Arquivo da tag: seriado

Meu Texto

ferrigno e bixbi

O Incrível Hulk

Desde 2003 com o Hulk, de Ang Lee que o herói incompreendido é feito em CGI. A adaptação foi bastante criticada por sua “violência” psicológica e também pela quase falta de ação.

Lembro que na época muita gente reclamou querendo que fosse feito por alguém pintado, mas depois que viram o resultado ninguém mais questionou.

hulk

Mais antes do CGI houve um tempo em que tal tecnologia nem sonhava em existir e os produtores ousaram em criar um seriado do Grandão (que durou de 1978 a 1982).

O saudoso Bill Bixby dava vida ao Doutor David Banner, um homem inteligente atormentado pela morte da esposa. Então tentando liberar uma força desconhecida que aflige ao homem em momentos para proteger pessoas queridas.

David descobre que a radiação gama poderia conferir esta força, mais ao fazer o tratamento em si mesmo  libertou uma criatura incontrolável… o Incrível Hulk.

O halterofilista Lou Ferrigno ficava todo pintado de verde (exceto pelos pés aonde usava sapatilhas verdes) e usando uma peruca verde (dãããã… azul é que não poderia ser!).

A transformação era a parte que eu ficava mais empolgado, pois era num momento de frustração. Quando geralmente bandidos davam uma surra em David (sempre com muitos socos e pontapés).

A câmera dava um close nos seus olhos que ficavam bastante abertos e mudavam pra verde. Ainda havia uma música de fundo pra nós sabermos que iria se transformar.

Camisa, calça e sapato iam se rasgando enquanto o corpo crescendo e ouvíamos gritos guturais. O ápice era quando o Hulk surgia na tela gritando e as pessoas olhavam atônitas.

Lembro que num episódio havia uma apresentação de fisiculturismo. Os participante estavam se exibindo e no meio da apresentação surgiu o Hulk . Todas as pessoas se levantaram aplaudindo-o (nunca esqueci isso).

A série tinha um formato manjadíssimo, porque geralmente David Banner viajava pelo país a procura de uma cura pra sua transformação. E sempre num trabalho novo ia ajudando as pessoas que encontrava  pelo caminho.

Mais no seu encalço havia o chato do repórter Jack McGee (Jack Colvin) que se não me engano sabia do segredo de David e queria culpar o gigante  por causa da morte de uma pessoa.

O final David estava na estrada de mochila nas costas pedindo carona (com uma música tristonha de fundo).

incredible_hulk

O filme O Incrível Hulk, de 2008 é uma homenagem direta a esta série clássica, pois  Bruce  Banner (Edward Norton) diz pra Lou Ferrigno: “você é o cara…” (não precisou falar mais nada).

Pros tempos atuais um cara pintado de verde parece ser horrível, mas foi uma série marcante pra nós que tivemos a oportunidade de assisti-la. Conseguiram transportar pra telinha o aspecto humano do personagem.

thor

A série teve três spin-offs no qual o Grandão marcou presença o primeiro foi O Retorno do Incrível Hulk, em 1988.

David após dois anos da última transformação conseguiu montar uma máquina que poderia ser a cura definitiva para seu monstro interior. Só que acaba reencontrando um cientista amigo de trabalho o Dr. Donald Blake, que  estava de férias na Escandinávia pesquisando sobre Thor, um deus nórdico.

Ao entrar numa caverna Don Blake acha Mjolnir e desperta Thor para os dias atuais (isto é  lá na década de 80 você entendeu). A premissa da origem do Loirão seguia basicamente os gibis, mas na adaptação Blake não suportava a presença de  Thor.

Para chamar o deus nórdico Blake gritava: Odin e depois de um enorme trovão surgia o Loirão. O visual do Thor (Eric Allan Kramer) não tinha nada a ver com aquele que víamos nos quadrinhos, pois parecia um viking de verdade e saradão.

A pior parte é que ambos ficavam na Terra ao mesmo tempo e não trocavam de lugar como víamos nos gibis, vai entender!

Hulk e Thor chegaram a se enfrentar neste filme, mas é algo tão podre que é melhor nem comentar (quer dizer  o filme é tão ruim que eu gostaria de esquece-lo completamente).

julgamento

Depois tivemos O Julgamento do Incrível Hulk, de 1989. David tenta impedir um assalto no metrô, porém é acusado de um crime de assassinato e para defende-lo temos  o advogado cego  Matt Murdock (Rex Smith).

Nos gibis Matt transforma-se no Demolidor certo? Até aí concordo, mas não sei por qual motivo louco os tradutores da época deram o nome de Audacioso pro herói, vai entender?

Resumindo a tosqueira David é preso, vira Hulk fugindo de seu julgamento e após acalmar-se Matt descobre seu segredo.

Para provar sua inocência precisa encontrar uma moça que estava no metrô e serve de testemunha no seu caso. O Rei do Crime estava por trás da tramoia e unindo forças com o Audacioso consegue resolver tudo.

O uniforme do Audacioso parece uma roupa ninja toda negra e temos presença de Stan Lee no tribunal (quem pensa que sua participação relâmpago começou há pouco tempo é ledo engano).

O vilão Rei do Crime foi interpretado por John Rhys-Davies mais conhecido pela participação dos filmes de Indiana Jones e também do Senhor dos Anéis.

É claro que após o sucesso do seriado do Grandão a Marvel pensou em colocar na telinha outros heróis e então surgiram estas pérolas. Infelizmente serve apenas como algo saudoso para nós fãs antigos e mesmo assim eu não pensaria em assistir novamente (sei lá posso perder meus neurônios após isto ).

morte

Só que o pior ainda estava por vir, pois o terceiro filme é a Morte do Incrível Hulk, de 1990.

Se os outros são ruins este é o que eu mais odeio, porque já tinha uma noção de como o Grandão era nos gibis.

David Banner junto com o Dr. Ronald Pratt realizavam um projeto para se livrar de vez do monstruoso alter-ego do Banner (alguém aí disse Hulk!). Jasmim era uma espiã que tentou roubar as informações que o Dr. Pratt descobriu sobre o Hulk (sua intenção era entregar pra terroristas e transformá-los em seres poderosos).

Só que nesse meio tempo Jasmim se apaixona por David e os dois começam a namorar. Pra resumir reféns dos terroristas são libertados enquando os vilões fogem de avião. David se transforma agarrando o avião que decola e um tiro atinge  o tanque de combustível (fazendo a aeronave explodir e na queda  o Hulk morre).

Sinceramente tiros não afetam em nada o Grandão e a cena da queda é muito, muito muito ruim mesmo. Foram tempos ruins e bons da mesma maneira, pois serviram de ponte para chegarmos ao que temos hoje (servem como lembrança para não fazerem as mesmas besteiras).

hulk-os-vingadores

A melhor versão do Hulk foi mostrada nos Vingadores, porque  Mark Ruffallo  atuou de forma perfeita.  Mostrando a  inteligência misturada com a personalidade frágil do pacato Robert Bruce Banner (havia uma debilidade quase irracional ao falar do Hulk).

Houveram boatos de que teríamos um seriado do Grandão, mas o projeto foi engavetado. Eu sinceramente acho melhor que fique assim, pois poderiam estragar a imagem que conseguiram definir no filme dos Vingadores.

Esse é o último post deste blog, pois estarei continuando no Além da Torre 3. Venha continuar comigo nesta entusiasmante viagem nerd.

11 Comentários

Arquivado em Meu Texto

Herói

z

O Fantasma

O Espírito-que-Anda

É o primeiro personagem do gênero a usar máscara e uniforme. O Fantasma foi criado pelo argumentista Lee Falk, em 1936. Ele também é o criador do Mandrake, o mágico (personagens da King Features).

Lee Falk pediu ao artista Phil Davis que desenhasse suas histórias.

A primeira aventura do herói foi The Singh Brotherhood (Os Piratas Singh), que começou a ser publicada em tiras de jornal diariamente em 17 de Fevereiro de 1936 e depois foram feitas edições coloridas em Maio de 1939.

O Espírito-que-Anda com o tempo migrou para os gibis no inicio com republicações de suas tiras diárias do jornal, mas rapidamente vieram novas aventuras.

A lenda diz que o Fantasma caminha na Terra há  400 anos. Isto é afirmado pelos nativos da floresta de Bangala, mas na verdade o manto roxo é passado de pai para filho sucessivamente durante todo este tempo.

A cada Fantasma que morre em combate seu filho faz o solene Juramento da Caveira:

“Juro que dedicarei toda a minha vida á tarefa de destruir a pirataria, a ganância, a crueldade e a injustiça. E meus filhos e os filhos de meus filhos me perpetuarão.” Então o novo Fantasma veste seu uniforme  e segue combatendo o crime aonde estiverem em qualquer parte do mundo.

O Fantasma não tem nenhum superpoder valendo-se apenas de sua inteligência, habilidade física, destreza com armas e mira perfeita para combater o crime.

A mitologia do herói é extensa e o que mais me impressiona é que na Caverna da Caveira estão registradas as Crônicas do Fantasma aonde cada um escreve num diário as aventuras que teve. O 21° Fantasma sempre recorre as crônicas para poder ajudar a desvendar algum mistério ou simplesmente conhecer mais sobre as história de algum antepassado. Um deleite para nós que podemos saber sobre a vida de todos que usaram o manto anteriormente.

Outro fato fascinante é que o Fantasma pode “conversar” com os espíritos de seus antepassados para conseguir conselhos sobre determinado assunto e de posse deste conhecimento agir da melhor maneira possível.

A mítica floresta de Bangala mistura parte da Índia com características da África é onde encontramos várias tribos entre elas a mais conhecida é a Bandar (que auxilia a perpetuar o mito da imortalidade do personagem). Na famosa Caverna da Caveira encontramos Guran, o fiel amigo e conselheiro que conhece a verdade por trás da lenda.

E também os animais que geralmente acompanham e auxiliam o Fantasma em suas aventuras o cavalo Herói, o lobo domesticado Capeto e também Fraka, um falcão treinado.

Em 1978, O Fantasma casou-se com sua eterna namorada, Diana Palmer, que trabalha na ONU (seu casamento é uma das ocasiões mais comentadas em sua história por demorar 40 anos para acontecer). Um ano depois nasceram os gêmeos Kit e Heloise.

Marcas

O Fantasma possui dois anéis, um com a marca do bem na mão esquerda, que fica nas pessoas para proteger. E na mão direita temos o mais famoso com a marca da caveira, quando soca algum criminoso fica gravado eternamente em seu rosto.

Cores

Uma característica marcante é a cor do uniforme do herói, pois em cada país que é publicado tem uma variação diferente. Dizem as lendas que Lee Falk imaginou um uniforme cinza, mas devido a problemas gráficos a primeira edição dominical ganhou o tom roxo (e assim ficou).

Então ao redor do mundo cada país publica uma cor de acordo com sua preferência ou possibilidades gráficas desde 1939. Por exemplo vermelho no Brasil, Itália e Espanha, marrom na Nova Zelândia, azul na Escandinávia e roxo no resto do mundo (santa coloração, Batman!).

Fantasma Mulher

Durante o ano de 1800 temos as aventuras do 17° Fantasma que sofreu uma embosca por malfeitores quando ajudava resgatar missionários. O herói foi amarrado, espancado e jogado ao mar para ser comido por crocodilos. No entanto milagrosamente sobreviveu muito ferido, mas por um breve período enquanto se reestabelecia foi substituído por sua irmã gêmea Julie Walker, a Mulher Fantasma.

Julie havia feito o juramento ao mesmo tempo que seu irmão, mas quem havia assumido era o 17° Kit Walker, porém seu curto tempo como heroína é marcado por sua coragem e astúcia para manter o legado da família. Depois que se vingou dos malfeitores, voltou pra Caverna da Caveira para cuidar de seu irmão, que retomou o manto assim que se recuperou.

Seriado

Em 1943, foi produzido pela Columbia Pictures o seriado, The Phantom, foram 15 capítulos exibidos no cinema. O astro Tom Tyler interpretou o Fantasma (o ator já havia ficado famoso por ter feito o papel do Capitão Marvel anteriormente).

Diana (Jeanne Bates), aparece ao lado do seu pai,  o professor Davidson (que morreu nas tiras). O professor planeja uma expedição para encontrar a cidade perdida de Zolov, cuja a localização está guardada em sete peças de marfim (da qual possui três).

O vilão Doutor Bremmer pretende usar a cidade perdida como base área secreta para seu país sem nome. Ele mata o Fantasma e seu filho Geoffrey Prescott, que voltou recentemente, assume o manto da família tornando-se o novo Fantasma.

A grande diferença é que mudaram tanto o nome do herói quando  a fictícia selva de Bengala, mas é uma daquela produções com baixo orçamento e feitos especiais precários. A única parte interessante como tentavam adaptar o herói naquela época.

Desenhos

Os Defensores da Terra – 1986

Nesta inesquecível série animada havia os heróis mais importantes e clássicos da King Features combatendo Ming, o impiedoso. Tínhamos Flash Gordon, Fantasma, Lothar e Mandrake (unidos aos seus filhos na luta contra o vilão).

O Fantasma é o 27° Espírito-que-Anda, seu uniforme é roxo como na cor original, mas não tinha o calção listrado e as aventuras acontecem no ano de 2015 (logo estaremos lá).

Lembro que sempre que necessitava o herói podia invocar a “força dos dez tigres” para realizar alguma tarefa que exigia tal proeza. Algo muito diferente dos gibis, pois não exibia poder algum. Além disso o Fantasma tinha uma herdeira a bela e inteligente  Jedda Walker.

Em 1994 surgiu o Fantasma 2040 narrando a história do 24 ° herdeiro da dinastia do herói que lutava contra a empresa Maximum Inc. num mundo pós-guerra no qual o equilíbrio ecológico está seriamente abalado.

Uma previsão que talvez sirva pro mundo real. O Fantasma 2040 foi uma animação que durou pouco e poderia ter sido melhor trabalhada se tivessem chance de produzir mais capítulos.

Filmes

O 22° Herdeiro

Diana está sendo perseguida quando seu carro cai num rio e somente Chris sobrevive. O menino cresceu em Nova York num lar adotivo com o nome de Christopher Moore.

Com uma rápida passagem de anos somos apresentados a belas cenas de parkour  feitas por Chris e um amigo pena que o estilo de gravação tentando ser bastante real não ficou legal, pois pra mim faltou mais nitidez (mesmo assim a adrenalina é boa).

Passados exatos 19 anos com a morte de seus pais adotivos Chris é levado por um benfeitor que trabalha para a família Walker para a Ilha de Bengala. O mais estranho foi notar que na ilha a tribo tradicional foi trocada por pessoas asiáticas.

Suponho que seja para não criar problemas porque alguns criticavam bastante o personagem por ser o único caucasiano num lugar repleto de pessoas afrodescendentes. Eu sempre achei esta ideia hedionda, errada e presunçosa, porém vejo que surtiu efeito.

Outra diferença sutil foi Guran (seu maior conselheiro e amigo) que virou uma mulher e pra mim ficou mais interessante.

A BPAA-THAP é uma fundação de apoio logístico, armamentos e suporte técnico para o Fantasma que age treinando todo Kit Walker que usará o manto roxo. Foi algo bem pensado, porque não havia isto nas HQs. E além disso a Caverna da Caveira ganhou outros anexos funcionando igual a Batcaverna de um conhecido outro herói.

Pelo que eu pude entender é um longa metragem que deu origem a série e não ficou ruim, no entanto será que a série durará mais de 1 temporada? Infelizmente o Fantasma não  é um personagem tão conhecido pela maioria do público e eu não li nada a respeito desta série pra saber se  decolou ou naufragou.

A grande diferença que ficou gritante neste contexto de atualizar o Espírito-que-Anda para o século XXI foi o uniforme hi-tech, porque ficou descaracterizado demais mantendo apenas a cor do uniforme, a caveira no cinto e as duas pistolas. Não posso dizer se é bom ou ruim, porém está valendo.

O Fantasma têm sido o principal inimigo da Irmandade Singh combatendo-a desde 1564. Foi o primeiro Kit Walker que jurou vingança sobre a caveira de seu pai e delegou esta função como prioridade para os filhos de seus filhos.

A Irmandade mantem-se como uma sociedade secreta que domina o mundo fomentando crimes, assassinatos e guerras em prol do próprio lucro. Nos dias de hoje a organização cresceu a nível mundial e agora dispõe de algo que funciona como uma lavagem cerebral feita pela conexão de TV a cabo.

Assinantes são usados como fantoches para praticar crimes hediondos e o 22° Fantasma precisa impedir isso e também salvar o pai de sua futura namorada.

Aqui no Brasil o filme foi chamado de O 22° Herdeiro e no original é The Phantom talvez seja para não ser confundido com a adaptação estrelada por Billy Zane e dirigido por Simon Wincer, em 1997.

Fui assistir esta versão no cinema e ela não é totalmente ruim, mas o que a fez naufragar foram as afirmações na época da suposta homossexualidade do ator principal. Fora isso temos um  contexto fiel do herói das HQs marcando presença.

A ambientação ocorre durante a década de 1930 e os efeitos especiais são razoáveis.

Além disso temos duas lindas mulheres nesta adaptação uma é a presença da estonteante Catherine Zeta-Jones em início de carreira como uma sensual vilã. E a outra é Diana interpretada pela bela Kristy Swanson que ficou apagada devido a presença marcante de Zeta-Jones .

Quase ia me esquecendo ainda temos o ator Treat Williams interpretando o vilão, Xander Drax, que como sempre está querendo “dominar” o mundo (nada demais).

O filme não é nenhuma superprodução como as atuais, mas dá pra conhecer o universo tradicional do Fantasma que foi bem representado. Assista uma única vez que está muito bom.

O Fantasma é um mito que merece ter uma adaptação á sua altura, pois é um daqueles personagens que defendem o verdadeiro sentido de ser herói.

Confira na galeria abaixo algumas imagens do Fantasma,  O Homem-que-não-Morre

0 1.1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18.1 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 alex ross 0 alex ross alex-ross cosplay 1 cosplay 2 defensores_da_terra dichiara fantasma_dynamite fantasma-2040 fantasma-billy zane felipe massafera Joe Jusko julie walker julie-walker Loston-Wallace marc-laming phantom_serial_1943 steve rude The_Phantom_by_martinorona the_phantom_by_puggdogg The_Phantom_movie wallpaper 1 wallpaper 2 wallpaper 3

2 Comentários

Arquivado em Herói.

Batman: Através dos Tempos

adam west and burt ward

Batman & RobinAdam West and Burt Ward -1966 a 1968

A série do Homem-Morcego pode ser definida como ame-a ou deixe-a, pois há diversas pessoas que odeiam esta adaptação do herói. Eu adoro até hoje, pois confesso que sou um nostálgico de coração.

Geralmente leio  comentários ruins sobre este saudoso seriado, mas não vejo desta forma. É justamente por sua roupagem cômica e por estar na longínqua década de 1960 (uma época de grandes mudanças culturais e experimentações), que considero uma das melhores adaptações do Batman até aquele momento.

A série têm o mérito de popularizar ainda mais o Cruzado Embuçado, pois mesmo com recursos tecnológicos fracos e cenários paupérrimos o fato crucial é que fizeram um seriado com o que tinham na época.

Eles conseguiram construir uma série que deu ao Morcegão o status de ícone pop. E somente isso é o que se pode dizer que foi importante.

Lembro que logo na abertura tinha uma animação ao estilo de Dick Sprang com a Dupla Dinâmica sorridente aonde tinha as onomatopéias (Pow, Soc e Crash!), cores fortes, enquadramentos tortos e fortes traços do movimento Pop Art.

Havia diversas  participações especiais de celebridades como Sammy Davis Jr., Jerry Lewis, Joan Collins, Dick Clark, Liberace, Don Ho entre outros  que prestigiaram o seriado aparecendo nos episódios.

Quando os heróis escalavam o prédio pela batcorda  as capas eram puxadas por um fio para ficarem retas. E na verdade estavam andando inclinados no chão que foi caracterizado para ficar parecendo um prédio.

E em cada final de episódio havia um gancho aonde os heróis estavam á beira da morte nos incentivando a continuar vendo o próximo para saciar a curiosidade sobre qual seria o desfecho da Dupla Dinâmica.

Parece até que assisti ontem um episódio da série de tanta recordação boa que tenho.

A coisa mais nostálgica deste seriado era a Tia Harriet (Madge Blake) uma adorável e simpática senhora que não sabia da identidade secreta de Bruce e Dick. Harriet foi criada por Bill Finger e Sheldon Moldoff e surgiu no quadrinhos apenas para afastar a suposta homossexualidade dos personagens fomentada pelo livro “A Sedução do Inocente”, de Frederick Wertham.

Aliás até Alfred Pennyworth (Alan Napier) migrou para o seriado, pois na época era considerado morto nos quadrinhos. Porém com o sucesso da série ressuscitaram o personagem das HQs.

Estranho era constatar que o Comissário Gordon tinha uma linha direta com a Batcaverna e nas HQs que li não havia nada disto. Desde pequeno lembro que não gostava do Robin com aquela expressão: santa-não-sei-o-que pra lá e pra cá a todo momento.

Ainda mais depois de um episódio em que a Mulher-Gato ia beijar o Morcegão e o Garoto-Prodígio atrapalhou o romance. Mas  Burt Ward sofreu para poder interpretá-lo dizem as lendas que o ator sofria diversos acidentes, porque não tinha duble nas cenas de ação.

Outro fato curioso é que ele foi perseguido pela Liga da Decência, grupo que cuidava da censura na TV, por ser bem dotado e aquilo ficava aparecendo pelo uniforme. Uma das soluções que arranjaram foi dar remédios pro rapaz para resolver o problema só que não surtiu efeito nenhum.

E para acabar de vez com a perseguição decidiram filmar o Robin apenas da cintura pra cima nos episódios seguintes, coitado!

A série também introduziu um dos maiores sonhos de consumo de todo fã ao redor do mundo e também deste que vos escreve o Ford Impala customizado que virou o Batmóvel movido por uma turbina de foguete. O Batmóvel de 1966 é dos carros do mundo de ficção mais lindos e sensacionais que conheço.

Rei Tut

Vilões

Os vilões do Morcegão nesta série são os mais escabrosos possíveis, pois temos o Rei Tut (William Omoha MacElroy) que na verdade era um professor de egiptologia que ao cair uma pedra em sua cabeça pensava ser a reencarnação do tal rei.

Outro vilão surreal era o Face Falsa que foi criado por Bill Finger, em 1958.   Aonde especulavam que quem  estava por trás da máscara era Frank Sinatra, Cary Grant ou Sammy Davis Jr.  tudo mentira, pois quem atuava era Malachi Throne (que interpretou o Commodore José Mendez em Star Trek, a série clássica). Diga-se de passagem um episódio muito bom.

O Cabeça de Ovo (Vicent Price) um dos homens mais inteligentes do mundo que possuía um grande ego. Vivia falando sobre si mesmo e do seu brilhantismo e pretendia escrever um livro intitulado “Como ser o melhor criminoso do mundo“.

E ainda haviam os vilões mais conhecidos como o Coringa, de Cesar Romero que mais parecia  um palhaço do que um maluco psicótico como estamos  acostumados a vê-lo atualmente. O Pinguim interpretado pelo saudoso Burguess Meredith aonde dizia Quack, Quack, Quack com seu guarda-chuva  pra cada tipo de coisa. E que ficou marcado anos depois como treinador do Rocky Balboa no filme de 1974.

Neste seriado gosto dos vilões clássicos: Coringa, Pinguim, Charada e Mulher-Gato, pois são os melhores o resto são nonsense demais pro meu gosto, pois nunca achava graça neles.

Na verdade a melhor parte deste batseriado não é ver Batman e Robin esmurrando os bandidos ou fugindo das armadilhas que os vilões aprontavam. E sim ver desfilando de malha colante a linda Yvonne Craig a Batgirl e a sensualíssima Mulher- Gato de Julie Newmar.

Figuras femininas que povoam a mente de milhares de fãs tanto masculinos  como femininos, porque notamos  diversas modelos cosplayers que nos eventos  dão o ar de sua graça vestidas destas personagens.

Bom, ao longo dos anos estamos assistindo diversas releituras do Batman e Superman atualizando-os para a sociedade da época mantendo os mitos renovados.

Diga-se que ambos os heróis tinham um rígido código moral durante a Era de Ouro que até matavam seus oponentes. As atitudes violentas de Batman não são obras da mente criativa de Frank Miller, pois em várias HQs do Homem-Morcego original era visto portando arma de fogo. Fato que foi drasticamente mudado algum tempo depois.

Hoje em dia prezam a vida humana acima até da deles próprios. Não existe nada mais impactante do que isto. Eu vou ficar velho e os heróis continuaram sendo imortais mantendo acessa a chama nos corações dos fãs eternamente.

Deixe um comentário

Arquivado em Batman: Através dos Tempos