Arquivo da tag: Cavaleiros Esmeralda

Crítica

green lantern

Lanterna Verde

Eu estava ansioso (com uma grande expectativa), pra ver este filme, mas não tive grana pra ir ao cinema. Passei na locadora e fui convidado (“intimado”) pelo meu amigo Júlio a assistir na casa dele. Bom, foi bem melhor não ter ido ao cinema mesmo.

Sinceramente não gostei e olha que pra mim ( um dcnauta convicto) é algo difícil pra ser dito. Esta abordagem do diretor Martin Campbell para Hal Jordan ficou abaixo do que vemos nas HQs e o desenho da Liga da Justiça aumentou a popularidade do John Stewart.

Tinha gente reclamando em fóruns na internet que o Lanterna Verde não era o John no mínimo são pessoas que conhecem apenas o desenho e não os gibis. Isso dá pra compreender, pois Stewart tem muita personalidade.

Os longas para DVDs Primeiro Voo e Cavaleiros Esmeralda conseguem ser mais empolgantes do que este filme. Apenas não consigo entender Hal Jordan como um homicida em potencial.

Não posso excluir que a perda trágica do pai seja uma influencia crucial no modo de encarar a vida (é o caso de Bruce Wayne que perdeu ambos), mas Jordan não pode ser resumido nisso.

Fiquei chateado com a história de somente o Hal ter ido numa ofensiva kamikaze direta contra Parallax sendo um Lanterna iniciante ou um Lanterna “verde” se me permitirem o trocadilho. O uniforme em CGI me pareceu fake, isto pra não dizer estranho.

Apesar das piadinhas que não me fizeram rir e Ryan Reynolds pareça querer dar uma de bom moço, não conseguiu me convencer como Hal Jordan e olha que ele tem Blade Trinity e um outro que não me recordo agora no currículo.

Quase ia me esquecendo da Amanda Waller “magra” e possivelmente a instalação para onde Hector Hammond foi levado seja o Projeto Cadmus.

Talvez na continuação com um novo diretor haja tempo pra mais ação, diálogos melhores e menos infantilidade. Quanto ao vilão Hammond estava bem apesar de conhecê-lo pouco, porém Parallax é a encarnação do medo que não me assustou, mas Sinestro é um vilão que foi bem interpretado pelo ator Mark Strong.

Esta atuação do Reynolds, me lembrou o Batman de Tim Burton (1989), onde o vilão Coringa (Jack Nicholson) apareceu mais que o personagem principal de Michael Keaton.

Os produtores terão que repensar na franquia para que o próximo longa esteja bem acima deste, pois não me agradou em nada. Sei lá talvez seja bom pra quem caiu de para quedas e conhece apenas o que viu no cinema.

Mesmo tentando me ater somente no filme de forma separada (pra mim ficou péssimo).

Acho um erro grave a DC não unificar seu universo na telona, pois não existem outros heróis somente um de cada franquia. Se querem fazer a Liga futuramente é preciso mudar isso. A Marvel esta aí mostrando o caminho das pedras e trilhando por ele.

Outra coisa que não poderia deixar de falar é o total desrespeito com o Alan Scott, o Lanterna Verde original, é como se nunca tivesse existido. Se não fosse pelo Alan não haveria o Hal.

Não estou dizendo que o Alan deveria ser citado no filme, mas que os personagens da Era de Ouro tivessem algum desenho para DVD apenas deles.

Se alguém vier falar de Batman: Os Bravos e Destemidos (A Era de Ouro da Justiça) ou Smallville (Justiça Absoluta), isto é pouco, entendeu?

Talvez esteja na hora de pensar num longa “animado” da Sociedade da Justiça e erguê-los ao patamar que merecem.

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Crítica