Arquivo da tag: Herói

HQ

odisseia_cosmica

Grandes Clássicos DC n° 12

Odisséia Cósmica

Já na introdução temos um ótimo texto de Robert Greenberger desfilando seu conhecimento do UDC (explicando desde o surgimento do kriptoniano até sagas anteriores que culminaram nesta edição).

Esta não é uma das minhas sagas preferidas, mas o roteiro de Jim Starlin é muito peculiar. Desenvolvendo uma catástrofe intergaláctica que mistura ciência e  magia de forma impressionante (como se fossem ambas uma coisa só).

Como o próprio nome diz Odisséia Cósmica traz os heróis espaciais da editora mais precisamente focando nos alienígenas que vivem aqui como: Superman, Ajax, Estelar e Adam Strange (também considerado um alienígena em Rann).

Além dos personagens da magia Senhor Destino e Etrigan, que estava separado de Jason Blood, lembrando que isto já havia acontecido com Bruce e o Hulk (sinistro!).

Nisto podemos notar a diversidade de heróis que são convocados pra salvar o universo. É claro que Superman e Batman estavam na lista, porém no período pós-Crise não eram mais amiguinhos como se via antigamente (ficaram diferentes tanto no M.O  quanto em personalidades).

A trama inicia com as tropas de Darkseid invadindo a Terra (sei que não é nenhuma novidade mais vamos lá). A invasão em Gotham é rechaçada por Superman e Magtron (no desenho o cara deu um tapa no bumbum da Mulher-Maravilha, sortudo!).

Os heróis vão embora e sem saber um integrante da tropa inimiga fica perdido na cidade do Morcegóide. Então devido ao sumiço de algumas pessoas descobrimos que  estavam sendo devoradas e convocado por Gordon o Homem-Morcego intervém. A luta entre eles é brutal, mas o herói consegue com muito custo se safar.

Logo somo levados pro Sistema Alfa Centauro e num tubo de explosão Metron em sua Poltrona Mobius está catatônico. Metron é um dos seres mais inteligentes do Universo DC que pode atravessar tranquilamente as barreiras entre os universos(algo que pode ser feito por quem tem inteligência nível 12, infelizmente pra mim não dá!).

Ele é muito parecido com o Vigia da Marvel mais a grande diferença é que Metron geralmente age ajudando os heróis (enquanto o outro fica mais de voyeur observando tudo).

O principal objetivo de Darkseid é conseguir a tal Equação Antivida que lhe traria poderes além de qualquer compreensão para então poder aniquilar todo o universo.

Quando o deus sombrio encontra uma ameaça grande demais até pra ele mesmo precisa deixar seu “orgulho” de lado e pedir ajuda aos heróis.

Na Casa Branca os heróis são convidados a irem pra Nova Gênese, lar dos personagens do Quarto Mundo, de Jack Kirby como: Pai Celestial, Metron, Orion, Magtron e Forrageador entre vários outros.

A arte de Mike Mignola é caricata, com rostos angulares,  expressões angustiantes e recheada de sombras (fato que ajuda a dar densidade ao que lemos). Pena que Estelar a única presença feminina na trama não ficou muito sensual sob seu trabalho.

Fora isso a HQ tem um acontecimento histórico e catastrófico, pois John Stewart fazendo dupla com Ajax não conseguiu destruir a Bomba do Juízo Final (que estava revestida de amarelo).

Em sua completa arrogância em acreditar apenas no poder do anel deixou o Caçador de Marte pra trás e acabou detonando o artefato destruindo o planeta Xanshi inteiro (pra se ter uma noção até Ajax chamou-o de idiota).

Por isso antigamente eu não gostava do herói, porém tudo mudou quando vi sua atuação na animação da Liga.

Outro fato interessante é que o Superman agiu como dupla de Orion, o deus arrogante exterminou vários thanagarianos que estava sendo controlados pelo Espectro Antivida.

Seu discurso de guerreiro que eram apenas mortes necessárias deixou o Super  tão bolado com ele que deu um porradão na cara do Orion (uma das poucas ocasiões em que podemos ver o kriptoniano desta forma).

O pior de tudo é saber que para nosso universo sobreviver tínhamos que confiar em Darkseid (qualquer um sabe que não se pode cogitar pensar nisso). Só que vê-lo sendo derrotado pelo Morcegão não têm preço.

Odisséia Cósmica não é uma das minhas HQs preferidas, mas sua trama é bem construída e desenvolvida no aspecto humano dos personagens. Mostrando suas escolhas, motivações e consequências e isto a torna uma boa pedida pra dar aquela folheada.

HQ: Grandes Clássicos DC n° 12 – Odisséia Cósmica

Editora: Panini Comics/DC Comics

Mês/Ano: Novembro/2007

Deixe um comentário

Arquivado em HQ.

Herói

z

John Stewart

O herói teve sua primeira aparição na edição Green Lantern vol 2 #87, em 1971.

John Stewart surgiu como um Lanterna Verde reserva para Hal Jordan. Stewart ganhou o posto, porque Guy Gardner (o substituto oficial) estava ferido após salvar um grupo de crianças durante um terremoto.

John foi treinado por Jordan e decidiu não usar máscara, pois não tinha nada a esconder (assumir seu papel de herói com cara limpa foi uma ideia inteligente). Sua primeira missão foi proteger um senador corrupto e racista que estava envolvido num crime forjado para incriminar ativistas negros.

John não só solucionou o crime, mas também protegeu o senador (sendo aprovado para entrar na Tropa).

Antes do envolvimento com a Mulher-Gavião (algo que nunca houve nos gibis) e com Vixen relacionamentos que aconteceram no desenho da Liga. Enquanto nos quadrinhos John foi casado com Katma Tui e se não me falha a memória ela foi assassinada pela Safira Estrela.

Na série animada podemos notar que Katma e John tiveram um affair (ela também foi  sua professora de treinamento na Tropa).

No episódio,  “A Noite mais Densa”, John é levado para o planeta Ajuris-5 para ser julgado por ter destruído o planeta Ajuris-4. A história inicia com o herói andando por seu antigo bairro, lembrando Shaft, e logo surgem os Caçadores Cósmicos (robôs que os anões azuis criaram antes da Tropa para vigiar a galáxia).

Lembrando que em Lanterna Verde: Primeiro Voo eles estavam de conluio com Kanjar Ro (um antigo vilão da LJA) numa versão similar com os quadrinhos, pois os Caçadores Cósmicos também queriam vingança contra seus antigos mestres.

A série animada da Liga trouxe John Stewart como Lanterna Verde ao invés de Hal Jordan, pra dizer a verdade até estranhei, mas depois me acostumei com sua atuação. Já estava na hora de darem uma chance pro cara, pois nunca foi o preferido entre os fãs.

Pra mim ficou bem melhor do que colocar Kyle Rayner (ele é chato pra caramba).

Não sei se alguém notou mais estão sempre arranjando uma forma de lançar um novo Lanterna Verde da Terra. O original foi Alan Scott (anos 40), depois renovaram com Hal Jordan (anos 60), John Stewart com o movimento black power (anos 70), Guy Gardner nosso querido cabeça de cuia ascendeu nos anos 80 (este já existia antes), o desenhista Kyle Rayner ganhou destaque nos 90 e recentemente temos um árabe que nem sei qual é o nome.

Voltando, com o status quo renovado, pois no inicio Stewart era apenas um arquiteto. Durante a animação seu perfil foi mudado para ex-mariner, mas com o sucesso merecido atualizaram para ex-mariner formado em arquitetura (atuando também na LJA dos gibis durante aquele período).

Confesso que John Stewart nunca havia sido um dos meus LV preferidos, pois Alan Scott, Jordan e Gardner encabeçavam minha lista, mas suas atitudes estratégicas e sua forma coerente de pensar demonstradas no desenho fizeram mudar minha opinião. Ainda mais que ficou com duas mulheres exuberantes  a linda Shayera Hall e a provocante Vixen .

Não poderia deixar de comentar que minha raiva com John começou na HQ, Odisséia Cósmica, aonde temos a destruição do planeta Xanshi devido sua arrogância ao confiar demais no anel.

Ajax chama-o de idiota mais estava certo, porém o fato reverberou por anos na vida do herói. Em Melhores do Mundo n° 11, com roteiro de Ron Marz e arte de Darryl Banks, temos a história Vingança.

Nela Fatalidade diz ser a última sobrevivente de Xanshi e como o título diz em sua vingança atacava e por consequência matava qualquer LV que encontrasse em seu caminho. Nesse período John estava numa cadeira de rodas, mas Hal o curou quando ainda se autodenominava Parallax.

Kyle Rayner segue Fatalidade indo parar num planeta distante e com seu anel descarregado  luta instintivamente por sua vida. Esta história serviu apenas para consolidar Rayner como LV e também fazer Stewart retornar pra vida.

Confira na galeria abaixo algumas imagens de John Stewart e alguns Lanternas

0 1 2 3 4 5 6 08 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 green_lantern_john_stewart_by_patokaliandy-kubert GuyGardner Hal_Jordan_and_John_Stewart_Young_Justice katma-tui kilowog_by_rennee kyle-rayner Lanternas_Verdes_por_Ethan_Van_Sciver salaak Tomar-Re wallpaper 1 wallpaper 2 wallpaper 3 wallpaper 4

Deixe um comentário

Arquivado em Herói.

Desenho Antigo

formiga-atômica

A Formiga Atômica

O nome original é The Atom Ant Show que estreou pela Rede NBC em 1965. A série durou três anos exibindo num total de apenas 26 episódios.

Aqui no Brasil foi a TV Tupi que inicialmente apresentou o personagem, mas ao longo das décadas várias outras emissoras reprisaram o desenho.

Como curiosidade A Formiga Atômica foi o primeiro super-herói criado pela Hanna-Barbera Productions, mas havia uma coisa que me chamava atenção no desenho.

Era que nosso diminuto herói sempre que enfrentava algum vilão. Eles nem davam bola pra uma formiga (afinal de contas era muito pequenininha).

Mesmo sendo ridicularizada não tinha jeito o herói era muito corajoso e prendia os malfeitores.

A Formiga Atômica possui alguns poderes incríveis que nos lembram demais o Superman como voar, uma super-velocidade incrível e também possuiu uma força praticamente incalculável.

Foi uma ideia bastante inteligente, pois uma formiga dependendo da espécie pode levantar até 100 vezes  o seu próprio peso.

Seu laboratório era um formigueiro que  ficava próxima a cidade, possuía um computador totalmente bem equipado e uma academia pra fazer seus exercícios físicos.

Não dá pra esquecer seu bordão que rimava: “Lá vai a triônica, Formiga Atômica!”

Eu lembro quando nosso herói não estava conseguindo ter forças suficiente pra uma determinada situação. Voltava rápido pra sua academia pra se exercitar um pouco mais dizendo: “1,2,3, 4…” levantando seus alteres e depois voava para terminar sua missão.

A animação era bastante simples funcionando como uma paródia ao modo de agir dos super-heróis.

Por mais incrível que possa parecer a Formiga Atômica desde cedo me ensinou uma importante lição. A insistir pra superar obstáculos não importando o tamanho que eles possam ter.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Desenho Antigo

Falando Sobre

amanhecer-esmeralda

Lanterna Verde – A Saga Esmeralda

Antes de Lanterna Verde Origem Secreta houveram três edições que ajudaram a definir e também  odiar o modo que víamos o herói.

Amanhecer Esmeralda

Logo após vermos a épica Crise nas Infinitas Terras chacoalhar e assassinar milhões de pessoas no UDC. No final todo o Multiverso da editora foi destruído restando apenas uma Terra (com novas histórias para serem contadas).

Seus personagens foram ganhando novas adaptações recomeçando do zero. Fato que possibilitou inúmeros leitores a acompanharem suas edições (eu sou um deles).  E aqui temos o cativante reinicio de Hal Jordan em Amanhecer Esmeralda de 1990.

Se em Showcase # 22 a famosa HQ original de 1959 (com arte de Gil Kane e roteiro de John Broome) que mostrava a introdução ao conceito do herói sendo bastante rápida. Desta vez no pós-Crise o desenrolar foi muito mais aprazível nos envolvendo realmente nos acontecimentos que o tornaram um dos maiores Lanterna Verdes de todos os tempos.

Destacando que se antes Hal foi mostrado como alguém destemido desta vez seu aspecto humano ao sentir medo foi o mote principal e também a capacidade de conseguir superar o próprio medo foi sua melhor abordagem.

Amanhecer Esmeralda destacou-se ao contar os primeiros passos do herói  utilizando o anel de poder, pois teve que aprender sozinho a usa-lo.

Hal havia atropelado um homem e seu amigo Andy (irmão de Carol Ferris) estava hospitalizado, mas havia um inimigo que estava perseguindo Abin Sur e decidiu ir atrás do novo Lanterna  destruindo a cadeia aonde tentava redimir sua culpa.

Legião é um ciborgue que usa a cor amarela e sua origem é de um ser  plasmático que reuniu mortos de um planeta que explodiu por culpa dos Guardiões (por isso persegue, caça e mata todo LV que encontra).

O herói quase morre esmagado mais de repente o anel expira sua carga de energia salvando-o por um triz.

Legião deixa um rastro de destruição por onde quer que vá procurando o LV, pois conseguia rastrear sua assinatura de energia. O vilão destruiu todos os lugares em que Hal apareceu uniformizado (matando todos que estavam no hospital incluindo seu amigo).

Como Hal ainda estava “verde” (no sentido de novato) não sabia ainda utilizar o anel direito e somente quando recarregou pode aprender que até que podia falar (usando suas informações a seu favor).

Então o herói decidiu partir pra vingança aprendendo tudo que podia sobre a ameaça que enfrentava.

Quando foi convocado para Oa, Hal recebeu um árduo treinamento com Kilowog (que não foi nada fácil) para poder tornar-se o guardião do setor espacial 2814. Na luta final temos a clássica entrada do herói na bateria central fato que se tornou histórico e algo recorrente algum tempo depois  (na animação da Liga John Stewart faz a mesma coisa).

O filme de Martin Campbell até adota um pouco desta HQ principalmente no trauma que Jordan apresenta sobre seu pai (só que ficou tudo muito diluído e foi mal aproveitado). Mais em Amanhecer Esmeralda temos a rara oportunidade de notar que Jordan não é uma pessoa perfeita.

Hal estava completamente no fundo do poço e sem esperanças para conseguir sair até que encontra em Abin Sur (um bote salva vidas pros problemas que vinha passando).

O  seu medo diante do que estava em sua frente era aparente, mas como sua vida ficou totalmente destruída. Decidiu aproveitar a sorte e usar o anel para encarar um novo futuro.

Amanhecer Esmeralda é a melhor história sobre Hal Jordan até aquele momento, pois diante dos problemas que encontrou conseguiu superar dando uma guinada radical em sua vida. E lançando uma nova perspectiva ao que já havia sido proposto sobre o Lanterna Verde.

Eu não sei porque deixaram a arte com Mark D. Bright, pois importância de Hal merecia alguém de renome maior. Seu estilo é simples e não consegue demonstrar toda carga dramática nas cenas que vimos.

amanhecer-esmeralda-2

Amanhecer Esmeralda 2

Se na primeira parte a ação se concentrava apenas em mostrar como Jordan adquiriu  o anel e tornou-se um Lanterna Verde (nesta edição as coisas estão ligeiramente diferentes).

Hal deseja pagar seus erros diante a sociedade e se entrega as autoridades sem a ajuda de um advogado. O juiz que mandou trancafiar Jordan deveria existir aqui no Brasil, pois as leis quanto acidentes automobilísticos deveriam ser mais pesadas.

A História conta como foram os tumultuados 90 dias em que o herói esteve “preso”, pois além de encarar um dos ladrões que prendeu na edição anterior (foi reconhecido por causa de uma frase).

Só que teve mais, porque Hal ainda precisou conter uma rebelião no presídio, entrar numa briga para evitar um acordo comercial entre khundios, dominions e a cidadela (raças alienígenas que aparecem na saga Milênio).

Era pra ser um simples acordo diplomático, mas o almofadinha do Sinestro acabou transformando a situação numa briga fenomenal e ainda colocou a culpa em Hal.

E desta vez também temos a trama enfocando no término do treinamento de Hal quando os Guardiões escalaram Sinestro para instrui-lo.

Sinestro era o protetor do setor espacial 1417 e sem os anõezinhos azuis perceberem comandava com extrema firmeza. Era tão obsessivo que tudo deveria estar na mais perfeita ordem, pois sua cólera era radical.

Quando Sinestro convida Jordan a ir em Korugar (seu planeta natal). A situação fica muito pior.

Sua ausência culminou numa rebelião que estava sendo secretamente orquestrada por Katma Tui. A “bagunça” ocorrida no planeta chama atenção dos anões azuis que convocam “os punhos dos Guardiões” (robôs enviados pelos anões a fim de corrigir seus subordinados).

A ação ocorre em dois lugares com Hal se dividindo para “ficar” na prisão na Terra e viajando pelo espaço ao lado de Sinestro. Se em Korugar houve uma rebelião aqui também tivemos outra no presídio. E Guy Gardner fora usado de refém (aliás ele apareceu como assistente social e estava praticamente irreconhecível).

A edição é repleta de reviravoltas como a promoção de Katma Tui ao posto de LV, Guy mostrando o temperamento explosivo que lhe rendeu fama e Sinestro  caindo do pedestal pra virar o grande vilão que conhecemos.

O argumento de Keith Giffen não é maravilhoso (só que prende nossa atenção).  Infelizmente a arte de M. D. Bright é bastante ruim, mas a edição reúne elementos que se tornaram clássicos na história de Jordan.

emerald-twilight

Crepúsculo Esmeralda

Essa história acontece logo após o Retorno do Super-Homem quando Coast City foi destruída por Mongul e o Superciborgue. O gibi até que começa bem com arte de Dan Jurgens onde temos o Super-Homem cabeludo em Gotham City, mas Bruce estava ausente e quem protegia a cidade era Azrael (durante a Queda do Morcego).

Bruce estava numa cruzada pessoal a fim de se recuperar dos problemas que Bane havia lhe causado (já que havia quebrado sua coluna). O clone cabeludo de Lex Luthor estava na cidade-motor  querendo pegar kriptonita e também usar a tecnologia alienígena do lugar para usa-la em Metrópolis.

Só que a presença de vários heróis estragou seus planos (nesta época a Super-Moça era apaixonada pelo vilão). A heroína era Matrix uma versão em protoplasma de Lana Lang oriunda da dimensão compacta da qual tornou-se sua única sobrevivente.

Quando todos foram embora Hal ficou consumido pela dor de não poder salvar sua cidade e aquelas pessoas que tanto amava. Tentando entender todo  seu passado recriou seu pai para confronta-lo sobre suas divergências (uma conversa franca e conflituosa).

Se por um lado Hal tentava entender o que acontece trazendo seu pai e sua mãe para dizer algo reconfortante. Por outro ao reconstruir totalmente a cidade sua ruína já estava mais do que evidente (remexendo em suas memórias até o anel se esgotar).

A ira de Hal era tão grande que decidiu voltar pra Oa recarregando seu anel numa projeção holográfica de um anão azul. O que vemos então é odioso, pois Hal enveredou numa cruzada insana em busca de poder para recriar o próprio universo.

Os Guardiões mandaram Lanternas para detê-lo, mas cada um que se opusesse em seu caminho era derrotado matando-os sem dó e nem piedade (e perdendo seus anéis). Um a um todos vão tombando e Hal derrota até Kilowog a cena é simples e rápida (nem parece que o grandão é tão poderoso como dizem).

Então os Guardiões num ato de puro desespero para derrotar o outrora mais poderoso LV da Tropa (lançam mão de sua última jogada).  Libertando Sinestro de sua prisão na Bateria Central e concedendo ao koruganiano um anel para enfrentar Jordan.

Sinistro deixa claro que não venceria Hal diante daquele monte de anéis e incita-o num declarado mano a mano. A luta entre os dois é brutal e acaba com Hal matando Sinestro (a cena é forte e poderia até ser chocante mais a arte ruim não ajuda em nada). A conclusão é que conseguiu novamente entrar na Bateria assumindo o poder de um “deus”.

Eu odeio o que fizeram com Hal, porque foi imperdoável jogarem no lixo toda sua glória de herói. Além de dizimarem toda a Tropa, destruiram seus amigos e transformaram-no num vilão que desejava mudar a catástrofe que ocorreu em Coast City.

E o pior é que não deram nenhuma  importância devida para essa catástrofe, pois só havia Dan Jurgens como artista de peso trabalhando na  edição. O restante eram todos de segundo escalão como Bill Willingham, Fred Haynes e Darryl Banks (quem são estes caras?).

O único saldo relativamente “positivo” desta palhaçada toda foi a ascensão de Kyle Rayner como último Lanterna Verde do universo que ganhou de Ganthet o seu anel (que afinal de contas acho bastante fraco também).

Crepúsculo Esmeralda foi umas das piores edições que já tive a infelicidade de ler na minha vida. Não só pelo que fizeram ao Hal, mas também pelos artistas ridículos que trabalharam na HQ.

2 Comentários

Arquivado em Falando Sobre

Herói

z

O Fantasma

O Espírito-que-Anda

É o primeiro personagem do gênero a usar máscara e uniforme. O Fantasma foi criado pelo argumentista Lee Falk, em 1936. Ele também é o criador do Mandrake, o mágico (ambos são personagens da King Features).

Lee Falk pediu ao artista Phil Davis que desenhasse suas histórias.

A primeira aventura do herói foi The Singh Brotherhood (Os Piratas Singh), que começou a ser publicada em tiras de jornal diariamente em 17 de Fevereiro de 1936 e depois foram feitas edições coloridas em Maio de 1939.

O Espírito-que-Anda com o tempo migrou para os gibis no inicio com republicações de suas tiras diárias do jornal, mas rapidamente vieram novas aventuras.

A lenda diz que o Fantasma caminha na Terra há  400 anos. Isto é afirmado pelos nativos da floresta de Bangala, mas na verdade o manto roxo é passado de pai para filho sucessivamente durante todo este tempo.

A cada Fantasma que morre em combate seu filho faz o solene Juramento da Caveira:

“Juro que dedicarei toda a minha vida á tarefa de destruir a pirataria, a ganância, a crueldade e a injustiça. E meus filhos e os filhos de meus filhos me perpetuarão.” Então o novo Fantasma veste seu uniforme  e segue combatendo o crime aonde estiverem em qualquer parte do mundo.

O Fantasma não tem nenhum superpoder valendo-se apenas de sua inteligência, habilidade física, destreza com armas e mira perfeita para combater o crime.

A mitologia do herói é extensa e o que mais me impressiona é que na Caverna da Caveira estão registradas as Crônicas do Fantasma aonde cada um escreve num diário as aventuras que teve. O 21° Fantasma sempre recorre as crônicas para poder ajudar a desvendar algum mistério ou simplesmente conhecer mais sobre as história de algum antepassado. Um deleite para nós que podemos saber sobre a vida de todos que usaram o manto anteriormente.

Outro fato fascinante é que o Fantasma pode “conversar” com os espíritos de seus antepassados para conseguir conselhos sobre determinado assunto e de posse deste conhecimento agir da melhor maneira possível.

A mítica floresta de Bangala mistura parte da Índia com características da África é onde encontramos várias tribos entre elas a mais conhecida é a Bandar (que auxilia a perpetuar o mito da imortalidade do personagem). Na famosa Caverna da Caveira encontramos Guran, o fiel amigo e conselheiro que conhece a verdade por trás da lenda.

E também os animais que geralmente acompanham e auxiliam o Fantasma em suas aventuras o cavalo Herói, o lobo domesticado Capeto e também Fraka, um falcão treinado.

Em 1978, O Fantasma casou-se com sua eterna namorada, Diana Palmer, que trabalha na ONU (seu casamento é uma das ocasiões mais comentadas em sua história por demorar 40 anos para acontecer). Um ano depois nasceram os gêmeos Kit e Heloise.

Marcas

O Fantasma possui dois anéis, um com a marca do bem na mão esquerda, que fica nas pessoas para proteger. E na mão direita temos o mais famoso com a marca da caveira, quando soca algum criminoso fica gravado eternamente em seu rosto.

Cores

Uma característica marcante é a cor do uniforme do herói, pois em cada país que é publicado tem uma variação diferente. Dizem as lendas que Lee Falk imaginou um uniforme cinza, mas devido a problemas gráficos a primeira edição dominical ganhou o tom roxo (e assim ficou).

Então ao redor do mundo cada país publica uma cor de acordo com sua preferência ou possibilidades gráficas desde 1939. Por exemplo vermelho no Brasil, Itália e Espanha, marrom na Nova Zelândia, azul na Escandinávia e roxo no resto do mundo (santa coloração, Batman!).

Fantasma Mulher

Durante o ano de 1800 temos as aventuras do 17° Fantasma que sofreu uma embosca por malfeitores quando ajudava resgatar missionários. O herói foi amarrado, espancado e jogado ao mar para ser comido por crocodilos. No entanto milagrosamente sobreviveu muito ferido, mas por um breve período enquanto se reestabelecia foi substituído por sua irmã gêmea Julie Walker, a Mulher Fantasma.

Julie havia feito o juramento ao mesmo tempo que seu irmão, mas quem havia assumido era o 17° Kit Walker, porém seu curto tempo como heroína é marcado por sua coragem e astúcia para manter o legado da família. Depois que se vingou dos malfeitores, voltou pra Caverna da Caveira para cuidar de seu irmão, que retomou o manto assim que se recuperou.

Seriado

Em 1943, foi produzido pela Columbia Pictures o seriado, The Phantom, foram 15 capítulos exibidos no cinema. O astro Tom Tyler interpretou o Fantasma (o ator já havia ficado famoso por ter feito o papel do Capitão Marvel anteriormente).

Diana (Jeanne Bates), aparece ao lado do seu pai,  o professor Davidson (que morreu nas tiras). O professor planeja uma expedição para encontrar a cidade perdida de Zolov, cuja a localização está guardada em sete peças de marfim (da qual possui três).

O vilão Doutor Bremmer pretende usar a cidade perdida como base área secreta para seu país sem nome. Ele mata o Fantasma e seu filho Geoffrey Prescott, que voltou recentemente, assume o manto da família tornando-se o novo Fantasma.

A grande diferença é que mudaram tanto o nome do herói quando  a fictícia selva de Bengala, mas é uma daquela produções com baixo orçamento e feitos especiais precários. A única parte interessante como tentavam adaptar o herói naquela época.

Desenhos

Os Defensores da Terra – 1986

Nesta inesquecível série animada havia os heróis mais importantes e clássicos da King Features combatendo Ming, o impiedoso. Tínhamos Flash Gordon, Fantasma, Lothar e Mandrake (unidos aos seus filhos na luta contra o vilão).

O Fantasma é o 27° Espírito-que-Anda, seu uniforme é roxo como na cor original, mas não tinha o calção listrado e as aventuras acontecem no ano de 2015 (logo estaremos lá).

Lembro que sempre que necessitava o herói podia invocar a “força dos dez tigres” para realizar alguma tarefa que exigia tal proeza. Algo muito diferente dos gibis, pois não exibia poder algum. Além disso o Fantasma tinha uma herdeira a bela e inteligente  Jedda Walker.

Em 1994 surgiu o Fantasma 2040 narrando a história do 24 ° herdeiro da dinastia do herói que lutava contra a empresa Maximum Inc. num mundo pós-guerra no qual o equilíbrio ecológico está seriamente abalado.

Uma previsão que talvez sirva pro mundo real. O Fantasma 2040 foi uma animação que durou pouco e poderia ter sido melhor trabalhada se tivessem chance de produzir mais capítulos.

Filmes

O 22° Herdeiro

Diana está sendo perseguida quando seu carro cai num rio e somente Chris sobrevive. O menino cresceu em Nova York num lar adotivo com o nome de Christopher Moore.

Com uma rápida passagem de anos somos apresentados a belas cenas de parkour  feitas por Chris e um amigo pena que o estilo de gravação tentando ser bastante real não ficou legal, pois pra mim faltou mais nitidez (mesmo assim a adrenalina é boa).

Passados exatos 19 anos com a morte de seus pais adotivos Chris é levado por um benfeitor que trabalha para a família Walker para a Ilha de Bengala. O mais estranho foi notar que na ilha a tribo tradicional foi trocada por pessoas asiáticas.

Suponho que seja para não criar problemas porque alguns criticavam bastante o personagem por ser o único caucasiano num lugar repleto de pessoas afrodescendentes. Eu sempre achei esta ideia hedionda, errada e presunçosa, porém vejo que surtiu efeito.

Outra diferença sutil foi Guran (seu maior conselheiro e amigo) que virou uma mulher e pra mim ficou mais interessante.

A BPAA-THAP é uma fundação de apoio logístico, armamentos e suporte técnico para o Fantasma que age treinando todo Kit Walker que usará o manto roxo. Foi algo bem pensado, porque não havia isto nas HQs. E além disso a Caverna da Caveira ganhou outros anexos funcionando igual a Batcaverna de um conhecido outro herói.

Pelo que eu pude entender é um longa metragem que deu origem a série e não ficou ruim, no entanto será que a série durará mais de 1 temporada? Infelizmente o Fantasma não  é um personagem tão conhecido pela maioria do público e eu não li nada a respeito desta série pra saber se  decolou ou naufragou.

A grande diferença que ficou gritante neste contexto de atualizar o Espírito-que-Anda para o século XXI foi o uniforme hi-tech, porque ficou descaracterizado demais mantendo apenas a cor do uniforme, a caveira no cinto e as duas pistolas. Não posso dizer se é bom ou ruim, porém está valendo.

O Fantasma têm sido o principal inimigo da Irmandade Singh combatendo-a desde 1564. Foi o primeiro Kit Walker que jurou vingança sobre a caveira de seu pai e delegou esta função como prioridade para os filhos de seus filhos.

A Irmandade mantem-se como uma sociedade secreta que domina o mundo fomentando crimes, assassinatos e guerras em prol do próprio lucro. Nos dias de hoje a organização cresceu a nível mundial e agora dispõe de algo que funciona como uma lavagem cerebral feita pela conexão de TV a cabo.

Assinantes são usados como fantoches para praticar crimes hediondos e o 22° Fantasma precisa impedir isso e também salvar o pai de sua futura namorada.

Aqui no Brasil o filme foi chamado de O 22° Herdeiro e no original é The Phantom talvez seja para não ser confundido com a adaptação estrelada por Billy Zane e dirigido por Simon Wincer, em 1997.

Fui assistir esta versão no cinema e ela não é totalmente ruim, mas o que a fez naufragar foram as afirmações na época da suposta homossexualidade do ator principal. Fora isso temos um  contexto fiel do herói das HQs marcando presença.

A ambientação ocorre durante a década de 1930 e os efeitos especiais são razoáveis.

Além disso temos duas lindas mulheres nesta adaptação uma é a presença da estonteante Catherine Zeta-Jones em início de carreira como uma sensual vilã. E a outra é Diana interpretada pela bela Kristy Swanson que ficou apagada devido a presença marcante de Zeta-Jones .

Quase ia me esquecendo ainda temos o ator Treat Williams interpretando o vilão, Xander Drax, que como sempre está querendo “dominar” o mundo (nada demais).

O filme não é nenhuma superprodução como as atuais, mas dá pra conhecer o universo tradicional do Fantasma que foi bem representado. Assista uma única vez que está muito bom.

O Fantasma é um mito que merece ter uma adaptação á sua altura, pois é um daqueles personagens que defendem o verdadeiro sentido de ser herói.

Confira na galeria abaixo algumas imagens do Fantasma,  O Homem-que-não-Morre

0 1.1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18.1 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 alex ross 0 alex ross alex-ross cosplay 1 cosplay 2 defensores_da_terra dichiara fantasma_dynamite fantasma-2040 fantasma-billy zane felipe massafera Joe Jusko julie walker julie-walker Loston-Wallace marc-laming phantom_serial_1943 steve rude The_Phantom_by_martinorona the_phantom_by_puggdogg The_Phantom_movie wallpaper 1 wallpaper 2 wallpaper 3

2 Comentários

Arquivado em Herói.

Crítica

lone-ranger

 O Cavaleiro Solitário

A história começa na cidade de San Francisco, em 1933 (ano em que começou a famosa série radiofônica). Tudo de uma maneira bem inusitada com um garotinho visitando o circo vestido como Lone Ranger e entrando numa exposição do Velho Oeste no circo.

Então um índio empalhado que de forma surpreendente volta á vida. O velho que por algum motivo misterioso, que não sei explicar qual, é Tonto (Johnny Deep) que conta história do kemosabe pro perplexo menino.

Então a trama recua um pouco mais no tempo e nos leva direto ao Texas em 1869. Na época das diligências e quando os Estados Unidos estavam em expansão ligando o país através das linhas de trens.

É uma típica aventura no Oeste Selvagem, pois temos perseguições de trem, bandidos cruéis, índios enfurecidos e uma amizade insólita sendo consolidada.

Mais vista sob uma ótica diferente, porque ao invés de ser um filme sério temos vários momentos engraçados que pra mim estragaram a intenção de mostrar o herói para um novo público. Duvido que os fãs mais antigos do personagem também não ficaram indignados com este remake.

A premissa original foi feita já que o vilão Butch Cavendish (William Fitchner) comanda uma emboscada matando Dan (irmão de John e todos os rangers que estavam no grupo). Aliás o vilão feito pelo ator ficou bem interpretado chegando a me deixar com raiva dele.

A dupla dinâmica formada entre Johnny Deep e Armie Hammer ficou muito engraçada.

Só que aconteceu o fato que eu temia, porque Tonto, apareceu mais que o ator principal, que serviu de escada para Deep brilhar (Tonto é o cérebro da dupla numa atuação que lembra demais o Capitão Sparrow).

Só pra constar a história do pássaro negro em sua cabeça e sua relação de amizade com ele é impressionante e intrigante, pois ficou numa linha tênue entre loucura e sagacidade (mais uma vez uma alusão a Jack Sparrow).

O filme poderia ter sido muito melhor se não tivessem feito o mesmo erro que fizeram com o Besouro Verde, de 2011. Transformando Lone Ranger num completo idiota (algo totalmente parecido também com a pior versão do herói feita em 1981).

E isto acabou estragando boa parte da diversão do longa (pra mim) ridicularizando a lenda como nós mais velhos curtimos. Lone Ranger é um personagem antigo que não diz nada pra essa nova geração, então pra que fazer um remake?

Fora isso a ganância e a corrupção misturados ao contexto histórico que o progresso dos Estados Unidos foi ás custas de muito sangue indígena derramado ficou perfeito.

Pros nostálgicos de plantão que tiveram a sorte de assistir a antiga série televisiva sendo reprisada nos anos 80. A música tema surge na hora certa sendo uma justa homenagem ao herói, numa das cenas mais absurdas e incríveis que já vi na minha vida, digna pros fãs de Piratas do Caribe.

O Cavaleiro Solitário é um bom filme, mas botaram num liquidificador ação e comédia de uma forma que ficou tediosa. Funcionou somente, porque tem uma ajuda bastante significativa de Jerry Bruckheimer.

E se tivessem levado de forma série e coerente e não uma versão do Velho Oeste de Piratas do Caribe poderia ter sido bem melhor do que esta porcaria que assisti.

Infelizmente remake é apenas uma desculpa para não fazerem uma história original copiando uma formula antiga que já fez muito sucesso.

É apenas caça níquel são poucos que consigo ter realmente paciência  pra parar e assistir (ainda quero ver uma adaptação digna do Cavaleiro Solitário, pois essa não valeu).

Deixe um comentário

Arquivado em Crítica

HQ

22

Super-Homem contra Homem-Aranha: O Encontro do Século

Há alguns anos atrás assim que comecei a colecionar gibi eu ia a pé pra Pavuna (subúrbio do Rio). Havia um jornaleiro de revistas usadas em São João de Meriti, na Praça da Matriz.

Na época influenciado pelos livros de faroeste do meu pai colecionei Tex (o ranger do velho oeste personagem do universo Boneliano) e Fantasma (herói que logo abordarei).

E num belo dia encontrei esta edição, fiquei estupefato, pois ainda estava sob a influência daquela tosca série televisiva do Aracnídeo. Este é o primeiro Crossover entre as editoras que já eram rivais naquela época (nos anos 70). Não vá esperar grande coisa do argumento de Gerry Conway, pois é bem simples com aquela velha história básica de herói que estranha herói.

E depois descobrem que foram enganados para então se unirem para combater seus rivais. Vendo por este prisma não te induz a pensar muito, pois é bastante previsível. Não há nada de mirabolante explicando porque os heróis compartilham o mesmo universo (eles simplesmente estão lá e pronto).

É até engraçado notar que num momento estamos em Metrópolis e simplesmente no outro vemos Nova York de forma “normal”. Interessante é a arte de Ross Andru que teve o mérito de trabalhar com ambos os personagens.

Seu trabalho é limpo, detalhado e as expressões faciais demonstram o sentimento dos personagens. Ficou impressionante os planos aéreos aonde vemos a cidade pela ótica dos heróis. Vemos os aspectos principais de cada personagem, pois o Super é um herói bonachão, usa sua força quando não consegue mais reverter na conversa. Nesta época Clark estava na TV Galáxia trabalhando para Morgan Edge.

Já o Homem-Aranha fica sem teia quando mais precisa e J. Jonah continua no seu pé (Mary Jane era só uma “amiga”, pois estavam apenas saindo). E ainda menciona aquele seu bizarro Aranha-Móvel, pois o Dr. Octopus aparece com uma aeronave (Octopus Voador).

Na parte em que vemos o laboratório submarino de Lex, Super-Homem menciona o período em que foram amigos.  A série Smallville ressuscitou este aspecto da trajetória de ambos (se não me engano nos quadrinhos foi nos anos 60). Lex também usa o termo: “velho amigo!” e isto me lembrou que Charles e Magneto se tratam desta maneira.

Eu só não entendi o fato de mostrarem a origem de ambos os heróis, pois foi apenas perda de tempo (algo que nós leitores já estamos cansados de saber). Primeiro somos ambientados com cada personagem e temos seus principais coadjuvantes Morgan Edge, Lois Lane, Jimmy Olsen e até o chato do Steve Lombard (no lado do Super).

Enquanto na parte do Cabeça de Teia temos Mary Jane, J. J. Jameson, Betty Brant e o meu preferido Joe Robertson, pois ele sempre defendeu o Aranha. No presídio de segurança máxima Lex e Octopus cansados de serem derrotados. Resolvem mudar de oponentes para destruir o mundo e acabar com seus inimigos.

Numa conferência Mundial de Jornalismo em Nova York encontramos Peter e Mary Jane e logo temos a chegada de Clark e Miriam Lane. Nesta época Lois era chamada assim por aqui (só não sei explicar por qual motivo).

Então Lex disfarçado de Super-Homem sequestra Lois e MJ. Assim que Peter se troca encontra o Homem de Aço nos céus. Acusando-o de raptar as moças, muito puto exige explicações e a luta começa.

O vilão careca dispara radiação do Sol vermelho no Aranha possibilitando-o a dar um belo soco no Super (devo comentar que o Azulão ficou enfraquecido). O próprio Cabeça de Teia nem acredita no que conseguiu fazer, pois o Super tem a fama de ser “durão”. Enquanto isso os vilões comemoram assistindo de longe (o roteiro é bastante ingênuo mesmo).

A viagem é grande demais, porque se não fosse tal apelo o kriptoniano acabaria com o Aranha bem rápido e fácil. Como isso nunca havia acontecido antes o Super fica cabreiro, mas o Aranha ainda tira onda com a frase: “não dá pra acreditar! Esse cara é uma piada”.

Quando o Azulão revida somente o deslocamento de ar do soco que ele não deu joga o Aranha bem longe (putz!). Ao voltar o Aranha está mais bravo ainda esmurrando de novo seu oponente e nota que não deu em nada. Na verdade o efeito do raio se dispersou e o Aranha decide que é melhor “conversar” com o Super (deu pra notar que a coisa ia ficar feia pro seu lado).

Então decidiram unir forças para combater um inimigo em comum. É engenhosa  a forma como o Super dá carona pro Aranha pra voar sendo puxado por uma corda e esqui (feitas de teia). De todas as viagens vistas na edição a maior foi ver Jameson e Edge reclamando sobre Clark e Peter ambos são bons mais desaparecem de repente.

Nós já sabemos por qual motivo, mas é muito doido ver esta situação. No final conseguem deter os vilões, salvar a Terra de uma iminente destruição e sair sorrindo com sua garotas. É uma daquelas aventuras simples na qual temos o bem contra o mal como era vista nos velhos tempos.

HQ: Super-Homem contra Homem-Aranha:  O Encontro do Século

Arte: Ross Andru

Argumento: Gerry Conway

Arte-Final: Dick Giordano

Deixe um comentário

Arquivado em HQ.

Herói

z

He-Man e Os Mestres do Universo

Dizem as lendas que o famoso defensor de Etérnia surgiu primeiro como uma linha de action-figures da Mattel  feitos para o Conan, mas que por algum defeito teve que ser mudada. Então para poderem vender os brinquedos tiveram que lançar uma animação baseada neles antes e assim surgiu o nosso herói He-Man.

Quando o Príncipe Adam empunhava a espada e dizia: “pelos poderes de Greyskull… eu tenho a força!!!” transformava-se em He-Man um dos homens mais fortes do universo.   O herói musculoso é uma das várias séries animadas da empresa Filmation que fizeram a nossa alegria nos anos 80, mas naquela época eu já tinha notado que havia pouca diferença entre Adam e He-Man.

Podemos notar que o corte de cabelo era o mesmo, a massa muscular também e só mudava realmente as roupas, a entonação de voz e a cor da pele. É uma daquelas situações de lugar comum que só acontecem em desenho como o fato de um personagem (tipo Scooby-Doo e Salsicha ou Pernalonga e Patolino) usarem um disfarce capenga e ninguém perceber que são eles.

O vilão Esqueleto era estranho e funcionava mais como um bobalhão com aquela trágica frase: “você me paga He-Man” e não como os vilões que vemos atualmente mais capazes de fazer algo totalmente  assustador.

O Mentor me impressionava pela postura de cientista e inventor e por estar sempre disposto a dar um bom conselho. Nunca gostei do Gorpo, pois notava que aquele duende atrapalhava mais do que ajudava. Já a Teela me deixava fascinado pela sua atitude forte e acho que ela nutria uma paixão recolhida pelo He-Man.

A beleza da Feiticeira me chamava a atenção ainda mais com aquelas pernas de fora eu ficava bobo quando ela transformava-se num águia. Era muito engraçado ver o medroso do Pacato ser transformado no poderoso Gato Guerreiro sendo uma das partes que eu mais gostava.

O desenho animado foi marcante pra toda geração que assistiu a primeira versão mais também por causa de suas “peculiaridades”, pois todos os personagens tinham movimentos, lutavam, riam ou corriam da mesma forma. Ao final dos episódios ainda tínhamos uma moral da história para os “amiguinhos” de casa poderem aprender uma lição importante.

O sucesso foi tão grande que rendeu um filme nas telonas “Mestres do Universo” uma adaptação aonde o herói era interpretado por Dolph Lundgren no auge de sua forma física e Esqueleto por Frank Langella.

Na história Etérnia estava quase toda dominada pelas forças do mal, do Esqueleto e restava apenas o Castelo de Greyskull para ser invadido.  O Castelo era o último foco de resistência no planeta para que o vilão tomasse o poder.

He-Man, Mentor e Teela estão lutando para que isto não aconteça protegendo a Feiticeira para que seus segredos não recaiam nas mãos do mal. É importante lembrar que na época não havia muitos recursos tecnológicos como atualmente e a máscara do Esqueleto era muito estranha, tosca e feia.

O vilão consegue entrar no Castelo usando a Chave Cósmica, um aparelho que permite viajar pelas dimensões, criado pelo serralheiro e inventor Gwildor.

Quando Gwildor estava prestes a ser capturado pelo Esqueleto os rebeldes conseguem salva-lo e fugir com uma das chaves, pois a outra estava com o vilão.  Eles viajam para um local desconhecido chamado Terra mais exatamente numa cidade estranha chamada de Nova York.

Aqui em nosso planeta acabam perdendo a chave e precisam encontra-la rápido, porque Esqueleto junto a Maligna estão no seu encalço. Os guerreiros acabam conhecendo a moça Julie Winston (interpretada por uma jovem Courtney Cox em início de carreira) e seu namorado Kevin que acabam entrando no meio do fogo cerrado entre eles.

Lembro que na época achei as adaptações do personagens bem diferentes do que víamos no desenho. Mais  algo que ficou marcado em minha memória foi a Maligna (Meg Foster) que tinha um olhar que dominava as pessoas e mostrou ser uma vilã bem mais assustadora que o Esqueleto.

Esta adaptação é sofrível demais (parece uma versão Star Wars pobre) e muito longe do que estávamos acostumados a ver na telinha ficando na história como uma das piores adaptações de herói já vistas no cinema.

Ao término da animação de He-Man tivemos a de She-Ra, sua irmã gêmea só que do meu ponto de vista muito mais linda. A princesa Adora transformava-se na heroína pra defender o planeta Etéria das forças de Hordak (mais detalhes em Musas de Tinta, ok!)

Uma curiosidade que vale a pena mencionar é que He-Man teve dois roteiristas que depois de alguns anos tornaram-se muito importantes para nós nerds de plantão: Paul Dini e J. Michael Straczynski.

Em 1990 houve uma tentativa de atualizar o personagem com As Novas Aventuras de He-Man aonde nosso herói junto ao seu arqui-inimigo são transportados para o planeta Primus.

Desta vez tanto He-Man quanto Esqueleto demonstram um visual bem diferente do que estávamos acostumados a vê-los. Enquanto o loirão ficou mais esguio apresentando um rabo de cavalo o vilão estava mais futurista e com novos asseclas para comandar.

O grande detalhe era que He-Man não mudava para seu alter ego príncipe Adam aparecendo apenas como He-Man o tempo todo. Eu tive a chance de assistir a poucos episódios e não gostei de absolutamente nada do que vi.

A terceira sequencia do musculoso herói foi bem melhor desenvolvida com uma história mais consistente e elaborada. Nela no passado de Etérnia quem comandava eram os Anciões, um grupo de magos, e então o conquistador Keldor tenta tomar o poder.

Para proteger o planeta tinha os Defensores de Etérnia, comandados pelo Capitão Randor que durante uma luta acidentalmente desfigura o rosto de Keldor que em agonia foge para a Montanha da Serpente junto á suas tropas.

Então Mentor e a Feiticeira criam uma barreira mística para enclausurar Keldor e seus guerreiros na Montanha. Depois os Anciões temem que o mal volte algum dia e acumulam seu poder num globo que fica guardado debaixo do Castelo de Greyskull.

A Feiticeira é escolhida como uma guardiã do castelo. Alguns anos se passaram e Keldor retorna com o rosto desfigurado assumindo o nome de Esqueleto vindo buscar o poder dos Anciões e querendo vingança contra Randor que nesse meio tempo tornou-se Rei.

Para salvar o planeta de ser destruído o jovem príncipe Adam é escolhido para usar o poder do Globo Místico e transforma-se em He-Man. Desta série animada eu gostei, porque há uma diferença na aparência entre Adam um adolescente que ao virar He-Man tornava-se um adulto musculoso.

Essa mudança ficou bem melhor que a série clássica e foi um dos pontos positivos nesta versão. Outro foco foi uma temática mais adulta condizente com a época que a série ia pra telinha e vemos muitas cenas de ação impressionantes.

A empresa Matell usou a mesma estratégia de sempre lançar o desenho junto com action-figures que valem a pena ter em nossa estante.

Já estamos tendo boatos na web quanto uma nova adaptação do defensor de Etérnia. O novo longa que não tem atores definidos e nem data de estréia está sob os cuidados do diretor Jon Chu, de G.I. Joe: Retaliação.

Com os recursos tecnológicos que temos agora dá para fazer algo realmente decente vamos esperar pra ver se isso irá acontecer. Eu gostaria de ver Chris Hemsworth (Thor) no papel e quem você gostaria que fosse?

A DC Comics também está trazendo novas histórias do herói de Etérnia sendo escrita por James Robinson e com arte de Philip Tan trazendo uma nova abordagem para tudo que nós já conhecemos. Desejo que consiga boas vendas para talvez a Mattel e tragam uma nova versão visto que Thundercats foi um sucesso absoluto.

Veja na galeria abaixo algumas imagens de He-Man que consegui na web.

Heman 1 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 adam-heman aldgerrelpa 1 aldgerrelpa 2

ed benes

antoine dode axel_gimenez brothers dave_wilkins 0 dave_wilkins 1 dolph 1 kinopoisk.ru eamonodonoghue evil-lyn 1 evil-lyn 2 guardian_of_greyskull_by_scebiqu killersha lion-o_vs_he-man odinoir 1 odinoir 2 spidermanfan2099 Teela e Feiticeira teela_00 vilões de He-Man wallpaper 0 wallpaper 1 wallpaper 2 wallpaper 3 wallpaper 4 wallpaper 5 wallpaper 6 wallpaper 7 wallpaper 8 wallpaper 9 wallpaper 10 wallpaper 11 wallpaper 12 wallpaper 13 wallpaper 14 wallpaper by aldgerrelpa 1 wallpaper by aldgerrelpa 2 wallpaper by aldgerrelpa 3 wallpaper by aldgerrelpa 4 wallpaper by aldgerrelpa 5 wallpaper by aldgerrelpa 6 wallpaper by aldgerrelpa 7 wallpaper by aldgerrelpa 8

Deixe um comentário

Arquivado em Herói.

Herói

z

Popeye

O marinheiro é um dos personagens mais antigos da história das HQs. Popeye, the Sailor foi criado por E. C. Segar. e surgiu na tira de jornal Timble Theatre, do New York Times, em 1929.

Popeye é mais antigo que o Super-Homem, pois o kriptoniano só conseguiu ir ás bancas em 1938.

Como curiosidade, Popeye surgiu como personagem secundário, mas teve ótima repercussão e logo virou astro principal.

Além de seu olho esbugalhado, andar engraçado e o famoso bordão: “Eu sou o que sou”. Podemos notar que sua principal característica é comer espinafre quando surgia algum problema. Isso o deixa super forte sendo capaz de vencer qualquer obstáculo.

Devido ao seu inegável sucesso pouco tempo depois protagonizou alguns curta-metragens de animação pelo Fleischer Studios (comento mais abaixo).

Ao longo dos anos surgiram vários desenhos do personagem entre os quais se destacam: Famous Studios (antigo Fleischer Studios), King Feature Syndicate e Hanna-Barbera.

Entre os seus coadjuvantes temos: Olívia Palito, eterna e atrapalhada namorada do herói que sempre entra em alguma confusão.

Outro personagem recorrente é o Brutus (Bluto), um chato e invejoso que deseja roubar a Olívia do marinheiro. Eu odiava a Bruxa do Mar antigamente, mais analisando friamente pode-se notar que ela daria um ótimo par com o Brutus ambos se merecem.

De todos os coadjuvantes do marinheiro eu sempre achei o Dudu o mais enjoado, pois sempre pede fiado pra comer um hambúrguer: “pago na terça-feira” e nunca consegue pagar.

O marinheiro comedor de espinafre possui alguns desenhos animados que foram inspirados nas histórias contidas no livro das Mil e Uma Noites. Nos quais enfrentou situações contra: Simbad, Ali Babá e Alladin e todos foram produzidos pelo Fleischer Studios.

O primeiro foi Popeye encontra Simbad, o Marinheiro (Popeye, the Sailor meets Sindbad, the Sailor) feito em 1936.

Como curiosidade o desenho foi lançado no cinema em 27 de novembro de 1936 pela Paramount Pictures.

Popeye enfrenta o convencido marinheiro Simbad que é mostrado como Brutus que sequestra Olívia Palito. E então na companhia de Dudu nosso herói parte pra salvá-la.

Obviamente, Popeye terá que enfrentar alguns desafios como um pássaro Roca, um gigante e o próprio Simbad pra recuperar sua amada.

Só pra constar, Popeye encontra Simbad é om eu preferido de todos e  foi indicado pro Oscar de Melhor Curta metragem, mas perdeu para Silly Symphony, da Disney.

Dizem as lendas que o produtor e artista de efeitos especiais, Ray Harryhausen declarou em seu livro Fantasy Film Scrapbook que Popeye, o Marinheiro Conhece Sindbad, o Marinheiro, foi uma grande influência em sua produção Simbad e a Princesa.

O segundo foi Popeye Encontra Ali Babá e os 40 Ladrões (Popeye the Sailor meets Ali Baba’s Forty Thieves).

Outro curta-metragem de animação lançado diretamente nos cinemas pela Paramout Pictures, em 1937.

Na trama, Ali Babá não parece, pois o bando é liderado por Brutus conhecido como Abu Hassan. Popeye surge alistado na Guarda Costeira amenricana e na companhia de Olívia e Dudu vão pro deserto tentar capturar o bando.

Obviamente surgem alguns contratempos pra que o herói possa superá-los, no entanto o curta é surpreendente pela qualidade mostrada nele.

E por último temos, Popeye – Aladdin e sua Lâmpada Maravilhosa (Popeye The Sailor Meets Aladdin and his Wonderful Lamp), uma animação também lançada nos cinemas, em 1939.

Neste curta a parte interessante é que Olívia surge como roteirista da Surprise Pictures escrevendo a história de Aladdin.

Mais durante a apresentação da aventura ela digita a história e protagoniza como princesa enquanto Popeye é o Aladdin.

Desta vez, o vilão é o vizir que ambiciona encontrar o gênio pra seus propósitos mesquinhos.

Bom, apesar da evidente qualidade é  o curta-metragem mais irregular de todos, pois não da pra realmente gostar do que foi mostrado (ficou fraquíssimo).

Na década de 80 houve uma adaptação do personagem dirigida por Robert Altman.

O filme é uma adaptação fiel ao universo do Popeye das HQs criadas por E. C. Segar.

Na trama, Popeye (Robin Williams) está a procura de seu pai o Vovô Popeye (Ray Walston) numa cidade aonde conhece a Olívia Palito (Shelley Duvall). Só que a mocinha está comprometida com o vilão Brutus (Paul L. Smith).

Nesse meio tempo é deixado um bebê com nosso marinheiro preferido o Gugu (que nas animações só arranja confusão).

A coisa mais incrível é que Popeye não gostava de espinafre, mas teve que comê-lo para poder salvar o dia.

Esta adaptação consegue ser muito fiel ao que foi proposto nas tiras de jornais e nas animações originais (foi feito para os fãs). É claro que hoje em dia com as novas tecnologias fica realmente parecendo estranho, mas vale a pena conferir por ter um Robin Williams em início de carreira.

Confira na galeria abaixo algumas imagens do marinheiro Popeye que garimpei na web

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 brutus 2 brutus popeye 1 Popeye popeye_vs_brutus popeye-and-bluto robin williams wallpaper 1 wallpaper 2 wallpaper 3 wallpaper 4

Deixe um comentário

Arquivado em Herói.

Crítica

ac-775-elite

Superman x The Elite

O Homem do Amanhã é um personagem antigo, pois  como tal teve que ser reformulado diversas vezes para continuar interessante.  Uma característica básica de sua imagem está na clara definição de “Verdade, Justiça e Modo de Vida Americano”.

  Infelizmente durante os anos 1990 amargou uma péssima fase,  por que logo após sua morte que vendeu muito e foi até noticiada na TV. Tivemos o período em que virou um ser elétrico dividido entre azul e vermelho que aliás considero um dos piores de toda trajetória do herói.

O declínio em suas vendas foi devido ao mercado editorial recheado de anti-heróis que culminou na queda de sua popularidade, pois o público ficou cansado do jeito escoteiro do azulão.

HQ 

E então surgiu em Action Comics 775, de 2001, “Olho por Olho”, com roteiro de Joe Kelly e arte de Doug Mahnke e Lee Bermejo.

No Brasil podemos vê-la na em DC 70 anos 1 – As Maiores Histórias do Superman. Como o título já diz reúne algumas das melhores histórias do kriptoniano.

A Elite é um grupo de supostos “heróis” liderados por Manchester Black. Seu estilo impiedoso de “atirar primeiro e perguntar depois” acabou conquistando o público e Superman teve que ensiná-los seu modo de resolver problemas.

E mesmo Superman tendo um currículo respeitável o grande público ficou ao lado da Elite e seu modo de fazer justiça. Claro que o herói ficou arrasado com tudo isso.

Num dos momentos mais impactantes o Homem de Aço resolve descer ao nível de seus antagonistas e brutalmente extermina  toda equipe (pelo menos é o que parece ser).

Esta HQ serviu como crítica a títulos de superequipes politicamente incorretas da época e agiu como resposta, por que reflete realmente a importância de Kal-El para a atualidade.

Pra mim é uma das melhores histórias do Homem de Aço de todos os tempos. E vale a pena ler a HQ para notar as diferenças postas na animação.

supermanvstheelitebannercine31

 Animação 

Logo na abertura temos uma homenagem pros desenhos antigos do kriptoniano: Irmãos Fleischer, Filmation,  Ruby Spears e Superamigos. Como já disse antes o  Azulão  é um personagem antigo e acho que esta ligação é feita particularmente com esta abertura.

O herói  fica novamente em cheque quanto ao seu modo de agir e o que a sociedade pensa. Há uma analogia quanto esta correria do mundo moderno onde as pessoas desejam respostas rápidas para se sentirem melhor.

Vendo desta forma todos os conceitos da HQ foram bem abordados. Quero frisar que até a conversa que Clark têm com Jonathan na fazenda foi transposta para a animação.  Deram uma nova proposta  explorando  ainda mais o que foi visto nos quadrinhos.

Mantiveram a linha na qual Superman sempre serviu de exemplo para todos e esta sua posição é posta em cheque por Manchester Black e sua equipe. No entanto é examinando seu caráter e sua alma profundamente que vemos como o Super resolve seus problemas.

Não sei se a animação peca por ter um estilo cartunesco visto a densidade da trama, mas mesmo assim ainda é um dos melhores filmes animados da DC Comics com bons diálogos e ótimas cenas de ação.

Superman x Elite é uma história do Homem de Aço clássico para torna-lo convincente pra era moderna usando vilões que podem desafiá-lo e até vencê-lo numa luta.

Mas o Homem do Amanhã mantém sua integridade e crenças num mundo que não o valoriza, pois acredita do fundo de sua alma que a essência da humanidade é ser boa. E que as pessoas tem um potencial enorme para melhorar o mundo desde que você acredite nisso, pois basta abrir os olhos e enxergar da maneira como ele vê.

Como curiosidade será que alguém mais notou que as câmeras que Manchester Black usa são parecidas com naves de Star Wars? Pra quem não viu reparem novamente nas cenas que surgem durante a animação.

 

4 Comentários

Arquivado em Crítica