Arquivo da tag: bane

Batman: Através dos Tempos

novos 52

Batman: Os Novos 52!

Após o estrondoso sucesso da minissérie Ponto de Ignição as edições do UDC recomeçaram  sob o título de Os Novos  52!

A parte interessante é que também disponibilizaram as edições na web ao mesmo tempo que suas edições impressas.

Nós leitores tivemos a chance de conhecer nossos personagens sob um aspecto totalmente diferente, pois mudaram várias características do status quo que havia antes (isto trouxe os personagens pro século XXI).

Tal fato chamou a atenção da mídia especializada e lembro que a mesma coisa havia acontecido na épica Crise de 1986. Aonde todos os personagens da editora foram reformulados (e tivemos a chance de acompanhar histórias memoráveis).

Enquanto o Superman voltou as origens demonstrando características clássicas, de 1938 (mais forte que uma locomotiva, capaz de pular prédios num único salto, defensor dos fracos e oprimidos entre outras pérolas).

O melhor de tudo foi terem sumido com a infame cueca e trazerem um traje nanotecnológico, porque ficou de acordo com a tecnologia proveniente de seu planeta natal.

Infelizmente o kriptoniano perdeu muita coisa importante de sua mitologia neste aspecto, pois o Planeta Diário foi posto a baixo (seus amigos da redação é que davam a dimensão de vida normal pro Azulão).

Além de Clark ter perdido Jonathan e Martha, que estavam mortos, foi realmente estranho ver Lois num relacionamento com um idiota qualquer (transformando Clark num solteirão quase convicto).

O que repercutiu chamando atenção era seu suposto romance com a Mulher Maravilha e a imagem do beijo que percorreu o mundo todo.

Eu realmente estranhei o fato de Kal e Lois não estarem juntos, mas a intenção era realmente esta dar uma remexida em tudo.

Com Batman ficou tudo diferente, pois estava atuando há apenas 5 anos em Gotham, porém deram uma derrapada feia quanto a existência dos Robins.

Mostrando todos os meninos e apresentando Tim Drake como Robin Vermelho (detalhe foram 20 anos para ele assumir este codinome na continuidade normal).

Pense pelo seguinte prisma se o universo foi renovado não deu tempo suficiente para cada um deles atuarem como Menino-Prodígio ao lado do Cruzado de Capa (você concorda comigo?).

Lembrando que sem mais nem menos sumiram com a linda Stephanie Brown. Depois não gostam das insinuações sobre a masculinidade dele, vai entender?

Fora isso, despertou minha curiosidade as histórias da Corte das Corujas.

O herói já era sombrio e este aspecto ficou mais acentuado, pelo que eu pude ler, com o roteirista Scott Snyder. A intenção era mostrar Gotham City mais suja do que nós poderíamos imaginar que fosse.

A arte de Greg Capullo me lembrou o estilo anime, mas de uma forma peculiar ágil e refinada. E isto me deixou fascinado, porque o roteiro voltou a ter ares detetivescos numa trama instigante e inteligente.

A Corte das Corujas é uma sociedade secreta infiltrada há séculos entre os cidadãos conceituados de Gotham City, mas Bruce não tinha conhecimento e nunca ouviu falar dela.

Tal fato explorou a ligação de Bruce com sua cidade. A gente já sabia que BW conhece Gotham como a palma de sua mão, mas nesta série temos revelado que Bruce está realmente conectado a história da cidade assim como seus antepassados (vide Alan Wayne).

Na história A Mercê da Corte, a Corte das Corujas conseguiram aprisionar o Morcegão por semanas num extenso labirinto e água que jorrava da fonte continha um alucinógeno para deixa-lo ainda mais desnorteado.

A intenção óbvia era mostrar o poder da corte se vangloriando dos longos anos agiam ao seu bel prazer sob o nariz de todos (e sobrepujar o herói para então mata-lo).

Pra mim esta história foi a mais impressionante, porque todos estavam apreensivos com o sumiço do Morcegóide. Só que preso no labirinto Batman delirava entre a sanidade e a loucura (lutando contra a exaustão do seu corpo para sobreviver).

A HQ vira a narrativa de cabeça pra baixo demonstrando para nós como o personagem estava naquele momento.  E pra piorar o Garra, assassino da Corte conseguiu ferir gravemente o Morcego.

A parte ruim ficou no final da saga aonde inseriram um personagem do passado da família Wayne que não pertence a continuidade normal (deixou a desejar!).

morte-em-família

As ediçõesde Batman: Os Novos 52! Também tinha no miolo Detetive Comics.

O Coringa é o principal vilão numa adaptação mais sinistra e assustadora do que aquela que vimos com Heath Ledger. Sim, por mais incrível que possa parecer o Sr. C está mais letal e ficamos com a pergunta de quem será sua próxima vítima?

Só pra lembrar temos algo realmente apavorante quando o rosto do Palhaço do Crime é arrancado pelo Criador de Bonecas (se não me engano Hannibal Lecter fez algo assim).

A loucura atingiu Gotham City de uma maneira e a violência explode escancaradamente em nossas vistas. O Coringa foi buscar seu rosto no DPGCG matando quase todos os policias que estavam de plantão. Restando apenas Jim Gordon pra contar história (lunático, sádico, psicopata ou algo pior?).

Só que não para por aí, porque o Coringa foi na cola de Alfred deixando-o desacordado e sequestrando o mordomo para fazer o Morcego sair da toca.

Uma armadilha mortal e tudo indicava que o vilão sabia das identidades secretas da Bat-família. Infelizmente tivemos mais uma morte do Robin já que Damian Wayne, o mais controverso de todos os bat-moleques foi desta pra melhor.

Talvez num futuro próximo Damian Wayne volte do limbo, pois sabemos que nos gibis morte não para sempre.

Isto é claro nos leva direto ao clássico da outra  morte na qual os leitores detonaram o chato do Jason Todd por telefone (pena que não adiantou nada, pois ele voltou 20 anos depois).

Agora imagine este contexto num roteiro denso e consistente de Tony Daniel. Aliado a arte expressiva, ágil e impactante de Tony Daniel (o artista conseguiu me deixar perplexo e estarrecido com tudo isso).

capa-6

 Bom, na série O Cavaleiro das Trevas temos o roteiro de Paul Jenkins que chega   a ser uma redenção do que havia acontecido com Batman nos anos 90 (a saga A Queda do Morcego).

A história começa com Bruce num evento beneficente ao lado da bela Jaina Hudson, mas logo precisa se desvencilhar da moça. E vemos Batman seguindo para o Arkham tendo que trancafiar “novamente” os detentos que mataram vários policiais ( o Morcego decide entrar no Asilo e a violência é extraordinária).

A parte estranha foi ver um Duas-Caras  totalmente anabolizado, usando uma variação do veneno do Bane, a fórmula transforma quem a usa numa versão do Hulk (só que depois a pessoa tem um ataque epiléptico e sangra muito até morrer).

Alguns vilões da galeria do Morcego dão trabalho ao usarem a fórmula como ZASZ, Cara de Barro (disfarçado de Coringa), Exterminador

Como destaque nas histórias  temos a participação especial do Superman que luta contra o Morcego envenenado pela Coelha Branca, Flash que chega atrasado para ajuda-lo e Mulher Maravilha.

Duas-Caras, Cara de Barro e Hera Venenosa tudo que nós vimos foi apenas uma distração, a Coelha Branca faz citações ao livro Alice nos País da Maravilhas durante o caminho em que é perseguida pelo Morcego.

O ápice pra mim foi a luta contra Bane na ilha-refúgio, pois além de brutal é claro tinha que ser também um embate psicológico. Kal ajuda ao Flash para que retirasse do seu organismo ao superfórmula e depois de  horas o Corredor Escarlate consegue ir em auxílio do Homem Morcego.

Batman está exausto quase morrendo, mas aqui vemos sua maior característica a persistência para derrotar o único vilão que conseguiu quebra-lo … Bane.

Bom, enquanto a arte de David Finch eu não gosto de seu estilo de anatomia desproporcional e também das expressões faciais de seus personagens que me parecem forçadas.

Pra concluir destaco a interessante apresentadora de TV Charlotte Rivers que teve um caso com Bruce . E termino com  a beleza de Jaina Hudson que consegue se transformar na sensual  vilã Coelha Branca (ela desafia as leis da física podendo estar em dois lugares ao mesmo tempo).

2 Comentários

Arquivado em Batman: Através dos Tempos

Batman: Através dos Tempos

 begins

A Trilogia do Morcego

O Batman de Chris Nolan trouxe a essência sombria, de 1939 para a atualidade atrelada a uma narrativa mais crível aonde o Homem-Morcego “pode ser real”.

A franquia é motivo de discussão e aplausos entre os fãs, pois há quem diga que não vemos o Morcegão nas telas e sim um policial trajado de morcego. Eu particularmente adoro a versão de Nolan e sua visão “particular” do mito do herói me agrada.

Independente desta pendenga toda eu tenho pena dos diretores que virão no futuro trabalhar com o Morcegão nas telonas para a Liga da Justiça, porque terão de representar o herói de uma forma diferente da qual estamos acostumados a vê-lo.

E isso será um problema enorme? Talvez sim, talvez não, porque dependerá apenas do contexto mostrado. O Batman é um personagem de que já teve inúmeras representações através dos anos e esta será apenas mais uma.

Pra dizer a verdade estou ansioso para ver, mas acho que irá demorar um pouco pelo andar dos boatos que acontecem na Distinta Concorrente pela web.

batman-begins

Batman Begins – 2005

Gotham City é uma cidade com policiais corruptos, políticos corrompidos, bandidos no comando e população aterrorizada  (infelizmente isto é comum na sociedade atual).

É neste clima sombrio que Bruce Wayne volta ao lar para confrontar seu passado trágico. O roteiro de David S. Goyer se concentra na jornada de Bruce para tornar-se Batman.

Preocupando-se em mostrar sua trajetória pessoal, motivação, treinamento e também seu medo. A temática principal é o medo algo que temos que conviver num mundo aonde o terrorismo (tornou-se banal e assustador).

É uma adaptação fiel ao conceito do herói vista de uma forma que nunca foi mostrada antes. Estávamos tão acostumados com os defeitos da franquia anterior como vilões chamativos, piadas infames e outros excessos que é melhor até esquecer.

Mais o herói não está sozinho nesta batalha, pois encontra apoio em Jim Gordon (Gary Oldman), o clássico policial amigo dos gibis, Lucius Fox (Morgan Freeman), um expert em tecnologia de ponta e Alfred (Michael Caine) que está impagável com suas frases sarcásticas. Ele reencontra Rachel Dawes (Katie Holmes), uma amiga de infância que tornou-se o amor de sua vida.

O medo permeia a história do herói seja na queda na caverna, no treinamento com Henri Ducard (Liam Neeson) na Liga das Sombras,  ou pela influência devastadora de R’as Al Ghul que deseja destruir o mundo ou ainda pelo gás do medo do Espantalho (e sobrepujar este sentimento é a prova de fogo do herói).

A cruzada do Morcegão nos instiga a acompanha-lo pela salvação não apenas de sua cidade, mas também de sua própria alma. Sim, por mais que haja ação, lutas e explosões o roteiro concentra-se em BW. E isto foi a diferença que rendeu o sucesso do reinicio da franquia.

heath-ledger-batman-o-cavaleiro-das-trevas

Batman: O Cavaleiro das Trevas – 2008

O herói está mais a vontade como protetor de Gotham, mas precisa combater o caos e a anarquia que se instalaram na cidade. E isto ganhou personificação na presença do Coringa (o exato oposto do Cruzado de Capa).

A deixa da presença de seu maior antagonista já estava no final de Batman Begins demonstrando que a franquia veio para consolidar a nova roupagem na forma de representar o herói.

O roteiro desta vez não trabalha apenas o personagem principal, mas temos três pontos de vista diferentes. O primeiro é claro que não poderia deixar de ser Batman que precisa agir no limite da lei, o segundo é Harvey Dent (Aaron Eckhart) que mantem a lei como promotor público. Até ser destituído de suas convicções, destruído mentalmente  e transfigurado pela estratégia do Sr. C. (sua queda de cavaleiro branco para vilão é impactante).

E o terceiro a atuação esplendorosa de Heath Ledger que virou a síntese do medo no qual vivemos. Seu Palhaço do Crime é um psicopata com humor doentio e está mais assustador do que poderíamos imaginar.

No rosto carrega um eterno sorriso feito a partir de cicatrizes. E o pior quando conta a origem deste sorriso infernal há sempre uma versão diferente e horripilante desta história.

A morte repentina do ator logo após a conclusão da filmagem deixou sua marca na memória coletiva dos fãs (principalmente por suas frases de efeitos como Coringa).

Se no primeiro filme havia o Trumbler, o novo batmóvel baseado na HQ que é homônima ao filme chamou  bastante atenção dos fãs, nesta sequência quem brilhou foi o Batpod. A sensação de velocidade era tão impactante que deu vontade de estar no lugar do Morcego pilotando-a.

Batman: O Cavaleiro das Trevas cruzou fronteiras extrapolando limites e demonstrou como um herói deve ser adaptado para atualidade. Misturando um elenco estelar, mas estão trabalhando em uníssono. Sequências de ação bem produzidas e um roteiro bastante enxuto, com arquétipos urbanos reais e um pano de fundo coerente transformaram a adaptação em sucesso de público e crítica.

the-dark-knight-rises

Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge – 2012

A ideia era terminar a franquia de uma forma inesquecível, mas devemos ver os três filmes como se fosse apenas um só. Podemos perceber que o medo é a palavra que conecta todos (de uma maneira inteligente e genial).

Desde a segunda sequência se passaram oito anos que Batman assumiu a culpa pela morte de Harvey Dent (sendo procurado pela polícia e sumiu de cena desde então).

Com a morte do promotor público Jim conseguiu praticamente acabar com o crime organizado em Gotham, mas a verdade é que Dent tornou-se o vilão Duas Caras. E Jim guardava uma carta sobre como aconteceu a morte do promotor (Bane aproveitou isso para unir todos os presidiários sob seu comando).

Então Gotham City vivia na mais completa paz sem precisar da presença de seu maior protetor.

Depois da marcante presença de Ledger como Coringa precisavam encontrar um vilão que pudesse realmente rivalizar com o Morcegão. E Bane foi o único que conseguiu “quebra-lo” tanto no aspecto físico quanto no mental.

Bane é um reflexo do terror que nos rodeia na atualidade e a atuação de Tom Hardy não deixa dúvida alguma sobre isso. O vilão usa a violência como se fosse a resposta para libertar Gotham da decadência moral (e “quase” consegue destruir toda a cidade neste processo).

O filme é marcado por várias reviravoltas que te deixa completamente ligado na narrativa épica mostrada.  Seja pela intrigante Miranda Tate (Marion Cotillard), ou ainda pela presença sensual da Mulher Gato, de Anne Hathaway, que deixou o Batman falando sozinho. Aquilo foi muito engraçado, pois o herói acabou provando do próprio remédio. Lembrando que em nenhum momento a ladra é chamada pela alcunha dos gibis.

E também pela ajuda perspicaz de John Blake (Joseph Gordon-Levitt), vulgo pássaro vermelho que “talvez” assumirá o manto do Homem-Morcego num futuro próximo.

Nesta terceira sequência temos outro veículo que roubou a cena, o Morcego, uma espécie de Trumbler voador (numa ótima cena de perseguição área entre os prédios de Gotham).

O filme todo em si é maravilhoso, mas também destaco a luta final entre Bane contra Batman (fiquei nervoso e apreensivo naquele momento). Foi o ápice da redenção no caminho do Morcego, pois teve que ralar muito na prisão em Santa Prisca e “quase” morrer para poder retornar. Bruce buscou no amago do seu ser aquilo que o define de forma inigualável de qualquer outro herói (sua perseverança moldada numa grande força de vontade).

Essa versão do Homem-Morcego deixará saudade, porque nela tivemos a noção da  trajetória de quem é Bruce Wayne. Um homem que luta com todas as suas forças para proteger sua cidade (seja da corrupção, ganância ou terrorismo). E ao vestir o manto do Morcego BW se transforma no medo que lhe afligia quando criança e passa a aterrorizar a mente e o  coração dos criminosos de Gotham City.

A trilogia de Chris Nolan ficará eternamente guardada na memória afetiva dos fãs, pois conseguiu demonstrar que heróis de quadrinhos podem ser levados a sério em uma adaptação cinematográfica.

Desde que haja um roteiro decente, um diretor competente e pessoas que estejam realmente dispostas a fazer um trabalho eficaz.

Deixe um comentário

Arquivado em Batman: Através dos Tempos

Batman: Através dos Tempos

Batman - A Queda do Morcego (Knightfall)

Batman anos 90 – parte 1

A Queda do Morcego

Se no cinema Joel Schumacher inexplicavelmente conseguiu afundar a franquia do Homem Morcego mais rápido que o Titanic com filmes que sofreram com a influência da antiga série televisiva. Nos gibis as histórias estavam agradando aos leitores.

Perto do final dos anos 80 tivemos o arco Morte em Família, no qual o segundo Menino-Prodígio, aquele chato do Jason Todd numa histórica votação dos leitores foi desta pra melhor (aleluia). Este fatídico acontecimento causou um dano terrível na vida do Morcegão que estava no fundo do poço arranjando várias formas de morrer.

Pena que trouxeram o infeliz de volta apenas para atormentar o já sofrido herói (como foi visto em Sob o Capuz).

Bom, tivemos diversos aspectos marcantes como o surgimento de Tim Drake e sua ascensão como Robin, o melhor depois de Dick Grayson. De longe Tim era bastante superior aquele arrogante do Jason, pois descobriu sozinho a identidade secreta do Morcego (um hacker muito inteligente).

Então Bruce depois de relutar bastante viu que não tinha jeito e resolveu treina-lo junto com Dick para Tim poder tornar-se o novo Robin.

Tivemos o arco, A Queda do Morcego (Knigth Fall), mostrava um Bruce Wayne cansado quase doente. Tudo por causa de um plano magistralmente bem armado no qual o astuto Bane conseguiu o que nenhum outro vilão fez “quebrar” o Batman. E não foi apenas no sentido literal, pois o herói estava exausto tanto no aspecto físico quanto no emocional.

Bane era tão obcecado  em derrotar o herói que sabia se o enfrentasse no auge não venceria de maneira nenhuma.  Então para enfraquecê-lo libertou “todos” os detentos do Asilo Arkham. Além de ter que cuidar dos criminosos que já estavam nas ruas o Morcego teve que prender novamente os que haviam fugido.

Enquanto ia fazendo isso quase que incessantemente Bruce estava descansando bem menos do que o normal até chegar numa exaustão tão grande que não conseguia fazer mais nada. Foi neste momento que Bane aproveitou-se para então numa cena clássica partir o Homem-Morcego ao meio.

A espinha do Morcegão foi fraturada em sua própria Batcaverna, pois o vilão havia descoberto sua identidade secreta. Bane queria apenas humilhar e subjugar o Cavaleiro das Trevas(uma história bem elaborada que durou várias edições).

No filme o Cavaleiro das Trevas Ressurge temos alguns aspectos da origem de Bane.

Enquanto, Bruce Wayne esteve fora de Gotham numa cruzada pessoal para encontrar uma cura de sua paralisia. Tivemos o caminho aberto para o surgimento de um novo Batman.

 Jean-Paul Valley era o destemido anjo vingador Azrael, que  veio da Ordem de São Dumas, uma sociedade secreta de assassinos que faziam lavagem cerebral em seus agentes.

Batman havia ajudado Jean-Paul a sair da irmandade, mas a mente dele era instável demais. O rapaz foi convocado por Bruce para temporariamente substitui-lo. Só que ao vestir o manto Valley ficou mais violento usando uma armadura sombria e expulsando Tim Drake da caverna e até matou um criminoso (era influência dos heróis sombrios que pipocavam nas HQs durante aquele período).

Assim que foi curado “milagrosamente” pela Doutora Shondra Kinsolving Bruce retornou a Gotham City  a fim de retomar sua cidade, mas teve que derrotar Jean-Paul que não queria devolver seu manto.

Depois disso Bruce teve que se ausentar novamente e deixou Gotham sob os cuidados de Dick Grayson seu primeiro pupilo. Respeito Dick por ter saído de baixo da asa de seu mentor e ganhou vida própria ao  assumir o manto de Asa Noturna.

No arco Filho Pródigo, uma alusão a história bíblica, tivemos uma Dupla Dinâmica formada por Dick e Tim protegendo a cidade. O Batman de Dick é menos enérgico e menos autoritário formando uma ótima dupla com Tim que mais pareciam ser irmãos.

Filho Pródigo serviu também para resolver e discutir o passado de pai e filho entre Bruce e Dick Grayson.

batman-terremoto

Catástrofes

Além da crise existencial que passou para retomar seu caminho como Cavaleiro das Trevas, Bruce Wayne teve que lhe dar com uma contaminação do vírus  mortal Ebola Gulf que matou centenas de pessoas na saga Contágio.

O pânico estava estabelecido na população de Gotham com as pessoas se revoltando e destruindo a cidade (havia muito trabalho para nossos heróis mascarados). Até Robin havia contraído a doença e “quase” não escapou.

A solução veio com Batman, Oráculo e Azrael que anteriormente sofria alucinações com São Dumas (sinceramente o cara era doido de pedra), mas conseguiu ficar estável e descobriu que a organização pra qual trabalhou era responsável pela disseminação do vírus. Então os três pesquisaram antigos arquivos secretos da ordem e conseguiram encontrar a cura.

Na saga o Legado do Demônio que foi uma continuação direta de Contágio, Ra’s Al Ghul, o vilão que se rejuvenesce usando o Poço de Lázaro, quer destruir o mundo para purifica-lo e dominar tudo junto a sua Liga de Assassinos.

O vilão desejava disseminar um vírus em alguns lugares do mundo: Paris, Edimburgo, Gotham e Calcutá. E descobrimos que Bane tornou-se aliado de Ra’s e candidato a marido de Tália. Então Bane é derrotado em Gotham pelo Morcegão que também impede os planos de dominação do vilão secular junto a Robin, Asa Noturna, Caçadora e Oráculo. Em Calcutá Lady Shiva faz uma participação especial lutando ao lado do Homem-Morcego.

O que ninguém poderia imaginar aconteceu meses depois numa tragédia que não só assolou a vida de Bruce Wayne mais de todos os cidadãos de Gotham City.

No melhor estilo de filmes catastróficos tivemos as sagas Terremoto e Terra de Ninguém. Um terrível terremoto de escala 7,6 graus foi devastador para a cidade e numa decisão inconcebível o Congresso dos EUA declararia a cidade como Terra de Ninguém deixando-a abandonada e sem recursos.

Foi algo extraordinário o Morcegão convocou alguns dos seus aliados entre eles a Caçadora, James Gordon, Oráculo e até a Mulher-Gato para auxiliar a controlar a situação. A cidade foi dividida em diversos territórios e Batman formou parceria com velhos inimigos para manter a ordem nestes lugares.

Um caos social estava sendo remediado da única forma possível e mesmo assim a violência perpetrada pela gangues e pelo instinto básico de sobrevivência ainda surgia em vários pontos da cidade.

A cidade afundou na crise-pós terremoto e Lex Luthor teve um papel importante como reconstrutor a cidade, ao lado de Bruce Wayne, que criou acordos políticos no Congresso americano para reintegrar Gotham ao país.

Além do momento inesquecível em que Bane conseguiu “quebrar” o Morcego ao meio e sua cruzada para retomar sua vida após este fatídico acontecimento.

Os anos 90 foram marcantes porque tivemos a famosa série animada e a inclusão de personagens novos na mitologia do herói como: Tim Drake, Lady Shiva, Bane e Azrael, mas também por estas sagas que fizeram um estrondoso sucesso nas revistas Batman e Batman Vigilantes de Gotham alavancando suas vendas para o topo das listas na época.

Fonte de Pesquisa: MSH e Wikipédia.

Deixe um comentário

Arquivado em Batman: Através dos Tempos

Batman: Através dos Tempos

batman-and-robin

Batman & Robin – Joel Schumacher (1997)

Eu simplesmente odeio este filme, pois temos tudo que não deveria ser feito com Batman (infelizmente quiseram dar uma repaginada na série dos anos 60).

Se em Batman Eternamente o diretor já havia mostrado uma maneira mais engraçada do herói. Neste tudo desandou de vez, pois não há nada que salve esta produção (que conseguiu afundar definitivamente a franquia do herói).

Logo no inicio o símbolo do morcego é transformado em gelo mostrando que o vilão da vez é o Mr. Freeze.

O primeiro nome que aparece é de Arnold Schwarzenegger e pra mim um dos maiores erros da Warner é colocar atores consagrados querendo chamar atenção pros seus filmes (fato que vem acontecendo desde 1978 até hoje).

A abertura como em Eternamente também mostra os heróis Batman (George Clooney) e Robin  (Chris O’Donnell) se vestindo, blargh!!!

O uniforme de O’Donnell  tornou-se uma mistura de Asa Noturna com o tradicional do Menino-Prodígio (santo liquidificador, Batman!).

A saída da Batcaverna ficou maior  e talvez foi só pra mostrar os veículos. Já que o Batmóvel ficou mais estilizado que na versão anterior e estava horrível parecendo um projétil sobre rodas com asas de morcego.  E Robin também ganhou um veículo a moto Redbird que nos quadrinhos era um automóvel.

Em sua primeira aparição contra Mr. Freeze o Morcegão desliza encima de um dinossauro no museu (faltando apenas gritar: “yabadabadoo”) espera que ainda há outras pérolas.

Não é a toa que na animação Os Incríveis há piadinhas quanto aos heróis de capa. Porque na luta contra a gangue de hóquei os atores precisam ficar jogando sua capa toda hora pro lado, pois atrapalha demais.

Mr. Freeze  fala a todo momento piadas referentes ao frio. Ainda bem que o filme entrou numa fria (que piadinha mais sem graça). Na parte do foguete o planador do vilão é uma borboleta (ui que bonitinho).

E um homem daquele tamanho vestindo uma armadura enorme é impossível de engolir aquele traje. Na explosão após os heróis saírem da armadilha praticam skysurf e Robin diz cowabunga (grito de guerra das Tartarugas Ninjas).

Poison-ivy-uma

A abordagem dada aos vilões nos filmes do Batman é sempre a mesma, porque já demonstram em sua personalidade alguma coisa que não é muito “normal”.

Então temos a Dra. Pamela Isley (Uma Thurman)  uma botânica, meio pancada da cabeça, que estava trabalhando com Jason Wodrue (John Glover), nos quadrinhos ele é o vilão Homem Florônico.

Antes de renascer Pamela  se vestia mal e parecia um tribufu, mas ao cair entre as plantas e víboras renasceu toda sexy e sensual. Eu queria um beijo daqueles de tirar o fôlego (urg, morri!).

Dizem as lendas que Demi Moore quase conseguiu o papel a vilã, mas por pura sorte escolheram Uma Thurman (escapou de uma enrascada enorme).

Lembrando que John Glover interpretou o terrível e cínico Lionel Luthor, pai de Lex em Smallville. Jason Wodrue usa o termo “supersoldado” para sua fórmula, mas também é uma palavra que lembra Steve Rogers.

Quanto a de Mr. Freeze temos sua origem no momento em que Bruce, Dick e Alfred assistem um vídeo (que parece ser igual a da versão animada daquela época).

Outra mudança ficou com a Batmoça (Alicia Silverstone) que virou Barbara Winston sobrinha de Alfred. A atriz fez um relativo sucesso no infame As Patricinhas de Beverly Hills.

Outro fator importante que passou batido foi a inclusão de Julie Madison (Elle Macpherson), ela é a primeira namorada do Morcego nos gibis. Uma personagem importante que aparecia e sumia do filme de repente. Julie queria casar com Bruce, mas terminou o relacionamento temendo por sua segurança.

O roteiro é péssimo porque parece uma versão animada do herói, os atores são muito ruins (não tem ninguém que salva). George Clooney ria o tempo todo, Chris O’Donnell tinha marra de bad boy e não se parecia em nada com aquele Dick detetive dos quadrinhos. E pra piorar  o velho Schwarzenbrega fazia caras e bocas muito bobão.

A única coisa interessante foi ver Uma Thurman como Hera Venenosa, porque estava muito sedutora e cativante naquele uniforme. E também Alicia Silverstone em sua performance de Caçadora misturada de Batgirl (putz, que doideira!).

O pior era suportar o grandalhão do Bane comportando-se feito um idiota monossilábico, pois todos nós sabemos que o vilão destruiu Batman nos anos 90 (parece mesmo uma cópia do Hulk).

O filme peca ao mostrar o bat-cartão de crédito, o bumbum dos heróis na tela e até mamilo no uniforme. Aí depois não querem que o herói seja chamado de gay (com umas cenas destas fica difícil não pensar em outra coisa).

Os efeitos especiais são perturbadores de tão fracos, não há nada que empolgue ou seja legal pra comentar.

O que todo mundo já sabe é que este fiasco derrubou a franquia do Morcego ficando na história como um dos piores filmes já feitos. A única coisa realmente boa que Schumacher fez foi  ter aberto caminho para Chris Nolan.

Alguns fãs criticam sua visão, mas desde 1989 é a melhor versão feita pro herói até agora.

Deixe um comentário

Arquivado em Batman: Através dos Tempos

Imagens

1

DC Girls

Coelha Branca

Jaina Hudson chegou para abalar o universo do Morcegão, pois além de ter um caso com seu alter ego.

A Coelha Branca entrou para o excelente hall de vilãs sensuais e perigosas de Gotham City. Seu poder é algo completamente impossível, pois ela pode estar em dois lugares ao mesmo tempo.

Não consegui entender se ela é uma vilã ao aliar-se com Bane e o Espantalho ou deseja secretamente algo que ainda irá revelar.

A parte interessante é que quando está dividida possui personalidades distintas aumentando o potencial para explorar suas aparições.

Confira na galeria abaixo algumas das mais estonteantes personagens do UDC.

 2 3 4 5 6.1 6 7 10 11 12 13 14 15 16 17 adam hughes artemis batwomen1 birds of prey by artgerm Canário_Negro cedric poulat 1 cedric poulat 2 DC Women 0 DC Women 1 DC Women 2.1 DC Women 2 DC Women 3 DC Women 4 DC Women 5 DC Women 6 DC Women 7 DC_girls_by_PauloSiqueira dc0 dc1 dc2 dc3 dc4 Death death1 death2 death3 death4 Doutora Luz Ed Benes feiticeira branca fire 1 fire 2

ice

fire_and_ice fire-and-ice 2 Green_Lantern Halo harley0 harley1 harley2 harley3  Jayna_by_BestNameEver

vilãs

lana-lang lyssadrak miss martian 1 miss martian 2 peter cotton 1 peter cotton 2 phantom-girl plastique poderosa ísis poison_ivy_j_scott_campbell- rafael albuquerque ravena1 ravena2 safira estrela 0 safira estrela 1 Saturn_Girl saturnia Stargirl0 Stargirl1 Stargirl2 Stargirl3 Talia Al Ghul Terra the_cheerleaders_of_dc Vésper vésper-mahmud-asrar vicki vale wallpaper 0 wallpaper 1 

2 Comentários

Arquivado em Imagens.

Meu Texto

batman

Filmes do Ano

2012 está quase chegando ao fim e será o ano que ficou marcado pelas melhores adaptações de quadrinhos que pudemos assistir. E infelizmente por uma enorme tragédia, em Denver  também. Cinema pra mim é um lugar pra diversão, entretenimento, arte e não palco para atrocidades.  Lamento muito pelo acontecido, pois são perdas inestimáveis.

Há algum tempo comento com meus amigos que estamos vivenciando uma ótima época para nós fãs de quadrinhos, porque estamos podendo ver nossos personagens tornarem-se de carne e osso em magníficas representações.

Aqui faço um retrospecto dos filmes que tornaram 2012 um dos melhores anos para os fãs de quadrinhos e cinema de todo o mundo.

Catwoman

Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge

O diretor Christopher Nolan conseguiu dar um novo status pro Morcegão nesta trilogia cinematográfica.

Seu Homem Morcego está no mesmo nível do Superman, de Chris Reeve, pois “tudo que vier depois” irá inevitavelmente esbarar neste paradigma.

Nolan consegue de maneira surpreendente transformar  Batman na síntese de um herói grego, pois sua tragédia pessoal o torna mais forte e determinado.

O roteiro é tenso, pois Bruce ficou quase uma década longe de ação. Ficando fora de forma e despreparado para enfrentar um inimigo perigoso.

Bane (Tom Hardy) demonstra ser um brilhante estrategista e têm uma enorme força física a seu favor, o confronto entre os dois é memorável e deixa-nos com os nervos a flor da pele.

Anne Hattaway emprestou seu lindo rosto e belo corpo para personificar a sensual ladra Mulher Gato que no filme não é chamada pela sua alcunha em nenhum momento. Mais pra ser sincero nem precisava, pois sua impressionante atuação ficará para sempre guardada no coração dos fãs.

Presenciamos uma inusitada cena engraçada Batman está falando com a Mulher Gato quando de repente ela desaparece e então ele diz: “Ah, então é essa a sensação”.  Geralmente vemos Batman sair de cena sorrateiramente deixando Gordon ou qualquer pessoa falando sozinho e desta vez provou do seu próprio veneno foi  o máximo.

Além disso temos o policial John Blake (Joseph Gordon-Levitt), que na verdade chama-se Robin, o eterno assistente do Morcegão.

Fica subentendido que mesmo se Bruce desistir de usar a máscara Gotham será protegida por um Batman. Sim, o legado do herói será eterno. E disto ninguém poderá ter dúvidas.

A franquia foi terminada com êxito e deixará saudades por demonstrar que um roteiro bem escrito e uma direção decente são exatamente o que deve ser feito para obter-se um filme de quadrinhos coerente. Isto é tudo que nós fãs queremos.

Infelizmente irão enfrentar o problema de como reiniciar o Morcego D.N. (Depois de Nolan).  Por enquanto está previsto  um longa da Liga da Justiça para 2015.

Eu espero que haja um filme decente, pois estão correndo para torna-lo realidade. Então a atuação do herói será totalmente diferente do que vimos até agora. E pra piorar quem será o ator que viverá BW/Batman? Sinceramente não irão faltar comparações e reclamações.

avengers

Os Vingadores

O filme que reuniu o Universo Cinematográfico da Marvel é a terceira maior bilheteria de todos os tempos.  Quando assisti fiquei com um sorriso estampado no rosto igual do Palhaço do Crime.

O longa retrata fielmente o colorido dos quadrinhos. E de quebra ainda temos a ótima interpretação dos atores, a ambientação de Nova York fazendo uma ligação direta com a estética que a Marvel apresenta em suas páginas.

As cenas cômicas num filme de ação tornaram o clima mais leve. A parte realmente boa é que o longa pega espectadores não iniciados nos quadrinhos que podem assistir sem problema algum.

E pros fãs os elementos característicos dos heróis são demonstrados: a liderança do Capitão, a destreza do Clint, a inteligência do Tony, a nobreza do Thor, os dardos da Viúva e principalmente o Hulk, pois Banner disse: “Eu estou sempre zangado.” Numa grande demonstração de sua fera interior, simplesmente, arrebatador.

Houve até espaço para a citação máxima da equipe: “Os Maiores Super-heróis da Terra”. O mais engraçado de tudo é que Stan Lee ridiculariza o mundo que ajudou a criar em sua participação relâmpago.

A Marvel apresentou esta maravilhosa brincadeira ao lançar  sua maior superequipe e  teve seu ápice nele, mas agora eu pergunto o que virá depois?

Quais personagens a editora trará para continuar mantendo o nível altíssimo alcançado?

Eu gostaria de ver um filme solo do Surfista Prateado, pois o herói espacial é um dos meus personagens preferidos. Talvez até contendo uma abordagem  com a participação do Galactus, porque este não poderia deixar de aparecer mesmo.

Eu pensei que iria aparecer no filme do Quarteto Fantástico mais infelizmente fiquei a ver navios.

Sei que é algo difícil de acontecer, pois o Surfista não é um herói de primeiro nível, mas vindo da Marvel tudo é possível e sonhar não custa nada.

A Casa de Ideias atingiu um patamar incrível em suas adaptações veremos em breve Thor: O Mundo Sombrio, Homem de Ferro 3, Guardiões das Galáxias e Capitão América 2: Soldado Invernal todos consolidando mais uma vez o caminho para Vingadores 2.

Ainda teremos o filme do Homem Formiga, talvez eu suponho até com a presença da minha querida Vespa. Visto que a personagem voltará dos mortos e eu nem sabia que ela havia morrido.

Concluo que estarei nos cinemas acompanhando os filmes dos heróis, porque a Marvel tem realizado um excelente trabalho.

spider_man_4

O Espetacular Homem-Aranha

Em homenagem aos 50 anos do personagem  este filme consegue mesclar a origem clássica do Cabeça de Teia, de 1962 com o Universo Ultimate, de 2000-uma releitura dos personagens da Marvel para o século 21.

Ficamos conhecendo a vida de Parker desde pequeno quando seus pais fugiram abruptamente deixando-o para morar na casa dos tios Ben (Martin Sheen) e  May (Sally Field).

Ao crescer Peter Parker (Andrew Garfield) demonstra ser um rapaz estudioso, inteligente e tímido, tipo vivendo na dele, pois é um desastre quando o assunto troca para meninas. E justamente está apaixonado pela garota mais linda da escola Gwen Stacy (Emma Stone). Depois de levar uma surra do valentão da escola ele é salvo por Gwen.

Ela é assistente do cientista Dr. Curt Connors (Rhys Iphans) um antigo parceiro do pai dele na empresa Oscorp. Após ter descoberto as anotações de seu pai, Peter visita a empresa e acaba sendo picado por uma aranha geneticamente alterada.

Peter entrega para Connors a resolução de uma equação decisiva e isto torna-se uma obsessão para o Dr. Que pensa numa evolução da raça humana. Mais ao utilizar a fórmula em si mesmo para recuperar o braço Connors desperta um monstro  furioso e incontrolável.

Nunca gostei do Lagarto nos quadrinhos, mas o roteiro focando na personalidade obscura de Connors conseguiu chamar minha atenção.  A direção de Mark Webb mostra como Peter Parker se transformou na pessoa que é.

O filme é psicológico em algumas partes, porém mostra que Parker já era um herói antes de adquirir seus poderes.  A cena em  que o Homem-Aranha balança pela cidade é extasiante lembrando o desenho antigo da década de 1960 .

Seus movimentos ficaram mais realistas sendo um deleite á parte e são feitos no estilo parkour.  O Parkour é uma atividade cujo princípio é mover-se de um ponto a outro o mais rápido e eficientemente possível, usando principalmente as habilidades do corpo humano.

Outro fato interessante é que Peter criou os lançadores de teias artificiais demonstrando sua inteligência e potencial para se tornar um brilhante cientista como nos quadrinhos.  Ainda bem que esqueceram aquela teia orgânica da franquia anterior.

O Amigão da Vizinhança é um dos heróis mais populares da Marvel e foi recriado de maneira arrebatadora tendo diversão de qualidade com direito a altas doses de emoção.

Espero ansioso para assistir a continuação da franquia. E que venha 2013.

Deixe um comentário

Arquivado em Meu Texto

Crítica

 

 
 Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge

 

“Bruce, porquê que a gente cai?” Em, Batman Begins (2005), temos o início da trajetória de BW. Presenciamos como o jovem que perdeu seus pais tornando-se no vigilante mais temido de Gotham City.

Bruce decide usar seu próprio medo como uma arma para proteger Gotham. Alfred, Jim Gordon e Lucius Fox (Morgan Freeman) são os guardiões de Batman prontos a ajuda-lo de qualquer forma para o combate.

Em, Batman: O Cavaleiro das Trevas (2008), Harvey Dent (Aaron Eckhart) tornou-se o herói a ser seguido e admirado pelo povo.

Enquanto Batman tomou para si o fardo de ser o que não é: um assassino.

O Coringa (Heath Ledger) antagoniza com o Morcego de uma forma psicótica.

Batman calcula todos os seus atos meticulosamente simbolizando a ordem e do Palhaço do Crime você pode esperar o inesperado.

Ele simboliza a anarquia e o caos. O Coringa age como uma força da natureza é incontrolável.

O Cavaleiro das Trevas Ressurge é um filme extraordinário sobre a redenção de um homem, seus temores, aliados e amores.

Podemos ver claramente como Gotham City e Batman são as duas faces da mesma moeda.  O medo é o aditivo para alcançar seus objetivos. Esta palavra conecta todos os filmes da franquia tendo ápice neste longa.

O personagem Bane é um dos piores inimigos do Morcego que surgiu nos anos 1990. E neste filme após ele deixar Gordon hospitalizado.

Bruce decide sair de sua reclusão para erguer novamente o capuz de Batman. Em quem confiar no momento no qual você mais precisa? A certeza se foi por água abaixo e um novo aliado tornou-se valoroso. A cada sequência somos surpreendidos com maravilhosas cenas de ação.

Quero ressaltar que Alfred (Michael Caine) com sua incrível perspicácia sempre fala de maneira eficiente, sagaz e objetiva. Pra mim a Mulher Gato de Michelle Pfeiffer sempre será marcante, mas a de Anne Hattaway é realmente linda, impressionante e sensual.

A fonte de inspiração de Chris Nolan para o épico tem como referência estas HQs: Ano Um, Cavaleiro das Trevas, A Queda do Morcego, Terremoto e Terra de Ninguém basta apenas conferir.

A direção de Christopher Nolan junto a atuação de Christian Bale alçou a jornada do Homem Morcego a um patamar nunca antes imaginado.

Nolan conseguiu com Batman o que Richard Donner fez com Superman: O Filme (1978), tornou sua visão do personagem única e incomparável. O caminho trilhado por Nolan está há anos-luz do que qualquer outro diretor fará com o Morcego por um bom tempo. Se eu pudesse apertaria a mão de Nolan agradecendo-o pelo respeito e dimensão ímpar dada ao Batman.

Estão cogitando um longa da “Liga da Justiça” e a participação do Batman será totalmente diferente do que acostumamos a ver nesta franquia,  mas infelizmente podem se preparar para muitas comparações e reclamações.

 

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em Crítica