Arquivo da tag: mulher gato

Cospaly Girl

z

Mulher Gato

Além de ser linda e inacreditavelmente sexy a Mulher Gato consegue não apenas retirar as riquezas dos cofres dos poderosos de Gotham City, mas também deixar louco um tal de Homem-Morcego.

Selina Kyle age de maneira sensual roubando nossa atenção e trancafia-nos como se fossemos um de seus troféus numa estante escondida  aonde só ela sabe a localização.

E apesar de tudo isso prossegue  atiçando não somente a nossa grande imaginação, mas tomando conta de nossos corações eternamente.

Confira nesta galeria modelos cosplayer vestidas de Mulher Gato e ainda temos de quebra Hera Venenosa, Arlequina, Gata Negra, Batman e Batgirl.

beautiful0 beautiful1 beautiful3 beautiful4 beautiful5 beautiful6 beautiful7 beautiful8.0 beautiful8.1 beautiful8.2 beautiful8.3 beautiful8.4 beautiful9 beautiful10 beautiful11 beautiful13 beautiful14 cat0 cat1 cat2 cat3 cat4 cat6 cat7 cat9 cat10 cat11 cat13 cat14 cat15 cat16 cat17 cat18 cat19.1 cat19 cat20 cat21 cat22 cat23 cat24 catwoman_batman_cosplay_01 catwoman_batman_cosplay_02 catwoman_batman_cosplay_03 catwoman_batman_cosplay_05 catwoman_batman_cosplay_07 catwoman_batman_cosplay_09 mostflogged1 mostflogged2 mostflogged3 mostflogged4 mostflogged5 yaya han yaya han

Deixe um comentário

Arquivado em cosplay girl

Musas de Tinta

z

Mulher-Gato

Selina Kyle é uma linda mulher, sensual e sexy. Além disso tudo é uma ladra extremamente  habilidosa.

Catwoman foi criada pelos mestres Bob Kane e Bill Finger surgindo pela primeira vez na edição Batman # 1, em 1940.

Na distante Era de Ouro, Selina Kyle tinha uma personalidade bastante introvertida, pois era uma aeromoça que após sobreviver a um acidente de avião sofreu de amnésia. Sendo exatamente isso que despertou seu lado mais sexy e fazendo surgir The Cat, uma mulher sensual, praticamente “sem inibições”.

Só pra constar nessa época a vilã era conhecida dessa forma e algum tempo depois mudaram pra Mulher-Gato.

Essa versão com dupla personalidade de nossa ladra preferida foi abordada durante esse período várias vezes.

Então, a Mulher-Gato sempre agia manipulando a todos os homens que ousam passar pelo seu caminho, principalmente, um certo Homem-Morcego.

Enquanto o herói ás vezes mandava-a pra cadeia e outras pensava apenas em reabilita-la.

Na famosa edição Batman: Ano Um, de Frank Miller. Tivemos aquela versão muito discutida, porque mostrava, Selina retratada como uma garota de programa.

Sua origem havia sido recontada como uma prostituta que após ter sido abusada por um cafetão foi parar num hospital. E o herói Pantera lhe treinou para se defender, lutar e depois ela assume seu codinome de Mulher-Gato como criminosa.

Ainda bem que depois da complicada saga Zero Hora esse passado de nossa vilã foi jogado ralo abaixo.

Atualmente a relação entre eles é como uma enorme montanha russa que fica variando entre amor e ódio.

Durante a Saga Silêncio eles ficaram muito próximos fato que culminou na revelação da identidade secreta do Morcegão, mas a diferença entre os dois acabou rapidamente com o relacionamento.

Neste reboot da DC Selina e Bruce tiveram tórridas cenas de sexo mostradas nos quadrinhos demonstrando que esse sobe e desce dos dois perdurará por um longo tempo.

Um fato curioso é que eles foram casados na Terra 2 (uma Terra Paralela, do Universo DC Pré-Crise) e tiveram até uma filha Helena Wayne, que foi a heroína Caçadora.

No passado várias atrizes brilharam e conquistaram vários fãs ao interpretar a nossa ladra.

A primeira foi a atriz Julie Newmar no seriado dos anos 60 que demonstrava sensualidade de uma forma tão encantadora que era impossível não gostar dela.

A segunda foi a ex-Miss América Lee Meriwether que atuou no longa metragem do Homem-Morcego.

A cantora Eartha Kitt também nos presenteou ao mostrar-se como a vilã, mas sua interpretação na época não tinha agradado aos fãs (eu gostei bastante!).

Depois esperamos algumas décadas para que a Mulher-Gato retornasse para nos seduzir e tivemos a ótima atuação de Michelle Pfeiffer. Apesar de sua origem ter sido modificada. Ela conseguia misturar perversão com sensualidade de uma maneira arrebatadora, cruel e também inesquecível.

No início da década de 90 tivemos o inesquecível desenho Batman: A Série Animada comandada por Bruce Timm e Paul Dini. A série animada surgiu logo após o longa Batman – O Retorno e tivemos uma ladra muito sedutora e loira como no filme.

Eu não poderia esquecer de minha querida e belíssima Halle Berry que apesar de demonstrar ser bastante sexy (infelizmente sua versão foi uma porcaria terrível).

No péssimo seriado Birds of Prey, Selina foi interpretada pela atriz Maggie Baird e nossa musa surge apenas em flashbacks. Nessa versão mostraram a Mulher-Gato como uma meta-humana que infelizmente foi assassinada por ordem do Coringa.

A atriz Ashley Scott interpreta Helena Kyle, ela é filha da Selina com Bruce tornando-se a heroína Caçadora.

E por último temos Anne Hathaway interpretando muito bem a personagem, porém o mais interessante em Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge é que em nenhum momento Selina é chamada de Mulher Gato.

Nolan demonstrou que os vilões não se autodenominam, pois são as pessoas que põe os nomes neles.

Independente disso Selina Kyle é uma das personagens mais fascinantes do mundo dos quadrinhos, porque ela pode até agir como bad girl mais sua personalidade dúbia á torna muito interessante para mim.

Confira nesta galeria alguma imagens da nossa musa

0 1.1 1 2 3.1 3.2 Movie Roles Recast 3 4.1 4.2 4 5 8 9 10 11 12 13 15 16 17 18 20 21 22 23 25 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 adam hughes adam hughes2 adam hughes3 bruce timm bruce timm2 bruce timm3 bruce timm4 cat darwyn cooke1 darwyn cooke2 darwyn cooke3 jscottcampbell Batmans RŸckkehr wallpaper1 wallpaper3 wallpaper5 wallpaper6 wallpaper7.1 wallpaper7.2 wallpaper7.3 wallpaper7 wallpaper8.1 wallpaper8 wallpaper9

2 Comentários

Arquivado em Musas de Tinta

Musas de Tinta

Hera Venenosa

É uma das vilãs mais encantadoras e absurdamente sexy da mitologia do Morcegão.

Poison Ivy foi criada por Robert Kanigher e Sheldon Moldoff surgindo pela primeira vez na edição Batman # 181, em 1966.

Em sua origem a Dra. Pamela Lillian Isley foi seduzida  e enganada por Jason Wodrue acabou cometendo um roubo, mas depois ele envenenou-a.

Só que ao invés de morrer seu corpo desenvolveu imunidade a todo e qualquer tipo de veneno (fungos, vírus e bactérias também). Como era uma botânica resolveu começar sua carreira criminosa usando plantas venenosas como arma letal.

Depois de algum tempo, a vilã criava monstros vegetais para usar em seus crimes.

Hera Venosa é uma mulher fria, demonstrando um estranho desequilíbrio emocional, também é implacavelmente violenta e uma assassina perigosa.

A vilã pode controlar qualquer tipo de planta tanto acelerar quanto desacelerar o crescimentos delas.

Hera possui um tipo de conexão mística com as plantas através da força conhecida como o verde.

Além disso devido a seus conhecimentos também desenvolve toxinas, venenos, armadilhas entre outras coisas que utiliza contra seus inimigos.

A parte mais fascinante é o seu poder de expelir feromônios do amor que usa em seu bel-prazer em homens e mulheres (e ainda possui um beijo venenoso enloquecedor que pode matar).

Ficou famoso na web e também entre os leitores o seu relacionamento com a doida da Arlequina.

É curioso notar que Hera sente uma atração doentia pelo Homem-Morcego que mistura igualmente ódio e amor.

O famoso trio as Sereias de Gotham formado pela Mulher-Gato, Arlequina e Hera Venenosa já se aliou diversas vezes por interesses em comum.

A nossa vilã sensual surgiu pela primeira vez fora dos gibis no episódio  “Pretty Poison”, na série animada do Morcegão nos anos 90.

Na telona a atriz Uma Thurman interpretou a Hera Venonosa de uma maneira enlouquecedora naquele infame filme Batman & Robin (1997).

Nesta versão Pamela era uma botânica que estava trabalhando pra Wayne Entreprises num projeto de preservação na América do Sul.

A interpretação sexy de Thurman foi a melhor coisa mostrada naquele filme ruim. Infelizmente aquele Bane idiota foi uma das piores coisas que fizeram com o personagem.

No excelente desenho Justiça Jovem também temos uma aparição de nossa vilã. Foi durante o episódio “Revelations” (como integrante da Liga da Injustiça).

Só pra fechar, Hera Venonosa já conseguiu controlar até o Superman, colocando uma espécie de pó de Kriptonita nos lábios. Se eu fosse o Batman não iria resistir?

Confira na galeria abaixo algumas imagens da Hera Venosa uma sensual e perigosa vilã.

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 bruce timm 1 bruce timm 2 hera and harley quinn sirens 0 sirens 1 sirens 2 sirens 3 wallpaper 1 wallpaper 2 wallpaper 3

Fonte: Flogão e Wikipédia.

2 Comentários

Arquivado em Musas de Tinta

Batman: Através dos Tempos

Batman_cape

A Sombra do Morcego

O Homem-Morcego é um dos personagens mais queridos da DC. Por ser um ícone da cultura pop e dos quadrinhos Batman teve várias releituras e isso o mantém vivo em nossos corações. Acredito que apenas por Bruce um ser humano comum ir utilizando astúcia, dedução e a capacidade de influenciar a mente de outros seja seu grande ás na manga.

O que um crime brutal pode fazer a mente de um garoto de 8 anos? A vingança pode corroer sua alma ou ser um aditivo para algo maior?

Geralmente vemos um Batman sombrio, obsessivo e movido pela vingança, mas a questão principal é que Bruce Wayne faz de tudo para que haja um mundo aonde um garoto não perca seus pais de maneira trágica como ele perdeu. Pra mim o fato de usar esta tragédia como aditivo para ajudar quem precisa torna-o um grande herói.

Batman e Superman são diferentes em seu modo de agir e se comportar, pois Superman mesmo sendo um alienígena entre nós fica á vontade convivendo com as pessoas. Mais Bruce Wayne não relaxa e dificilmente deixa alguém entrar em sua vida com medo de perde-lo. Por várias vezes já pensei em como seria a vida de Bruce  se ele não tivesse perdido os pais e sinceramente (pra nossa infelicidade), talvez não existiria um Batman.

Outra questão é quem existe de verdade? O Batman é uma extensão de Bruce Wayne para poder agir livremente? Ou Batman é quem realmente existe e Bruce Wayne seja apenas sua máscara? Estas e mais outras questões tornam o Morcego fascinante, pois mesmo com toda esta pressão psicológica ele age pelo bem dos inocentes, lutando contra o mal e agindo pelas sombras.

Há algum tempo atrás os fãs norte-americanos decidiram pela morte de Jason Todd, o segundo Robin. E analisando o personagem vemos que na época foi um baque que quase destruiu o Morcego, mas pra mim a única pessoa que é de suma importância na vida pessoal de Bruce Wayne/Batman é Alfred Pennyworth.

Alfred é o único elo entre a família perdida de Bruce.  Além de conselheiro é praticamente um enfermeiro particular costurando Batman sempre quando necessário e auxiliando mesmo com suas frases sarcásticas. Alfred ainda ajuda a solucionar casos, inventa desculpas para Batman poder agir. E do meu ponto de vista é  praticamente um pai de Bruce apoiando-o em quase todos os momentos.

Detective Comics 27

O Batman original  

Seu surgimento veio na esteira do sucesso do Super-Homem que estava vendendo muito bem na época. Então, Vin Sullivan, editor da National Periodical (atual DC Comics) encomendou mais heróis pra vender.

A primeira história do Cruzado Embuçado foi publicada em Detective Comics # 27, em 1939. O Morcegão foi criado por Bob Kane e Bill Finger que antigamente não levava crédito pela co-autoria do herói.

Quando a dupla de artistas tiveram a incumbência de criar o Homem-Morcego tiveram como influência as aventuras e o uniforme do Zorro misturando a inteligência de Sherlock Holmes.

Dizem as lendas que o Morcegão também teve influência do Sombra (Lamont Cranston) e do The Bat (Dawson Clade), de 1934.

Como curiosidade ainda lá nos anos 40, Batman foi publicado aqui no Brasil. Na revista O Lobinho, mas sua identidade secreta foi trocada pra Bruno Miller e Gotham City virou Riacho Doce, vai entender!

Na história, quando Thomas e Martha Wayne estavam voltando, com seu pequeno filho Bruce Wayne de uma sessão de cinema (estrelando Tyrone Power como Zorro) . Foram abordados por um ladrão armado (Joe Chill) que queria o colar de Martha.

Instintivamente na intenção de proteger sua família, Thomas reagiu e foi assassinado friamente, Martha com medo pediu socorro e morreu também. Tudo isso diante dos olhos do menino que transtornado pela perda jurou vingança devotando toda sua vida combater o crime.

Como a família Wayne era bastante rica, Bruce ao longo dos anos dedicou todo seu tempo estudando química, física, biologia, artes marciais e preparando seu corpo fisicamente para seu maior intento.

E ainda aprendeu algumas técnicas teatrais como disfarces, fugas e ventriloquismo, mas soube  que só isso não seria o suficiente.

Numa cena clássica temos Bruce sentado num quarto divagando que faltava-lhe um disfarce que fosse realmente sombrio e assustador. E como num presságio é exatamente neste momento que um morcego entra pela janela dando a ideia do uniforme e nome de Bat-Man.

Alguns podem até estranhar, mas o Morcegão original tinha um hífen como sinal gráfico (algo que foi abolido pouco tempo depois).

Outro fato interessante é que o herói que de forma invejável já teve várias namoradas em seu currículo tinha um interesse amoroso logo no inicio de suas histórias.

Seu nome é Julie Madison e foi sua primeira namorada. A personagem era uma modelo e atriz e foi noiva de BW, mas ela nunca soube de sua identidade secreta.

Eles se conheceram na universidade e começaram a namorar. Chegaram até a ficar noivos, porém quando Julie soube que Bruce nunca largaria o jeito de playboy irresponsável desistiu do relacionamento.

Julie tornou-se uma grande atriz em Hollywood adotando o nome de Portia Storme (uma referência a Shakespeare).

O Bat-Man original não era mais irascível e obstinado do que vemos atualmente. E pra quem pensa que a maneira como o Morcego foi demonstrado na HQ O Cavaleiro das Trevas (Frank Miller, em 1986) tenha sido alguma novidade.

Está erroneamente enganado, pois deve-se analisar que esta história foi apenas uma volta as origens de 1939.

Um fato interessante é que este Batman original encontra-se na Terra-2 e de uma forma diferente seu mordomo não é o Alfred que conhecemos. O nome dele era Alfred Beagle que trabalhou para BW ajudando com seus dons de detetive.

O Morcego da Era de Ouro foi um membro-fundador da Sociedade da Justiça da América, nos anos 1940.

A Mulher-Gato foi parceira dele e acabaram se casando tempos depois. E também foi dessa união que surgiu Helena Wayne que viria a se tornar a Caçadora.

Durante alguns anos ainda tivemos algumas histórias do personagem original, mas nos anos 70 tudo veio mudar. Quando Selina morreu, Bruce aposentou o manto e a capa.

Tendo que voltar a vestir quando um criminoso (Bill Jensen) ganhou poderes místicos e assim derrotando toda a SJA. Ele e Batman brigaram, porém a máscara do herói rasgou-se revelando sua identidade. Ao ver que Bruce Wayne era Batman ele enlouqueceu de vez (Bruce foi o Comissário de Polícia que prendeu Bill Jensen mandando-o pra cadeia).

A luta foi ferrenha até que a raiva fez Jensen se descontrolar provocando uma explosão que matou a ambos. Diante de um acontecimento  tão pesaroso o Senhor Destino fez todos esquecerem que Batman/Bruce Wayne eram a mesma pessoa, pois somente seus familiares e amigos mais íntimos continuavam a ter  recordações sobre isto.

Fazendo todo resto acreditar que ambos haviam morrido ao mesmo tempo. Esta é uma das poucas mortes de heróis que realmente fazem sentido, porque hoje em dia virou algo sem atrativo algum pra mim.

Só pra fechar, Bob Kane criou o desenho animado O Gato Corajoso e o Rato Minuto (Courageous Cat and Minute Mouse). Uma paródia bastante óbvia sobre a Dupla Dinâmica, os heróis usavam o Catmobile e foram exibidos na telinha durante os anos 60.

Foram produzidos a grande quantidade de 130 episódios indo ao ar até 1962.

Fonte: Mundo dos Super-Heróis e Batman Magazine.

2 Comentários

Arquivado em Batman: Através dos Tempos

Crítica

 

 
 Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge

 

“Bruce, porquê que a gente cai?” Em, Batman Begins (2005), temos o início da trajetória de BW. Presenciamos como o jovem que perdeu seus pais tornando-se no vigilante mais temido de Gotham City.

Bruce decide usar seu próprio medo como uma arma para proteger Gotham. Alfred, Jim Gordon e Lucius Fox (Morgan Freeman) são os guardiões de Batman prontos a ajuda-lo de qualquer forma para o combate.

Em, Batman: O Cavaleiro das Trevas (2008), Harvey Dent (Aaron Eckhart) tornou-se o herói a ser seguido e admirado pelo povo.

Enquanto Batman tomou para si o fardo de ser o que não é: um assassino.

O Coringa (Heath Ledger) antagoniza com o Morcego de uma forma psicótica.

Batman calcula todos os seus atos meticulosamente simbolizando a ordem e do Palhaço do Crime você pode esperar o inesperado.

Ele simboliza a anarquia e o caos. O Coringa age como uma força da natureza é incontrolável.

O Cavaleiro das Trevas Ressurge é um filme extraordinário sobre a redenção de um homem, seus temores, aliados e amores.

Podemos ver claramente como Gotham City e Batman são as duas faces da mesma moeda.  O medo é o aditivo para alcançar seus objetivos. Esta palavra conecta todos os filmes da franquia tendo ápice neste longa.

O personagem Bane é um dos piores inimigos do Morcego que surgiu nos anos 1990. E neste filme após ele deixar Gordon hospitalizado.

Bruce decide sair de sua reclusão para erguer novamente o capuz de Batman. Em quem confiar no momento no qual você mais precisa? A certeza se foi por água abaixo e um novo aliado tornou-se valoroso. A cada sequência somos surpreendidos com maravilhosas cenas de ação.

Quero ressaltar que Alfred (Michael Caine) com sua incrível perspicácia sempre fala de maneira eficiente, sagaz e objetiva. Pra mim a Mulher Gato de Michelle Pfeiffer sempre será marcante, mas a de Anne Hattaway é realmente linda, impressionante e sensual.

A fonte de inspiração de Chris Nolan para o épico tem como referência estas HQs: Ano Um, Cavaleiro das Trevas, A Queda do Morcego, Terremoto e Terra de Ninguém basta apenas conferir.

A direção de Christopher Nolan junto a atuação de Christian Bale alçou a jornada do Homem Morcego a um patamar nunca antes imaginado.

Nolan conseguiu com Batman o que Richard Donner fez com Superman: O Filme (1978), tornou sua visão do personagem única e incomparável. O caminho trilhado por Nolan está há anos-luz do que qualquer outro diretor fará com o Morcego por um bom tempo. Se eu pudesse apertaria a mão de Nolan agradecendo-o pelo respeito e dimensão ímpar dada ao Batman.

Estão cogitando um longa da “Liga da Justiça” e a participação do Batman será totalmente diferente do que acostumamos a ver nesta franquia,  mas infelizmente podem se preparar para muitas comparações e reclamações.

 

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em Crítica

Meu Texto

A Ascenção da Marvel

Como fã de quadrinhos tive uma boa surpresa quando em 1999 vi “Os X-Men de Brian Singer no cinema. Sem dizer que esta trajetória se inicia com Blade no qual Wesley Snipes interpreta o vampiro que anda de dia.

Bom fora isso teve o filme do Hulk, de Ang Lee (2003), que considero um filme que transpôs as páginas de uma HQ pro cinema fielmente, além de ter uma trama psicológica pesada mais que é a essência do personagem. Eu acho que é um cult igualado somente ao período de John Byrne (Caça-Hulk), nas HQs do Verdão, porém o filme não fez o sucesso considerado.

A Marvel também deu bola fora com: Capitão América (1979), O Justiceiro (1989) com o péssimo Dolph Lundgren, Geração X (1996) filme horrível,“Demolidor” de Mark Steven Johnson (2003) condensando toda a história do personagem neste único filme, pois numa tacada só Matt Murdock conheceu o amor de sua vida Elektra e a perdeu, teve dois vilões o Mercenário e o Rei do Crime (onde também teve a polêmica com personagem negro) interpretado pelo Michael Clark Duncan ótima atuação diga-se de passagem.

O mesmo erro foi cometido em “Homem Aranha 3”, de Sam Raimi (2007), tendo três vilões: Homem Areia, Venom e Harry Osborn enlouquecido. Também não posso deixar de falar de “X-Men 3”,de Brett Ratner (2006,) e sua péssima amarração de roteiro onde Wolverine é o salvador da pátria (igual nas HQs aonde ele aparece em diversos títulos mutantes) e a incrível história do Anjo que nos gibis é membro original dos X-Men, mas no filme é apenas mais um mutante, o sumiço do Noturno entre outros problemas que nem vou citar.

Ainda teve também o filme da Elektra, de Rob Bowman (2005), numa história destilada totalmente água com açúcar que não tinha nada a ver com a personagem das HQs. E sim a beleza de Jennifer Garner é digna de nota, mas além da presença de Terence Stamp (o eterno General Zod) é melhor esquecer este filme.

A lambança foi tanta nas duas franquias (Homem-Aranha e X-Men), que logo cancelaram pra dar um tempo e voltar com adaptações melhores (isso é o que eu espero).

No Quarteto Fantástico 2, de Tim Story (2007) não deu pra mim engolir que o poder do Surfista Prateado estava na prancha (ninguém merece, não é?) faltou mais ficção científica ou uma incursão pela zona negativa fato característico nas HQs do grupo.

Bom, sem sombra de dúvidas 2012 será o ano da Marvel nos cinemas com o novo longa do Aracnídeo dirigido por Marc Webb e  sendo interpretado por Andrew Garfield, mas desde Homem de Ferro 2, de Jon Favreau (2010) a Marvel alcançou um novo patamar na forma de fazer seus filmes. Como já pode ser notado eles unificaram seu universo no cinema (igual aos quadrinhos) para lançar o longa dos Vingadores, gerando grandes expectativas em todos os meios de comunicação sobre HQs, nunca vi tanto alvoroço e nos fãs em geral, sou mais um deles, é claro.

Não entendo porque a DC Comics não aprende a fazer filmes para cinema como a Marvel tem feito? É inegável para qualquer fã de quadrinhos que a Distinta Concorrente tem perdido terreno feio para a Marvel.

Quero saber qual é o mistério em se adaptar pra telona seus personagens de maneira crível? Desde 1999 temos visto a Marvel errar e acertar, mas não desistir de adaptar seus personagens para a telona.

Enquanto a DC prometeu o filme da Mulher-Maravilha que tentaram transformar em série que naufragou antes de ir ao ar.  Ficando só com o episódio piloto que a bela Adrianne Palicki aparece uniformizada.

Flash aonde Ryan Reynolds foi cogitado para ser o velocista escarlate, porém ficou como Lanterna Verde, de Martin Campbell (2011) um filme fraco demais.

Talvez haja o filme do Flash para 2013 vamos esperar, Capitão Marvel foram apenas boatos parece que o projeto foi engavetado, Liga da Justiça também é outro projeto que não deu em nada, sinceramente, se não botar um roteiro enxuto e um diretor competente é melhor não adaptar, continua fazendo animações para DVD que é mais lucro. Há especulações para uma produção em 2013. Li na internet se é verdade só o tempo vai dizer.

A DC também deu bola fora com: Liga da Justiça (1997) melhor nem comentar, Mulher-Gato (2004) sofrível, Hellblazer, de Francis Laurence  (2005) aonde Keanu Reeves interpreta John Constantine não tendo nada a ver com o personagem.

Superman: O Retorno, de Brian Singer (2006), o maior erro pra mim foi aquele filho isso não dá pra negar, a falta de cenas de ação e um roteiro mais consistente ajudaram a derrubar o filme (algo que poderia ter sido resolvido numa continuação, mas não deu).

Só o tempo vai dizer se esta nova adaptação Superman: O Homem de Aço vai vingar. Sinceramente estou receoso e preocupado, pois a DC lança seus longas para cinema mais seus personagens parecem existir sozinhos. Não há nada que indique a existência de outros heróis. Como eu já disse  antes a Marvel mostrou o caminho basta apenas segui-lo.

Deixe um comentário

Arquivado em Meu Texto

Artista




Adam Hughes

Ele é um artista que já trabalhou pra DC Comics, Marvel Comics, Dark Horse, Warner Bros entre várias outras empresas.

Adam Hughes possui um estilo envolvente e sensual que acabou despertando meu interesse em suas pin-ups.

Seu trabalho com a capa de títulos como Mulher Maravilha e Mulher-Gato lhe rendeu uma enorme projeção entre os fãs de quadrinhos.

Confira na galeria abaixo alguns de seus trabalhos que encontrei na web





















Deixe um comentário

Arquivado em Artista

Crítica

Batman: Year One

É o longa animado da Warner Bros. Animation que adapta a obra de Frank Miller Batman : Ano Um. A trama conta o primeiro ano de Bruce Wayne como Batman, tomado por dúvidas e cometendo equívocos.

No elenco estão Ben McKenzie (Batman), Bryan Cranston (Jim Gordon), Eliza Dushku (Mulher-Gato) e Kate Shackhoff (Sarah Essen)

A sinopse traz uma narrativa fiel da clássica Grafic Novel dos anos 80, na qual cometeu-se a grande sacanagem de colocar a Selina como uma prostituta.

Vemos o surgimento do Cavaleiro das Trevas, sua parceria com Gordon e toda mítica a qual estamos acostumados a acompanhar.

A velocidade da animação lembra um anime, pra mim os americanos encontraram um jeito de fazer os desenhos japoneses com seu american way of life (Justiça Jovem é outra prova disto).

Pra quem não conhece o gibi vale a pena e para que já tem é só deleite a cada cena. Ainda tem uma surpresa no final que vale a pena assistir (pra quem assistiu Batman Begins posso dizer que a cena surgiu na HQ.)

Deixe um comentário

Arquivado em Crítica

HQ

Batman: O Cavaleiro das Trevas

Lançada em 1986 esta minissérie em quatro edições causou grande impacto nos leitores e na indústria dos quadrinhos foi editada no formato prestige de melhor impressão e qualidade de papel.

BCT revolucionou o modo como Batman era visto recebendo cobertura na época da imprensa nacional e internacional, tornando-se tanto um sucesso criativo quanto comercial.

Conheço o Morcego desde 1982 quando, antes do extinto Programa TV Mulher, eu assistia a Batman e Robin com Adam West e Burt Ward. Ficava me perguntando como eles trocavam de roupa quando desciam pra caverna, pois era muito rápido.

A música tema com: pow, crash e punch era como se fosse num gibi. O Comissário tinha uma linha direta com a batcaverna. O Robin dizia gracinhas a todo instante.

Isso fora os vilões Rei Tuth, Face Falsa, Coringa, Pinguim, Cabeça de Ovo, Mulher-Gato e Charada. O gancho no final me deixava intrigado para saber o que iria acontecer no dia seguinte.

Foi assim que tive o meu primeiro contato com o universo do Morcego.

Mas um belo dia de 1987 (estava com 14 anos e iniciando no mundo dos quadrinhos) me deparei com BCT.

Aquele Bruce Wayne de bigode, velho e desnorteado me impressionou bastante. Batman está aposentado há dez anos por causa da morte de Jason Todd (o segundo Robin).

Uma onda de calor assola Gotham City enquanto a gangue mutante aterroriza a população.

Durante toda noite Bruce, com 55 anos, é atormentado por seus “demônios pessoais”: A queda no buraco que o levou até a caverna e a volta do cinema quando seus pais foram assassinados. Numa noite tenebrosa, chuvosa e tempestuosa ele acaba assistindo na TV uma reprise de Zorro estrelando Tyrone Power e a entrada do morcego pela janela foi o estopim para que Batman pudesse se libertar vestindo o uniforme.

Na TV é discutida a influência do Batman sobre as pessoas, pois a opinião pública está dividida sobre sua maneira de agir.

Frank Miller deixa bem claro que mesmo para alguém de quase sessenta anos Batman não têm dúvidas sobre seu modo de agir e não dá mínima pro que estão pensando.

Ele age punindo os criminosos e salvando os inocentes.

Dr.Bartholomew Wolper trata da psicose de Harvey Dent e o Dr.Herbert Willing restaura seu rosto deformado. Este fato curioso fez sua situação mudar para melhor. Psicologicamente, vemos outra coisa acontecer. E apenas Batman tem conhecimento de causa pra isso, pois Bruce Wayne não existe ele é apenas uma farsa e Batman sua verdadeira personalidade.

Batman age de forma violenta, porque a violência tomou conta de sua cidade e ele faz de tudo para controlá-la novamente.

Com o retorno do Morcego o Coringa desperta dum estado catatônico eles antagonizam duma maneira doentia. Enquanto o Batman é obcecado por controle, o Coringa age como uma força da natureza incontrolável e o duelo final entre eles é perturbador.

O Comissário Gordon está mais velho e mais mal humorado do que nunca e parte pruma digna aposentadoria. Ellen Yindell é nomeada para ocupar seu cargo prometendo caçar o Morcego fato que ela cumpre.

Eu assistia a série televisiva do Morcego quando era garoto e passei a odiar o Robin quando num episódio ele atrapalha o beijo da Mulher Gato no Batman. Pra dizer a verdade nunca tinha visto importância no Robin achava-o chato com aqueles santa não- sei -o –quê pra lá e pra cá.

Até que me deparei com Carrie Robin Kelly desempenhado papéis importantes na trama. Desta eu gostei.

Ronald Reagan ainda é o presidente dos Estados Unidos e a Guerra Fria é uma presença preocupante nos noticiários de televisão.

O Super Homem virou um agente do governo a contra gosto.

Mesmo que Batman pense que Clark esteja errado a questão não é só essa. Uma investigação do governo fez todos os heróis debandarem, mas Batman se recusa a acatar tal ordem e está disposto a desafiar todos que estiverem em seu caminho.

A guerra demonstra esse embate ideológico entre os dois.

Super-Homem tenta salvar a humanidade dela própria e Batman em sua eterna luta pessoal não se detém por nada. Na luta ideológica entre eles está o grande clímax desta HQ e Batman usa sua estratégia de maneira ímpar.

A partir desta obra temos representada a luz (Super Homem) e a escuridão (Batman) aonde todos copiaram a abordagem de Frank Miller.

Esta clássica HQ foi a primeira edição da linha Elseworlds (Túnel do Tempo-aonde um futuro possível talvez possa acontecer.) e apresenta a forma definitiva da personalidade do Batman.

Título original: Batman: The Dark Knight Returns

Texto e arte: Frank Miller

Arte- Final: Klaus Jason

Guache: Lynn Varley

 

2 Comentários

Arquivado em HQ.