roteiro de Mark Waid & Dave Gibbons.  Aqui a história se desenvolve de maneira ligeiramente diferente, pois o foguete de Kal-El chegou a Terra com o bebê morto.

Alguns cientistas coletaram amostras de seu sangue e desenvolveram o soro que concedeu superforça ao soldado (utilizando radiação solar) que aparentemente lembra um misto de Steve Rogers com Kal-El já que não divulgaram seu nome.

Mais só que podemos notar que trata-se de  Kent, pois não há nenhuma menção ao seu primeiro nome.

O uniforme do Super Soldado é um misto de Steve Rogers com Superman. Onde “S” da insígnia forma o escudo do Superman (um dos melhores que vi).

A história foi documentada por Jimmy Olsen (que de forma óbvia tornou-se amigo do herói). Quando na Segunda Guerra houve o combate  contra Ultra-Metallo. Robô construído por Lex Luthor que foi destruído pelo Super Soldado. A consequência foi que o herói morreu (aparentemente é claro).

E foi descongelado pelo Vingadores da Justiça (uma mistura entre  a Liga e Os Vingadores) que não aprecem nesta HQ.

Depois de 50 anos  descobrimos que Jimmy Olsen foi sequestrado pela Hidra a mando de seu comandante Lex Luthor (que ficou parecendo o Caveira Vermelha só que verde), pois injetou um extrato de kriptonita em seu sangue.

A aventura acontece quando Lex tenta se vingar do Super Soldado com um novo Ultra-Robô energizado por Kriptonita marcha para a Casa Branca, mas seus planos são novamente frustrados. Esta edição mostra bastante do universo dos dois heróis sendo bem misturados.

Doutor Mistério (mistura de Doutor Estranho e Senhor Destino) com arte de José Luis Garcia-Lopez e argumento de Ron Marz.

Axel Asher está fugindo de um monstro no esgoto quando ia ser atacado reaparece num lugar diferente. E então vemos o surgimento do Doutor Mistério usando o elmo de Nabu, o olho de Agamoto e a Capa do Doutor Estranho. Seu mordomo-serviçal chama-se MYX (lembrando o anão dimensional Mxypltk).

Usando magia  MYX  convoca os agentes de seu mestre que são: Bruce Banner (Skulk), Frankie Rayner (Jade Nova) e a linda Wanda Zatara (Feiticeira Branca). Sua missão é capturar acesso, pois a questão é a própria existência de seu universo.

Só que o Doutor Mistério não revela sua verdadeira intenção utilizando de seus agentes como peões para concretizar seu objetivo. A Feiticeira Branca captura Acesso levando-o para seu mestre que deseja manter intacto o Universo Amálgama.

Mais aos fragmentos de ambos os universos não estavam mantidos no corpo do confuso rapaz. E ao final descobrimos que o Dr. Mistério era na verdade Charles Xavier.

Em Spider-boy (mistura de Spider-Man e Superboy) com arte de Mark Wieringo e Karl Kesel. Renomados cientistas como Peter Parker, Reed Richards e Victor Von Doom  trabalham para  Projeto Cadmus. Eles tentam recriar o soro do Super Soldado a mando do General Ross.

Só que o projeto é sabotado e seu maior mentor o cientista Peter Parker morre numa estranha e talvez criminosa explosão.  Spider-boy cresce sob os cuidados do General Ross que lhe ensina a velha máxima: “com grandes poderes…”

Esta história mistura elementos de ambos os heróis como o trabalho de Peter como fotógrafo no Clarim Diário e Tana Moon como jornalista.

E ainda vários personagens secundários como os Desafiadores do Fantástico (mistura de Quarteto Fantástico com Desafiadores do Desconhecido). Ou a presença de Hank Pym, Dr Octavius, Susan Storm (agente da Shield) e Ray Palmer trabalhando pro Cadmus.

Aqui Spider-boy enfrenta o Lagarto que esta crescendo graças ao raio acelerador de partículas de Hank Pym. E para detê-lo usa o projeto de estrela anã branca de Ray Palmer. Na narrativa vemos vários personagens do elenco das editoras e no final temos uma grata surpresa a Rainha-Inseto é Mary Jane que alia-se ao herói. Bom, se eu não estiver enganado a Rainha-Inseto é uma antiga inimiga da LJA.

A história é fraca servindo apenas para ver uma pistola que disparadora teias e MJ aparecendo belíssima no final.

A Mulher-Maravilha com arte e argumento de John Byrne. Era uma mistura de Diana com Ororo Munroe (Tempestade). O uniforme da personagem é misto das duas heroínas.

Ororo estava sendo ataca por uma tempestade provocada pelo deus Poseidon e se lembrou de seu medo de se afogar. Bom, na verdade  Ororo tem fobia de lugares fechados. Só que isto foi alterado.

Nesta história seu pai era um arqueólogo que encontrou a sala de tesouros de Poseidon e ao pegar o artefato atraiu uma maldição para sua vida. Quando o professor Malcom resolveu entregar a estátua ao mar de onde retirou.

Poseidon com toda sua fúria afundou o navio no mar matando os pais de Ororo e toda sua tripulação, mas a menina foi salva pela Rainha Hipólita.

E assim Ororo cresceu na Ilha de Themyscira onde conseguiu provar ser digna de se tornar a Mulher Maravilha e ao confrontar o deus do mar mostrou-lhe a insanidade de seu ato. A história não é maravilhosa, porém temos a arte de John Byrne que fala por si só.

O Universo Amálgama teve várias outras histórias mais que não foram tão boas assim.

A sequência de Marvel x DC eu achei bem melhor que esta primeira algo que “talvez” comentarei mais para frente. Vejam a  terceira parte aqui.

1 comentário

Arquivado em Meu Texto

Meu Texto

zero-hour

As Eternas Crises da DC –Parte 3

Zero Hora

O grande êxito da Crise foi pavimentar o caminho para uma renovação dos heróis da editora, certo?

Não, errado, porque pouco tempo depois os roteiristas tiveram que confrontar uma outra crise a extensa continuidade contra a nova. Porque se determinados super-heróis estavam se conhecendo pela primeira vez.

Não poderia parecer  que já haviam tido aventuras anteriormente e desta bagunça  a solução foi fazer mais uma catástrofe para abalar as estruturas do universo de “novo”.

Então, Zero Hora foi uma minissérie em cinco partes que começava no n°4 numa contagem regressiva. O primeiro problema demonstrando que algo não estava bem foi uma jovem Batmoça sendo questionada por um Batman perplexo, porque não estava na cadeira de rodas.

E até um jovem Robin (Dick Grayson) espreitava das sombras tudo que acontecia naquele momento. Visto que na saga o Menino-Prodígio naquele momento era Tim Drake.

Nisso ficamos sabendo que a Crise original não havia acabado totalmente. Logo anomalias constantes no fluxo temporal vinham surgindo como a aparição de múltiplos Gaviões Negros sendo uma outra prova deste problema. Aliás o Gavião Negro é um herói com diversas reinterpretações ao longo dos anos. E nesta HQ isto foi mostrado numa cena aonde haviam várias versões do personagem enfrentando Vandal Savage.

Zero Hora também marca a volta de dois dos maiores ícones da editora: Super-Homem  (na fase cabeluda após  A Morte e o Retorno) e Batman que teve sua espinha quebrada por Bane durante A Queda do Morcego.

Durante esta saga foi descoberto que Extemporâneo (que parecia ser o principal vilão). Era apenas um peão no tabuleiro, pois o pior vilão desta história era um amigo conhecido nosso.

Infelizmente, Hal Jordan o maior Lanterna Verde de todos estava por trás da Crise que acontecia no universo. Fato que detestei é claro, mas Hal estava abalado pela perda de Coast City (sua cidade protetora). Desde que o Superman Cyborgue havia destruído a mando de Mongul matando milhões de pessoas na cidade.

Bom, isto ocorreu na HQ “Crepúsculo Esmeralda” aonde  Hal ensandecido pela dor havia destruído toda a Tropa dos Lanternas Verdes matando amigos como Killowog entre vários outros e pegando todos os anéis que conseguia obter. Em Oa acaba enfrentando Sinestro liberto da bateria central pelos guardiões para detê-lo numa luta ferrenha.

Mais Hal mata a Sinestro também conseguindo um poder ilimitado. Nesta HQ temos a ascenção de Kyle Rainer como um novo Lanterna Verde que ganha seu anel de Ganthet. Isto havia sido o prelúdio para o vilão de Zero Hora.

Tempus e Os Homens Lineares desempenham um importante papel durante a saga transportando os heróis pelas épocas. Aonde ficamos conhecendo o Ponto de Fuga (base dos Homens Lineares) um local fora do fluxo do tempo.

Agindo como Parallax (Hal) tenta recriar o universo á sua maneira autoproclamando-se um deus, mas é impedido pelos heróis. A pior decisão coube a Oliver Queen que num ato de extremo desespero  lança uma de suas flechas em Hal. Matando seu eterno amigo e irmão fato que lhe causou depois um enorme pesar.

Uma coisa estranha foi o bebê que a Poderosa gerou, pois hoje em dia nada é falado sobre ele. Suponho que também seja um meta-humano, mas achei isto fora demais do contexto.

Outra coisa estranha foi saber que Guy Gardner (o nosso querido Lanterna Verde “esquentadinho”) era na verdade um descendente de uma raça alienígena do planeta Vuldar.

O qual eu nunca havia lido nada antes e que o herói podia moldar e criar  armas com seu corpo (fato sinistro até mesmo pro cabeça de cuia). Foi por esta época que Guy virou dono de bar o famoso Warrior’s e quando surgia alguma ameaça é claro que ele partia pra detonar alguém.

O saldo de Zero Hora foi ter visto todas as versões do Gavião Negro reunidas num só transformando-o num personagem renovado. Infelizmente alguns integrantes da SJA morreram durante a batalha contra Extemporâneo enquanto outros ficaram com a idade que realmente tinham.

Outro que mudou foi Eléktron depois de uma descarga cronal voltando a ser adolescente e o pior de tudo Hal morrendo como um vilão, blargh!!! A edição n° 0 tinha na contra capa uma linha temporal mostrando o UDC desde o Big-Bang até o futuro longínquo da Legião dos Super-Heróis.

Zero Hora teve ramificações nas edições de linha da editora como por exemplo em Batman n° 19 aonde o Robin (Dick Grayson) mostrando seu lado detetivesco atuando numa aventura ao lado de Tim Drake. Ou em Superboy n° 22 quando o Superboy clássico volta do século XXX e luta contra sua versão criada após a Morte do Superman.

Com o final da saga tivemos novamente um novo universo reformulado. E a DC aproveitou este momento para lançar suas HQs do zero. Quando tivemos edições do Super-Homem, Shazam!, Superboy, Batman e Batman Vigilantes de Gotham.

Fato que foi reaproveitado posteriormente após a saga Ponto de Ignição  (Flashpoint no original) aonde também encontramos mais um novo  UDC  com seus personagens recomeçando suas carreiras.

Relembre  da segunda e primeira parte aqui.

HQ: Zero Hora

Editora: Abril Jovem

Arte e Argumento: Dan Jurgens

Arte-final: Jerry Ordway

Ano: 1996.

Deixe um comentário

Arquivado em Meu Texto