Arquivo da tag: hanna barbera

Desenho Antigo

manda-chuva

Manda Chuva

É um gato que vive num beco na cidade de Manhattan, em Nova York (aqui no Brasil mudaram a cidade pra Brasília).

A dublagem brasileira da AIC-São Paulo é histórica, pois o ator Lima Duarte emprestou sua voz pro Manda Chuva.

Dizem as lendas que o desenho da Hanna-Barbera surgiu inspirado no seriado antigo The Phil Silvers Show. No qual  o Sargento Bilko tenta arranjar dinheiro utilizando vários tipos de golpe e pra isso faz seus soldados ajudarem-no nessas tramóias.

Então o enredo pro desenho segue totalmente essa situação, pois Manda Chuva (Top Cat, no orginal) sobrevive dando golpe nas pessoas pra arranjar dinheiro.

Eu gosto de seu jeito inteligente e sagaz, pois sempre através de muita lábia consegue o que almeja.

É óbvio que como se trata de um desenho ele causa e também encontra muita confusão.

Quem sofre com as besteiras do gato é o Guarda Belo, um policial honesto, mas dono de um temperamento forte. Belo tenta colocar juízo no Manda Chuva só que geralmente é passado pra trás.

Junto com Manda Chuva temos sua turma de amigos: Batatinha, seu braço direito (é o meu preferido de todos). Tem um temperamento gentil, muito inocente e faz tudo o que seu “Chefe” ordenar.

Já seu braço direito é o Chu-Chu fica agindo como vigia do beco pra algum eventual problema.

Espeto demonstra um sotaque nordestino engraçado, Bacana é o conquistador e aparece dando encima das gatas e o coitado do Gênio não é muito inteligente.

Manda Chuva mora numa lata de lixo e na abertura do desenho vemos as inicias TC nela. A parte engraçada é que a lata parece pequena por fora mais nessa mesma abertura ele entra, liga a TV ou vai dormir.

Esse interior enorme me lembro a casinha do Snoopy que tem o mesmo mistério.

Continando, o Guarda Belo é o policial designado pela segurança da área e devido aos problemas que Manda Chuva causa fica perseguindo pra retirar sua turma do beco.

A lata de lixo aonde TC mora tem uma cabine telefônica da polícia e o gato a usa pros seus interesses.

Devido as suas falcatruas, Manda Chuva normalmente está devendo dinheiro pra todos os comerciantes da região (Schultz da mercearia, Lou da alfaiataria entre outros).

Um episódio que eu não me esqueço é o do milionário entediado que resolve doar 100 milhões de cruzeiros. Manda Chuva tinha a intenção de vender rifas e o Batatinha recebe esse cheque com a soma vultuosa.

Quando Batatinha vai descontar o cheque no banco o alfaiate fica sabendo. E espalha a novidade pra todos os outros comerciantes do bairro.

O detalhe importante é que passam a paparicar o Mand Chuva (dando-lhe roupas, carro, buffet de comida entre outras coisas).

Só ele não sabia que havia ficado rico então Manda Chuva sem saber rasga o cheque daquela dinheirama. Entrando em desespero ao saber da verdade é um episódio muito divertido.

Bom, na década de 70 a Editora O Cruzeiro lançou alguns gibis do gato malandro, mas ao longo dos anos também tivemos edições da Editora Abril, RGE, Cedibra e Paninni Comics.

E pra fechar, o desenho do Manda Chuva teve uma temporada com 30 episódios e terminando em 1962.

 

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em Desenho Antigo

Crítica

Lucky Luke

Lucky Luke

Nas HQs  ele é o cowboy mais veloz do mundo que consegue atirar mais rápido do que até a própria sombra. Nosso herói foi criado pelo artista Morris, em 1946.

O herói teve uma série animada produzida pela Hanna-Barbera Productions, em 1983.

Lucky Luke enfrenta o crime e a injustiça não só em sua querida cidade, mas aonde quer que esteja.

Pra ajudar Lucky em suas aventuras pelo Velho Oeste temos Jolly Jumper que é simplesmente o cavalo mais esperto do mundo.

E além de Jolly ainda temos Rantanplan que para diferenciar é o cão mais estúpido do universo.

Seus inimigos são os irmãos Dalton quatro encrenqueiros que mais parecem uma versão dos irmãos Metralha da Disney por serem tão burros também.

Pra dizer a verdade quase não sei muito sobre os quadrinhos de Lucky Luke, mas cheguei a assistir algumas animações na Rede Record (Canal 13, no Brasil) alguns anos atrás. Não sou nenhum profundo conhecedor da sua mitologia, porém gostei do que vi.

E assistir as animações deste cowboy é ter uma diversão garantida sendo algo que tão cedo não dá para esquecer.

Jean Dujardin

O Filme

Jean Dujardin interpreta o papel do “homem que dispara mais rápido do que a própria sombra”: Lucky Luke.

Jean Dujardin é um ator francês mais conhecido pelo seu papel como George Valentin em The Artist pelo qual ele ganhou o Oscar de Melhor Ator, em 2012.

O que mais me chamou atenção foi a abordagem dada ao cowboy. Toda a caracterização, o vestuário,  cenário e  estética do filme é baseada no personagem das HQs, pois isto poderia ser até uma homenagem á criação de Morris, mas o passado trágico da perda dos pais acaba retirando todo aspecto cômico do filme.

Justamente isso que ficou estranho pra mim. O filme tenta mesclar western, drama e comédia tudo junto e esse caldeirão acabou tirando toda diversão que a trama poderia render.

A parte mais engraçada ficou com Jesse James (Melvin Poupaud) e Billy, The Kid (Michael Youn) que ficou parecendo mesmo uma criança com o pirulito na boca.

Adorei a Jane Calamidade (Sylvie Testud) estava numa mistura óbvia de homem/mulher querendo ser  par romântico de Lucky.

Estranho é que senti falta do cão Rantanplan, mas o cavalo Jolly Jumper mostrou ser um tremendo tagarela.

Infelizmente apesar do filme ser bom  senti que faltou um roteiro mais coerente, pois fica difícil aceitar as reviravoltas da trama tornando-a sem nexo em alguns momentos.

Pelo que pude ver este Lucky Luke, de Jean Dujardin é o que mais se assemelha com o cowboy dos gibis. Seu carisma dado ao personagem é excelente, mas o roteiro confuso e um tanto exagerado em alguns momentos acabaram estragando sua boa atuação.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Crítica

Superman: Através dos Tempos

 

Super-Homem – Super Amigos (Hanna-Barbera)

“Mais tarde na Sala de Justiça…”

Foi a produção da Hanna-Barbera que teve a maior duração televisiva exatamente de 1973 até 1985.

Na primeira versão de 1973 tínhamos: Mulher-Maravilha, Robin, Batman, Aquaman e Super-Homem. A equipe era auxiliada pelos aspirantes a heróis Marvin e Wendy, uma sobrinha de Bruce Wayne e também pelo Cão Maravilha (cópia descarada do Scooby-Doo).

Os adolescentes não tinham nenhum superpoder e sempre os  heróis tiravam eles de alguma encrenca. Geralmente cada episódio mostrava um herói de plantão no monitor da Sala de Justiça para atender um chamado e agir quando fosse necessário.

O desenho foi inspirado na Liga da Justiça dos gibis, mas tiveram que mudar o nome para Super Amigos (a fim de evitar disputas judiciais).  E principalmente como era destinado ao público infantil retiraram boa parte da violência que existia nos quadrinhos.

Super Amigos contava com o design do famoso artista Alex Toth que ficou consagrado também pelos desenhos: Space Ghost, Os Herculóides e Jonny Quest.

Esta versão do Azulão apesar de ser muitíssimo forte gritava sempre: “Santa Escócia” e nunca podia estar perto de uma kriptonita, pois poderia morrer (infelizmente era assim).

Quando a primeira versão foi cancelada a emissora repetia Super Amigos numa forma editada com o sucesso da audiência fizeram uma nova versão da equipe. Resultando em The All-New Super Friends Hour desta vez os adolescentes saíram para dar a vez pros Super Gêmeos: Zan e Jayna e seu engraçado macaco de estimação Gleek (outra cópia do Blip, de Space Ghost).

A formação também mudou, pois havia outros integrantes como: Lanterna Verde, Homem-Águia (ou seja Gavião Negro), Mulher-Águia (Mulher Gavião), Rima e Átomo (Eléktron).

Só que os  melhores heróis foram criados para integrar a diversidade étnica dos EUA e fazer um “tipo politicamente correto” com a inclusão do japonês Samurai, o afro-americano Vulcão Negro e o índio Chefe Apache (personagens que eu adorava quando moleque).

Alias está aí uma coisa bastante interessante, porque esses personagens clássicos foram homenageados no desenho da Liga da Justiça, de Bruce Timm.  Os Ultimen, foram criado por Maxwell Lord para evitar os possíveis excessos da Liga da Justiça.

Compõe o grupo Wind Dragon (baseado no Samurai), Grande Sombra (baseado no Chefe Apache), Downpour (baseado no Zan), Shifter( baseada na Jayna), Juice (baseado no Vulcão Negro).

No episódio Injustiça para todos há também uma homenagem pro Super Gêmeos em forma de estátua.

Continuando, em 1978 tivemos o clássico O Desafio dos Super Amigos, no original The Challenge of Super Friends.

Desta vez também estavam na equipe: Anel Energético (Lanterna Verde), Relâmpago (Flash), El Dourado e Arqueiro Verde.

Tiveram a grande ideia de retirar os Super Gêmeos para dar ênfase a uma equipe com os piores inimigos da Liga nos gibis.

A Legião do Mal era comandada pelo careca do Lex Luthor, no entanto a parte mais interessante é que sua base parecia o capacete do Darth Vader e ficava escondida num pântano.

Na equipe dos vilões ainda tínhamos: Bizarro, Sinestro, Capitão Frio, Brainiac, Giganta, Solomon Grundy, Cheetah, Grodd, Espantalho, Homem-Brinquedo e Arraia Negra (quando tudo dava errado eles sempre fugiam pra arquitetar outra maldade).

Em 1985 veio última versão intitulada apenas de Super Amigos e pra mim é a melhor de todas, pois se aproximou mais ainda do que havia nos gibis. Super Powers Team: Galactic Guardians mantinha o Lanterna Verde e Flash fixos na equipe.

A grande diferença estava pelo surgimento de dois heróis que faziam um relativo sucesso nos quadrinhos da época. Um era o Cyborgue dos Novos Titãs e Tempestade (na verdade Nuclear).

Pra quem assiste atualmente os Super Amigos é recheado de furos como as fraquezas dos heróis, as falas totalmente infantis, mostrar sons no espaço e outros como falar no que vai fazer para depois fazer exatamente aquilo.

Mais fez a felicidade de muito marmanjo que se lembra com nostalgia quando vê algum vídeo no Youtube.


 

1 comentário

Arquivado em Superman: Através dos Tempos