Arquivo da tag: mulher-maravilha

Meu Texto

crise-de-identidade

As Eternas Crises da DC – parte 5

Crise de Identidade

Inicialmente eu iria abordar somente as crises cósmicas, mas esta abalou o universo dos heróis. Demonstrando algo num nível que nunca havia sido imaginado antes.

Tudo começou em “A Grande Crise de Identidade” em 1975. O Doutor Luz disfarçado num gigante de gelo é levado para Fortaleza da Solidão. E lá dentro acaba usando um metal chamado AMNÉSICO  extraiu as identidades secretas dos  integrantes da Liga: Lanterna Verde (Hal Jordan), Arqueiro Verde (Oliver Queen), Batman (Bruce Wayne), Eléktron (Ray Palmer), Flash (Barry Allen) e Superman (Clark Kent).

Aquaman (Arthur Curry) também participa mais o vilão achava que ele não tinha identidade secreta.  O vilão devolve as memórias trocadas enquanto Oliver pensa que é Ray Palmer. Bruce pensa ser Ollie. A Liga vence graças a astúcia de Arthur e Kal destrói o metal.

No final todos concordam em sempre contar suas identidades secretas para os membros da equipe (para não haver mais problemas).

Outra história que serviu de base foi “A Liga que Derrotou a Si Mesma” aonde a Sociedade Secreta dos Supervilões um grupo composto pelo Mago, Safira Estrela, Homem-Florônico, Professor Zoom e Arrasa-Quarteirão. Troca de lugar com a LJA: Superman, Zatanna, Mulher-Maravilha, Batman e Lanterna Verde.

O Mago utilizou um artefato fenício trocando heróis e vilões de corpos. E depois Zatanna no corpo de Safira Estrela consegue reverter o processo (na época a história poderia até ter sido legal, porém atualmente achei fraca).

No entanto é nelas que encontramos a base para Crise de Identidade, pois trata-se da Liga na famosa fase dos anos 70. Numa noite o Doutor Luz invade o Satélite da Liga pra procurar sua pistola de luz só que encontra Sue Dibny sozinha de plantão no monitor e a estupra.

Nesse meio tempo ela havia acionado o botão de emergência, mas quando Flash chega o ato já havia sido consumado. Pouco tempo depois chegam Oliver, Hal, Dinah, Zatanna e Carter derrubando-o.

Luz conheceu a fraqueza de um herói (seu ente querido) então  o Arqueiro pediu a Zatanna que fizesse o vilão esquecer do que aconteceu. A Liga se dividiu em opiniões uns a favor outros contra mais no final concordaram em lobotomizar o vilão.

Daí então Luz virou um ser patético e essa foi a primeira de várias outras, pois praticamente todos os vilões receberam o mesmo tratamento .  Sendo que até Batman havia tido suas lembranças reprimidas. O roteiro de Brad Meltzer conseguiu sintetizar a essência definitiva do Morcegão (daí então vem a explicação de porque Bruce prefere agir sozinho).

Na HQ  Liga da Justiça n° 46 (2006) com arte de Chris Batista e roteiro de Geoff Johns e Allan Heinberg. Temos “Crise  de Consciência” – parte dois  aonde o Cavaleiro das Trevas havia descoberto o que fizeram com ele, pois na hora da primeira votação sabiam que seria totalmente contra.

Todos os vilões que foram lobotomizados estavam revoltados após descobrirem a verdade.  No embate  o Gavião Negro e a Mulher-Gato estavam bastante feridos, pois era realmente uma luta de vida e vida.

O Tornado Vermelho havia sido destruído e a Liga Satélite foi a Batcaverna “pedir desculpas” ao Morcego (fato que não adiantou nada) a intenção era manter todos unidos pra saber quem deflagrou as antigas memórias dos supervilões. A raiva de Bruce era tão grande que deu um soco no rosto do Carter (imagem estampada na capa) ao final sabemos que Despero havia feito isto de propósito. Isto desencadearia  outra saga Vilões Unidos que infelizmente não acompanhei.

Voltando,  Sue Dibny foi assassinada sem qualquer evidência física ou química de quem cometeu o crime. Só pra constar o apartamento era bem protegido (com tecnologia alienígena).

Sue e Ralph Dibny são os queridinhos da Liga, pois mesmo diante das aventuras demonstravam abertamente seu carinho um pelo outro. Sue era de uma personalidade encantadora e também grande amiga da maior parte dos integrantes da Liga (e por isso era muito querida).

Então depois de sua morte todos os entes queridos são procurados e a Liga junto com toda comunidade heroica promovem uma caça de informações. Primeiro uma corrida desesperada atrás do Doutor Luz é quando vemos que há uma “Liga” dentro da própria Liga (e depois de vários vilões).

A melhor parte na HQ não é ver os medalhões principais da editora, porque a trama se concentra nos personagens de segundo escalão trabalhando-os de uma maneira inigualável.

Mais quando o Doutor Luz paga para que o Exterminador o proteja vemos uma das melhores lutas que já pude ver. Slade havia se preparado para a eventualidade derrotando cada componente da equipe de maneira eficaz e inteligente.

A história te envolve mostrando as relações interpessoais da equipe, pois se na SJA há uma preocupação constante em ser um herói. A Liga demonstra como ser um combatente pro que der e vier.

A Liga da Justiça não é só uma equipe que luta, porque se juntaram apenas pra defender a Terra (nesta história vemos que são uma família).

A HQ nasceu clássica por natureza, pois num dado momento Ollie revela a verdade pro Wally e mostra que Kal-El só escuta aquilo que deseja ouvir (uma revelação estarrecedora sobre o componente mais poderoso da equipe).

É neste contexto com reviravoltas a todos os momentos que vemos uma morte que ninguém imaginaria. Batman segue para a casa de Tim Drake, pois Jack pai do rapaz estava num embate contra o Capitão Bumerangue (no final da quinta edição vemos os corpos de ambos estendidos no chão).

Bruce se desespera por não ter condições de poder fazer absolutamente nada pra ajudar seu pupilo. Vendo novamente uma morte na qual lembra sua tragédia pessoal.

A HQ nos conduz pela trama pela similaridade dos conflitos pessoais nas relações que vemos entre os personagens são maridos, mulheres, pais e filhos (qualquer pessoa faria tudo que estivesse ao seu alcance para proteger seu familiar).

Crise de Identidade é uma trama policial de suspense que te prende com a pergunta quem se beneficia? As expressões faciais de Rags Morales demonstram toda carga dramática necessária a situação.

Eu gostei, porque tudo que eu aparentemente conhecia sobre os heróis foi jogado por terra, pois os segredos escusos poderiam abalar toda confiança nos membros da equipe (ficava apreensivo para poder ler outra edição).

O diferencial foi mostrar que todos os heróis por mais poderosos que possam ser (ou não) ainda tem fraquezas nas quais podemos encontrar em qualquer pessoa.

Ficamos sabendo que todos sem exceção não estão acima do bem e do mal, pois na verdade também são seres humanos. Lembrando que as capas são do saudoso artista Michael Turner.

Os acontecimentos vistos em Crise de Identidade desencadearam as histórias do Projeto Omac no qual Batman cria o satélite Irmão-Olho e Contagem Regressiva  culminado na Crise Infinita (o próximo post).

Relembre da quarta parte aqui.

Deixe um comentário

Arquivado em Meu Texto

Meu Texto

dc-vs-marvel-1

As Eternas Crises da DC – Parte 4

DC x Marvel: O Conflito do Século

Apesar de não ter importância alguma atualmente é uma crise de proporções cósmicas, mas que aconteceu nas duas editoras e que vou comentar aqui.

Na época (1997) fizeram muita divulgação sobre o acontecimento que concretizou o sonho da maioria dos fãs de gibis que uniu em crossover as duas maiores editoras do mercado americano.

Foi no gibi Lanterna Verde & Surfista Prateado: Alianças Profanas que tudo começou.

Nesta edição Parallax em busca de poder para mudar o passado viaja para o Universo Marvel atrás do vilão Ciborgue (ou Superman Ciborgue) que destruiu um planeta e encontra o Surfista Prateado.

Enquanto Thanos também viaja para o UDC utilizando Terrax (ex-arauto de Galactus) visando ludibriar o Lanterna Verde (Kyle Rainer)  buscando o poder de Oa para destruir o universo então enganam os respectivos heróis que entram num combate de proporções cósmicas colocando em riscos a ambos os universos.

Thanos e Parallax antagonizam por terem visões diferentes, porque enquanto Hal deseja remodelar o universo em contrapartida Thanos quer destruí-lo totalmente para agradar a Morte.

A história em si é muito fraca, mas deixa a semente para o crossover.  No final está a caixa reluzente que contém as fissuras dos universos.

A trama de Marvel x DC inicia com duas entidades cósmicas que representam uma o Universo DC e a outra o Universo Marvel que acreditavam serem universos distintos.

Ambos são gêmeos extradimensionais que já existiam antes do Big-Bang e de repente redescobrem a existência um do outro. E acabam decidindo que deveria existir apenas um deles.

Como não poderiam lutar devido sua igualdade de poderes que aniquilaria a ambos decidem de comum acordo escolher os mais poderosos guerreiros nos seus respectivos universos. Impondo a condição de que se não lutarem seus mundos iriam desaparecer.

E assim o universo que acumulasse mais derrotas deixaria de existir. As lutas até que são interessantes, pois tivemos Thor x Capitão Marvel (aonde o Capitão perdeu ao retornar para seu alter ego), Superman x Hulk(um confronto titânico no Grand Cânion), Batman x Capitão América (ambos se equivalem em astúcia e inteligência).

Lobo x Wolverine(sendo que Logan inexplicavelmente ganhou), Namor x Aquaman (Namor perdeu esmagado por uma baleia orca) , Thanos x Darkseid (não sei qual deles é pior), Flash x Mercúrio (aonde Mercúrio perdeu),  Superboy x Homem-Aranha (os dois falavam demais) e Mulher-Maravilha x Tempestade (a Guerreira Amazona abdicou da vantagem do poder de Thor para lutar e acabou perdendo).

A melhor parte é que os leitores puderam votar escolhendo o resultado final de alguns confrontos.

Chegou um ponto onde as batalhas ficaram equilibradas restando apenas uma para decidir o destino dos universos.

Na primeira HQ  o Cabeça de Teia estava perambulando por Nova York quando seu sentido de aranha começa a tilintar indo encontrar um mendigo com a caixa de papelão reluzente e some de repente. Indo  totalmente desnorteado parar em Gotham City justamente ao lado do Coringa (que tentava explodir um prédio).

E vemos o mesmo acontecer com o Fanático que lutava contra Gambit, Tempestade e Wolverine indo viajar para Metrópolis enfrentando o Superman (na fase cabeluda).

E assim tanto heróis quanto vilões vão sumindo e reaparecendo em universos diferentes. É interessante lembrar que o Hulk estava na fase que parecia um halterofilista com rabo de cavalo, inteligente e controlando sua raiva.

O Mercenário surge na Batcaverna pegando Robin (Tim Drake) como refém. Quando o Menino-Prodígio reaparece está no quarto de Jubileu e durante esta anomalia temporal eles emendaram um romance.

No comando da redação do Plante Diário temos J. Jonah Jameson que mandou Perry White embora e a inclusão de Peter Parker como novo fotógrafo do jornal. Até que Clark Kent numa matéria conclui que há mudanças na realidade como a conhecemos quando Aço enfrenta o Homem-Absorvente, em Washington.

Então vemos o Lanterna Verde x Duende Verde, Capitão América x Bane, Demolidor x Charada, Batman x  Venom, Capitão Marvel x Dr. Destino e Motoqueiro Fantasma x Etrigan.

Houveram também algumas parcerias entre Doutor Estranho com Starman (David Knight), Supergirl e Mulher-Hulk e Anjo com Gavião Negro.

Havia alguns combates menos importantes como Elektra x Mulher-Gato ou Surfista Prateado x Lnaterna Verde (Kyle Rayner), mas o que podemos notar mesmo é o discurso de todos os personagens.

Eles se questionam, porque lutar quando ambos os universos estão em perigo? Mesmo quando saem vitoriosos não gostam de terem vencido.

Sinceramente as edições não são tão interessantes atualmente. Talvez o único personagem relevante seja Axel Asher (Acesso) que de forma confusa  sempre se achou um zero a esquerda. De repente descobriu ser um guardião e ainda de dois universos que estavam em crise.

Amalgam_universe

A única coisa marcante de Marvel x DC que aconteceu num momento crucial da crise  foi quando os dois guardiões cósmicos (Tribunal Vivo da Marvel e Espectro da DC) se uniram formando algo novo. Surgindo desta forma o Universo Amálgama que consistia na união dos heróis de ambas as editoras.

Enquanto alguns foram bem estruturados outros nem vale a pena comentar , mas vamos lembrar dos melhores.

Tivemos Garra das Trevas (Batman com Wolverine) na edição com arte de Jim Balent e roteiro de Larry Hama. Aonde temos uma mistura de Arma X com a tragédia da morte dos pais de Bruce. Um passado descoberto por Carol Danvers (vulgo Caçadora). A parte boa foi ver Jubileu trajada de Robin (ou na verdade Pardal com shortinho e tudo).

Na aventura o grupo salva o presidente Clinton de ser assassinado pelo Hiena (mistura de Dentes de Sabre com Coringa) mais insano impossível. Garra das Trevas foi o melhor amálgama de todos que pude rever.

Super Soldado (Superman e Capitão América) com arte de Dave Gibbons e roteiro de Mark Waid & Dave Gibbons.  Aqui a história se desenvolve de maneira ligeiramente diferente, pois o foguete de Kal-El chegou a Terra com o bebê morto.

Alguns cientistas coletaram amostras de seu sangue e desenvolveram o soro que concedeu superforça ao soldado (utilizando radiação solar) que aparentemente lembra um misto de Steve Rogers com Kal-El já que não divulgaram seu nome.

Mais só que podemos notar que trata-se de  Kent, pois não há nenhuma menção ao seu primeiro nome.

O uniforme do Super Soldado é um misto de Steve Rogers com Superman. Onde “S” da insígnia forma o escudo do Superman (um dos melhores que vi).

A história foi documentada por Jimmy Olsen (que de forma óbvia tornou-se amigo do herói). Quando na Segunda Guerra houve o combate  contra Ultra-Metallo. Robô construído por Lex Luthor que foi destruído pelo Super Soldado. A consequência foi que o herói morreu (aparentemente é claro).

E foi descongelado pelo Vingadores da Justiça (uma mistura entre  a Liga e Os Vingadores) que não aprecem nesta HQ.

Depois de 50 anos  descobrimos que Jimmy Olsen foi sequestrado pela Hidra a mando de seu comandante Lex Luthor (que ficou parecendo o Caveira Vermelha só que verde), pois injetou um extrato de kriptonita em seu sangue.

A aventura acontece quando Lex tenta se vingar do Super Soldado com um novo Ultra-Robô energizado por Kriptonita marcha para a Casa Branca, mas seus planos são novamente frustrados. Esta edição mostra bastante do universo dos dois heróis sendo bem misturados.

Doutor Mistério (mistura de Doutor Estranho e Senhor Destino) com arte de José Luis Garcia-Lopez e argumento de Ron Marz.

Axel Asher está fugindo de um monstro no esgoto quando ia ser atacado reaparece num lugar diferente. E então vemos o surgimento do Doutor Mistério usando o elmo de Nabu, o olho de Agamoto e a Capa do Doutor Estranho. Seu mordomo-serviçal chama-se MYX (lembrando o anão dimensional Mxypltk).

Usando magia  MYX  convoca os agentes de seu mestre que são: Bruce Banner (Skulk), Frankie Rayner (Jade Nova) e a linda Wanda Zatara (Feiticeira Branca). Sua missão é capturar acesso, pois a questão é a própria existência de seu universo.

Só que o Doutor Mistério não revela sua verdadeira intenção utilizando de seus agentes como peões para concretizar seu objetivo. A Feiticeira Branca captura Acesso levando-o para seu mestre que deseja manter intacto o Universo Amálgama.

Mais aos fragmentos de ambos os universos não estavam mantidos no corpo do confuso rapaz. E ao final descobrimos que o Dr. Mistério era na verdade Charles Xavier.

Em Spider-boy (mistura de Spider-Man e Superboy) com arte de Mark Wieringo e Karl Kesel. Renomados cientistas como Peter Parker, Reed Richards e Victor Von Doom  trabalham para  Projeto Cadmus. Eles tentam recriar o soro do Super Soldado a mando do General Ross.

Só que o projeto é sabotado e seu maior mentor o cientista Peter Parker morre numa estranha e talvez criminosa explosão.  Spider-boy cresce sob os cuidados do General Ross que lhe ensina a velha máxima: “com grandes poderes…”

Esta história mistura elementos de ambos os heróis como o trabalho de Peter como fotógrafo no Clarim Diário e Tana Moon como jornalista.

E ainda vários personagens secundários como os Desafiadores do Fantástico (mistura de Quarteto Fantástico com Desafiadores do Desconhecido). Ou a presença de Hank Pym, Dr Octavius, Susan Storm (agente da Shield) e Ray Palmer trabalhando pro Cadmus.

Aqui Spider-boy enfrenta o Lagarto que esta crescendo graças ao raio acelerador de partículas de Hank Pym. E para detê-lo usa o projeto de estrela anã branca de Ray Palmer. Na narrativa vemos vários personagens do elenco das editoras e no final temos uma grata surpresa a Rainha-Inseto é Mary Jane que alia-se ao herói. Bom, se eu não estiver enganado a Rainha-Inseto é uma antiga inimiga da LJA.

A história é fraca servindo apenas para ver uma pistola que disparadora teias e MJ aparecendo belíssima no final.

A Mulher-Maravilha com arte e argumento de John Byrne. Era uma mistura de Diana com Ororo Munroe (Tempestade). O uniforme da personagem é misto das duas heroínas.

Ororo estava sendo ataca por uma tempestade provocada pelo deus Poseidon e se lembrou de seu medo de se afogar. Bom, na verdade  Ororo tem fobia de lugares fechados. Só que isto foi alterado.

Nesta história seu pai era um arqueólogo que encontrou a sala de tesouros de Poseidon e ao pegar o artefato atraiu uma maldição para sua vida. Quando o professor Malcom resolveu entregar a estátua ao mar de onde retirou.

Poseidon com toda sua fúria afundou o navio no mar matando os pais de Ororo e toda sua tripulação, mas a menina foi salva pela Rainha Hipólita.

E assim Ororo cresceu na Ilha de Themyscira onde conseguiu provar ser digna de se tornar a Mulher Maravilha e ao confrontar o deus do mar mostrou-lhe a insanidade de seu ato. A história não é maravilhosa, porém temos a arte de John Byrne que fala por si só.

O Universo Amálgama teve várias outras histórias mais que não foram tão boas assim.

A sequência de Marvel x DC eu achei bem melhor que esta primeira algo que “talvez” comentarei mais para frente. Vejam a  terceira parte aqui.

1 comentário

Arquivado em Meu Texto

Superman: Através dos Tempos

Smallville: As Aventuras do Superboy – Tom Welling – (2001 a 2011)

Confesso que no início eu nem ligava muito pra série, mas um colega de trabalho me alertou pra Smallville e quando assisti fiquei viciado naquele formato de Clark usar os poderes e ao mesmo tempo ter que esconde-los ( pra mim isto era incrível).

Então quando me acostumei eu ficava empolgado já com a música-tema, Save Me, da banda francesa Remy Zero que tocou em todas as temporadas.

O grande trunfo desta série é que pegaram parte dos elementos originais do mito e deram uma modernizada no conteúdo como se tudo acontecesse no século XXI.

Engana-se quem nunca parou para ver, porque perdeu a oportunidade de assistir a melhor renovação feita sobre o mito até aquele momento.

Todo nós sabemos quem é Superman, mas pouca vezes nos gibis sua vida em Smallville foi tão bem esmiuçada. Na série temos a  vida de Clark Kent (Tom Welling), um típico adolescente do Kansas sendo contada (com a exceção dos superpoderes, é claro!).

Dizem as lendas que a intenção era fazer um programa sobre a adolescência de Bruce Wayne antes de tornar-se o Homem-Morcego, mas o projeto foi cancelado por causa de que havia algo semelhante pro herói na telona.

Os roteiristas Alfred Gough e Milles Millar desenvolveram as aventuras baseadas na juventude de Clark em Smallville.

Deixaram de lado a intenção de mostrar o Azulão de uniforme voando e se concentraram no aspecto de mostrar a vida de Clark passando pela adolescência até a fase adulta. Tivemos toda a influência pela descoberta de seus poderes e como resolve usa-los a maneira que vão se desenvolvendo.

Eles recuperaram um conceito antigo que havia nos gibis da Era de Prata, período que durou de 1956 a 1970. Diferente do conceito que Superman nunca foi Superboy criado por John Byrne durante a reformulação em meados da década de 1980 (quando o Superboy já voava pelos céus de Smallville).

Trazendo desta época a amizade que havia entre Lex Luthor e Clark Kent em Pequenópolis (a cidade foi chamada assim aqui no Brasil por muitos anos).

A inimizade entre os dois surgiu depois que um experimento científico de Lex deu errado e responsabilizou o Superboy por ter ficado careca.

Bom, consta ainda neste período aparições tanto de Lois Lane quanto do Arqueiro Verde e também do Aquaman em Smallville (acontecimentos aproveitados depois pelos roteiristas).

Smallville começou tímida, mas com a sequencia de temporadas os redatores acrescentaram personagens bastante conhecidos nossos como: Impulso, Aquaman, Canário Negro, Sociedade da Justiça, Arqueiro Verde,  Legião dos Super-Heróis, Zan e Jayna  e principalmente a lindíssima Supergirl (Laura Vandervoort)  entre tantos outros que fez a série crescer exponencialmente.

Enriquecendo a trama e mostrando que uma adaptação de HQ é viável na telinha desde que seja trabalhada de forma correta.

A melhor parte foi explorar de maneira ímpar os coadjuvantes, pois era muito difícil deixar de simpatizar com Martha e Jonathan Kent (eles conseguiram moldar a personalidade de Clark para torna-lo o herói que todos admiram).

Em contra partida aquele amor e carinho que Clark teve vimos seu antagonista Lex Luthor (Michael Rosenbaum) brigar diversas vezes com seu pai Lionel Luthor.

Divergências estas que beiram a loucura de tão estranhas, mas tinha um grande significado no passado da família Luthor.

Então temos um LL inteligente, cínico e dissimulado sempre tramando na surdina e querendo tomar para si Lana Lang (Kristin Kreuk) de seu suposto melhor amigo (era algo assustador ver isso).

Aliás a mudança na etnia tanto de Lana Lang quanto na de Pete Ross (Sam Jones III) foi algo marcante, pois os fãs chiaram muito. Pra mim desde que seja feito de uma forma que não estrague tudo fica válido.

A série inseriu dois personagens que não existiam nos gibis Chloe Sullivan (a bela Allison Mack), uma amiga de Clark que inicialmente curtia uma paixão secreta por ele.

E Lionel Luthor (John Glover), o ator havia trabalhado antes na franquia do Batman como Jason Wodrue, nos quadrinhos é o vilão Homem-Florônico.

Outro grande mérito que Smallville teve foram as participações especiais de diversos atores que ao longo dos anos trabalharam no universo do Superman (cinema e TV).

Desde Christopher Reeve, o Superman mais carismático das telonas que interpretou o Dr. Virgil Swann, Terence Stamp (o eterno General Zod), Margot Kidder (a Lois Lane do cinema), Marc McClure (o Jimmy Olsen do cinema).

Também tivemos, Helen Slater (a Supergirl do cinema), Dean Cain (o Superman da TV), Teri Hatcher (a Lois Lane da TV) e Annette O’Toole que interpreta Martha Kent também participou como Lana Lang no filme de 1983.

Uma curiosidade é que Lynda Carter, a eterna Mulher-Maravilha do seriado televisivo que não tinha nada haver com o herói ( ganhou uma merecida homenagem também participando da série).

O sucesso da série é inegável, porque foram utilizados os melhores efeitos especiais que eram os mais modernos naquela época conseguindo transmitir toda ambientação que podiam realizar.

Durante os anos que esteve no ar ganhou diversos prêmios televisivos como Emmy Awards e Teen Choice Awards, mas acabou influenciando diversos spin-offs indo desde uma seriado do Aquaman que ficou apenas no piloto (também gerando livros, HQs, discos e outras quinquilharias pra vender).

A série durou longas dez temporadas, pois o nível dos efeitos especiais estavam ficando cada vez mais caros. E por causa da sua extensa jornada com altos e baixos,  a audiência estava diminuindo.

Apesar do episódio final emocionante que teve cena de voo, trilha sonora de John Williams e diversas cenas em homenagem ao filme de 1978. O clímax foi frustrado pelo orçamento apertado da série.

Depois de esperar 10 anos para ver Tom Welling com o icônico uniforme azul, os fãs tiveram que se contentar com tomadas distantes, um modelo em computação gráfica e closes no rosto do ator, que nunca chegou a colocar a vestimenta.

 Smallville mesmo não conseguindo agradar a gregos e troianos é de longe a melhor versão feita pra telinha com o Superman, um fato que conseguiu dar mais longevidade ao mito do Último Filho de Krypton que já teve tantas releituras na cultura pop.

Fonte de Pesquisa: Mundo dos Super-Heróis.

Deixe um comentário

Arquivado em Superman: Através dos Tempos

Superman: Através dos Tempos

Super-Homem – Ruby-Spears – 1988

O desenho foi ao ar pela Rede CBS e foi produzido pela Ruby-Spears Productions.

A intenção era coincidir com o aniversário de 50 anos do Homem de Aço. Na mesma época o seriado live-action do Superboy também estreava na telinha.

A produtora é bastante conhecida por diversos outros desenhos que marcaram a criançada dos anos 70 e 80 (como esse humilde comentarista). Desenhos como Thundarr, O Bárbaro, Buggy, a jato, Homem Elástico, Mr. T, Alvin e os Esquilos, de 1983.

Podemos notar que a abertura homenageia tanto a versão de George Reeves, quanto do Christopher Reeve com a trilha sonora de John Williams (um pouco modificada).

A parte interessante fica por ter como referência a reformulação do herói feita por John Byrne, pois temos Lex Luthor usando anel de kriptonita, um magnata corrupto igualzinho ao dos gibis. Infelizmente o vilão não podia ser preso (por falta de provas).

Lex tinha um relacionamento amoroso com Jessica Morganberry, a personagem foi criada pro desenho e sua inspiração veio da Senhorita Tessmacher do filme, de 1978.

A versão da Ruby-Spears apresentou outros vilões como Cybron, um cyborg futurista (parecido com Brainiac), o Caçador, uma fera criada pelo General Zod para exterminar o Azulão e Morpheus, um cientista que conseguiu a façanha de retirar os poderes do herói.

Outros coadjuvantes importantes das histórias do kriptoniano também marcaram presença como Perry White, Jimmy Olsen e Lois Lane.

Definitivamente o que me marcou nesta versão foi o Álbum de Família do Superman, no qual  ficávamos sabendo sobre a vida de Clark (desde criança até virar adulto).

Como curiosidade o artista Gil Kane foi quem fez o design desta versão e também Marv Wolfman participou da produção.

Pra fechar o episódio mais lembrado desta versão é aventura que o Super-Homem uniu forças com a Mulher-Maravilha para frustrar os planos de uma feiticeira que dominou a Ilha Paraíso.






2 Comentários

Arquivado em Superman: Através dos Tempos