Arquivo da tag: liga da justiça

Batman: Através dos Tempos

série animada

Bat-desenhos – Primeira Parte

A Era Bruce Timm

Batman: A Série Animada

Devido ao  estrondoso sucesso de Batman – O Filme.  Tivemos uma continuação três anos depois com  Batman: O Retorno e este desenho que foi lançado para TV (em conjunto com a versão para as telonas).

Algo que me impressionava era aquela abertura, pois a música de Danny Elfman soava bastante densa. Demonstrando um Homem-Morcego ágil, rápido e sombrio. As cenas são escuras praticamente em preto e branco (num estilo característico dos gibis clássicos antigos).

Eu não cansava de ver essa parte, porque pra mim era uma das melhores. É bom lembrar que Bruce Timm uniu a versão de Tim Burton com a dos irmãos Fleischer (feita para o Super-Homem em 1941).

Então podemos constatar que a produção nos remete aos momentos iniciais das aventuras do Morcegão original. A série animada tem o mérito de redefinir o visual dos super-heróis da Distinta Concorrente na telinha.

Dizem as lendas que Bruce Timm foi o responsável pelo visual estilizado dos heróis e vilões de Gotham. E Eric Radomski fez os cenários que foram batizados de “dark deco”.

Outra lenda diz que a animação recebeu um prêmio Emmy em 1993 (tipo um Oscar da TV).

A parte interessante é que os roteiros de Paul Dini e Denny O’Neill (roteirista do Batman nos anos 60 e 70) exploravam temas sérios e dramáticos (tipo traição, assassinatos e insanidade). Fatos que mostravam o lado detetivesco do herói.

Enquanto nos Estados Unidos, Kevin Conroy tornava-se a voz definitiva pro Batman aqui também tivemos Márcio Seixas com sua voz marcante e inesquecível.

E se não me falha a memória o dublador fez a voz do Sr. Spock (Leonard Nimoy) de Star Trek: A Série Clássica. O eterno Luke Skywalker (Mark Hammil) dublou o Coringa e Ron Pearlman (Helboy) emprestou sua voz para o Chapeleiro Louco.

Essa primeira versão durou até 1994, pois estava para ser lançado o filme Batman: Eternamente (durando num total de 85 episódios). Os vilões que conhecemos aparecem em sua grande maioria. Sendo um dos elementos mais chamativos da série.

Então surgiu uma nova intitulada As Aventuras de Batman e Robin (só pra lembrar a Filmation já havia usado este título nos anos 70). Introduzindo um novo Robin (Tim Drake) com um visual criado pelo lendário artista Alex Toth.

Entre 1997 e 1999 veio a última temporada chamada de As Novas Aventuras de Batman. E desta vez tivemos Asa Noturna (Dick Grayson), Robin (Tim Drake) e a participação da Batgirl (Barbara Gordon).

Demonstrando ser uma continuação da versão anterior. Enquanto o estilo ficou mais leve  em contrapartida seus uniformes assumiram tons mais escuros.  Ficou evidente também  uma mudança nos roteiros (que tornaram-se mais infantis). A parte interessante era mostrar o Morcegão liderando uma equipe.

É deste período também que surgiu Superman: A série Animada outra versão do kriptoniano. Mesclando  a versão clássica da Fimation (1941) com a tecnologia da década de 90 tivemos a melhor animação do Azulão (até aquele momento).

Não posso deixar de comentar que vale a pena recordar os dois longas-metragens e uma animação que fizeram história.

máscara do fantasma

 Batman: A Máscara do Fantasma

Inspirada em Batman: Ano Um, de Frank Miller. Temos o Morcego combatendo, o Fantasma, um bandido perigoso que matou alguns chefões da máfia em Gotham City.

Só que seu M.O acaba incriminado Batman pelos crimes. Fazendo com que a população da cidade se volte contra seu protetor.

A narrativa tem muitos momentos em flashback, pois o Fantasma foi um herói televisivo antigo. No qual o pequeno Bruce Wayne se inspirou para tornar-se quem é.

E também mostrando o momento em que um jovem Bruce Wayne desejava casar com Andrea Beaumont e largar seu pesado fardo de vingança. E sua motivação para proteger os inocente de Gotham é posta em dúvida.

Só que além de ter que provar sua inocência nosso herói ao mesmo tempo precisa  se defender de seu pior inimigo.

Nostálgico é saber que Adam West dubla o Fantasma Cinzento da TV sendo uma homenagem ao seriado no qual trabalhou. Podemos notar que há uma inspiração na HQ Batman: Ano Um, de Frank Miller, tornando nossa aventura mais interessante.

É uma animação com roteiro bem trabalhado de Paul Dini e direção de Eric Radomski (vale a pena dar uma conferida).

 abaixo de zero

Batman & Mr. Freeze: Abaixo de Zero

Victor Fries é um especialista em criogenia que trabalhava arduamente num projeto para salvar sua esposa Norah de uma doença terminal. O senhor Frio retorna a Gotham buscando uma doadora para ela e encontra compatibilidade sanguínea com Bárbara Gordon.

O Senhor Frio agindo em conjunto com o Dr. Gregory Belson  acaba sequestrando  Bárbara. Só que pro seu azar o vilão não sabia que a moça agia secretamente como Batgirl.

Então devido ao seu desaparecimento o Comissário Gordon convoca Batman e Robin para ajudar. Ambos saem numa busca desenfreada para até encontra-la e sava-la. Esta animação encerrou a fase Animated.

futuro

Batman do Futuro

Desta vez a história acontece num possível futuro, pois estamos em 2039. Bruce Wayne esta com 80 anos e se aposentou despois de um salvamento em que quase morreu do coração.

Passados 20 anos de reclusão acompanhado de seu cão Ace (lembrando que o bat-cão também aparece na série animada do Kripto, O Supercão). Ele é salvo de ser morto por uma gangue graças a Terry McGinnis, um jovem que havia perdido o pai recentemente.

Tendo que combater a corrupção dentro de sua própria empresa feita pelo empresário Derek Powers. Ficamos sabendo que Derek foi o responsável pela morte do pai de McGinnis.

Impossibilitado de agir devido sua idade avançada Bruce aceita a contragosto a vingança do jovem. Fazendo dele seu pupilo e ajudando McGinnis a ressuscitar o “Batman”.

Mais do que um mero spin-off esta série criou sua própria mitologia trazendo um novo jovem na época de 17 anos para continuar o legado do Morcego. E além disso BW agia como mentor ensinando tudo que Terry deveria fazer.

Terry utiliza um traje avançado tecnologicamente capaz de torna-lo dez vezes mais forte que um homem comum, voar entre outros apetrechos.

A abertura da série é muito mais sinistra demonstrando já o nível de corrupção e sujeira degradante que a sociedade de Gotham vivia.

Batman_Beyond_Return_Of_The_Joker

Batman do Futuro: O Retorno do Coringa

Este longa-metragem trouxe uma história inusitada mostrando Tim Drake com 50 anos e totalmente ressentido com Bruce por um acontecimento do passado.  Também temos Bárbara como Comissária de Polícia desaprovando a existência do novo  herói.

Desta vez devido ao retorno do Coringa Bruce resolve tomar a frente deixando Terry de fora do que está acontecendo. O Palhaço do Crime reabre feridas que nunca cicatrizaram, mas quando vemos em flashback Tim sendo torturado foi chocante.

Ainda mais porque aparentemente o menino-prodígio havia matado o vilão. Mesmo Terry tentando ajudar procurando desvendar um terrível segredo. Ficamos sabendo que o vilão havia implantado um chip em Drake (no qual havia toda sua personalidade doentia). Tornando este retorno assustador e causando destruição na vida daqueles envoltos nesta história.

Repleta de ação e com momentos fantásticos vale a pena rever esta animação.

justice-league

Liga da Justiça

Desta vez vemos Batman agindo praticamente sozinho, porque não há  nada mencionando Robin ou Batgirl. Inicialmente Bruce não confia em ninguém demonstrando estar na maioria das vezes na defensiva (isto é devido a Liga ter os heróis mais poderosos que já viu).

Como sabemos Bruce é um atleta soberbo além de ter conhecimentos de química, biologia e criminologia.

Seu comportamento é sombrio e sua presença é assustadora (invariavelmente algumas pessoas se amedrontando quando o veem).  Sendo extremamente fiel ao conceito do herói temos o Batmóvel e seus acessórios do cinto de utilidades sempre sendo utilizados quando necessários.

Batman é um dos membros originais da equipe e não possui poder algum, mas mesmo assim não deixa de ser respeitado pelo resto dos demais. É o estrategista de campo mostrando e delegando as funções de cada um e usa sua astúcia e inteligência para estar um passo afrente seja dos heróis ou vilões.

Foi mostrado de maneira superficial seu romance com Diana principalmente no episódio da porca-maravilha que é muito engraçado (mais nos quadrinhos o enlace foi mais intenso). Outro episódio memorável foi a crise no tempo em que tivemos Bruce encontrando seu eu envelhecido de 2039 (há referências a Crise nas Infinitas Terras).

Liga da Justiça é a melhor série animada feita com os personagens do  UDC. E mesmo com o estilo cartunesco de Bruce Timm as aventuras mostram “quase “ todos” os heróis, pois deixaram infelizmente de fora o Besouro Azul e  até o Vingador Fantasma que participa de várias sagas nos gibis. A parte interessante foi a  inclusão de personagens do Quarto Mundo criados na fase em que a lenda Jack Kirby trabalhou na editora.

Mais ainda sim seus roteiros não são feitos para agradar as crianças e sim para nós fãs de longa data dos heróis.

Deixe um comentário

Arquivado em Batman: Através dos Tempos

Batman: Através dos Tempos

z

Bruce Timm

Assim que comecei a surfar na internet conheci vários trabalhos dos mais variados artistas. Então ficava vendo a arte de um tal BT que eu não sabia quem era, mas adorei logo de primeira.

Seu alto nível de caracterização dos heróis e claro suas extasiantes pin-ups com uma bela dose de sensualidade. Só depois de um longo tempo fui descobrir por acaso que BT era Bruce Timm. Da extensa lista de artistas que conheço ele é um dos meus favoritos.

Bruce Timm é o grande responsável pela revolução nas animações da DC Comics e seu incrível sucesso é devido á sua maneira de respeitar a personalidade dos personagens.

Meu primeiro contato com BT foi com Batman: The Animated series (1992), a ambientação do herói era de 1940, mas o clima sombrio dos anos 80 foi visto com maestria.

E devido ao sucesso de crítica e público logo depois tivemos Superman: The Animated Series (1996) revitalizando a ótima versão de Fleischer para aquela época.

Batman do Futuro foi uma inovação no conceito do mito do Morcego. Trazendo uma versão mais velha e ranzinza de Bruce e depois Liga da Justiça aonde assumiu a posição de criador e produtor.

Liga da Justiça é uma série animada sem precedentes com  vários personagens (alguns retirados do fundo do baú), bem explorados e caracterizados.

Contando com episódios memoráveis sendo totalmente direcionado para um público mais adulto. Aliás sou fã de carteirinha assinada desta animação.

Seu estilo cartunesco foi algo bastante diferente da série animada anterior por exemplo: Superamigos, de Alex Toth aonde o tom era bastante surreal, mas que não deixa de agradar alguns saudosistas de plantão (tipo eu, é lógico!).

Bruce Timm criou um padrão de qualidade que seria adotado em todas as animações da Warner/ DC.

Confira na galeria abaixo imagens do artista que revolucionou o modo como assistimos desenhos na TV 

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14.1 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 preach wallpaper 1

Deixe um comentário

Arquivado em Batman: Através dos Tempos

HQ

os-melhores-do-mundo-n-9

Os Melhores do Mundo # 9

Quando terminou o sucesso da Liga cômica (em 1997) tivemos um outro recomeço da equipe com o gibi “Os Melhores do Mundo”. Logo os heróis Superman, Batman, Mulher-Maravilha, Lanterna Verde (Kyle Rayner), Aquaman e Flash (Wally West) tornaram-se os sete magníficos.

Desta vez Grant Morrison trazia roteiros que brincavam com a nossa imaginação (aliado ao estilo diferente de Howard Porter).  Tivemos uma história intitulada simplesmente de “Eles!”.

Desta vez  havia um grupo de super-heróis (na verdade eram marcianos brancos disfarçados) chamavam-se de Hyperclan vagaram pelo universo desde que seu planeta natal fora destruído.

O Hyperclan era composto por Protex (líder da equipe), Primaid, Armek, Zenturion, E-Mortal, Zum (velocista), Tronix e Fluxus (metamorfo)

Gradualmente fomo descobrindo suas intenções, pois planejavam dominar a Terra destruindo a Liga.

Primeiro devolveram as esperança para todos ao redor do mundo e depois meticulosamente atacaram a LJA. Destruindo o Satélite (abrindo precedente para que surgisse a Torre de Vigilância na Lua).

A humanidade estava odiando a Liga. E a opinião pública havia sido conquistada pelo Hyperclan, pois víamos as noticias da TV sendo mostradas a todo instante.

Haviam depositado falsas esperanças nas pessoas ao demonstrarem fatos magníficos (como desertos ganhando vida e cidadelas surgindo do nada). E principalmente executando supercriminosos pra todos verem.

Aliás na cena de execução podemos notar alguns personagens conhecidos da Marvel como Bishop (mostrando Wolverine já executado) e o vilão Doutor Destino para ser o próximo a morrer.

O confronto foi inevitável, mas logo de primeira o Hyperclan ganhava terreno. Derrubando e derrotando cada membro da LJA.  A grande virada e sacada do roteirista foi ninguém menos que… Batman.

Os vilões só não contavam com a astúcia do Homem Morcego. Simplesmente por que ele era apenas “um humano sem poderes”. Uma  HQ inteligente e uma das mais interessantes de todas da equipe que consegui ler.

HQ: Os Melhores do Mundo n° 9

Editora: Abril

Ano: 1998

Argumento: Grant Morrison

Arte: Howard Porter

Arte-Final: John Dell

Deixe um comentário

Arquivado em HQ.

Herói

 

 alex-ross

Liga da Justiça da América

A equipe mais famosa dos gibis e querida dos fãs. Surgiu na edição The Brave and The Bold #28, em fevereiro de 1960 (no evento que ficou conhecido como a Era de Prata). Em outubro do mesmo ano a equipe ganhou um título próprio.

Por falar em Era de Prata devo justificar um erro largamente comentado por várias pessoas, pois afirmam que Barry Allen é o precursor deste momento. Mais na verdade o herói que marca o início é o Caçador de Marte, em 1955.

A LJA não teria a importância que tem hoje se não fosse o surgimento 20 anos antes da Sociedade da Justiça.  A Liga é simplesmente composta por alguns heróis da Sociedade da Justiça redefinidos para aquele período.

Então temos o Flash II (Barry Allen) – uma versão remodelada do Flash I (Joel Ciclone), o Lanterna Verde II (Hall Jordan) – uma versão científica do Lanterna Verde (Allan Scott) e Eléktron (Ray Palmer) – uma versão do herói Átomo (Al Pratt).

Uma curiosidade é que no desenho antigo dos anos 60 Eléktron era chamado de Átomo (igual ao herói original).

Os integrantes da primeira formação eram: Super-Homem (Kal-El), Batman (Bruce Wayne), Lanterna Verde (Hal Jordan), Mulher- Maravilha (Diana Prince), Aquaman (Arthur Curry), Flash (Barry Allen) e Ajax (J’onn J’onzz).

Estes são os mais emblemáticos, porém o caso mais importante foi do Super-Homem. O original chamava-se Kal-L e o renovado Kal-El. Kal-L existia na Terra 2 aonde estava a SJA e todos os heróis da Era de Ouro da editora.

E a Terra 1 com o Super-Homem da LJA e todo panteão que veio dos anos 1960 com isto deu-se início um novo momento nos quadrinhos da DC: as Terras Paralelas.

Aonde heróis consagrados habitavam outras Terras, mas existindo de forma diferente da qual conhecemos.

Foi um conceito bem explorado que acabou virando um monstro de continuidade e eclodiu na Crise nas Infinitas Terras  e por mim poderia ter parado  nesta crise, porque o que veio depois serviu apenas para confundir ainda mais a nossa cabeça.

Outra personagem que teve algumas enrolações foi a Mulher Maravilha que foi membro da SJ. Mais dizem também que a Rainha Hipólita “viajou” ao passado sendo a MM daquela época (algo bastante complexo devo dizer).

Porém nota-se em algumas HQs que foi realmente a Diana Prince original (da Terra-2). A integrante da equipe causando uma confusão de continuidade enorme na cabeça dos fãs.

Na primeira história os heróis se reúnem para combater um grupo de alienígenas. A intenção deles era fazer do planeta Terra seu campo de batalha. E então  decidirem quem reinaria em seu planeta natal. Eram alienígenas com corpos feitos de madeira, pedra, mercúrio, cristal, fogo e um pássaro amarelo.

Os heróis cada um respectivamente foram lutando contra os invasores e tiveram que se reunir numa batalha final para vencê-los definitivamente. Deste momento em diante decidiram formar uma equipe para combater qualquer perigo alienígena surgindo a Liga da Justiça da América.

Depois da Crise (nas Infinitas Terras) devido a reformulação Batman, Super-Homem e Mulher-Maravilha não participaram da formação da equipe.  No pós-Crise enquanto os melhores do mundo divergiam em suas formas de combater o crime.

A Mulher-Maravilha tinha vindo ao mundo do patriarcado somente durante Lendas (então ela não havia surgido na HQ da Liga nos anos 60).

No lugar de Diana incluíram a Canário Negro (Dinah Lance) que também foi reformulada naquele período.

Em 1998, na edição Os Melhores do Mundo # 21 temos Liga Justiça: Ano Um (que guardo com carinho em minha coleção). Com arte de Barry Kitson e argumento de Mark Waid e Bryan Augustyn.

Temos a origem da LJA sendo recontada. A parte interessante nesta renovação foi ver o início do relacionamento (difícil entre eles), mostrando uma ótica mais intimista, valorizando a personalidade de cada um. Ficamos sabendo como se formou a amizade, confiança e liderança na equipe (são edições para qualquer fã ler e apreciar).

Bom, quando comentamos sobre desenho da Liga geralmente pra nós mais velhos vem a memória os Super Amigos, mas a Filmation também mostrou uma versão.

A equipe era composta por Superman, Aquaman, Lanterna Verde, Gavião Negro e Átomo (na verdade era o Eléktron). Infelizmente não havia nenhuma presença feminina pra dar uma graça (não sei por qual motivo).

É claro que se comparada aos dias de hoje é bem fraca, mas é um clássico do gênero. Em 2008 a Warner Home Video lançou um DVD intitulado DC Superheroes: The Filmation Adventures num conjunto de 2 DVDs (contendo 18 episódios). Vale a pena e eu gostaria de ter.

Em 2001 tivemos a Liga da Justiça de Bruce Timm mostrando a melhor caracterização do grupo até a atualidade. E geralmente quando falamos da última versão animada somente BT é lembrado.

Mais também não devemos esquecer de Paul Dini o grande roteirista que ajudou a consolidar o sucesso da franquia.

A melhor parte foi o respeito pela personalidade dos heróis aonde reapresentaram origens melhores que nos gibis (caso da Poderosa e Apocalypse). A trilha sonora é bastante marcante e inesquecível (heroica mesmo).

Apesar da arte estilizada de BT, Liga da Justiça conta com roteiros enxutos que não são feitos para crianças, pois infelizmente aqui no Brasil. Todo e qualquer desenho é rotulado como “infantil” (sinceramente eu não consigo entender isto).

Outro fato interessante foi mostrar vários personagens do UDC (alguns conhecidos e outros que estavam no limbo). Algo que foi posteriormente reaproveitado em Batman: Os Bravos e Destemidos.

Fora alguns episódios memoráveis a melhor coisa na animação foi o respeito na forma como representou a equipe. Liga da Justiça é um prato cheio para os fãs de longa data e uma chance pros novatos conhecerem melhor nossos super-heróis.

A equipe já teve inúmeras formações e uma de suas fases mais conceituadas foi de 1970 (uma época querida pelos fãs mais antigos conhecida como “fase Satélite”).

Período em que Super-Homem agia como seu porta-voz e Batman o estrategista de campo. A equipe lutava contra invasões alienígenas, magos superpoderosos e fez viagens interdimensionais através do Multiverso.

Outro fato marcante eram as constantes discussões entre  Arqueiro Verde e Gavião Negro e as constantes reclamações de Nuclear quando ia fazer plantão no monitor.

Depois desta época áurea a equipe amargou baixas vendas com a “Liga Detroit” nos anos 80 (período pré-Crise). Composta por Ajax, Homem-Elástico (Ralph  Dibny), Zatanna, Gládio (Henry Hank Heywood III), Vibro (Paco Ramone), Vixen (Mari Jiwe Macabe), e Cigana (Cindy Reynolds).

A equipe não fez o devido sucesso que a versão anterior e terminou sendo derrotada e em Lendas pelo vilão Enxofre (seu término marcou a ascensão da Liga Cômica). Numa excelente fase (no pós-Crise) comandada por Keith Giffen , Kevin Maguire e J. M. DeMatteis.

O foco da narrativa era o relacionamento dos heróis (deixando de lado os supervilões ou investigações de crimes) e a inovação foi pegar a maioria dos heróis ditos assim de segundo escalão.

Bom, a parte mais engraçada era ver Gladiador Dourado e Besouro Azul zoando tudo. Eles brilharam constantemente formando uma dupla impagável. Acentuaram a personalidade do “cabeça de cuia” Guy Gardner (alguém que todos “adoravam” odiar).

Foi marcante o momento em que Batman nocauteou Guy com “apenas um soco” (fato que foi muito comentado pelo resto do grupo). E quando ele recebeu uma pancada na cabeça abitolou de vez virando “frufru”.

Billy Batson não tinha um comportamento adulto quando se transformava em Capitão Marvel (recebendo o apelido carinhoso de “Capitão Fraldinha”).

A equipe era formada por diversos heróis: Batman, Capitão Marvel, Besouro Azul, Gladiador Dourado, Canário Negro, Ajax, Doutora Luz, Guy Gardner, Senhor Milagre, Oberon e Senhor Destino.

Mais ao longo das publicações tivemos Soviete Supremo, Fogo, Gelo, Capitão Átomo entre outros. Quando a equipe foi comandada por Maxwell Lord  (seu porta-voz) a equipe começou a trabalhar para ONU tendo sedes em vários países (embaixadas).

A mais divertida era Liga Antártida com membros que ninguém queria por perto. Como o impagável Lanterna Verde G’nort (seu jeito ingênuo lembrava demais o Pateta). Uma das melhores épocas da equipe.

Quando terminou este sucesso (em 1997) tivemos um outro recomeço da equipe com o gibi “Os Melhores do Mundo”. Logo os heróis Superman, Batman, Mulher-Maravilha, Lanterna Verde (Kyle Rayner), Aquaman e Flash (Wally West) tornaram-se os sete magníficos.

Desta vez Grant Morrison trazia roteiros que brincavam com a nossa imaginação (aliado ao estilo diferente de Howard Potter).  Os heróis estavam na Torre de Vigilância na Lua lembrando a fase de 1970. Esta época ficou marcada pelo contexto clássico com algo diferente.

A inclusão de Kyle Rayner (um Lanterna Verde inexperiente que queria demonstrar seu valor),  Wally West (consolidando seu posto de Flash) ou mostrando uma guerra contra o céu (inclusão do anjo Zauriel) e o enigmático Aztek (Curt Falconer).

Ou ainda outros personagens como Grande Barda, Scott Free (Senhor Milagre), o irascível Orion, Oráculo (Barbara Gordon), Connor Hawke (Arqueiro Verde II), Caçadora (Helena Bertinelli) que fora expulsa da Liga (algo aproveitado na animação),  o inteligente Aço (John Henry Irons) e o engraçadíssimo Homem-Borracha (El O’Brien).

Na  quinta  temporada de Smallville tivemos uma formação juvenil da Liga ( que foi bastante comentada) na época.

A equipe era composta por Impulso (Kyle Garner), a versão adolescente do velocista Flash (nos gibis). Aquaman (Alan Ritchson), Ciborgue (Lee Thompson Young) e Arqueiro Verde (Justin Hartley).

A LJA tem diversos outros arcos importantes de histórias e assim que puder estarei comentando alguns.

Confira na galeria abaixo imagens da Liga da Justiça

0.1 0 1 3 4 5 7 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 alex ross 0 alex ross 1 alex ross 2 alex ross 3 alex ross 4 alex ross 5 billy tucci caio cacau dick-giodano Douglas-Shuler jerry ordway jla 1 JLA Unlimited jla jla_year_one jla-1984 jla-filmation jlnfs_cv1_solicit joe jusko justice-league-international kit_kit_kit Legacies michael turner 1 michael turner 2 Phantom-Stranger Super_DC_1976_Calendar_-_Justice_League_of_America_July super_friends_by_vontoten wallpaper 1 wallpaper 3 wallpaper by ed benes wallpaper-by-dave bullock wallpaper-firestorm wallpaper-jim-lee wallpaper-super friend by phill noto yale stewart 0 yale stewart 1 yale stewart 2 yalestewart 3

Deixe um comentário

Arquivado em Herói.

Wallpapers

z

Liga da Justiça

O maior supergrupo dos gibis não está conseguindo ter um filme na telona como nós fãs desejamos ver. Há muito boato e especulações sobre um possível lançamento para 2015, mas eu acho pouco provável.

David S. Goyer provou estar  atento aos personagens trazendo-os de uma maneira mais realista para o cinema. Isto tanto pode ser um empecilho ou algo diferente.

Existem pessoas que não gostam da forma como Chris Nolan mostra os heróis. E eu gostei da maneira como nos foi apresentado (os tempos mudaram e precisamos acompanhar as modificações).

Alguns criticaram o colorido dos Vingadores. Particularmente não vi nada de errado, porém retifico que a  DC Comics deve planejar direito o roteiro para termos um bom entretenimento (e eles lucro é lógico).

Após a saga Ponto de Ignição tivemos um UDC renovado e a Liga da Justiça teve uma nova abordagem com a inclusão do herói Victor Stone (Ciborgue).

Sinceramente não consigo aceitar o Vic como integrante do grupo, pois pra mim sempre verei ele  como um Titã.

As histórias ficaram boas numa das edições inicias o Lanterna Verde disse: “Batman? Cê existe mesmo?” Um cara que tem um anel energético capaz de construir qualquer coisa que vier a mente. Pensa que o Morcegão é uma lenda urbana (brincadeira).

Os heróis se uniram pra deter uma ameça  que não poderiam vencer sozinhos (alô, Vingadores) o déspota espacial Darkseid.

A parte mais interessante é que os heróis não se conheciam, eram perseguidos pelas autoridades e havia conflitos entre eles.

Mostraram algo básico, mas eu fiquei impressionado mesmo foi com a Mulher Maravilha. Sua atitude guerreira demonstrando força e se impondo chamou minha atenção. Vamos ver o que o futuro nos reserva pra essa nova equipe.

Confira na galeria abaixo alguns wallpapers da Liga da Justiça

0 1 2 3 4 5 6 7.1 7 8 9 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 alex ross 0 Alex Ross 1 alex ross 2 alex ross 3 alex ross 4 alex ross 5 alex ross 7 alex ross 8 alex ross 9 alex ross 10 alex ross 11 alex ross 12 bruce-timm Douglas-Shuler ed benes george-pérez ivan-reis jim-lee JLA and JSA jla film josé luis garcia lopez marcio-takara red-tornado

 

Deixe um comentário

Arquivado em Wallpapers.

Musas de Tinta

z

Poderosa

Power Girl foi criada pelo roteirista Gerry Conway e surgiu na edição All-Star Comics # 58, de 1976.

A heroína é simplesmente a Supergirl de uma Terra Paralela. Como sabemos a  Terra-2 é o universo onde habitam as versões originais dos heróis da DC Comics (na versão pré-crise).

O nome da Poderosa é Karen Zor-L e foi enviada ainda bebê  para a Terra assim como aconteceu com seu primo Kal-L. A nave de Kara era muito mais lenta que a do Superman original e por isso demorou muito tempo para chegar até aqui.

Nesse intervalo a garota cresceu dentro da nave num ambiente de realidade virtual. Enquanto isso o Superman  tornou-se um grande herói e quando a nave de Kara chegou ela já estava na fase adulta.

Quando conheceu seu primo ela foi adotada por ele e Lois como se fosse filha do casal. Depois foi treinada pela Sociedade da Justiça tornando-se conhecida como Poderosa e atuando no grupo.

Nesta versão ela e a Caçadora (Helena Wayne) eram novatas na equipe e tornaram-se muito amigas desde então.

Depois adotou o nome civil de Karen Starr e a Sociedade da Justiça lhe ensinou técnicas de computação. Agindo de posse deste conhecimento fundou sua própria empresa de computadores a StarrWare. Ela também foi membro da Corporação Infinito (equipe composta por filhos e protegidos da SJA), porém não atuou muito tempo nela.

Quando a editora fez a limpeza exterminando boa parte do passado de seus personagens (Crise nas Infinitas Terras, em 1986). A Poderosa sobreviveu por estar no início dos Tempos lutando contra a ameaça cósmica denominada Anti-Monitor.

O saldo da saga era que das diversas Terras  que haviam antes restaram somente cinco que estavam se destruindo e foram reunidas numa só. Neste processo alguns heróis de outros universos tiveram suas histórias recontadas mais a heroína não teve esta sorte.

A Poderosa é um poço só de contradição, pois além de ser a única sobrevivente de um universo que deixou de existir. Somente ela  se lembrava da Terra-2 e de seu primo (o grande herói que influenciou todo resto).

Ela amargou algumas histórias ruins ao longo dos anos. A primeira foi logo no Pós-Crise em DC Especial n° 8 – Poderosa, em 1991.

Nesta edição reescreveram sua origem, pois ao confrontar o vilão Garn Daanuth ficou sabendo  que era neta do Mago Árion de Atlântida. Um personagem místico que conheci durante a Crise e que depois sumiu da continuidade (deve ter sido num passe de mágica). Esta história não passou de uma grande mentira, pois ficou ruim demais. E ainda bem que foi esquecida da continuidade da heroína.

Durante a saga Zero Hora ela estava grávida e o bebê nasceu rapidamente tudo passou de um artifício do Mago Árion (que forçou uma gravidez mística) para gerar um bisneto que derrotasse seu inimigo o demônio Scarabus como dizia uma antiga profecia atlante. Atualmente não é dito mais nada sobre o tal filho fato super estranho (felizmente sumiram com esta bizarrice).

Na HQ DC Apresenta # 1- SJA Arquivos Confidenciais, de 2005. Aonde temos uma ligação com Crise Infinita recontando a origem da personagem com roteiro de Geoff Johns e arte de Amanda Conner.

Em “Alucinações Poderosas”, o Dr. Meia-Noite realiza testes com a heroína e ela acaba relembrando da origem contada pelo Mago Árion, em 1991. Após salvar um garoto que fixou o olhar no seu decote ela (só pra variar um pouco).

Ela é atacada pelo por Garn Daanuth novamente, mas nesta edição Poderosa consegue readquirir todas as memórias de seu passado graças a intervenção do vilão Pirata Psíquico (que durante a Crise ficou mais louco do que já era).

SJA Arquivos Confidencias abre o caminho para outros desdobramentos em Crise Infinita, pois Lex Luthor, da Terra-3 é quem estava manipulando o Pirata Psíquico.

A parte interessante é que o roteirista Geoff Johns consegue brincar com o famoso decote da personagem (muito comentado pelos fãs). E consegue realmente mostrar um panorama do que foi abordado sobre a Poderosa durante as décadas.

Numa cena a Poderosa procura a Caçadora e a salva de ser morta pelo vilão Plasmus. E desabafa tudo que vem acontecendo com ela tentando readquirir a velha amizade do passado, mas Helena diz que as duas nunca se deram antes.

A HQ é uma salada misturando tudo aquilo que já foi erroneamente dito sobre a heroína para tentar arrumar e dar um novo sentido para sua vida.

A arte de Amanda Conner transmite um ar de leveza para uma história que até poderia ter sido considerada chata se não fosse o conhecimento do roteirista sobre a continuidade da heroína.

No episódio da série animada da Liga da Justiça temos “Tenebrosa Simetria” a origem da Poderosa foi simplificada, pois foi transformada num clone malvado da Garota de Aço.

Neste episódio a Supergirl tem constantes pesadelos na qual virou uma assassina fria e cruel. Pedindo ajuda encontra apoio no Arqueiro Verde e Questão e juntos desvendam uma conspiração governamental que domina o mundo há bastante tempo.

Se não me engano é uma das primeiras aparições do Projeto Cadmus em Liga da Justiça Sem Limites.

Então descobrimos que Galatea é um clone da prima do Superman que foi alterada geneticamente para ser mais forte. Eu achei que ficou bem melhor do que a explicação clássica, pois estava mais plausível (e a luta entre as duas é o ápice do episódio).

Nestas constantes mudanças de continuidade do UDC a Poderosa tinha tudo pra ficar no limbo, pois a grosso modo surgiu como uma cópia deslavada da Supergirl.

Porém por mais incrível que possa parecer isto nunca aconteceu a heroína. Suponho que talvez seja por sua atitude forte e carisma junto aos fãs. E mesmo com algumas mudanças ruins em sua origem a Poderosa continua sendo uma das melhores personagens femininas da DC Comics.

Confira nesta galeria abaixo algumas imagens da Poderosa que garimpei na web

0 1 2 3 4 5 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 PGL Cv6 var 46 47 48 49 50 51 52 53 54 56 Adam Hughes alex ross amanda conner 0 amanda conner 1 amanda conner 2 amanda conner 3 PGL Cv6 ds amanda conner 5 artgerm 0 artgerm 1 bruce timm 1 chris bourassa chris harper douglas shuler elias chatzoudis franchesco j. scott campbell jeff ng jim lee joseph michael lisner 1 joseph michael lisner kit kit kit Marcio Abreu 1 marcio abreu 2 marcio takara 1 marcio takara 2 michael bair mitch foust peter cotton reiq ricken

powergirl_by_qoiwrng

shunya yamashita terry dodson Thony Silas 1 thony silas 2 thony silas 3 vaultman wallpaper 0 wallpaper 1 wallpaper 2 wallpaper 3 wallpaper 4 wallpaper 5 wallpaper 6 wallpaper 7 wallpaper-by_lordsnot warren louw

Deixe um comentário

Arquivado em Musas de Tinta

Crítica

batman-lego

Batman Lego: O Filme – Super-Heróis se Unem

Logo na abertura temos uma introdução tanto na música tema quanto ao símbolo do filme de Tim Burton, de 1989. Eu já havia visto a capa deste DVD  na locadora, mas nunca quis pegar pra assistir.

Foi meu pai quem trouxe para meu filho e depois desta introdução. Notei que na direção estava Jon Burton (talvez seja algum parente do outro diretor) então, parei pra poder dar uma espiadinha. Pra dizer a verdade eu pensei que não iria gostar desta animação (ainda bem que me enganei).

A parte realmente boa é que puseram os dubladores da animação da Liga da Justiça sendo que as vozes são velhas conhecidas nossas. Fiquei boquiaberto com a grandiosidade dos cenários que ficaram perfeitos (dando uma veracidade as cenas).

Tenho que afirmar que Batman Lego é voltado pro público infantil introduzindo-os no universo dos heróis, mas nós marmanjos podemos nos deliciar com sua abordagem leve e clássica do bem contra o mal.

A animação é excelente buscando nos mínimos detalhes explorar as sutilezas entre as diferenças de personalidade dos personagens.

Bruce Wayne é um filantropo, Batman age de maneira rápida (sendo um tanto rabugento), enquanto  Robin comporta-se num misto de Burt Ward com Chris O’Donnel (reagindo como um menino mesmo)suas falas são as mais engraçadas.

O Superman aparece precedido de um estrondo no ar junto com sua música tema, de 1978. E tem aquele ar de escoteiro bonzinho que quer ajudar a “todos”, porém Lex Luthor detesta tanto Bruce Wayne quanto ao kriptoniano.

Na história quando Lex tenta se candidatar a presidência precisa retirar Batman e Superman do caminho para conseguir seu intento. Quando o Coringa está preso no Asilo Arkham (que aparece como na versão do game) vemos Clark Kent num boletim televisivo (lembrando que o herói também trabalhou na TV  durante os anos 1970).

E então Lex ajuda o Palhaço do Crime a escapar usando o Desconstrutor (arma que desmonta objetos pretos brilhantes) libertando também alguns vilões. É uma das melhores cenas aonde vemos todos os vilões com carros e motos tentando fugir do Asilo.

Descobri que o dublador do Charada é o mesmo do Patolino em O Show dos Looney Tunes. No momento em que os vilões tentam fugir do Arkham (todos possuem algum veículo), mas são perseguidos pelo Morcegão. A intenção é vender os carros e outras bugingangas que aparecem mais eu gostei de tudo.

Quando Batman pega a kriptonita vemos o Sr. C usando o Desconstrutor e desmontando o Batmóvel (uma versão do filme de Tim Burton) deixando o herói com cara de bobo. Só que o Morcego não sabia que levava consigo uma falsa kriptonita.

Então vemos Lex e Coringa encontrarem a Batcaverna e ao sair dela descobrem que fica sob a Mansão Wayne, mas nem desconfiam que Batman e Bruce Wayne possam ser a mesma pessoa.

E isso pegou mal, pois Lex é um dos vilões mais inteligentes do UDC. Era só juntar 1+1 que daria pra elucidar a identidade secreta do Morcegóide. Talvez o roteirista não quisesse levar pra este ponto mais pra mim foi um furo tremendo.

Uma coisa interessante foi quando mostrava o prédio da Lexcorp após a destruição da Batcaverna. A câmera vai andando pelas dependências da empresa e esbarra no rosto de um funcionário.

E na parte em que os melhores do mundo falam com a recepcionista ela parece Kitty Kowalski (Parker Posey do filme de 2006). Quando Superman e Batman estão no elevador a música ambiente é o tema do Homem de Amanhã no que ele diz que conhece e o Morcego fala: “eu não escuto música”.

Logo outro funcionário sobe perguntando sobre o resultado de um jogo o Superman responde e o Batman diz: “eu não acompanho esporte.”  Então o que Batman faz nos momentos de folga? Será que nunca relaxa?

Outro fato que chamou minha atenção foi a versão da LJA que dá nome ao título Super-Heróis se Unem. O Lanterna Verde (Hal Jordan) segura o anel na mão e o Avião Invisível da Guerreira Amazona é feito de Lego transparente ficou muito maneiro.

Perto da conclusão Lex e Coringa usam um mecha robô, mas são derrotados quando toda a Liga entra em ação. Ajax fica monitorando o satélite (dizendo até algumas piadas) e a versão desta Liga está conectada a nova formação (mostrada nos Novos 52).

Bom, no final temos o vilão Brainiac demonstrando que esta aventura “talvez” possa ter uma sequência. E pra dizer a verdade seria uma ideia sensacional. Aconselho pra quem é fã assistir, pois é uma diversão garantida.

Deixe um comentário

Arquivado em Crítica

Imagens

z

Trindade

Marvel Comics ganha um imenso terreno sobre a DC por ter criado um universo de heróis com problemas que nos aproximam deles. Sendo que a Distinta Concorrente tem heróis que se assemelham a deuses. Tudo bem isto é um fato, pois não temos como negar.

Há pouco tempo atrás estavam cogitando um filme da Mulher Maravilha, mas não conseguiram  prosseguir com este intento, mas porquê se a guerreira amazona é uma das personagens mais clássicas dos quadrinhos?

Por mais que Diana seja muito badalada não têm arcos de histórias que sejam totalmente relevantes para irem pra telona. Tanto é que o seriado com  Adriane Palicki naufragou antes de ir pra telinha.

Infelizmente a heroína não está sendo bem aproveitada da forma como deveria  ser, pois Diana merecia algo que fosse a altura do ícone que representa para milhares de fãs.

Vejamos o caso do Superman é um herói que se sustenta por si só, pois o kriptoniano têm vários arcos de histórias alguns bons e outros irrelevantes.

Mas Kal-El é um sucesso absoluto em qualquer mídia que o apresentem, porém a Mulher Maravilha já não consegue este status.

Diana só teve grande relevância no seriado da década de 1970 com Lynda Carter me diga depois disso algo que seja de suma importância sobre a personagem? A reformulação pós-Crise não conta.

Outro caso é Batman quantas vezes o Morcegão já foi reinventado? E ainda continua interessante em todas as suas abordagens. Mesmo que algumas pessoas digam que o Morcego de Chris Nolan não seja exatamente o das HQs sua bilheteria foi recompensada com êxito, pois o herói consegue abrir este precedente.

A Princesa de Themyscira esbarra no medo dos produtores de um longa encabeçado por uma personagem feminina não irá render bilheteria para pagar os custos de sua produção. Temos um grande exemplo disso em   Elektra, de Rob Bowman (2005) que foi um fracasso retumbante.

Não adianta nós fãs virmos com uma visão romantizada que querem mostrar o herói na tela, porque na verdade não é deste modo. Há  uma grande soma de dinheiro envolvida por detrás disso que exige retorno é assim que funciona este tipo de indústria.

Por mim eu quero ver um filme da Mulher Maravilha desde que seja coerente com a personagem, mas sinceramente duvido que sejam capazes de fazer algo nesse sentido.

Só pra citar a Marvel inseriu a Viúva Negra no filme dos Vingadores sendo que a Natasha nunca foi uma heroína de grande expressão na editora.

No entanto podemos notar que estava bem caracterizada e ,talvez por conta da atuação da Scarlett Johansson, até mereça um filme só para ela, então me responda o que é preciso para termos um filme da Mulher Maravilha?

A Casa das Ideias ganha de lavada da DC por ousar com seus personagens. A grande verdade é que Superman, Batman e Liga da Justiça seguram as vendas da DC Comics enquanto que na Marvel temos vários heróis que conseguem manter a editora no topo.

Eu tenho medo do que a DC irá fazer neste suposto filme da Liga da Justiça, porque se não houver um bom planejamento e uma ótima direção vamos ter algo para odiar por um longo tempo.

Trindade é composta por Superman, Batman e Mulher Maravilha nesta HQ é mostrado o primeiro encontro entre os maiores ícones da Distinta Concorrente.

É interessante notar que sua união é por causa de um forte senso de justiça, consideração por seus pensamentos e uma grande amizade forjada pelos heróis ao longo dos anos.

Confira nesta galeria algumas imagens da Trindade que consegui.

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 Darwyn Cook 1 darwyn cook 2 Dave Bullock ed benes J. Scott Campbell Jim Lee 1 Jim Lee 2 Jim Lee 3 Jim Lee 4 Jim Lee 5 michael turner rafael albuquerque Steve Rude wallpaper 7.2 wallpaper0 wallpaper1 wallpaper2 wallpaper3 wallpaper4 wallpaper5 wallpaper6 wallpaper7.1 wallpaper7

2 Comentários

Arquivado em Imagens.

Meu Texto

supermen

Superman – O Homem de Aço

Bom, 2012 felizmente está dando adeus e agora está na hora de olharmos o que 2013 nos revela.

Confesso que não estava levando muita fé neste próximo longa, principalmente por conta do diretor Zack Snyder, pois eu achei Watchmen um fiasco indescritível e fiquei  receoso por conta disso.

Apesar de gostar demais do kriptoniano fiquei muito decepcionado com a versão de 2006, mas devemos esquecer o que se foi e  continuar seguindo em frente.

Mas depois de assistir ao 2° trailer comecei a mudar minha opinião drasticamente.

Estamos notando que Christopher Nolan está como produtor nesta nova franquia e pelo que foi visto no Batman podemos esperar uma abordagem mais real no Homem do Amanhã.

Pelo que pude ver até agora o filme abordará a infância, juventude e transição para a fase adulta de Clark. Suas descobertas e indagações serão o que veremos em O Homem de Aço.

É justamente esta visão intimista que pode ser o grande momento para o herói ter uma abordagem que faça-o voltar ao topo nos cinemas.

Numa cena Kal-El aparece acorrentado lembrando uma passagem recente na HQ Action Comics com arte de Rags Morales e Brent Anderson, aonde foi preso pelo exército e é duramente torturado até o limite de suas forças. Algo sinistro de ser pensado.

Bom, como fã já disse inúmeras vezes que quero assistir um filme de qualidade do Super e me parece que este longa caminha para isso.

Por enquanto sem assistir ao filme não dá para afirmar que esta abordagem levará este Superman para a Liga, mas eu duvido que será assim.

Aposto que o Super que será mostrado no futuro longa da Liga da Justiça será diferente deste que veremos logo, logo.

Não poderia deixar de falar que o trailer te faz uma pergunta e aí está um grande trunfo “o que você pensaria se existisse um homem no mundo inteiro que possa realmente voar?”

Que comece 2013 o mais rápido possível.

Veja o trailer aqui.

Superman – O Homem de Aço

1 comentário

Arquivado em Meu Texto

Meu Texto

batman

Filmes do Ano

2012 está quase chegando ao fim e será o ano que ficou marcado pelas melhores adaptações de quadrinhos que pudemos assistir. E infelizmente por uma enorme tragédia, em Denver  também. Cinema pra mim é um lugar pra diversão, entretenimento, arte e não palco para atrocidades.  Lamento muito pelo acontecido, pois são perdas inestimáveis.

Há algum tempo comento com meus amigos que estamos vivenciando uma ótima época para nós fãs de quadrinhos, porque estamos podendo ver nossos personagens tornarem-se de carne e osso em magníficas representações.

Aqui faço um retrospecto dos filmes que tornaram 2012 um dos melhores anos para os fãs de quadrinhos e cinema de todo o mundo.

Catwoman

Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge

O diretor Christopher Nolan conseguiu dar um novo status pro Morcegão nesta trilogia cinematográfica.

Seu Homem Morcego está no mesmo nível do Superman, de Chris Reeve, pois “tudo que vier depois” irá inevitavelmente esbarar neste paradigma.

Nolan consegue de maneira surpreendente transformar  Batman na síntese de um herói grego, pois sua tragédia pessoal o torna mais forte e determinado.

O roteiro é tenso, pois Bruce ficou quase uma década longe de ação. Ficando fora de forma e despreparado para enfrentar um inimigo perigoso.

Bane (Tom Hardy) demonstra ser um brilhante estrategista e têm uma enorme força física a seu favor, o confronto entre os dois é memorável e deixa-nos com os nervos a flor da pele.

Anne Hattaway emprestou seu lindo rosto e belo corpo para personificar a sensual ladra Mulher Gato que no filme não é chamada pela sua alcunha em nenhum momento. Mais pra ser sincero nem precisava, pois sua impressionante atuação ficará para sempre guardada no coração dos fãs.

Presenciamos uma inusitada cena engraçada Batman está falando com a Mulher Gato quando de repente ela desaparece e então ele diz: “Ah, então é essa a sensação”.  Geralmente vemos Batman sair de cena sorrateiramente deixando Gordon ou qualquer pessoa falando sozinho e desta vez provou do seu próprio veneno foi  o máximo.

Além disso temos o policial John Blake (Joseph Gordon-Levitt), que na verdade chama-se Robin, o eterno assistente do Morcegão.

Fica subentendido que mesmo se Bruce desistir de usar a máscara Gotham será protegida por um Batman. Sim, o legado do herói será eterno. E disto ninguém poderá ter dúvidas.

A franquia foi terminada com êxito e deixará saudades por demonstrar que um roteiro bem escrito e uma direção decente são exatamente o que deve ser feito para obter-se um filme de quadrinhos coerente. Isto é tudo que nós fãs queremos.

Infelizmente irão enfrentar o problema de como reiniciar o Morcego D.N. (Depois de Nolan).  Por enquanto está previsto  um longa da Liga da Justiça para 2015.

Eu espero que haja um filme decente, pois estão correndo para torna-lo realidade. Então a atuação do herói será totalmente diferente do que vimos até agora. E pra piorar quem será o ator que viverá BW/Batman? Sinceramente não irão faltar comparações e reclamações.

avengers

Os Vingadores

O filme que reuniu o Universo Cinematográfico da Marvel é a terceira maior bilheteria de todos os tempos.  Quando assisti fiquei com um sorriso estampado no rosto igual do Palhaço do Crime.

O longa retrata fielmente o colorido dos quadrinhos. E de quebra ainda temos a ótima interpretação dos atores, a ambientação de Nova York fazendo uma ligação direta com a estética que a Marvel apresenta em suas páginas.

As cenas cômicas num filme de ação tornaram o clima mais leve. A parte realmente boa é que o longa pega espectadores não iniciados nos quadrinhos que podem assistir sem problema algum.

E pros fãs os elementos característicos dos heróis são demonstrados: a liderança do Capitão, a destreza do Clint, a inteligência do Tony, a nobreza do Thor, os dardos da Viúva e principalmente o Hulk, pois Banner disse: “Eu estou sempre zangado.” Numa grande demonstração de sua fera interior, simplesmente, arrebatador.

Houve até espaço para a citação máxima da equipe: “Os Maiores Super-heróis da Terra”. O mais engraçado de tudo é que Stan Lee ridiculariza o mundo que ajudou a criar em sua participação relâmpago.

A Marvel apresentou esta maravilhosa brincadeira ao lançar  sua maior superequipe e  teve seu ápice nele, mas agora eu pergunto o que virá depois?

Quais personagens a editora trará para continuar mantendo o nível altíssimo alcançado?

Eu gostaria de ver um filme solo do Surfista Prateado, pois o herói espacial é um dos meus personagens preferidos. Talvez até contendo uma abordagem  com a participação do Galactus, porque este não poderia deixar de aparecer mesmo.

Eu pensei que iria aparecer no filme do Quarteto Fantástico mais infelizmente fiquei a ver navios.

Sei que é algo difícil de acontecer, pois o Surfista não é um herói de primeiro nível, mas vindo da Marvel tudo é possível e sonhar não custa nada.

A Casa de Ideias atingiu um patamar incrível em suas adaptações veremos em breve Thor: O Mundo Sombrio, Homem de Ferro 3, Guardiões das Galáxias e Capitão América 2: Soldado Invernal todos consolidando mais uma vez o caminho para Vingadores 2.

Ainda teremos o filme do Homem Formiga, talvez eu suponho até com a presença da minha querida Vespa. Visto que a personagem voltará dos mortos e eu nem sabia que ela havia morrido.

Concluo que estarei nos cinemas acompanhando os filmes dos heróis, porque a Marvel tem realizado um excelente trabalho.

spider_man_4

O Espetacular Homem-Aranha

Em homenagem aos 50 anos do personagem  este filme consegue mesclar a origem clássica do Cabeça de Teia, de 1962 com o Universo Ultimate, de 2000-uma releitura dos personagens da Marvel para o século 21.

Ficamos conhecendo a vida de Parker desde pequeno quando seus pais fugiram abruptamente deixando-o para morar na casa dos tios Ben (Martin Sheen) e  May (Sally Field).

Ao crescer Peter Parker (Andrew Garfield) demonstra ser um rapaz estudioso, inteligente e tímido, tipo vivendo na dele, pois é um desastre quando o assunto troca para meninas. E justamente está apaixonado pela garota mais linda da escola Gwen Stacy (Emma Stone). Depois de levar uma surra do valentão da escola ele é salvo por Gwen.

Ela é assistente do cientista Dr. Curt Connors (Rhys Iphans) um antigo parceiro do pai dele na empresa Oscorp. Após ter descoberto as anotações de seu pai, Peter visita a empresa e acaba sendo picado por uma aranha geneticamente alterada.

Peter entrega para Connors a resolução de uma equação decisiva e isto torna-se uma obsessão para o Dr. Que pensa numa evolução da raça humana. Mais ao utilizar a fórmula em si mesmo para recuperar o braço Connors desperta um monstro  furioso e incontrolável.

Nunca gostei do Lagarto nos quadrinhos, mas o roteiro focando na personalidade obscura de Connors conseguiu chamar minha atenção.  A direção de Mark Webb mostra como Peter Parker se transformou na pessoa que é.

O filme é psicológico em algumas partes, porém mostra que Parker já era um herói antes de adquirir seus poderes.  A cena em  que o Homem-Aranha balança pela cidade é extasiante lembrando o desenho antigo da década de 1960 .

Seus movimentos ficaram mais realistas sendo um deleite á parte e são feitos no estilo parkour.  O Parkour é uma atividade cujo princípio é mover-se de um ponto a outro o mais rápido e eficientemente possível, usando principalmente as habilidades do corpo humano.

Outro fato interessante é que Peter criou os lançadores de teias artificiais demonstrando sua inteligência e potencial para se tornar um brilhante cientista como nos quadrinhos.  Ainda bem que esqueceram aquela teia orgânica da franquia anterior.

O Amigão da Vizinhança é um dos heróis mais populares da Marvel e foi recriado de maneira arrebatadora tendo diversão de qualidade com direito a altas doses de emoção.

Espero ansioso para assistir a continuação da franquia. E que venha 2013.

Deixe um comentário

Arquivado em Meu Texto