Arquivo da tag: aquaman

Meu Texto

abin-sur

As Eternas Crise da DC- Parte final

Ponto de Ignição

HQ

Como não li Crise Final e estava sem nenhum interesse pra acompanhar pulo pra história seguinte.

Foi a saga responsável por recolocar a DC Comics no topo das vendas no mercado americano em 2011. A mais complicada de todas as crises, pois temos vários desdobramentos de personagens principais e secundários nesta nova realidade.

Se em alguns aspectos Ponto de Ignição ficou razoavelmente boa em outros virou um fiasco total pra mim. Estamos tão acostumados a ver o Superman inspirando heroísmo que até fiquei puto com esta versão apalermada e raquítica vista aqui.

Ponto de Ignição: Especial 1, começa com a perda trágica da família de Traci, uma adolescente que tem poderes de magia e que também sabe que esta realidade está errada (não sei quem ela é em nosso universo ou se foi criada pra edição).

Boa parte da Europa encontra-se embaixo d’água e a guerra entre amazonas e atlantes pode exterminar toda raça humana. O pior de tudo é que Traci deverá lutar contra o próprio pai para evitar a catástrofe iminente.

A HQ é dividida pela vida de três personagens Traci 13, Abin Sur sendo a única vez em que mostraram a vida particular dele e, principalmente, como uma simples mudança no contexto altera todo o rumo da  história que conhecemos.

E Hal Jordan que mesmo sem os poderes do anel energético continua agindo como herói (provando que algumas coisas não podem ser modificadas nunca). Fiquei bolado na abordagem de Jordan como um kamikaze suicida, mas não teve jeito mesmo.

A arte de Eduardo Francisco é agradável sem exageros e já comentei que não gosto desta saga.

especial-2

Em Ponto de Ignição: Especial 2, Traci se teleporta pelo mundo seja ajudando Mutano (África), libertando Circe, aprendendo a se virar com Nat Irons (Brasil), conhecendo Guy Gardner (Austrália) ou lidando com desígnios divinos com Jason Todd (Gotham) continua tentando deter o pai e convocando heróis pelo caminho (sem sucesso).

Enquanto, Lois Lane fugindo das amazonas é salva por Penny Black, uma ex-oficial da Marinha e integrante da resistência (no que sobrou da Europa).

A HQ varia com a arte fraca de Gianluca Gigliotta e a totalmente estranha de Gene Há, porém todos os roteiros são regulares.

Receitas Heroicas explora o soldado Neil Harris que virou cobaia do exercito. Num projeto comandado por Sam Lane. Mais conhecido como Espécime Zero foi tratado como um animal diversas vezes transformando num ser superpoderoso e praticamente sem emoção nenhuma (seu corpo foi enxertado com o DNA do Apocalypse).

É aqui que vemos Kal-El raquítico e franzino privado de ficar no Sol e sem a influência dos Kent. Nota-se como são parte importante na vida de Kal e o confinamento deixou sua mente confusa.

A parte estranha é que Sam Lane, que sempre detestou o kriptoniano na continuidade normal, tratava-o como filho (de forma diferente com a qual havia feito com o Espécime Zero).

A história termina com a morte de Lois e Superman assumindo sua condição de herói e infelizmente não comprei a edição final.

ponto-ignicao

A minissérie em 5 partes com arte de Andy Kubert e roteiro de Geoff Johns tratou da trama principal (e nela temos Barry Allen que morreu heroicamente salvando o universo).

O velocista voltou, mas pra mim era melhor que continuasse morto, pois não aguento mais este negócio doido de morrer e voltar (ficou entediante).

Barry Allen investiga a morte do Garoto-Elástico (uma identidade heroica antiga de Jimmy Olsen se não me engano nos anos 50). A presença do Perseguidor Implacável, um motociclista vindo de uma Terra Paralela (uma versão de Barry).

Ele veio ao nosso mundo para impedir que uma anomalia temporal destruísse tudo que existe, mas pensava que Bart, o Kid Flash fosse quem procurava. Mais na verdade o Flash Reverso (Eobard Twayne) era quem provocou tudo, pois descobriu um modo de roubar a energia da Fonte de Aceleração (local de onde vem os poderes da maioria dos velocistas da DC).

Seu ódio em destruir o Flash é tão grande que transforma a vida dele jogando-o numa realidade totalmente diferente da que conhecemos e prova disso está no fato do vilão ter assassinado a mãe do herói.

Seu desejo inconsciente de salvá-la é que provoca toda mudança na realidade que conhecemos. Então neste mundo Barry se encontra privado de seus poderes, sua mãe esta viva e Iris namora outro cara.

Pra piorar há uma guerra rolando entre Atlântida e as amazonas enquanto Bruce Wayne foi quem morreu no Beco do Crime e seu pai assumiu o manto do morcego (Martha ficou louca virando uma versão do Coringa).

Foi angustiante ver Barry tentando ter seus poderes de volta, mas parecia ser o único jeito de consertar tudo.

Toda a realidade ficou mudada  e como se não bastasse a cabeça de Barry vai ganhando informações sobre as variáveis desta realidade causando diversas dores.

Houveram diversas mudanças como o Capitão Marvel que virou Capitão Trovão sendo que seis adolescentes se transformam no herói e Cyborgue é visto como escoteiro do governo e representando o ideal heroico do Superman.

A inclusão de outros personagens me chamou a atenção como Penny Black (a heroína Britânia), Mulher-Elemental que parece ser maluca. E Frankstein e os Agentes da Sombra, os monstros da década de 50 virando combatentes na surdina, mas algo assim já havia sido feito com Hellboy.

Na época não gostei de Ponto de Ignição e continuo não gostando, mas sei que mudanças editorias sempre existiram e vão continuar acontecendo.

A renovação trouxe heróis mais uma vez renovados e o sucesso da empreitada segurou as vendas por algum tempo. Eu sabia que 52 edições nunca iriam se segurar por muito tempo são muitas equipes criativas rolando e o mercado é competitivo demais.

O saldo positivo foi o recomeço do Superman que misturou a Era de Ouro com um conceito renovado pro século XXI que culminou num aumento de suas vendas. Um Batman envolvido numa trama de arrepiar os cabelos e a Liga da Justiça também recomeçando vistos com descrédito pela população.

Vamos ver o quanto este novo universo irá durar?

liga-da-justica_ponto-de-ignicao

Animação

A grande diferença é que incluíram a LJA, pois no gibi temos apenas Barry atuando na outra realidade (sinceramente foi apenas pra chamar atenção).

Apesar da animação conseguir condensar bastante as edições só quem leu poderá entender direito o que rola na história.

Começa com o menino Barry Allen e sua mãe que lhe ensina uma lição sobre a vida. Sua morte trágica faz com que o herói deseje mudar o passado. A situação fica braba quando a galeria dos vilões ataca o museu do Flash (faltando apenas o Flautista e o Trapaceiro).

No design dos personagens tanto os heróis quanto os vilões são altos e magros ficando num  estilo de anime. Então visto assim temos várias cenas de sangue, tiros e mortes (a violência é muito grande, mas dentro do contexto).

Pra se ter uma noção Diana mata Steve Trevor e Aquaman acaba com Lex Luthor, algo impensável na continuidade normal, nem na HQ temos algo parecido (apenas sugerido).

Quando Barry troca de realidade tem a morte do Garoto-Elástico, uma das bizarras transformações de Jimmy Olsen a procura de superpoderes (acho que já comentei isto antes?).

A luta de Batman no alto do prédio contra a vilã Ioiô é muito rápida e impactante. Como no gibi Barry confronta seus conhecimentos com o que se lembra e entra na Batcaverna. Sendo massacrado por Thomas que sobreviveu ao assalto enquanto Bruce morreu.

O enredo principal se divide entre Barry restabelecer o mundo no qual conhece e também tentar acabar com a guerra entre Aquaman e Mulher Maravilha.

Atlantis e Themyscira tratavam de um acordo de relações comerciais, mas Aquaman e Diana viraram amantes. Mera viu tudo partindo pra vingança, mas Diana pra se defender matou a rainha atlante e usou sua tiara como troféu (fato que fez surgir a guerra entre as nações míticas).

Eu não sou nenhum fã da HQ, justamente por ser parecida demais com “O Que Aconteceria Se?”, da Marvel Comics (mais seu sucesso é inegável e aprecio a trama principal por causa de Barry e só).

A animação não enrola mostrando ação no momento certo e a guerra final entre atlantes e amazonas é magnifica.

Deixaram de lado, Bart Allen, que usa a identidade heroica de Kid Flash e Patty Spivott que assume o uniforme do Perseguidor Implacável, mas a falta dos personagens não influiu em nada na história toda.

Liga da Justiça: Ponto de Ignição é uma das melhores animações feitas pela DC, pois conseguiram trabalhar de uma maneira mais aceitável a saga e de uma forma que pudéssemos entender facilmente.

Espero que tenham gostado desta pequena retrospectiva de algumas crises da editora e até a próxima viagem (confira aqui o gibi anterior).

Deixe um comentário

Arquivado em Meu Texto

Meu Texto

crise-de-identidade

As Eternas Crises da DC – parte 5

Crise de Identidade

Inicialmente eu iria abordar somente as crises cósmicas, mas esta abalou o universo dos heróis. Demonstrando algo num nível que nunca havia sido imaginado antes.

Tudo começou em “A Grande Crise de Identidade” em 1975. O Doutor Luz disfarçado num gigante de gelo é levado para Fortaleza da Solidão. E lá dentro acaba usando um metal chamado AMNÉSICO  extraiu as identidades secretas dos  integrantes da Liga: Lanterna Verde (Hal Jordan), Arqueiro Verde (Oliver Queen), Batman (Bruce Wayne), Eléktron (Ray Palmer), Flash (Barry Allen) e Superman (Clark Kent).

Aquaman (Arthur Curry) também participa mais o vilão achava que ele não tinha identidade secreta.  O vilão devolve as memórias trocadas enquanto Oliver pensa que é Ray Palmer. Bruce pensa ser Ollie. A Liga vence graças a astúcia de Arthur e Kal destrói o metal.

No final todos concordam em sempre contar suas identidades secretas para os membros da equipe (para não haver mais problemas).

Outra história que serviu de base foi “A Liga que Derrotou a Si Mesma” aonde a Sociedade Secreta dos Supervilões um grupo composto pelo Mago, Safira Estrela, Homem-Florônico, Professor Zoom e Arrasa-Quarteirão. Troca de lugar com a LJA: Superman, Zatanna, Mulher-Maravilha, Batman e Lanterna Verde.

O Mago utilizou um artefato fenício trocando heróis e vilões de corpos. E depois Zatanna no corpo de Safira Estrela consegue reverter o processo (na época a história poderia até ter sido legal, porém atualmente achei fraca).

No entanto é nelas que encontramos a base para Crise de Identidade, pois trata-se da Liga na famosa fase dos anos 70. Numa noite o Doutor Luz invade o Satélite da Liga pra procurar sua pistola de luz só que encontra Sue Dibny sozinha de plantão no monitor e a estupra.

Nesse meio tempo ela havia acionado o botão de emergência, mas quando Flash chega o ato já havia sido consumado. Pouco tempo depois chegam Oliver, Hal, Dinah, Zatanna e Carter derrubando-o.

Luz conheceu a fraqueza de um herói (seu ente querido) então  o Arqueiro pediu a Zatanna que fizesse o vilão esquecer do que aconteceu. A Liga se dividiu em opiniões uns a favor outros contra mais no final concordaram em lobotomizar o vilão.

Daí então Luz virou um ser patético e essa foi a primeira de várias outras, pois praticamente todos os vilões receberam o mesmo tratamento .  Sendo que até Batman havia tido suas lembranças reprimidas. O roteiro de Brad Meltzer conseguiu sintetizar a essência definitiva do Morcegão (daí então vem a explicação de porque Bruce prefere agir sozinho).

Na HQ  Liga da Justiça n° 46 (2006) com arte de Chris Batista e roteiro de Geoff Johns e Allan Heinberg. Temos “Crise  de Consciência” – parte dois  aonde o Cavaleiro das Trevas havia descoberto o que fizeram com ele, pois na hora da primeira votação sabiam que seria totalmente contra.

Todos os vilões que foram lobotomizados estavam revoltados após descobrirem a verdade.  No embate  o Gavião Negro e a Mulher-Gato estavam bastante feridos, pois era realmente uma luta de vida e vida.

O Tornado Vermelho havia sido destruído e a Liga Satélite foi a Batcaverna “pedir desculpas” ao Morcego (fato que não adiantou nada) a intenção era manter todos unidos pra saber quem deflagrou as antigas memórias dos supervilões. A raiva de Bruce era tão grande que deu um soco no rosto do Carter (imagem estampada na capa) ao final sabemos que Despero havia feito isto de propósito. Isto desencadearia  outra saga Vilões Unidos que infelizmente não acompanhei.

Voltando,  Sue Dibny foi assassinada sem qualquer evidência física ou química de quem cometeu o crime. Só pra constar o apartamento era bem protegido (com tecnologia alienígena).

Sue e Ralph Dibny são os queridinhos da Liga, pois mesmo diante das aventuras demonstravam abertamente seu carinho um pelo outro. Sue era de uma personalidade encantadora e também grande amiga da maior parte dos integrantes da Liga (e por isso era muito querida).

Então depois de sua morte todos os entes queridos são procurados e a Liga junto com toda comunidade heroica promovem uma caça de informações. Primeiro uma corrida desesperada atrás do Doutor Luz é quando vemos que há uma “Liga” dentro da própria Liga (e depois de vários vilões).

A melhor parte na HQ não é ver os medalhões principais da editora, porque a trama se concentra nos personagens de segundo escalão trabalhando-os de uma maneira inigualável.

Mais quando o Doutor Luz paga para que o Exterminador o proteja vemos uma das melhores lutas que já pude ver. Slade havia se preparado para a eventualidade derrotando cada componente da equipe de maneira eficaz e inteligente.

A história te envolve mostrando as relações interpessoais da equipe, pois se na SJA há uma preocupação constante em ser um herói. A Liga demonstra como ser um combatente pro que der e vier.

A Liga da Justiça não é só uma equipe que luta, porque se juntaram apenas pra defender a Terra (nesta história vemos que são uma família).

A HQ nasceu clássica por natureza, pois num dado momento Ollie revela a verdade pro Wally e mostra que Kal-El só escuta aquilo que deseja ouvir (uma revelação estarrecedora sobre o componente mais poderoso da equipe).

É neste contexto com reviravoltas a todos os momentos que vemos uma morte que ninguém imaginaria. Batman segue para a casa de Tim Drake, pois Jack pai do rapaz estava num embate contra o Capitão Bumerangue (no final da quinta edição vemos os corpos de ambos estendidos no chão).

Bruce se desespera por não ter condições de poder fazer absolutamente nada pra ajudar seu pupilo. Vendo novamente uma morte na qual lembra sua tragédia pessoal.

A HQ nos conduz pela trama pela similaridade dos conflitos pessoais nas relações que vemos entre os personagens são maridos, mulheres, pais e filhos (qualquer pessoa faria tudo que estivesse ao seu alcance para proteger seu familiar).

Crise de Identidade é uma trama policial de suspense que te prende com a pergunta quem se beneficia? As expressões faciais de Rags Morales demonstram toda carga dramática necessária a situação.

Eu gostei, porque tudo que eu aparentemente conhecia sobre os heróis foi jogado por terra, pois os segredos escusos poderiam abalar toda confiança nos membros da equipe (ficava apreensivo para poder ler outra edição).

O diferencial foi mostrar que todos os heróis por mais poderosos que possam ser (ou não) ainda tem fraquezas nas quais podemos encontrar em qualquer pessoa.

Ficamos sabendo que todos sem exceção não estão acima do bem e do mal, pois na verdade também são seres humanos. Lembrando que as capas são do saudoso artista Michael Turner.

Os acontecimentos vistos em Crise de Identidade desencadearam as histórias do Projeto Omac no qual Batman cria o satélite Irmão-Olho e Contagem Regressiva  culminado na Crise Infinita (o próximo post).

Relembre da quarta parte aqui.

Deixe um comentário

Arquivado em Meu Texto

Batman: Através dos Tempos

images

Super Amigos (ABC-TV/Hanna-Barbera, 1973)

“Enquanto isso na Sala de Justiça…”

Super Amigos  a serie estreou em 8 de setembro de 1973 contando com o design do lendário Alex Toth e reunindo Batman, Robin, Super-Homem, Mulher-Maravilha e Aquaman. Os heróis eram auxiliados por dois adolescentes aspirantes a heróis, Marvin e Wendy (sobrinha de Bruce Wayne), além da mascote, Cão Maravilha.

Os três não tinham superpoderes  e o que geralmente acontecia era que os heróis entravam em ação para salva-los de alguma encrenca.

Os heróis de plantão em frente ao monitor gigante da Sala de Justiça recebiam algum comunicado de socorro ao redor do mundo e seguiam para combater o mal.

Além de mudar o nome de Liga da Justiça tornado-se Super Amigos (Super Friends no original) a adaptação sofreu algumas restrições em relação as HQs retirando a maior parte da violência que normalmente se vê, pois o produto era destinado ao público infantil.

Mais pra mim esta primeira versão não era muito interessante, porque a segunda versão ficou bem melhor contando com a entrada dos Super Gêmeos personagens criados diretamente para a série televisiva.

Zan e Jayna são dois irmãos alienígenas com superpoderes, pois enquanto Zan podia se transformar em qualquer coisa ligada á água em contra partida sua irmã Jayna transformava-se em qualquer tipo de animal.

Eles juntavam suas mãos dizendo: “super gêmeos ativar!” Confesso que brinquei várias vezes com minha irmã falando isso (nostalgia pura).

Fora a dupla ainda tínhamos o macaco espacial de estimação Gleek que sempre aprontava, mas em alguns episódios ajudou bastante quando precisava.

Além dos irmãos tivemos outros personagens que foram criados exclusivamente para representar outras comunidades americanas: Vulcão Negro, um afro-americano com poderes elétricos(inspirado no herói dos quadrinhos Raio Negro) ; Samurai, um asiático que comandava tufões e Chefe Apache, um indígena que podia aumentar seu tamanho.

Em Liga da Justiça Sem Limites  houve uma nova versão deste heróis só que mudaram o nome para Ultimen, mas notamos que são baseados nos clássicos Super Amigos. No episódio “Ultimato”, a equipe  os Ultimen foi criada pelo Projeto Cadmus para eles poderem ter poder de fogo contra a Liga da Justiça.

Inicialmente estes novos heróis acabaram chamando a atenção da população vendendo milhares de action figures tornando-os muito populares.

Depois ficamos sabendo que suas memórias são falsas (implantadas) e que os heróis devido a uma falha genética acabaram descobrindo que iriam morrer.

Num outro episódio dezenas de clones  dos Ultimen são enviados para destruir a Torre da Liga comandados pela Poderosa (que foi chamada de Galatea na animação) que dá uma surra enorme na Supergirl, mas acaba sendo derrotada.

Bom, uma coisa que não dava pra mim aceitar na época dos Super Amigos era quando os heróis eram presos e derrotados.

Tipo Superman pode ficar fraco quando está diante á kriptonita  e a Mulher Maravilha também perde seus poderes quando está envolvida com seu próprio Laço Mágico, mas o Batman ficar inutilizado sem seu Cinto de Utilidades pra mim era inadmissível.

Bastava usar a arma mais importante que ele tinha o cérebro, mas as coisas não eram feitas assim na animação. Fato que foi mudado em Liga da Justiça (ainda bem).

Super Amigos durou até 1985 quando chegou ao ar sua última temporada e desta vez inserindo dois novos personagens. Um era o Cyborgue dos Novos Titãs, pois a equipe estava numa ótima fase neste período.

E o outro foi Tempestade (que foi chamado de Relâmpago por aqui) lembro que esta versão era mais parecida com os quadrinhos e um fato curioso era que o vilão Darkseid vivia perseguindo a Mulher-Maravilha para torná-la sua esposa.

A série animada também ficou marcada pelo lançamento das action figures de Super Powers da Kenner Toys, em 1980.  A parte interessante desta coleção era que os bonecos se mexiam quando alguma parte de seu corpo era pressionada.

E também ficou marcada em minha memória por ter uma versão da morte do Super-Homem (fato até então inédito pra mim). Um herói morrer era algo que eu não cogitaria de jeito nenhum que poderia acontecer, mas depois ao longo dos anos fui aprendendo sobre este fatídico acontecimento.

Batman como a maioria dos heróis da animação dos Super Amigos eram trabalhados de uma maneira bem diferente da que estamos acostumados a ver atualmente. Basta apenas comparar com a versão de Bruce Timm pra notarmos que  a diferença de qualidade é enorme.

Mais era o que as crianças assistiam na época,  no entanto podemos notar que muitos adultos ficam nostálgicos quando o assunto é Super Amigos (é o caso deste humilde escritor).

Deixe um comentário

Arquivado em Batman: Através dos Tempos

Superman: Através dos Tempos

Liga da Justiça e Liga da Justiça Sem Limites (2001 a 2006)

O excelente desenho  serviu pra atualizar o icônico Super Amigos, que marcou as gerações de crianças dos anos 70 aos 80.

Depois de realizar com sucesso as séries do Batman, Superman e Batman do Futuro chegou a vez da Liga da Justiça, a equipe mais famosa dos gibis ser renovada pro DC Animated Universe.

Nesta formação temos: Superman (Kal- El), Batman (Bruce Wayne), Lanterna Verde (John Stewart), Caçador de Marte (J’onn J’onzz), Mulher-Maravilha (Diana Prince), Mulher-Gavião (Shayera Hol) e Flash (Wally West).

O Superman é o líder da equipe, mas Batman age como segundo em comando liderando as ações de campo. O Caçador de Marte geralmente fica na Torre de Vigilância administrando as ações do grupo  e dividindo quem irá pra qual missão.

Esta adaptação deixou os roteiros infantilizados que havia na versão dos Super Amigos e priorizou nos relacionamentos que havia entre os integrantes principais da equipe.

A parte interessante é que cada um deles teve uma personalidade bastante definida. O Caçador de Marte serviu como canalizador pra que a Liga fosse forjada convocando mentalmente cada um deles pra se unirem e derrotar uma grande ameaça pra toda humanidade.

Tanto o Superman quanto o Batman estavam acostumados a agirem sozinhos e também atuarem em conjunto quando fosse necessário, pois eles já se conheciam devido a série do Azulão, de 1996. A Mulher-Maravilha estava recém saída de Themyscira (ou Ilha Paraíso) e rompeu com sua mãe para vir ao mundo do patriarcado.

A Mulher-Gavião é uma exímia guerreira feroz e espiã que estava infiltrada na Terra para saber tudo sobre os seres humanos (algo que só foi descoberto no final da primeira temporada). Ela formou um casal com John Stewart, o Lanterna Verde que foi escolhido pra atuar no lugar de Hal.

E o Flash foi mostrado como um mulherengo, muito paquerador que tinha sorte com as mulheres e também servia como alívio cômico no desenho. Essa foi a parte que ficou melhor no desenho, porque há relacionamentos amorosos acontecendo entre os heróis.

O Flash ganha um beijo da Giganta, Batman e Diana vivem uma relação de curta duração, John e Shayera também, mas depois terminam e John fica com a Mari (numa situação confusa e meio conflituosa por seu coração estar dividido).

A Canário Negro e o Arqueiro Verde mantem uma relação cheia de altos e baixos, até o Questão dá sorte de ficar com a bela Caçadora e por mais incrível que possa parecer até o Caçador de Marte encontra uma cara metade.

É claro que Liga da Justiça é recheado de cenas antológicas como a Supergirl e a Poderosa lutando, a Mulher-Maravilha descendo a porrada no Mongul ou o Flash retirando a armadura de Lex/Brainiac em supervelocidade ao redor do mundo.

Na parte de Sem Limites após a Liga vencer a invasão thanagariana a equipe decidiu recrutar novos aliados.

Eles vieram de diferentes períodos das edições nos gibis, pois temos: Canário Negro e de Aquaman (fundadores da equipe após Crise nas Infinitas Terras).

Alguns dos personagens que integraram a Liga da Justiça Internacional como o Gladiador Dourado, a heroína brasileira Fogo e o Soviete Supremo, sem mencionar os membros das diferentes formações da Sociedade da Justiça da América, desde o veterano Pantera até o contemporâneo Senhor Incrível e a adolescente Sideral.

E o governo americano vendo tanta ostentação de poder na Torre de Vigilância e com medo do que havia acontecido com os Lordes do Caos financiou secretamente Amanda Waller a criar uma forma que a humanidade se defendesse caso a Liga viesse a agir da mesma maneira.

Então ao mesmo tempo que a Liga precisava salvar o mundo e o universo das mais diversas ameaças ainda tinham que provar para o público que eles estavam lá pra nos proteger.

Aliás esta teoria da conspiração demonstrada no desenho é algo que até se encontra no mundo real, mas é preciso se ater aos fatos para que não vire algo muito fantasioso ou depreciativo.

No entanto nada é mais impactante do que ver o Superman realmente mostrando toda extensão de seu poder desferindo socos poderosos na  luta contra Darkseid (quando o vilão invade nosso planeta).

E pra nos deixar mais maravilhados Kal fica dizendo frases cheias de ironia e voando a fim de humilhar ainda mais o Senhor de Apokolips.

Na minha opinião Liga da Justiça é a melhor série animada feita com os heróis da DC e vale a pena reassistir toda vez que der vontade.

2 Comentários

Arquivado em Superman: Através dos Tempos

Superman: Através dos Tempos

Smallville: As Aventuras do Superboy – Tom Welling – (2001 a 2011)

Confesso que no início eu nem ligava muito pra série, mas um colega de trabalho me alertou pra Smallville e quando assisti fiquei viciado naquele formato de Clark usar os poderes e ao mesmo tempo ter que esconde-los ( pra mim isto era incrível).

Então quando me acostumei eu ficava empolgado já com a música-tema, Save Me, da banda francesa Remy Zero que tocou em todas as temporadas.

O grande trunfo desta série é que pegaram parte dos elementos originais do mito e deram uma modernizada no conteúdo como se tudo acontecesse no século XXI.

Engana-se quem nunca parou para ver, porque perdeu a oportunidade de assistir a melhor renovação feita sobre o mito até aquele momento.

Todo nós sabemos quem é Superman, mas pouca vezes nos gibis sua vida em Smallville foi tão bem esmiuçada. Na série temos a  vida de Clark Kent (Tom Welling), um típico adolescente do Kansas sendo contada (com a exceção dos superpoderes, é claro!).

Dizem as lendas que a intenção era fazer um programa sobre a adolescência de Bruce Wayne antes de tornar-se o Homem-Morcego, mas o projeto foi cancelado por causa de que havia algo semelhante pro herói na telona.

Os roteiristas Alfred Gough e Milles Millar desenvolveram as aventuras baseadas na juventude de Clark em Smallville.

Deixaram de lado a intenção de mostrar o Azulão de uniforme voando e se concentraram no aspecto de mostrar a vida de Clark passando pela adolescência até a fase adulta. Tivemos toda a influência pela descoberta de seus poderes e como resolve usa-los a maneira que vão se desenvolvendo.

Eles recuperaram um conceito antigo que havia nos gibis da Era de Prata, período que durou de 1956 a 1970. Diferente do conceito que Superman nunca foi Superboy criado por John Byrne durante a reformulação em meados da década de 1980 (quando o Superboy já voava pelos céus de Smallville).

Trazendo desta época a amizade que havia entre Lex Luthor e Clark Kent em Pequenópolis (a cidade foi chamada assim aqui no Brasil por muitos anos).

A inimizade entre os dois surgiu depois que um experimento científico de Lex deu errado e responsabilizou o Superboy por ter ficado careca.

Bom, consta ainda neste período aparições tanto de Lois Lane quanto do Arqueiro Verde e também do Aquaman em Smallville (acontecimentos aproveitados depois pelos roteiristas).

Smallville começou tímida, mas com a sequencia de temporadas os redatores acrescentaram personagens bastante conhecidos nossos como: Impulso, Aquaman, Canário Negro, Sociedade da Justiça, Arqueiro Verde,  Legião dos Super-Heróis, Zan e Jayna  e principalmente a lindíssima Supergirl (Laura Vandervoort)  entre tantos outros que fez a série crescer exponencialmente.

Enriquecendo a trama e mostrando que uma adaptação de HQ é viável na telinha desde que seja trabalhada de forma correta.

A melhor parte foi explorar de maneira ímpar os coadjuvantes, pois era muito difícil deixar de simpatizar com Martha e Jonathan Kent (eles conseguiram moldar a personalidade de Clark para torna-lo o herói que todos admiram).

Em contra partida aquele amor e carinho que Clark teve vimos seu antagonista Lex Luthor (Michael Rosenbaum) brigar diversas vezes com seu pai Lionel Luthor.

Divergências estas que beiram a loucura de tão estranhas, mas tinha um grande significado no passado da família Luthor.

Então temos um LL inteligente, cínico e dissimulado sempre tramando na surdina e querendo tomar para si Lana Lang (Kristin Kreuk) de seu suposto melhor amigo (era algo assustador ver isso).

Aliás a mudança na etnia tanto de Lana Lang quanto na de Pete Ross (Sam Jones III) foi algo marcante, pois os fãs chiaram muito. Pra mim desde que seja feito de uma forma que não estrague tudo fica válido.

A série inseriu dois personagens que não existiam nos gibis Chloe Sullivan (a bela Allison Mack), uma amiga de Clark que inicialmente curtia uma paixão secreta por ele.

E Lionel Luthor (John Glover), o ator havia trabalhado antes na franquia do Batman como Jason Wodrue, nos quadrinhos é o vilão Homem-Florônico.

Outro grande mérito que Smallville teve foram as participações especiais de diversos atores que ao longo dos anos trabalharam no universo do Superman (cinema e TV).

Desde Christopher Reeve, o Superman mais carismático das telonas que interpretou o Dr. Virgil Swann, Terence Stamp (o eterno General Zod), Margot Kidder (a Lois Lane do cinema), Marc McClure (o Jimmy Olsen do cinema).

Também tivemos, Helen Slater (a Supergirl do cinema), Dean Cain (o Superman da TV), Teri Hatcher (a Lois Lane da TV) e Annette O’Toole que interpreta Martha Kent também participou como Lana Lang no filme de 1983.

Uma curiosidade é que Lynda Carter, a eterna Mulher-Maravilha do seriado televisivo que não tinha nada haver com o herói ( ganhou uma merecida homenagem também participando da série).

O sucesso da série é inegável, porque foram utilizados os melhores efeitos especiais que eram os mais modernos naquela época conseguindo transmitir toda ambientação que podiam realizar.

Durante os anos que esteve no ar ganhou diversos prêmios televisivos como Emmy Awards e Teen Choice Awards, mas acabou influenciando diversos spin-offs indo desde uma seriado do Aquaman que ficou apenas no piloto (também gerando livros, HQs, discos e outras quinquilharias pra vender).

A série durou longas dez temporadas, pois o nível dos efeitos especiais estavam ficando cada vez mais caros. E por causa da sua extensa jornada com altos e baixos,  a audiência estava diminuindo.

Apesar do episódio final emocionante que teve cena de voo, trilha sonora de John Williams e diversas cenas em homenagem ao filme de 1978. O clímax foi frustrado pelo orçamento apertado da série.

Depois de esperar 10 anos para ver Tom Welling com o icônico uniforme azul, os fãs tiveram que se contentar com tomadas distantes, um modelo em computação gráfica e closes no rosto do ator, que nunca chegou a colocar a vestimenta.

 Smallville mesmo não conseguindo agradar a gregos e troianos é de longe a melhor versão feita pra telinha com o Superman, um fato que conseguiu dar mais longevidade ao mito do Último Filho de Krypton que já teve tantas releituras na cultura pop.

Fonte de Pesquisa: Mundo dos Super-Heróis.

Deixe um comentário

Arquivado em Superman: Através dos Tempos

Superman: Através dos Tempos


Super-Homem: A Série Animada – 1996

Após reinventar com sucesso a mitologia do Batman e transformá-lo em algo inesquecível a equipe criativa de Bruce Timm. Teve a imensa tarefa de atualizar o maior de todos os super-heróis.

A cena de abertura vinha montada com vários episódios costurados e a música incidental é maravilhosa destacando aquele clima de heroísmo e dando uma curiosidade pro que viria a seguir.

Superman: A Série Animada conseguiu misturar o estilo clássico que ficou consagrado pela excelente versão de Max Fleischer (pra mim uma das melhores já feitas com o Azulão de todos os tempos). E recriar algo novo, pois podemos dizer que as aventuras não se situam nos anos 40.

Outra diferença entre as aventuras do Homem-Morcego e as que vemos no kriptoniano é a mudança do tom das cores. Enquanto a primeira evocava o lado sombrio, detetivesco e dando um tom de realidade característico do Morcegão.

Por outro lado há mais brilho tanto em Metropólis, nos cenários, composição dos personagens e no aspecto geral da série bastante colorida.

Para nos conectar com a tragédia de Krypton o primeiro episódio nos mostra as últimas horas de vida no planeta. Temos a descoberta de Jor-El, a renúncia do Conselho em acreditar na sua descoberta, a traição de Brainiac e o principal a decisão de salvar o pequeno Kal-El.

É claro que a destruição do planeta já havíamos visto antes no filme de 1978, mas a forma como foi mostrada com mais ênfase na relação familiar. E pra piorar Jor-El e Lara tendo que tomar aquela grande decisão, é muito triste.

A viagem de Kal-El pra Terra e a descoberta de seus poderes como algo que não queria é simplesmente muito complicado, porque ele ansiava ter uma vida normal. Mesmo de forma rápida temos uma apresentação dos personagens da vida simples em Smallville (como Lana Lang e Peter Ross).

Jonathan e Martha formam aquele casal consciente da educação e formação moral de importância crucial na vida de Clark Kent (sendo sempre seu porto seguro para desabafar e conversar). Isto mostra que mesmo tão poderoso ainda há um homem por detrás daquele ser tão imponente.

Ver o Super-Homem voando sempre foi o que mais gostei nesta versão, porque é como se fosse algo suave mais simples e ao mesmo tempo poderoso.

A personalidade tanto de Clark quanto de Super-Homem foi o que fizeram de melhor nesta série. Clark não possui aquele trejeito abobalhado que se tornou comum há algum tempo atrás, pois é um repórter obstinado que corre atrás da matéria que deseja.

Enquanto o Super-Homem não se tornou aquele escoteiro bobão tipo bom moço mudando para alguém de atitude forte e com um toque misterioso (na maioria das vezes saindo sem falar nada).

A vida de Clark Kent em Metrópolis teve um maior destaque  tanto como repórter investigativo ou  possível interesse amoroso pra Lois Lane que mesmo ainda interessada no Homem do Amanhã não ficava atrás dele o tempo todo.

Conseguiram também mostrar mais do Perry White como um editor exigente que bota sua equipe atrás das matérias e Jimmy Olsen largou aquela infame gravata borboleta para ter uma aparência mais condizente com um jovem.

O principal arqui-inimigo é Lex Luthor evocando a versão feita por John Byrne, mas surgem outros como o supercomputador Brainiac (que também veio de Krypton).

Na verdade o vilão veio do planeta Colu, porém simplificaram e deram objetividade para o ódio que havia entre Jor-El e o robô transferindo para Kal.

Aqui temos uma variedade de vilões ao longo dos episódios como Metallo, um dos poucos que conseguem fazer frente pro herói com aquele coração de kriptonita. E o Parasita também é outro que dá muita dor de cabeça roubando energia do Azulão.

Ainda tivemos Darkseid infernizando o Super sempre que podia, Livewire que surgiu na série e depois foi incluída na continuidade (se não me engano com Volcana também foi assim), o Homem dos Brinquedos, um lunático muito estranho e Lobo que encheu a paciência num episódio duplo.

Pra não dizer que somente o Super era o único herói nesta versão tivemos participações do Sr. Destino, Lanterna Verde (Kyle Rayner), Aquaman, Batman até rolou um lance com Lois Lane que descobriu a identidade do Morcegão.

Com o Flash teve aquela história de saber quem é o homem mais rápido do mundo algo que já acontece há décadas nos gbis. E também participações tanto do Aço quanto da Supergirl.

Se não me engano uma versão futurista deste Azulão participou de alguns episódios de Batman do Futuro (a série terminou em 2000 num total de 65 episódios).

Super-Homem: A Série Animada foi a melhor adaptação do herói feita até aquele momento que abriu caminho para a chegada da impressionante Liga da Justiça.

Deixe um comentário

Arquivado em Superman: Através dos Tempos

Superman: Através dos Tempos


reeves

O Estigma do Superman

Mais rápido que uma bala!

Mais forte que uma locomotiva!

Capaz de saltar sobre os prédios mais altos com um simples pulo.

Olhem! Lá no céu!

É um pássaro! É um avião!

Não! É o Super-Homem!

Sim, é o Super-Homem – estranho visitante de outro planeta, que veio á Terra, com poderes e habilidades superiores ás de qualquer mortal.

Super-Homem- pode mudar o curso do rio mais caudaloso, dobrar o aço com as mãos, ele que na vida real é Clark Kent, um discreto repórter de um grande jornal de Metrópolis, trava uma batalha sem fim pela Verdade, pela Justiça e pela América.

Esta era a abertura da clássica série do primeiro Superman da TV. Se eu não estiver enganado na época do programa de rádio e também do cinema com Kirk Alyn também usaram esta abertura.

300full

Superman – George Reeves

Em 1951 , foi exibido nos cinemas o filme Superman and The Mole-Man, com George Reeves. O filme na verdade era um piloto para a série de TV “As Aventuras do Super-Homem”, que só iria estrear dois anos depois. Originalmente em preto e branco, a série começou a ser exibida em cores em 1954. Boa parte das tramas tinha início nas investigações jornalísticas de Lois e Clark.

Quando a série era rodada em preto e branco, as cores do uniforme do Super não davam o contraste necessário na tela. Por isso, o azul e o vermelho foi substituído pelo cinza e marrom. Quando finalmente chegou a fase colorida, os produtores trataram de arranjar um novo uniforme para George, desta vez com as características fidedignas do personagem das histórias em quadrinhos.

O programa durou seis temporadas. Houve duas Lois Lane neste seriado: Philis Coates e a partir da segunda temporada Noel Neill, que apenas voltava ao papel que havia protagonizado nas produções estreladas por Kirk Alyn.

Muitos profissionais que na época trabalhavam nos quadrinhos do herói também foram responsáveis pelos roteiros da série, capitaneados por Mort Weisinger. Foram 104 episódios produzidos dos quais 26 em preto e branco.

George Reeves foi encontrado morto em 16 de maio de 1959. Até hoje as circunstâncias de sua morte não foram esclarecidas. O ator foi encontrado baleado e logo se levantou a suspeita de suicídio para mais tarde ser levada em consideração a hipótese de assassinato motivado por ciúmes.

O filme Hollywoodland-Bastidores da Fama, dirigido por Allen Cutler e estrelado por Ben Affleck trata sobre este assunto resgatando a carreira de Reeves.

George Reeves foi o mais perfeito Super-Homem até então. Ele conseguia convencer tanto como o tímido Clark Kent quanto seu alter ego de capa vermelha. De todos os homens que interpretaram o kriptoniano ele é lembrado como um dos mais favoritos pelos fãs.

Mais do que qualquer outro ator até então, Reeves se viu profundamente identificado com o personagem no inconsciente coletivo. Embora isso tenha feito sua estrela ascender, com o tempo, mostrou ser um veneno para a sua carreira. Isso porque ele passou a não ser mais bem aceito em produções, digamos assim, sérias, já que o público reagia invariavelmente com risadas estridentes toda vez que ele dava as caras nas telas.

Sua única cena em A Um Passo da Eternidade (1953), em que aparecia ao lado do astro Burt Lancaster, por exemplo, teve de ser eliminada porque a plateia presente á exibição-teste do filme começou a gargalhar no mesmo instante em que o avistou.

Reeves ainda interpretou o Super em outro programa, num episódio da série cômica I Love Lucy.

A história de George Reeves tem pontos, quase em comum com a de Christopher Reeve, que além de terem interpretado o mesmo super-herói, tem sobrenome parecido, e também, cada um a sua maneira, um fim trágico.

Em 1958, curiosamente, foi filmado o bizarro episódio piloto de um seriado chamado “As Aventuras de Superpup”, onde pessoas usando fantasias de cachorro interpretavam personagens semelhantes ao de Superman. Era interpretado por Billy Curtis, ainda bem que somente o episódio-piloto foi ao ar.

As Novas Aventuras do Super-Homem – Filmation – 1966

O nome original era The New Adventures of Superman detalhe sinistro é que a introdução  era uma cópia mal feita daquela dos irmãos Fleischer.

A produção era bem pobre, pois usavam cenas de fundo repetidas e também havia pouca movimentação do Azulão. O desenho foi transmitido pela Rede NBC durando de 1966 a 1970.

Além de aparecer em sua identidade secreta de Clark Kent essa versão contava com a presença do pessoal da redação do Planeta Diário: Lois Lane, Perry White e também o chatinho do Jimmy Olsen.

Super-Homem/Clark Kent era dublado por Bud Collyer, o ator da icônica versão radiofônica dos anos 40.

Infelizmente era um desenho muito fraquinho, mas teve a presença de alguns vilões dos gibis como: Lex Luthor, Sr. Mxypltk, Homem-Brinquedo entre outros.

O principal atrativo são as frases clássicas tipo: “para o alto e avante” e “Este é um trabalho para o Super-Homem!”, bordões ditos em todos os episódios.

A primeira mudança aconteceu quando estenderam o desenho pra duração de 30 minutos. Quando tivemos a inclusão de aventuras do Superboy ao lado de Krypto, o supercão e depois terminava com outra sequência do Homem de Aço.

Depois em 1967 o kriptoniano dividiu o programa com Aquaman, mudando o nome para The Superman/ Aquaman Hour. E por último o programa seria novamente mudado, para The Batman/ Superman Hour durando até 1978.

Deixe um comentário

Arquivado em Superman: Através dos Tempos