Arquivo da tag: Ang Lee

Meu Texto

ferrigno e bixbi

O Incrível Hulk

Desde 2003 com o Hulk, de Ang Lee que o herói incompreendido é feito em CGI. A adaptação foi bastante criticada por sua “violência” psicológica e também pela quase falta de ação.

Lembro que na época muita gente reclamou querendo que fosse feito por alguém pintado, mas depois que viram o resultado ninguém mais questionou.

hulk

Mais antes do CGI houve um tempo em que tal tecnologia nem sonhava em existir e os produtores ousaram em criar um seriado do Grandão (que durou de 1978 a 1982).

O saudoso Bill Bixby dava vida ao Doutor David Banner, um homem inteligente atormentado pela morte da esposa. Então tentando liberar uma força desconhecida que aflige ao homem em momentos para proteger pessoas queridas.

David descobre que a radiação gama poderia conferir esta força, mais ao fazer o tratamento em si mesmo  libertou uma criatura incontrolável… o Incrível Hulk.

O halterofilista Lou Ferrigno ficava todo pintado de verde (exceto pelos pés aonde usava sapatilhas verdes) e usando uma peruca verde (dãããã… azul é que não poderia ser!).

A transformação era a parte que eu ficava mais empolgado, pois era num momento de frustração. Quando geralmente bandidos davam uma surra em David (sempre com muitos socos e pontapés).

A câmera dava um close nos seus olhos que ficavam bastante abertos e mudavam pra verde. Ainda havia uma música de fundo pra nós sabermos que iria se transformar.

Camisa, calça e sapato iam se rasgando enquanto o corpo crescendo e ouvíamos gritos guturais. O ápice era quando o Hulk surgia na tela gritando e as pessoas olhavam atônitas.

Lembro que num episódio havia uma apresentação de fisiculturismo. Os participante estavam se exibindo e no meio da apresentação surgiu o Hulk . Todas as pessoas se levantaram aplaudindo-o (nunca esqueci isso).

A série tinha um formato manjadíssimo, porque geralmente David Banner viajava pelo país a procura de uma cura pra sua transformação. E sempre num trabalho novo ia ajudando as pessoas que encontrava  pelo caminho.

Mais no seu encalço havia o chato do repórter Jack McGee (Jack Colvin) que se não me engano sabia do segredo de David e queria culpar o gigante  por causa da morte de uma pessoa.

O final David estava na estrada de mochila nas costas pedindo carona (com uma música tristonha de fundo).

incredible_hulk

O filme O Incrível Hulk, de 2008 é uma homenagem direta a esta série clássica, pois  Bruce  Banner (Edward Norton) diz pra Lou Ferrigno: “você é o cara…” (não precisou falar mais nada).

Pros tempos atuais um cara pintado de verde parece ser horrível, mas foi uma série marcante pra nós que tivemos a oportunidade de assisti-la. Conseguiram transportar pra telinha o aspecto humano do personagem.

thor

A série teve três spin-offs no qual o Grandão marcou presença o primeiro foi O Retorno do Incrível Hulk, em 1988.

David após dois anos da última transformação conseguiu montar uma máquina que poderia ser a cura definitiva para seu monstro interior. Só que acaba reencontrando um cientista amigo de trabalho o Dr. Donald Blake, que  estava de férias na Escandinávia pesquisando sobre Thor, um deus nórdico.

Ao entrar numa caverna Don Blake acha Mjolnir e desperta Thor para os dias atuais (isto é  lá na década de 80 você entendeu). A premissa da origem do Loirão seguia basicamente os gibis, mas na adaptação Blake não suportava a presença de  Thor.

Para chamar o deus nórdico Blake gritava: Odin e depois de um enorme trovão surgia o Loirão. O visual do Thor (Eric Allan Kramer) não tinha nada a ver com aquele que víamos nos quadrinhos, pois parecia um viking de verdade e saradão.

A pior parte é que ambos ficavam na Terra ao mesmo tempo e não trocavam de lugar como víamos nos gibis, vai entender!

Hulk e Thor chegaram a se enfrentar neste filme, mas é algo tão podre que é melhor nem comentar (quer dizer  o filme é tão ruim que eu gostaria de esquece-lo completamente).

julgamento

Depois tivemos O Julgamento do Incrível Hulk, de 1989. David tenta impedir um assalto no metrô, porém é acusado de um crime de assassinato e para defende-lo temos  o advogado cego  Matt Murdock (Rex Smith).

Nos gibis Matt transforma-se no Demolidor certo? Até aí concordo, mas não sei por qual motivo louco os tradutores da época deram o nome de Audacioso pro herói, vai entender?

Resumindo a tosqueira David é preso, vira Hulk fugindo de seu julgamento e após acalmar-se Matt descobre seu segredo.

Para provar sua inocência precisa encontrar uma moça que estava no metrô e serve de testemunha no seu caso. O Rei do Crime estava por trás da tramoia e unindo forças com o Audacioso consegue resolver tudo.

O uniforme do Audacioso parece uma roupa ninja toda negra e temos presença de Stan Lee no tribunal (quem pensa que sua participação relâmpago começou há pouco tempo é ledo engano).

O vilão Rei do Crime foi interpretado por John Rhys-Davies mais conhecido pela participação dos filmes de Indiana Jones e também do Senhor dos Anéis.

É claro que após o sucesso do seriado do Grandão a Marvel pensou em colocar na telinha outros heróis e então surgiram estas pérolas. Infelizmente serve apenas como algo saudoso para nós fãs antigos e mesmo assim eu não pensaria em assistir novamente (sei lá posso perder meus neurônios após isto ).

morte

Só que o pior ainda estava por vir, pois o terceiro filme é a Morte do Incrível Hulk, de 1990.

Se os outros são ruins este é o que eu mais odeio, porque já tinha uma noção de como o Grandão era nos gibis.

David Banner junto com o Dr. Ronald Pratt realizavam um projeto para se livrar de vez do monstruoso alter-ego do Banner (alguém aí disse Hulk!). Jasmim era uma espiã que tentou roubar as informações que o Dr. Pratt descobriu sobre o Hulk (sua intenção era entregar pra terroristas e transformá-los em seres poderosos).

Só que nesse meio tempo Jasmim se apaixona por David e os dois começam a namorar. Pra resumir reféns dos terroristas são libertados enquando os vilões fogem de avião. David se transforma agarrando o avião que decola e um tiro atinge  o tanque de combustível (fazendo a aeronave explodir e na queda  o Hulk morre).

Sinceramente tiros não afetam em nada o Grandão e a cena da queda é muito, muito muito ruim mesmo. Foram tempos ruins e bons da mesma maneira, pois serviram de ponte para chegarmos ao que temos hoje (servem como lembrança para não fazerem as mesmas besteiras).

hulk-os-vingadores

A melhor versão do Hulk foi mostrada nos Vingadores, porque  Mark Ruffallo  atuou de forma perfeita.  Mostrando a  inteligência misturada com a personalidade frágil do pacato Robert Bruce Banner (havia uma debilidade quase irracional ao falar do Hulk).

Houveram boatos de que teríamos um seriado do Grandão, mas o projeto foi engavetado. Eu sinceramente acho melhor que fique assim, pois poderiam estragar a imagem que conseguiram definir no filme dos Vingadores.

Esse é o último post deste blog, pois estarei continuando no Além da Torre 3. Venha continuar comigo nesta entusiasmante viagem nerd.

Anúncios

11 Comentários

Arquivado em Meu Texto

Crítica

As Aventuras de Pi

As Aventuras de Pi

Acredite no extraordinário é uma definição bastante fiel ao que vemos neste longa.

Primeiro gostaria de salientar que Ang Lee sabe muito bem contar uma história e segundo tem uma maneira ímpar e peculiar de nos conduzir para dentro desta história.

O Hulk, com Eric Bana mostrou ser uma sagaz demonstração psicológica da tragédia grega que é a vida de Bruce Banner. Sendo uma perfeita tradução das páginas de uma HQ para a telona.

E então tivemos O Tigre e o Dragão com cenas de luta de tirar o fôlego. Algumas pessoas estranharam os lutadores subirem por muros altíssimos ou praticamente poderem voar cada vez que saltavam, mas pra mim aquilo não era nenhuma novidade.

Eu já estava acostumado a ver O Templo de Shaolin, Bruce Lee (que aliás eu gosto demais) e outros filmes de artes marciais, principalmente, do Jet Li que interpretava Wong Fei-hung em mirabolantes cenas de luta.

Bom, desta vez o enredo começa na Índia um país com  belas tradições religiosas repletos de deuses tipo Shiva, Brahma, Ganesh, Mahadevi e Vishnu (alguém aí se lembrou de Shurato?), pois as principais e tradicionais divindades antigas deste país também aparecem neste antigo anime.

Acho que eu como todo mundo  ao saber de Pi (3.14) pensou na letra grega que têm um valor imenso em matemática, mas este nome significativo e inusitado é relativo a Piscine Molitor Patel uma piscina de verdade na França e isto é muito surreal.

O nome original do filme é Life of Pi e aqui no Brasil ficou como As Aventuras de Pi logo qualquer pessoa pensaria em se tratar de um longa de aventura infantil, mas na verdade não é nada disso.

Desta vez temos um Piscine adulto contando a história de sua vida para um escritor sem inspiração. E quem não gosta de ouvir uma boa história?

Somos introduzidos a vida familiar de Piscine Patel desde seu nascimento, sua ida a escola aonde ganhou o apelido chatíssimo e sua busca por Deus em diferentes tipos de religião.

Esse aspecto do personagem me pareceu uma crítica para as pessoas que acham que só a sua religião é a verdadeira.

Vendo por este prisma mostrado no filme todas são um caminho para chegarmos até Deus basta estar em paz consigo mesmo.

Vemos o aspecto emocional de Pi após o naufrágio quando fica sozinho á deriva com a zebra, uma hiena, o orangotango e um tigre de bengala. E por mais estranho que possa parecer o tigre chama-se Richard Parker.

Infelizmente é nestes animais que Pi expõe seus sentimentos enraizados quanto a sua família perdida de maneira trágica e isto soa tão profundamente dentro de nós que me surpreendeu.

A parte mais interessante em As Aventuras foi que aqueles animais não estavam ali de verdade. Eles fazem parte da imaginação de Patel, mas a forma gradual em que Pi e Richard Parker tinham que conviver perdidos em alto mar foi memorável.

A interpretação de Suraj Sharma é tão magnífica, pois tudo que vemos na tela não existe. Então podemos notar o trabalho árduo que deu em contracenar mostrando coisas que não estavam lá.

As Aventuras de Pi não é apenas um filme emocionante, pois vai além recheado com cenas belíssimas parecendo quadros de arte ou simplesmente demonstrando poesia em movimento.

São imagens que para captar por palavras não conseguiria encontrar similar que fosse digno da grandiosidade exibida na tela.  Algo que toca no âmago de nossa alma marcando-a indefinidamente para sempre.

Deixe um comentário

Arquivado em Crítica

Meu Texto

A Ascenção da Marvel

Como fã de quadrinhos tive uma boa surpresa quando em 1999 vi “Os X-Men de Brian Singer no cinema. Sem dizer que esta trajetória se inicia com Blade no qual Wesley Snipes interpreta o vampiro que anda de dia.

Bom fora isso teve o filme do Hulk, de Ang Lee (2003), que considero um filme que transpôs as páginas de uma HQ pro cinema fielmente, além de ter uma trama psicológica pesada mais que é a essência do personagem. Eu acho que é um cult igualado somente ao período de John Byrne (Caça-Hulk), nas HQs do Verdão, porém o filme não fez o sucesso considerado.

A Marvel também deu bola fora com: Capitão América (1979), O Justiceiro (1989) com o péssimo Dolph Lundgren, Geração X (1996) filme horrível,“Demolidor” de Mark Steven Johnson (2003) condensando toda a história do personagem neste único filme, pois numa tacada só Matt Murdock conheceu o amor de sua vida Elektra e a perdeu, teve dois vilões o Mercenário e o Rei do Crime (onde também teve a polêmica com personagem negro) interpretado pelo Michael Clark Duncan ótima atuação diga-se de passagem.

O mesmo erro foi cometido em “Homem Aranha 3”, de Sam Raimi (2007), tendo três vilões: Homem Areia, Venom e Harry Osborn enlouquecido. Também não posso deixar de falar de “X-Men 3”,de Brett Ratner (2006,) e sua péssima amarração de roteiro onde Wolverine é o salvador da pátria (igual nas HQs aonde ele aparece em diversos títulos mutantes) e a incrível história do Anjo que nos gibis é membro original dos X-Men, mas no filme é apenas mais um mutante, o sumiço do Noturno entre outros problemas que nem vou citar.

Ainda teve também o filme da Elektra, de Rob Bowman (2005), numa história destilada totalmente água com açúcar que não tinha nada a ver com a personagem das HQs. E sim a beleza de Jennifer Garner é digna de nota, mas além da presença de Terence Stamp (o eterno General Zod) é melhor esquecer este filme.

A lambança foi tanta nas duas franquias (Homem-Aranha e X-Men), que logo cancelaram pra dar um tempo e voltar com adaptações melhores (isso é o que eu espero).

No Quarteto Fantástico 2, de Tim Story (2007) não deu pra mim engolir que o poder do Surfista Prateado estava na prancha (ninguém merece, não é?) faltou mais ficção científica ou uma incursão pela zona negativa fato característico nas HQs do grupo.

Bom, sem sombra de dúvidas 2012 será o ano da Marvel nos cinemas com o novo longa do Aracnídeo dirigido por Marc Webb e  sendo interpretado por Andrew Garfield, mas desde Homem de Ferro 2, de Jon Favreau (2010) a Marvel alcançou um novo patamar na forma de fazer seus filmes. Como já pode ser notado eles unificaram seu universo no cinema (igual aos quadrinhos) para lançar o longa dos Vingadores, gerando grandes expectativas em todos os meios de comunicação sobre HQs, nunca vi tanto alvoroço e nos fãs em geral, sou mais um deles, é claro.

Não entendo porque a DC Comics não aprende a fazer filmes para cinema como a Marvel tem feito? É inegável para qualquer fã de quadrinhos que a Distinta Concorrente tem perdido terreno feio para a Marvel.

Quero saber qual é o mistério em se adaptar pra telona seus personagens de maneira crível? Desde 1999 temos visto a Marvel errar e acertar, mas não desistir de adaptar seus personagens para a telona.

Enquanto a DC prometeu o filme da Mulher-Maravilha que tentaram transformar em série que naufragou antes de ir ao ar.  Ficando só com o episódio piloto que a bela Adrianne Palicki aparece uniformizada.

Flash aonde Ryan Reynolds foi cogitado para ser o velocista escarlate, porém ficou como Lanterna Verde, de Martin Campbell (2011) um filme fraco demais.

Talvez haja o filme do Flash para 2013 vamos esperar, Capitão Marvel foram apenas boatos parece que o projeto foi engavetado, Liga da Justiça também é outro projeto que não deu em nada, sinceramente, se não botar um roteiro enxuto e um diretor competente é melhor não adaptar, continua fazendo animações para DVD que é mais lucro. Há especulações para uma produção em 2013. Li na internet se é verdade só o tempo vai dizer.

A DC também deu bola fora com: Liga da Justiça (1997) melhor nem comentar, Mulher-Gato (2004) sofrível, Hellblazer, de Francis Laurence  (2005) aonde Keanu Reeves interpreta John Constantine não tendo nada a ver com o personagem.

Superman: O Retorno, de Brian Singer (2006), o maior erro pra mim foi aquele filho isso não dá pra negar, a falta de cenas de ação e um roteiro mais consistente ajudaram a derrubar o filme (algo que poderia ter sido resolvido numa continuação, mas não deu).

Só o tempo vai dizer se esta nova adaptação Superman: O Homem de Aço vai vingar. Sinceramente estou receoso e preocupado, pois a DC lança seus longas para cinema mais seus personagens parecem existir sozinhos. Não há nada que indique a existência de outros heróis. Como eu já disse  antes a Marvel mostrou o caminho basta apenas segui-lo.

Deixe um comentário

Arquivado em Meu Texto