Arquivo da tag: gibis

Crítica

Iron_Man_3

Homem de Ferro 3

O arco Extremis dos gibis foi a base para a existência do Gladiador Dourado para as telonas. Escrita por Warren Ellis e com arte de Adi Granov revitalizou pro século 21 toda origem de Tony Stark.

Alterando o cenário original que acontecia na Guerra do Vietnã para o Afeganistão TS precisa repensar toda sua vida como herói, magnata e cientista. Numa entrevista um jornalista confronta o magnata quanto ao impacto das armas utilizadas nas mais diversas  guerras.

TS fica melindrado, mas retruca dizendo que o documentário do jornalista também não melhorou a situação das guerras no mundo. Quando o cientista Aldrich Killian inventa o Extremis, um tipo de soro do supersoldado, baseado em nanotecnologia  que confere ao usuário  fator de cura, capacidade de gerar raios energéticos, velocidade, superforça entre outros poderes.

Essa perigosa tecnologia foi utilizada pelo terrorista  Mallen que entra num embate mortal contra o Homem de Ferro que quase morre. TS estava muito ferido, mas foi ajudado por Maya Lopez ajudando a desenvolver uma variação do Extremis. Desta vez o vírus foi modificado para criar um link mental entre as armaduras e TS (permitindo que acessasse qualquer banco de dados). E de uma maneira incrível a armadura sai dos poros de sua pele.

Ou então mesmo estando distante vários quilômetros TS poderia “chamar” sua armadura para que viesse lhe ajudar (e assim encaixando em seu corpo). Este arco foi mal aproveitado no longa, pois a densidade dada ao personagem é bem maior do que o filme sugeriu.

A trama começa num Congresso científico em Berna, Suiça na noite de réveillon de 1999. Com uma música dance chatíssima (que poderia ter sido esquecida) o milionário já havia tomados algumas, mas sobe pra “conversar” com a bióloga Maya Hansen (a bela Rebecca Hall) sobre  o Extremis seu projeto de regeneração que pode futuramente ajudar na recuperação de aleijados.

Só que ao mesmo tempo rejeita falar com Aldrich Killian (Guy Pearce) para financiar seus projetos da I.M.A (Ideias Mecânicas Avançadas) organização bem conhecida por nós leitores de gibis. Há um salto no tempo pra atualidade quando vemos Happy Hogan (Jon Fraveau) como  chefe de segurança nas Indústrias Stark e Pepper Potts (Gwynelt Paltrow) se destacando ainda mais comandando a empresa.

Podemos notar que possivelmente está conectado com Os Guardiões da Galáxia na parte em  que Aldrich Killian  mostra uma imagem tridimensional do seu cérebro para Pepper Potts e aparece por “engano” o espaço sideral.

Desta vez o “vilão” Mandarim (um clássico inimigo das HQs) atormenta o mundo inteiro com ameaças transmitidas pela internet. Não poderia deixar de comentar que Ben Kingsley dá um show de interpretação toda vez que aparece.

Quando Happy Hogan sofre um atentado sendo ferido mortalmente (na reconstituição da cena do crime  há um aparato tecnológico que lembra CSI). Então TS promove pela TV um confronto direto contra o Mandarim declarando guerra.

Os efeitos especiais são impactantes na cena de destruição da  mansão e logo após  o milionário é dado como morto. Foi nesta parte que infelizmente pra mim pareceu uma cópia deslavada de Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, porque temos Tony Stark também em busca de si mesmo.

Tony está com um trauma após os acontecimentos em Nova York, pois num mundo com soldado patriótico, deuses nórdicos, gigante esverdeado se comparou apenas como “um simples mecânico” então seu grande ego foi esmagado (desculpa pelo trocadilho Hulk).

Eu quero saber porque transformaram TS numa versão mais velha do Homem-Aranha? O que eu detestei mesmo foram as piadinhas que aparecem em boa parte do filme.

Talvez quisessem tirar o peso que o tema “terrorismo” provoca basta lembrar o 11 de setembro e o atentado em Boston.  Só que pra mim conseguiram dar uma derrapada muito grande neste roteiro, pois acabou alternando entre comédia, romance, drama e quase ação.

Se não me engano Tony diz: “que o importante é o homem e não a armadura”

E sinceramente antes do filme estrear fizeram tanto merchandising só que vemos Robert Downey Jr.  que acabou se sobressaindo mais que Tony Stark (e isto foi ruim porque o HF aparece poucas vezes na telona).

Os efeitos especiais são uma alegoria a mais demonstrando a destruição da mansão, um homem cuspir fogo, várias armaduras do Homem de Ferro voando, mas eu não vejo o Tony Stark dos quadrinhos na telona (e pra mim todo resto foi decepcionante).  Foi um sucesso de bilheteria incontestável, porém a mudança na direção e o roteiro fraco não me agradaram em nada.

Só pra constar temos um alívio cômico na cena pós-créditos, pois TS conta a história do filme. Num tipo de sessão de terapia com Bruce Banner (Mark Ruffalo) que na verdade havia até cochilado de tédio.

Deixe um comentário

Arquivado em Crítica

Imagens

z

Sexy Girls

Contemple na galeria abaixo as mais lindas personagens vindas dos gibis e também das animações.

Nas imagens você irá encontrar: Teela, Ginormica, Belit, Shi, Cyblade, Velma, Atomic Betty, Red Monika, Tinker Bell,  entre outras.

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Angela Angela_hunter Aphrodite_and_Witchblade by ebas aphrodyte_9 by_nebezial aspen 0 Aspen by joe benitez aspen by michael turner Asuka atom_eve atom_eve_by_cakes atomic betty Avengelyne and Pandora Avengyline baroness by j. scott campbell belit blitzcadet 1 bruce timm cyblade 1 cyblade 2 Cyblade 3 cyblade and shi dave hoover 1 dave hoover 2 dawn-by dave-hoover fathom final fantasy frank cho 3 HOLLI WOULD holli-would-erik von lehmann I_Dream_of_Jeannie-joe-jusko IMAgent J. Scott Campbell jennifer blood 1 jennifer blood 2 jennifer blood 3 kasuga kim possible Kira_mortal-kombat Lisa-Simpson meninas superpoderosas michael turner rainmaker rapunzel red monika 0 RED MONIKA 1 RED MONIKA 2 red monika 3 red monika 4 red monika 5 Sharon 1 sharon 2 shermie-KOF Shi by ed benes shi by julie_bell silk spectre 1 Silk spectre 2 silk spectre 3 Silk Spectre 4 Can you say, "Barb Wire"? teela teela-by-mlauneim

teela-michael dooney

terry dodson Tinkerbell by Adam Hughes tinkerbell by j. scott campbell velma 0 SDMI_VELRGB01_CAx velma 2 wallpaper 1 wallpaper sharon wallpaper velma 1 wallpaper velma 2 Wallpaper_daphne-blake witch-brandy-frank-cho Wonderland

Deixe um comentário

Arquivado em Imagens.

Herói

z

Lone Ranger, O Cavaleiro Solitário

“Quem era aquele estranho mascarado?”

Há alguns anos atrás quando eu estava começando a colecionar gibis. O herói era chamado por aqui erroneamente de Zorro (acredito que só pode ter sido por causa da máscara). E eu apenas, porque não tinha conhecimento também chamava Lone Ranger assim.

Lembro que até expliquei uma vez pro meu amigo Dênis a diferença entre Zorro americano e Zorro Espanhol. Depois fui comprando revistas especializadas em quadrinhos e aprendi seu verdadeiro nome.

Lone Ranger surgiu inicialmente no rádio sendo criado por George W. Trendle, pelo escritor Fran Striker e com a colaboração de toda equipe da estação de rádio WXYZ (1933).

A versão radiofônica ficou muito famosa na época, pois o herói enfrentava muitos bandidos perigosos e havia todo um clima de duelos. Fazendo a imaginação dos telespectadores acompanhar as novelas.

Dizem as lendas que o Cavaleiro Solitário talvez tenha a inspiração de sua existência devido ao Zorro (por isso a confusão aqui no Brasil).

Outra lenda também afirma que o autor George W. Trendle disse que John Reid é tio-avô de outro herói famoso  o Besouro Verde, pois Britt Reid é o alter ego deste herói.

John Reid é um ex-Ranger que fazia parte de um grupo liderado por seu irmão o Capitão Dan Reid. O destacamento foi atacado em uma emboscada por uma quadrilha de ladrões e apenas John sobreviveu, mas estava bastante ferido.

O índio Tonto  encontrou seu amigo de infância no lugar do massacre e salvou seu único sobrevivente. E após se recuperar de seus ferimentos John Reid deixou de existir passando a cobrir seu rosto por uma máscara negra.  E andando pelo meio oeste americano em seu cavalo Silver. Sempre acompanhado por seu fiel amigo Tonto.

Eles se aventuravam nos tempos das diligências levando justiça aonde quer que fosse preciso (e John procurando vingar a morte de seus companheiros).

Lone Ranger é um exímio atirador e sua marca registrada eram suas pistolas que davam tiros de bala de prata. Lembro que ele nunca atirava pra matar, mas apenas para desarmar seus oponentes.

O herói teve diversas adaptações tanto em tiras de jornais: King Features Syndicate (1938-1981), gibis: Dell Comics (1948), Gold Key Comics (1962/77) e Dynamite Entertainment (2010).

A parte mais interessante é notar que vários atores já interpretaram o personagem. Em 1938 a Republic Pictures fez um seriado com 15 capítulos intitulado The Lone Ranger (O Guarda Vingador aqui no Brasil). O mistério consistia em saber dos 5 rangers quem era o herói do título algo que foi apenas mostrado no último episódio. Tonto era interpretado pelo Chefe Thunderclod

Em 1939 teve uma continuação The Lone Ranger Rides Again (A Volta do Cavaleiro Solitário). Aonde Bill Andrews (Robert Livingston) se disfarçava no herói mascarado para poder ajudar um grupo de colonos.

A diferença era que o alter ego do herói já havia sido mostrado desde o início. Chefe Thundercloud reprisou seu papel de Tonto.

A versão mais famosa de The Lone Ranger (1949-1957) foi a televisiva com Clayton Moore e Jay Silverheels. Tonto montava o cavalo Scout e geralmente se referia ao herói como “kemo sabe” ( que significava fiel) em sua tribo. Aliás sua tribo nunca foi identificada antigamente (não sei se fizeram em alguma versão posterior).

É impossível ver Lone Ranger e não lembrar da música-tema “William Tell Overture” de Gioacchino Rossini.

Outra coisa inesquecível era quando o herói subia a montanha e dava seu famoso grito de guerra: “Hi-yo Silver, em frente!” na série televisiva. Quando chegava este momento eu ficava sabendo que minha aventura infelizmente chegou ao fim.

Após o termino do seriado dois filmes foram feitos com Clayton Moore e Silverheels:  The Lone Ranger (1956) e  The Lone Ranger and The Lost City of Gold (1958).

Em 1966 a Format Films lançou um desenho do herói que teve duração de três anos, mas os custos eram baixos (tornando-a uma animação limitada e fraca).

Em 1981 o filme The Legend of Lone Ranger tinha Klinton Spilsbury interpretando o herói e Michael Horse no papel de Tonto.

A sinopse era praticamente a mesma John sofre uma emboscada sendo salvo por seu amigo de infância. A exceção é a presença de Christopher Lloyd (Butch Cavendish) que ficou mais conhecido por nós como Dr. Brown em De Volta para o Futuro.

Este filme é muito criticado por fazer várias mudanças no conceito do personagem original. Principalmente por mostra-lo como um idiota sem a ajuda de seu parceiro.

Em 1980 a Filmation também produziu uma animação chamada O Cavaleiro Solitário como parte de Tarzan/Lone Ranger Hour. A parte boa era que a abertura desta animação manteve a versão do seriado televisivo com Clayton Moore.

Nesta saudosa animação também temos o policial do Texas John Reid  sendo o único sobrevivente de uma emboscada feita pela gangue Buraco na Parede. Sendo salvo por seu amigo de infância o índio Tonto.

Quando se recupera decide fazer justiça no velho oeste. Escondendo seu rosto sob a máscara (que surgiu para enganar a gangue). Enfrenta os mais temidos vilões que encontra em seu caminho acompanhado por seu fiel amigo.

Montando seu cavalo Silver usava vários disfarces sempre que precisava e ao ir embora deixava uma bala de prata as vítimas que ajudou. Isto servia para que quando estivessem com algum problema enviassem a bala para ele poder vir ajudar.

Neste ano a Disney lançou The Lone Ranger com direção de Gore Verbinski aonde temos Armie Hammer interpretando o herói e Johnny Deep como Tonto.

A trama mostra a origem dos personagens explorando seus esforços para levar a justiça num velho oeste corrupto e bravio. Espero que valha a pena, pois o herói merece voltar ao topo.

Confira na galeria abaixo algumas imagens de The Lone Ranger

0 1 2 The Lone Ranger 4 5 6 7 11 12 13 14 15 16 17 MSDLEOF EC091 19 20 21 alex ross Aurora_Lone_Ranger_Zorro clayton-moore 0 clayton-moore 1 clayton-moore 3 dell-comics dynamite-alex-ross filmation 0 filmation 1 filmation 2 gold-key king-features-syndicate lone ranger- and-zorro lone-ranger-2013 lone-ranger-clayton-moore lone-ranger-john-hart lone-ranger-klinton-spilsbury lone-ranger-lee powell lone-ranger-robert-livingston MSDLEOF EC090 lone-ranger-william-withney rides again THE LEGEND OF THE LONE RANGER wallpaper 0 wallpaper 1.1 wallpaper 1 wallpaper 3 wallpaper 4 wallpaper 5 wallpaper 6 wallpaper 7 wallpaper 8 wallpaper 9 wallpaper 10 wallpaper 11 wallpaper 12 wallpaper 13 wallpaper 14 wallpaper 15 wallpaper-alex-ross

Fonte de Pesquisa: InfanTV, Wikipédia e TVSinopse.

2 Comentários

Arquivado em Herói.

Falando Sobre

superman-fleischer

Superman

Os irmãos Fleischer nos presentearam com duas animações importantes Betty Boop e o Marinheiro Popeyemas ficaram marcados na história quando trabalharam na primeira animação do Super-Homem.

Toda vez que revejo não consigo deixar de pensar que conseguiram realizar numa época tão longínqua uma série com uma qualidade técnica muito avançada tornando-a praticamente atemporal.

A introdução apresentando a origem clássica do herói é uma das melhores ideias que tiveram. Tanto que a Filmation  fez a mesma coisa anos depois (copiou descaradamente pra dizer a verdade).

O famoso seriado televisivo com George Reeves (1950) também tinha o mesmo tipo de abertura. É importante lembrar que o Homem do Amanhã (da Era de Ouro dos gibis) não voava, pois somente podia dar longos saltos.

A parte interessante é que seus superpoderes  desde aquela época já tinham uma explicação científica para torna-la plausível, porque sua força física era baseada nas formigas e os saltos nos gafanhotos (depois vieram acrescentando mais coisas).

Na animação o Super também não podia galgar os céus, porém isto foi mudado ao longo dos episódios. Podemos notar que a introdução também vai mudando.

Nos primeiros temos: “olhem lá no céu!” em outros há variações do mesmo tema como: “capaz de voar mais alto que qualquer avião”; “mais rápido que um raio”; “mais forte que a arrebentação do mar” ou ainda “mais poderoso que um veloz furacão”.

Outra coisa interessante foi o uso de rotoscopia (uma técnica que consiste em redesenhar quadros de um vídeo seguindo uma referência filmada).

A tecnologia da década de 1940 era bastante simples se compararmos com a atual, porém é mostrada de maneira notável tanto nos carros, aviões, máquinas á válvula ou transistores e até máquina de escrever.

O uniforme de Kal-El é azul escuro com o escudo amarelo, preto e o “S” vermelho  que virou referência para Alex Ross na HQ “O Reino do Amanhã”, de 1996. Porém o melhor desta animação é sua forma estilizada, repleta de contrastes e sombras.

Em Superman: A Série Animada (1996) podemos notar que  Bruce Timm trouxe este estilo de volta, pois sua versão não difere em nada dos irmãos Fleischer. Basta prestar atenção nas similaridades. O kriptoniano é forte, mas sofre em alguns momentos para concretizar sua tarefa.

A grande diferença está na abordagem de histórias por conta do espaço de décadas entre elas e a já citada mudança na tecnologia. Podemos ver isso claramente nos vilões enfrentados, porque enquanto na versão de 1941 o Super enfrenta cientistas malucos, bandidos, robôs, chuva de meteoros, esfria um vulcão em erupção ou detém um enorme dinossauro.

Enquanto que em 1996 temos Lex Luthor, Brainiac, Darkseid, Metallo,Mxyzptlk, Live Wire e Vulcana (que foram criadas exclusivamente para animação e depois entraram pra continuidade). Lembrando que Vulcana apareceu na animação da Liga da Justiça.

Lois Lane é uma das minhas musas dos quadrinhos preferidas e aqui em Terra Tupiniquim no período Pré-Crise era chamada de Miriam Lane (não sei explicar porque era assim).

A intrépida repórter  tinha um ótimo faro pra notícia e também seu azar era justamente proporcional para cair numa encrenca. A Lois de Fleischer tinha um ar de pin-up fascinante, porque seu gestual é lânguido e sensual sem ser forçado (agindo de maneira natural).

E quem escreve a maioria das matérias sobre o herói é ela (e não Clark Kentcomo foi mostrado na versão de John Byrne). A melhor parte é que Clark não tem nada de bobo ou atrapalhado. Este tipo foi muito bem aproveitado pelo saudoso Christopher Reeve pro filme,  de 1978.

O Clark Kent de Fleischer é calmo, discreto e troca de roupa em diversos locais. Tanto que numa cabine telefônica fez isso apenas uma única vez (e ficou marcado pra sempre). Ele também troca na sala de limpeza forma que foi imortalizada por George Reeves.

Superman: Recomeço

Quando a Saga Ponto de Ignição terminou a DC Comics trouxe os Novos 52. Uma referência a um novo Multiverso com 52 Terras Paralelas (aonde tinham 52 revistas para vender). Reformulando e reiniciando todo seu panteão com novas histórias e uma nova cronologia.

E uma das principais atrações foi esta nova abordagem do kriptoniano que ficou bastante diferente da versão criada por John Byrne, pois além da cueca vermelha ter desaparecido (já estava na hora mesmo) o herói era motivo de muitas piadinhas por conta disso.

Vindo de um enorme histórico de queda na popularidade, de baixas vendas ao longo dos anos, pois perdeu até para o Morcegão neste quesito.

O Azulão voltou a crescer aos olhos do público nesta volta ás origens clássicas de  sua origem, de 1938. Com todos aquelas frases interessantes do período: mais forte que uma locomotiva, capaz de pular prédios num único salto e mais rápido que uma bala.

Poucos superpoderes como: superforça, invulnerabilidade, superaudição e visão de raio-x. Clark Kent mora num prédio de apartamentos velhos e tem problemas para pagar o aluguel.

Sabemos que detém outra referência marcante deste período inicial ao lutar pelos fracos e oprimidos. Trajando uma calça jeans, botas e uma capa pequena e indestrutível demonstrando um  forte senso de moral entre certo e errado. E agindo contra qualquer pessoa que se opor em seu caminho.

Misturando fatos da cronologia tradicional e trazendo alguns elementos novos (como o traje nano-tecnológico) acabou despertando a atenção dos fãs. E consolidando esta fase no aumento da venda de suas edições.

Os Novos 52 mostrou ser uma grande ideia inicialmente, mas com o tempo revistas foram canceladas, pois o mercado editorial americano é muito concorrido. E pra ser sincero trabalhar com tantas edições assim é história demais pra  manter o nível de qualidade por um bom tempo.

Porém tudo isto irá culminar em Superman: O Homem de Aço filme dirigido por Zack Snyder o famoso diretor de 300 e Watchmen. Mais que também exibe em seu currículo o terrível Sucker Punch (tendo de bom apenas a beleza de suas atrizes) que poderia ter tido um final bem melhor do que foi mostrado. Eu realmente tinha medo se este reinicio nas telonas tivesse apenas a mão deste diretor.

Contudo para alívio geral dos fãs ainda temos  na produção Chris Nolan que demonstrou na recente trilogia do Morcegão a adaptação á altura do herói de Gotham City (acredito que veremos uma boa dose da criatividade dele nisto tudo).

A situação cinematográfica do Homem do Amanhã não é uma das melhores, pois o fracasso de Superman: O Retorno, de 2006 (ainda repercute em nossas memórias).

Posso dizer que  pelos trailers que tenho visto na web O Homem de Aço veio pra confirmar sem sombra de dúvidas que o Superman é o maior herói de todos os tempos (não só dos gibis, mas também do cinema).

A abordagem está mostrando que Kal-El se questiona por ter superpoderes e a grande ameaça do General Zod  fará o herói definitivamente escolher seu caminho.

Falando em Zod notamos que será o mais cruel vilão da história recente de filme de quadrinhos. E pensando que pelo sucesso deste longa haverá sim uma franquia pra Liga da Justiça qual seria o vilão?

Sinceramente não poderia deixar de pensar em Darkseid sendo que o vilão não daria as caras logo de primeira (ficando apenas manipulando alguma marionete) para depois realmente cair na porrada com o kriptoniano.

Fato que demonstra seu M.O. Sendo que  ainda temos o monstro Apocalypse visto que a forma abordada na animação da Liga da Justiça ficou ótima. E você qual vilão gostaria de ver no filme da Liga?

Pra fechar,  será que Superman: O Homem de Aço irá realmente consolidar esta nova imagem do herói kriptoniano? Só o tempo poderá nos responder.

Deixe um comentário

Arquivado em Falando Sobre

Imagens

jim lee

Superman

O Finado Sr. Kent  é o nome de um episódio do desenho Superman: A Série Animada.

O desenho começa com o enterro de Kent e nas sombras Superman assiste a tudo pesaroso. Em flashback ficamos sabendo que Clark Kent “morre” supostamente após sofrer um atentado quando estava investigando um caso.

O réu que iria para a cadeira elétrica alegava ser inocente e Clark foi atrás averiguar os fatos para não deixar que nada ficasse de fora. Na verdade o culpado era o Detetive Bowman.

O episódio não é um dos melhores da animação mais me lembrei dele, porque aconteceu algo praticamente semelhante nas HQs atuais. O fato não é algo novo, pois aconteceu outras vezes. Algo que também tivemos na edição especial A Morte de Clark Kent.

Nesta história quando o vilão Conduíte descobre a identidade secreta do herói  passa a infernizar a vida de Clark num plano para matar não só ao Superman, mas todos os seus amigos e familiares.

Tudo começa com Kent recebendo um boneco do Superman de óculos, com uma  faca enfiada no peito. O vilão Conduíte é Kenny Braverman que estudou com Clark, em Smallville.

Eles eram amigos e rivais no esporte, pois Kenny sempre perdia pro Clark e o pai de Kenny dizia que desejava ter um filho como Kent. Isto gerou uma inveja e ódio enorme em Kenny que algum tempo depois descobriu que Superman e Clark Kent eram a mesma pessoa.

Conseguindo superpoderes derivados de uma kriptonita, Kenny decidiu derrotar e matar seu ex-amigo/rival e também no processo assassinar todos os seus amigos e familiares. Mais além destas duas “mortes” temos uma outra mais recente (que me deu a ideia para este texto).

Depois de mais de 70 anos usando a identidade secreta mais conhecida do mundo inteiro Kal-El vulgo Superman teve que deixar seu alter ego morrer “de novo”.

O Azulão voltou a crescer aos olhos do público nesta volta ás origens clássicas, de 1938. Com todos aquelas frases interessantes do período: mais forte que uma locomotiva, capaz de pular prédios num único salto e mais rápido que uma bala.

Poucos superpoderes como: superforça, invulnerabilidade, superaudição e visão de raio-x. Clark Kent mora num prédio de apartamentos velhos e tem problemas para pagar o aluguel.

Sabemos que detém outra referência marcante deste período inicial ao lutar pelos fracos e oprimidos. Trajando uma calça jeans, botas e uma capa pequena e indestrutível demonstrando um  forte senso de moral entre certo e errado. E agindo contra qualquer pessoa que se opor em seu caminho.

Desta fase destaco algo que vi no próximo longa Superman: O Homem de Aço, pois Henry Cavill está preso conduzido por militares e nos gibis acontece fato semelhante na HQ “Acorrentado” quando o herói é aprisionado pelo governo e torturado por Lex Luthor.

Na edição Superman n° 11 somos apresentados “A Nova Identidade Secreta do Superman”, seu nome é Johnny Clark, um bombeiro que salvou o editor Sr. Taylor do Estrela Diária de morrer quando uma bomba explodiu no prédio.

O tal Sr. Taylor na verdade é uma referência a George Taylor o editor do jornal Estrela Diária original de 1938 quando o Homem de Aço surgiu nos gibis.

Superman acaba pedindo conselhos ao Batman por ter acabado com a vida de seu alter ego e perdido todos os seus amigos e vida própria neste processo.

Felizmente esta perda de identidade secreta não durou muito, pois na edição Superman n° 12 trouxeram o velho Clark Kent de volta do reino dos mortos.

Eu sinceramente não gostei de duas coisas nesta história. Uma foi o Superman Esquecido (um ser tão extraordinário quanto Kal-El). E segunda que estranhei foi o acidente gravíssimo que Lois sofreu, porque Superman aprendeu tudo sobre medicina lendo livros no hospital em apenas alguns segundo salvando-a de morrer.

Claro que é do Super que estou falando e em termos de quadrinhos sei que pode ser possível, mas detestei tal argumento (pra mim seria melhor que Lois não tivesse ferimentos sérios).

Voltando, Johnny Clark foi o rapaz que veio  de Keystone e passou a integrar o Corpo de Bombeiros de Metrópolis sua existência foi meteórica, mas  mostrou algo inusitado a mudança de identidade secreta do kriptoniano.

Aliás o fator mais importante neste assunto é que Kal-El ao não usar uma máscara faz todos pensarem que não precisa de uma identidade secreta para esconder sua vida privada (e este sempre foi seu grande trunfo).

Veja na galeria abaixo algumas imagens do Homem de Aço

0.0 0.1 1.0 1.1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 18 19 20 21 24 27 28 29 al plastino alex ross 0 alex ross 1 alex ross 2 alex ross 3 bruce timm 1 bruce timm 2 chris samnee curt swan 0 curt swan 1 curt swan 2 curt swan 3 curt swan 4 curt swan 5 dave bullock ed mcguinness 1 ed mcguinness 2 ed mcguinness 3 felipe massafera gary frank 0 gary frank 1 gary frank 2 gary frank 3 greg hildebrant jerry ordway jim lee 0 jim lee 1 jim lee 2 jim lee 3 jim lee jim steranko john byrne 1 john byrne 2 john byrne 3 jose luis garcia lópez 1 jose luis garcia lopez 2 justice society Man of Steel man-of-steel-5 neal adams perry Romita_Sr ryan sook's steve rude superfriends superman-christopher-reeve terry dodson thony silas tim sale wallpaper 0 wallpaper 1 wallpaper 2 wallpaper 3 wallpaper by alex ross wallpaper by curt swan 1 wallpaper by curt swan 2 wallpaper by greg-tim-hildebrandt wallpaper by jerry ordway wallpaper by josé luis garcia lopez

Deixe um comentário

Arquivado em Imagens.

Herói

alex raymond

Flash Gordon

O herói é um mito dos gibis, mas veio primeiro das páginas de jornal. Flash Gordon surgiu da parceria entre o visionário artista Alex Raymond e teve roteiro de Don Moore.

É o segundo herói espacial da história, pois seu predecessor foi Buck Rogers.

Todas as características de um herói clássico como conhecemos hoje como: forte, ágil, viril, justo, incansável e democrático surgiram nas histórias de Flash Gordon.

Em sua primeira aventura o Flash Gordon é mostrado como um ex-jogador de polo e piloto que estava viajando de avião quando o aparelho é atingido por um meteoro.

Só deu tempo apenas de pegar um paraquedas e salvar a outra passageira Dale Arden. Ambos caem perto do laboratório do cientista louco, o Dr. Hans Zarkov, que tinha inventado uma maneira de desviar de órbita um planeta ameaçador que estava em rota de colisão com a Terra.

Zarkov havia criado um foguete para realizar tal objetivo e obrigou os dois a acompanha-lo  durante esta missão suicida. O trio consegue obter sucesso, porém acabam pousando no tal planeta.

Diante do impacto Zarkov recupera a sanidade virando um amigo fiel do herói. É no planeta Mongo que o trio de protagonistas acabam enfrentando  Ming, o Impiedoso (que tinha traços orientais).

Mais Flash Gordon atravessa todo planeta a fim de convocar todos os governantes a se rebelarem contra o ditador sempre acompanhado de Dale e Zarkov. E também torna-se líder dos rebeldes que desejam destronar Ming.

O planeta Mongo é composto por vários povos entre eles estão os homens-leão, homens-lagarto, homens-falcão (alguém aí se lembrou de Thundercats? Bom, agora sabemos de onde “talvez” surgiu a inspiração).

Dizem as lendas que a cidade florestal de Arborea é uma das mais lindas do planeta Mongo.

O herói destacou-se por deter ameaças como dragões, criaturas estranhas, monstros e humanoides exóticos. O artista Alex Raymond é amplamente conhecido pelo seu estilo  que foi comparado ao dos pintores renascentistas.

Outra grande marca do personagem foram as tecnologias que na época poderiam ser consideradas futuristas que tempos depois tornaram-se realidade como: discos voadores, raio laser, energia atômica, spray, propulsão a jato, televisão e também a minissaia.

Contudo a principal afirmação que a Terra era azul, isto 35 anos antes do astronauta russo Yuri Gagarin dizer a famosa frase.

Flash Gordon ao longo das décadas foi adaptado para várias mídias seu primeiro expoente foi na já citada tira de jornal, mas logo vieram os gibis, a série radiofônica (1935) e a tela de cinema nos famosos serials sendo interpretado pelo galante ator Larry “Buster” Crabbe.

Flash Gordon foi a  primeira adaptação do herói feita, em 1936 pela Universal Studios no formato de 13 episódios. A história mostrava se manter fiel as características do herói feitas pro gibi unindo-o a Zarkov (Frank Shannon) e Dale Arden (Jean Rogers)  numa missão no planeta Mongo, onde enfrentam o cruel Imperador Ming (Charles B. Midletton).

A repercussão do primeiro seriado de Flash Gordon foi tão grande que o estúdio fez mais duas continuações Flash Gordon no Planeta Marte (1938) e  a outra Flash Gordon Conquista o Mundo (1940).

O ator Larry Crabbe tornou-se também uma lenda ao interpretar diversos heróis nos famosos seriados de cinema. Sendo um dos  mais conhecidos,  citados, e renomados  artista desta época áurea.

Durante  meados da década de 1950 o herói teve uma série televisiva aonde o ator Steve Rolland interpretou nosso herói. Sendo uma curta duração de apenas 39 episódios. Na história o herói era um agente do GBI (Galactic Bureau of Investigation).

A produção é marcada como a primeira série de ação gravada (e não transmitida ao vivo) e sua principal característica era ser centrada no herói. Suas aventuras ocorriam no ano de 3203 tornando-se muito popular durante a época que foi exibida.

Em 1979 a Filmation realizou a série animada Flash Gordon (no original The New Adventures of Flash Gordon) sendo uma adaptação bastante fiel do que havia nos gibis. Eu me lembro que adorava assistir as aventuras e ficava fascinado com o homem-leão Thun. É um desenho que faço questão de ter em DVD para poder reassistir e guardar em minha coleção.

A adaptação mais famosa do herói espacial foi feita, em 1980. Flash Gordon: O Filme pode não ser considerado um dos melhores do seu gênero, mas hoje é conceituado como um clássico por dois motivos. Um foi a forma fiel que mostraram o personagem e a outra é que a banda Queen fora responsável por toda sua trilha sonora regada do mais puro e bom rock n’ roll.

O filme foi dirigido por Mike Hodges sendo estrelado por Sam J. Jones (Flash Gordon),  Dale Arden (Melody Anderson), Dr. Zarkov (Chaim Topol),  Ming (Max Von Sydow), Princesa Aura (Ornella Muti – uma das maiores musas da década de 80) e Príncipe Barín (o James Bond daquela época Timothy Dalton).

No longa Flash Gordon, Dale Arden e o Dr. Zarkov se unem para deter os planos  do Imperador Ming que estava determinado a conquistar e destruir o nosso planeta.

Porém quando partem para Mongo são capturados pelas tropas do vilão, mas conseguem se libertar. E então tentam arranjar ajuda entre os outros habitantes do planeta tanto para tirar o tirano do poder quanto para arrumar um meio de voltar para casa.

O trio é ajudado pelo príncipe Barin, pelo príncipe Vultan (Brian Blessed) dos homens-pássaros e pela Princesa Aura que acaba se apaixonando pelo herói.  A guerra que une todo povo contra o nefasto Ming é o ápice do filme trazendo a nossa velha e conhecida luta do bem contra o mal (pra mim vale a pena).

Seus  efeitos especiais não são de primeira linha, mas o longa é marcado por seus cenários luxuosos e boa caracterização dos personagens.

Este filme é uma das primeiras adaptações de herói que pude ver na minha vida e mora de maneira cativa no meu coração. É nitidamente claro que se compararmos as adaptações atuais iremos encontrar muitas falhas, mas é uma diversão garantida.

Durante o ano de 1987 nós vimos Os Defensores da Terra que mostrava as aventuras dos heróis Flash Gordon, Mandrake e Fantasma da King Features Syndcate (que publicou as histórias dos personagens durante anos), mas a grande novidade eram seus filhos.

Flash com Rick, Fantasma com a bela e inteligente Jeda, Lothar com L.J. e Mandrake com seu filho adotivo Keshim. Na história Ming havia sequestrado a esposa do Flash para poder extrair de sua mente todos os segredos para destruir seu marido. E  de posse disso poder definitivamente conquistar nosso planeta.

Rick tentou salvar sua mãe, mas  ela já havia sido exposta tempo demais a tal máquina. Infelizmente Rick chegou tarde e ela morreu. Porém sua essência foi transferida para um cristal.

Mesmo sem saber disso Flash Gordon atacou o planeta Mongo, no entanto foi perseguido por soldados do Imperador Ming. E acabou fazendo um pouso forçado na mansão de Mandrake. Diante de tais acontecimentos Mandrake convoca outros heróis para unidos  salvar Rick e combaterem o vilão. Surgindo assim Os Defensores da Terra.

Esta animação teve uma versão em quadrinhos que durou apenas quatro edições. a arte era de Alex Sayuk enquanto no roteiro estava  o nosso amigo e mestre Stan Lee.

A editora Dynamite irá lançar em setembro a mini Kings Watch reunindo o trio da Kings Features Syndicate (o título é uma alusão á antiga editora) em  novas aventuras inéditas.  a arte ficou com Marc Laming e o roteiro nas mãos de Jeff Parker. Espero que faça um estrondoso sucesso.

Já está mais do que na hora de alguma produtora realmente se interessar em lançar um novo filme do herói, pois merece ter algo que engrandeça sua importância para a cultura pop.

Confira na galeria abaixo algumas imagens que consegui do herói Flash Gordon

1 2 4 5 6 6 7 8 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 Alex Raymond Alex_Ross Al-Williamson aura-by-Gene Ha blaster Buster Crabble (Flash Gordon) des_taylor filmation flash_gordon1940 Flash-Gordon-1980 flash-gordon-serial flash-gordon-steve-holland-1954 francesco francavilla FrankCho John_Cassaday KaRzA_76 KingsWatch 02 KingsWatch-01 loston wallace ming 1 ming 2 paul renaud 1 paul renaud 2 paul renaud 3 the movie wallpaper 0 wallpaper 1 wallpaper 2 wallpaper 3 wallpaper 4

Fonte de Pesquisa: Clube dos Heróis, Wikipédia, Chamando Superamigos, InfanTV e TV Sinopse.

Deixe um comentário

Arquivado em Herói.

HQ

SUPERMAN-12

Superman -n° 12 – O Retorno do Superman Esquecido

Esta é uma das histórias mais estranhas que já li a começar pelo personagem Edward Blake, o Superman Esquecido do título.

Blake é um neo-sapiens, um mutante nascido cem mil anos no futuro, dotado com poderes psíquicos extraordinários. O que eu não entendi  foi como o Super sabia da origem dele. A única coisa que posso supor é que a essência de Blake viajou pro passado (e de alguma forma sua vida tornou-se uma lenda urbana em Smallville).

Susie é sobrinha da Lois (que aliás eu nunca tinha lido nada sobre ela antes) que possui os mesmos poderes que ele, pois o Superman Esquecido veio aqui para salva-la.

Blake causou uma confusão enorme e enfureceu o Homem de Aço, mas o pior de tudo é que Lois foi atropelada (algo que nunca aconteceu antes, pois ela não sofria nem um arranhão). Superman a leva pro hospital e faz todo tipo de procedimento cirúrgico (aprendendo nos livros na hora) salvando-a do perigo de morrer.

A melhor coisa deste roteiro confuso (que espero tenha alguma explicação coerente mais á frente) foi que Johnny Clark saiu de cena. Sim, o alter ego mais conhecido do mundo dos gibis voltou.

Nosso velho amigo Clark Kent retornou graças á intervenção do Morcegão, mas o fato que me deixou com a pulga atrás da orelha foi  a revelação estranha.  A  senhoria do prédio em que Clark mora não é um ser humano normal.

Ela pertence a 5° dimensão local de onde surgiu o duende anãozinho MXYZPLTK (surgindo no período de 90 dias) que adora infernizar a vida do “Superbobão”. Seu verdadeiro nome é impronunciável (não sei de onde esses roteiristas tiram isso?)

Mais uma outra versão dela apareceu na antiga animação do Super-Homem dos anos 1990. Seu nome era GSPTLNZ e se apresentava numa bela aparência ao estilo de pin-up fiquei intrigado com o que virá acontecer depois.

Na segunda aventura chamada de “Herança”, a Supergirl pede ajuda do primo descobrindo que enquanto esteve em êxtase sua nave estava orbitando o Sol. E por isso recebeu altas doses de radiação solar enquanto Clark crescendo na Terra foi absorvendo a energia lentamente.

Esta explicação é até melhor do que a qual existia antes (simplesmente Kara era uma adolescente). A Moça de Aço voa nada até o fundo oceano atrás de sua nave e encontra seu maior arqui-inimigo Simon Tycho de posse de uma kriptonita vermelha disposto a “conversar”.

Veremos se isso realmente vai acontecer na próxima história, pois ficou algumas questões em suspenso que eu gostaria de saber as respostas.

Em “Lar”, que fecha esta edição temos história e arte de Dan Jurgens, um importante artista do kriptoniano dos anos 90. O enredo conta que os russos fizeram experiências com um portal dimensional e trouxeram pra cá um alienígena caçador que deixou  um rastro de sangue enorme em seu caminho.

O Superman acaba conseguindo entrar em contato com o Caçador (que ficou muito parecido com o Predador da franquia cinematográfica) que deseja voltar pra casa e atacou para se “defender”.

Não gostei desta história serviu apenas para mostrar que os russos querem ter poder de fogo que faça frente ao herói “americano”. E não vi nada de especial nela apenas seu referido autor. Bom, na próxima edição temos a promessa de recomeçar do n° 0 e talvez tenhamos outras histórias mais relevantes.  Eu quero ler.

HQ: Superman- n° 12- O Retorno do Superman Esquecido

Editora: DC Comics/Panini Comics

Mês/Ano: Maio/2013.

Deixe um comentário

Arquivado em HQ.