Arquivo da tag: lynn varley

Batman: Através dos Tempos

the-dark-knight-strikes-again

Batman: O cavaleiro das Trevas 2

A primeira minissérie foi tão revolucionária pro mundo das HQs que chamou até atenção da mídia que não era especializada no assunto (jornal e TV).

Então quinze anos depois quando anunciaram a continuação era como se uma bomba estremecesse tudo novamente e pipocaram os mais variados comentários. Os fãs aguardavam ansiosamente pelo que presumíamos ser outro sucesso arrasador.

Lembro que na época criticaram muito Lynn Varley pelas cores computadorizadas. Eu considero até um trabalho criativo, mas a primeira versão foi tão marcante e influente, tanto pra mim quanto pra milhares de outras pessoas, que comparações é que não iriam faltar.

Na história somente três anos haviam se passado desde que Batman “morreu” (aparentemente tudo estava calmo e em paz).

O governo fez as pessoas acreditarem que o mundo tornou-se um lugar melhor, mas em contrapartida retirou todos os direitos da população. E o Morcegão aguardou o momento de retornar mostrando que ainda há muita sujeira e imperfeições no mundo.

Bruce readquiriu a forma e esteve treinando bastante nesse tempo. Podemos notar que Batman age gostando do que está fazendo e isto é impressionante, pois trata-se de um homem de 63 anos de idade (algo que não é pra qualquer um).

Logo no inicio vemos Jimmy Olsen reclamando na TV do presidente Rickard (um fantoche digital de Lex Luthor). Notamos que a preocupação em criticar a política norte-americana ainda continua sendo a principal linha narrativa da HQ.

O mundo vive sob um estado fascista e totalitário disfarçado, mas o velho Olsen pergunta pelo sumiço dos heróis.

Numa cena um homem luta no mar contra um enorme monstro e ficamos sabendo que trata-se de Ray Palmer, vulgo Eléktron, que estava confinado numa Placa de Petri.

Carol Kelley cresceu deixando o manto de Robin e assumindo a alcunha de Moça-Gato (foi ela quem salvou o diminuto herói que ficou preso por 2 anos).

Então numa instalação de fornecimento elétrica é invadida pela Moça-Gato, Eléktron, e os Batboys, os novos agentes do Morcegóide, pra salvar o Flash (Barry Allen).

O velocista ao notar que estava livre revela que iriam matar Íris, porém Carol diz que ela está bem. Há uma conspiração  governamental que prendeu os heróis usando seus entes queridos como barganha.

O Homem-Borracha é tão magnífico quanto louco quando sai de seu confinamento (trazendo de novo aquela velha discussão sobre quem é melhor Dibny ou O’Brien).

O gibi preocupa-se em mostrar o retorno das lendas da Liga da Justiça, só que em suas versões da terceira idade, pois temos Superman, Lanterna Verde, Homem-Elástico, Questão, Arqueiro Verde, Homem-Borracha, Capitão Marvel, numa versão mais velha que lembra o Tio Dudley e Mulher Maravilha (que não envelheceu nada).

Aqui temos o motivo do Azulão ter virado escoteiro do governo na primeira versão (não foi por livre e espontânea vontade como imaginávamos).

Kal-El está sendo chantageado por seus maiores arqui-inimigos, Lex Luthor e Brainiac, que estão de posse da cidade engarrafada de Kandor, um clássico na mitologia do herói.

São milhões de vidas kriptonianas sendo ameaçadas de morte e é por isso que ele agiu daquela maneira.

Sem sombra de dúvidas o que ficou realmente marcante pra mim nestas edições foram as cenas de sexo protagonizadas por Kal e Diana.  O negócio estava tão eletrizante que provocou terremoto, maremoto e outros problemas climáticos inimagináveis ao redor da Terra.

Outra coisa marcante foi Lara, a nova Supergirl, filha deles que esteve escondida com Diana em Themyscira. Ela tem as características de ambos, pois é tão poderosa quanto Kal e uma personalidade marcante de guerreira de Diana.

Houve dois momentos que realmente cheguei a ficar assustado um foi com Sartúnia aquela menina que podia prever o futuro e a segunda foi com as revelações  de Dick Grayson que trouxe a tona todas aquelas acusações de homossexualidade sempre perseguem os personagens (sinistro).

Em Batman: O Cavaleiro das Trevas 2, a arte de Frank Miller teve um declínio enorme nestas edições ficando mais estilizada, fluida e caricatural (de uma maneira bastante exacerbada). Todo mundo tem o direito de errar na vida até mesmo Frank Miller (não é atoa que choveram reclamações).

Só que o roteiro ataca além da politica que é algo óbvio, fala da exposição feminina na TV (exemplo das  Supergatas). Se não me engano, a notícia nua, foi algo que havia na TV gringa onde repórteres ficavam sem roupa pra dar noticias (pena que essa moda não fez sucesso por aqui). O artista critica até o próprio mercado americano dos quadrinhos.

Encontramos também  referências a vários personagens como Batmirim, E. Neuman (da Mad), pessoas reais como Elvis Presley ou o Papa João Paulo II.

O uniforme que o Super está usando é o da versão de cinema feita pelo Fleischer Studios, em 1941.

O Batmóvel também é uma versão do Studebaker da década de 40 (que tinha rosto e asas de morcego) entre outras peculiaridades.

Se na saga original havia uma violência levada mais pro sentido psicológico. Nesta o contexto é totalmente diferente, pois as lendas morrem de jeito trágico e a violência é brutal.

O embate de Bruce contra Kal na Batcaverna é muito superior do que havíamos visto antes, pois temos a presença do Flash, Arqueiro Verde e Eléktron deixando o Homem do Amanhã em frangalhos (lá no fundo do poço como nunca tínhamos presenciado antes).

O que me empolgou foi a sequencia final quando Lex esmurra com vontade Batman “pensando” que havia triunfado. Bruce demonstra porque é o melhor estrategista da Liga (é fantástico!).

Geralmente as pessoas falam tão mal desta HQ apenas, porque se prendem demais a saga original, mas devemos vê-la como algo á parte. É claro que se ficarmos apenas comparando não poderemos nunca apreciá-la (da maneira como se deve).

Frank Miller consegue fazer algo ímpar com tanta informação mostrada em cada edição ou em cada cena, mas obviamente a intenção da história é um retorno as origens do que é ser um herói. Resgatando esta imagem dos personagens que gostamos (e como sua presença é importante pro mundo).

Batman: O Cavaleiro das Trevas 2

Roteiro & arte: Frank Miller

Cores: Lynn Varley

1 comentário

Arquivado em Batman: Através dos Tempos

Batman: Através dos Tempos

frank miller

Frank Miller

Nascido em 1957,  Frank Miller mudou-se de Vermont para Manhattan aos 22 anos, onde realizou vários trabalhos para revistas em quadrinhos na década de 70, entre as quais Peter Parker, The Spetacular Spider-Man, antes de começar a desenhar Demolidor para a Marvel. Logo, ele começou a escrever para a série também.

Em 1982, já consagrado por sua versão do Demolidor, desenhou a minissérie Wolverine. Um ano depois, escreveu e ilustrou Ronin, uma série em seis partes para a DC Comics, sobre samurais numa sociedade futurística e decadente.

Seu primeiro trabalho para Batman foi o lápis de “Wanted: Santa Claus Dead or Alive” (DC Special Series 21, de 1980). No entanto, sua obra mais conhecida para o Morcegão, foi o roteiro e o lápis de Batman: O Cavaleiro das Trevas (Batman: The Dark Knight Returns, no original), uma graphic novel lançada em março de 1986.

A história foi arte-finalizada por Klaus Janson e colorida por Lynn Varley.

Ambientada num futuro próximo e desolado com um Bruce Wayne de 50 anos, esta série, aclamada pela crítica, estabeleceu os tons sombrios para Batman que persistem até hoje. Miller, DC e Batman receberam na época, cobertura nacional e internacional dos meios de comunicação, tornando Dark Knigth tanto um sucesso criativo quanto comercial.

A série teve inúmeras reimpressões na sua forma original, bem como compilado de capa mole e dura. Gerou também paródias e homenagens de outras editoras. Miller deu sequencia a Dark Knight com o roteiro de Batman: Ano Um (Batman 404-407, 1987) também outra série de sucesso que contava os primeiros passos de Batman no combate ao crime. Mais tarde, os trabalhos Santas Claus, Dark Knight e Year One foram reunidos num único volume.

O autor escreve, em 1987 Elektra Assassina, uma minissérie em oito partes para a Marvel. Colaborou com Geof Darrow em Hard Boiled de 1990 e, com Dave Gibbons, Give me Liberty, ambos para a Dark Horse. Também para essa editora, escreveu e desenhou a graphic novel em preto e branco Sin City e sua continuação Sin City A Dame to Kill For.

Participou da realização do roteiro dos filmes Robocop 2 e Robocop 3. E também trabalhou no argumento da minissérie Demolidor: O Homem sem Medo. Em 1993, formou, com John Byrne, Mike Mignola, Dave Gibbons, Arthur Adams e outros artistas de renome, o selo Legend, cujos títulos foram lançados em co-edição pela Dark Horse.

Veja na galeria abaixo algumas imagens do artista  que consegui na web

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 300-frank-miller black canary Daredevil 181 miho Sin-City-Daisy Sin-City-Lady Sin-City-Nancy-Callahan Spidey1979 supergirl tdk-miller wallpaper 1 wallpaper 2 wallpaper 3 wallpaper 4 wallpaper 5 wallpaper 6 xerxes

Fonte de pesquisa: Batman Magazine

Deixe um comentário

Arquivado em Batman: Através dos Tempos

HQ

Batman: O Cavaleiro das Trevas

Lançada em 1986 esta minissérie em quatro edições causou grande impacto nos leitores e na indústria dos quadrinhos foi editada no formato prestige de melhor impressão e qualidade de papel.

BCT revolucionou o modo como Batman era visto recebendo cobertura na época da imprensa nacional e internacional, tornando-se tanto um sucesso criativo quanto comercial.

Conheço o Morcego desde 1982 quando, antes do extinto Programa TV Mulher, eu assistia a Batman e Robin com Adam West e Burt Ward. Ficava me perguntando como eles trocavam de roupa quando desciam pra caverna, pois era muito rápido.

A música tema com: pow, crash e punch era como se fosse num gibi. O Comissário tinha uma linha direta com a batcaverna. O Robin dizia gracinhas a todo instante.

Isso fora os vilões Rei Tuth, Face Falsa, Coringa, Pinguim, Cabeça de Ovo, Mulher-Gato e Charada. O gancho no final me deixava intrigado para saber o que iria acontecer no dia seguinte.

Foi assim que tive o meu primeiro contato com o universo do Morcego.

Mas um belo dia de 1987 (estava com 14 anos e iniciando no mundo dos quadrinhos) me deparei com BCT.

Aquele Bruce Wayne de bigode, velho e desnorteado me impressionou bastante. Batman está aposentado há dez anos por causa da morte de Jason Todd (o segundo Robin).

Uma onda de calor assola Gotham City enquanto a gangue mutante aterroriza a população.

Durante toda noite Bruce, com 55 anos, é atormentado por seus “demônios pessoais”: A queda no buraco que o levou até a caverna e a volta do cinema quando seus pais foram assassinados. Numa noite tenebrosa, chuvosa e tempestuosa ele acaba assistindo na TV uma reprise de Zorro estrelando Tyrone Power e a entrada do morcego pela janela foi o estopim para que Batman pudesse se libertar vestindo o uniforme.

Na TV é discutida a influência do Batman sobre as pessoas, pois a opinião pública está dividida sobre sua maneira de agir.

Frank Miller deixa bem claro que mesmo para alguém de quase sessenta anos Batman não têm dúvidas sobre seu modo de agir e não dá mínima pro que estão pensando.

Ele age punindo os criminosos e salvando os inocentes.

Dr.Bartholomew Wolper trata da psicose de Harvey Dent e o Dr.Herbert Willing restaura seu rosto deformado. Este fato curioso fez sua situação mudar para melhor. Psicologicamente, vemos outra coisa acontecer. E apenas Batman tem conhecimento de causa pra isso, pois Bruce Wayne não existe ele é apenas uma farsa e Batman sua verdadeira personalidade.

Batman age de forma violenta, porque a violência tomou conta de sua cidade e ele faz de tudo para controlá-la novamente.

Com o retorno do Morcego o Coringa desperta dum estado catatônico eles antagonizam duma maneira doentia. Enquanto o Batman é obcecado por controle, o Coringa age como uma força da natureza incontrolável e o duelo final entre eles é perturbador.

O Comissário Gordon está mais velho e mais mal humorado do que nunca e parte pruma digna aposentadoria. Ellen Yindell é nomeada para ocupar seu cargo prometendo caçar o Morcego fato que ela cumpre.

Eu assistia a série televisiva do Morcego quando era garoto e passei a odiar o Robin quando num episódio ele atrapalha o beijo da Mulher Gato no Batman. Pra dizer a verdade nunca tinha visto importância no Robin achava-o chato com aqueles santa não- sei -o –quê pra lá e pra cá.

Até que me deparei com Carrie Robin Kelly desempenhado papéis importantes na trama. Desta eu gostei.

Ronald Reagan ainda é o presidente dos Estados Unidos e a Guerra Fria é uma presença preocupante nos noticiários de televisão.

O Super Homem virou um agente do governo a contra gosto.

Mesmo que Batman pense que Clark esteja errado a questão não é só essa. Uma investigação do governo fez todos os heróis debandarem, mas Batman se recusa a acatar tal ordem e está disposto a desafiar todos que estiverem em seu caminho.

A guerra demonstra esse embate ideológico entre os dois.

Super-Homem tenta salvar a humanidade dela própria e Batman em sua eterna luta pessoal não se detém por nada. Na luta ideológica entre eles está o grande clímax desta HQ e Batman usa sua estratégia de maneira ímpar.

A partir desta obra temos representada a luz (Super Homem) e a escuridão (Batman) aonde todos copiaram a abordagem de Frank Miller.

Esta clássica HQ foi a primeira edição da linha Elseworlds (Túnel do Tempo-aonde um futuro possível talvez possa acontecer.) e apresenta a forma definitiva da personalidade do Batman.

Título original: Batman: The Dark Knight Returns

Texto e arte: Frank Miller

Arte- Final: Klaus Jason

Guache: Lynn Varley

 

2 Comentários

Arquivado em HQ.