Arquivo da tag: shotaro ishinomori

Heróis Nipônicos

metalder

Metalder, o Homem Máquina – 1990

Relembre comigo alguns heróis que foram apresentados pela Rede Bandeirantes há alguns anos atrás.

Produzido pela Toei Company foi exibido na Terra do Sol Nascente pela TV Asahi de 1987 até 1988, totalizando 39 episódios.

Choujinki Metalder pode ser traduzido como Super Humano Máquina Metalder, o tokusatsu pertence ao gênero Metal Heroes. No qual temos Jaspion, Gavan, Sharivan, Jiraya entre vários outros.

Dizem as lendas que Metalder surgiu inspirado em outro personagem Kikaider. O herói é bastante cultuado no Japão, mas acho que nunca foi trazido pro Brasil.

Kikaider foi criado por Shotaro Ishinomori que também conta em seu currículo: Cyborg 009, Kamen Rider e Himitsu Sentai Gorenger.

O herói robô com sentimentos humanos surgiu primeiro num tokusatsu devido ao seu sucesso migrou pors mangás na revista Shōnen Sunday e teve versões animadas.

Na trama, durante a Segunda Guerra Mundial, o especialista em robótica Doutor Koga desenvolveu o andróide Metalder, uma arma secreta do exército japonês (pra ser usado na Guerra do Pacífico contra os Estados Unidos).

Hideki Kondo (Ryuusei Tsurugi) é o herói robótico, mas dizem as lendas que Tatsuo Koga (segundo tenente da Marinha Imperial), filho falecido do Doutor Koga foi usado como modelo pro herói.

Só que o projeto foi abandonado, no entanto em 1987, o Doutor descobre a existência do Império Neroz e reativa Metalder antes de morrer.

Na companhia do Metalder temos: Springer, um doberman cão-robô que protege a base Silver Kirks. Pode se comunicar com um ser humano (e quando preciso faz reparos no próprio Metalder).

Maya Aoki (Mai Oogi), uma fotógrafa que trabalha na revista semanal “Up”. É a primeira pessoa que Hideki conhece após o Dr. Koga. Sendo através dela que conhece o mundo. Depois, Maya ajuda o herói em suas missões e também descobre sua identidade secreta.

E Satoru Kita (Hakkou Kita), ex-líder de uma gangue de motoqueiros que se torna amigo de Hideki (é bastante atrapalhado). Era legal notar que rolava um tirângulo amoroso entre Hideki, Maya e Satoru.

Metalder precisa combater o Imperador Neroz, que se disfarça de Makoto Dolbara, um empresário muito influente. A organização utiliza um exército que pratica o terrorismo pra exterminar seus concorrentes quando necessário.

Os guerreiros que formam esse império são divididos em quatro tipos de exércitos: Tropa Blindada, Tropa Monster, Tropa Cibernética e Tropa Mekanol.

Não poderia esquecer do Top Gunder, atirador de Neroz da Tropa Cibernética que se revolta contra seu criador (ele sempre fica entre aquele estigma de amigo e inimigo).

A parte dramática fica com o último episódio no qual, Metalder consegue derrotar Neroz, mas durante a luta o Dispositivo Gravitacional, fonte de todo seu poder ameaça explodir como se fosse uma bomba atômica. Então, o herói pede a Satoru que finque a espada nele (e seu sacrifício final foi triste e impactante demais pra mim).

Sem sombra de dúvidas foi um dos melhores tokusatsus que já brilharam em nossa telinha.

Suas aventuras envolvendo drama e um pouco de melancolia a diferenciavam da maioria das outras séries.

Só pra constar, Metalder foi adaptado para o público norte-americano pela produtora Saban Entertainment como a série VR Troopers.

Essa versão foi exibida na telinha da Rede Globo e o herói tinha o nome de Ryan Steele (blarg!!!!).

machineman

Machineman – 1990

Mais um tokusatsu produzido pela Toey Company e exibido pela NTV (Nippon TV), em 1984.

Machineman foi criado por Shotaro Ishinomori (já citado no texto anterior) e surgiu inspirado no Super-Homem (só que nem Shotaro nem a Toei confirmam essa informação).

Seu nome original é Seiun Kamen Machineman que traduzido ficaria Máscara Nebulosa Machineman.

Viajando na nave Space Colony, Nikku acompanhado por Ball Boy, um robozinho voador (que possui o formato de uma bola de beisebol).

Nikku é um estudante intergaláctico que veio da constelação da plêiades com a intenção de estudar o comportamente humano

Usando o nome de Ken Takase acaba salvando de um acidente a fotógrafa Maki Gunko  (Kiyomi Tsukada) por quem fica apaixonado. Ela estava tirando fotos de um prédio que havia desabado misteriosamente.

Depois, Ken e Gunko, descobrem que aquilo havia sido feito pela organização Tentáculo que era liderada pelo terrível Professor K (um velhindo que odeia crianças e faz tudo pra acabar com elas).

A grande diferença dos outros vilões é que o professor tinha alegia á crianças fazendo-o espirrar e por isso queria se livrar delas. Porém, Nikku resolve usar sua tecnologia avançada e seus poderes para proteger, Gunko e as crianças de nosso planeta transformando-se em Machineman.

Outro aspecto característico do herói era sua espada laser que marcava seus inimigos com uma letra “M” que lembrava demias a marca “Z”, do Zorro.

Em sua batalha contra as forças do mal, Machineman usava o automóvel Dolphin que também podia se transformar na aeronave, Dolphin-Jet.

Passando alguns episódios, o herói consegue desmantelar a organização do professor. Mais nem demorou pra surgir, Lady M, sobrinha do vilão (acompanhada por TonChinkan, seu braço direito).

A parte engraçada é que ela também odeia crianças ficando com seu nariz vermelho quando alguma se aproxima. Lady M funda a organização o Polvo, porém mesmo tentando inúmeras vezes não consegue vencer o herói.

No final da série, o professor K que estava desaparecido retorna, trazendo a pior ameaça que o herói já enfrentou Golden Monsu, uma versão mais fortalecida de seu primeiro oponente.

Decidido a enfrentá-lo, Machineman usa Dolphin como arma e assim consegue derrotar seu inimigo. E assim, fazendo com que o Professor K e Lady M fujam da Terra pra sempre.

Confesso que o clima deste seriado era mais infantil e bobão, mas eu adorava o momento de transformação do herói.

Como curiosidade, a atriz Kiyomi Tsukada já era uma conhecida nossa, pois trabalhou no seriado Jaspion, interpretando a andróide Anri.

Machineman teve uma temporada, com apresentação de 25 minutos de aventura e um total de apenas 36 episódios.

goggle-five

Gigantes Guerreiros Goggle Five – 1990

O nome deste seriado é Dai Sentai Goggle V que traduzindo fica Grande Esquadrão Goggle Five foi outro seriado super sentai produzido pela Toey Company.

E veiculado pela TV Asahi sendo apresentado entre 6 de fevereiro de 1982 e 29 de janeiro de 1983, no Japão (foi trazida pro nosso país pela produtora Oro Films).

Na trama, nos últimos 20 anos o professor Hongo investigou secretamente e descobriu que no Castelo Wolf (Wolfgang), situado na Alemanha, reuniam-se grupos misteriosos de cientistas de diversas partes do mundo.

Tais cientistas, considerados perversos, se concentram no Império da Ciência Maligna Desdark (Deathdark), liderado pelo chefe Taboo, que é um exército que semeia a destruição e a discórdia no universo através de sua Ciência Maligna.

Querendo enfrentar essa ciência maligna, Hongo cria o Laboratório de Ciências do Futuro e também convoca cinco jovens que formarão o Goggle Five. Durante suas missões eles são auxiliados pelos Computer Boys e Girls (que representam a ciência do futuro).

O Goggle Five é formado por: Kenichi Akama (Goggle Red) O líder do grupo. Adora escalar montanhas e é explorador. Descobriu o perigo que o mundo corria depois de o Doutor Hongo ser atacado. Sua pedra é o rubi, que representa a civilização da Atlântida (suas armas são o Red Ruby Whip e o Red Rope).

Kanpei Kuroda (Goggle Black), segundo em comando do grupo. Sua pedra é a esmeralda, que representa a civilização asiática, especificamente Angkor Wat (suas armas são o Black Cubs e o Black Esmerald Nunchucks).

Saburou Aoyama (Goggle Blue), é um inventor e jogador de hóquei no gelo. Sua pedra é a safira, que representa a civilização egípcia (suas armas são o Blue Ring e o Blue Sapphire Jet Ring).

Futoshi Kijima (Goggle Yellow) – O mais forte integrante da equipe, trabalha em um zoológico local. Sua pedra é a opala, que representa a civilização lemuriana (muçulmana na dublagem brasileira). Suas armas são o Yellow Hammer, Yellow Ball e o Opal Megaton Ball.

Miki Momozomo (Goggle Pink), é a única integrante feminina da equipe. Ginasta que trabalha no estacionamento do estádio Korakuen. Sua pedra é o diamante, que representa a civilização inca (suas armas são o Pink Diamond Baton, Pink Mirror e Pink Ribbon).

A equipe possuia uma grande diversidade de equipamentos tipo: Goggle Bracelete, dispositivo de transformação dos Goggle Five modelado como um relógio de pulso. A frase de transformação usada era “Goggle Five!” (pra cada integrante dizendo sua referida cor).

Goggle Sabre, arma usada por todos os Goggle Five. Ao ser lançado no inimigo pode explodir.

Goggle Victory Flash, esse era o ataque mais poderoso. A equipe se reunia numa posição junto com seus sabres formando o símbolo V (cinco em romano) e energizavam cada sabre com a respectiva energia da pedra protetora. E assim disparando quando todas as energias estivessem acumuladas. Entre outros armamentos.

A equipe ainda tinha: Goggle Nave, uma enorme espaçonave que servia como base para cada um dos veículos que formavam o Goggle Robô. Goggle Black e Goggle Pink ficavam na Goggle Nave para prestar suporte caso necessário. Possuía a habilidade de disparar mísseis e de teleportar os Goggle Five para seu interior.

Tanque Container, um grande veículo metálico onde ficavam estacionados cada um dos veículos que formavam o Goggle Robô. Todos os tanque containers se separam livremente da Goggle Nave e podem abrir sua parte frontal para permitir a saída dos veículos.

E também o Goggle Robô que era a combinação dos veículos Goggle Jato, Goggle Tank e Goggle Dump. O Mecha possuía várias armas, entre elas míssil, uma âncora, raios lasers disparados de sua testa e uma espada com a qual desferia seu golpe final : Espada Relâmpago Universal (Chikyu Ken Denshi Ginga Giri).

A série apresentou algumas mudanças como naquela pedreira que todos pulavam (situações com ângulos diferentes). Tinha muita ação e coreografias que lembravam ginástica olímpica, mas conseguiu conquistar um público fiel em nosso país.

Goggle Five teve uma temporada com 50 episódios no total.

Esses foram os tokusatsus que marcaram época na Rede Bandeirantes e foram muito importantes pra nós que tivemos oportunidade de assisti-los.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Heróis Nipônicos

Heróis Nipônicos

Kamen Rider - 1971

Kamen Rider

A cultura japonesa é bastante rica tanto na literatura, poesias, filmes artes, desenhos e séries.

E pra mim existem 4 personagens que são super importantes na cultura de ficção nipônica: o primeiro é o Godzilla (que logo terá uma nova versão), o segundo é o National Kid, o terceiro é Ultraman e em quarto temos Kamen Rider (Motoqueiro Mascarado).

Não sei se é necessariamente nesta ordem, mas são os mais expressivos e que se destacam, particularmente eu colocariam em primeiro lugar o Ultraman (é lógico, pois sou fã de carteirinha assinada do herói) sendo que Hideki Goh e Sin Hayata são os meus preferidos.

Há uma enorme lista de atores que já interpretaram o gigante da família Ultra, mas em contra partida os Kamen Riders também são uma dinastia vasta. Conheça o primeiro que nunca foi mostrado aqui no Brasil.

Kamen Rider é um mangá (HQ japonesa) que foi criado pelo falecido Shotaro Ishinomori, em 1971.

kamen_rider_1_2

A Série

Takeshi Hongo, um estudante universitário de ciências e piloto de motociclismo, é sequestrado pela organização terrorista Shocker, com o intuito de transformá-lo num soldado cibernético. Antes da operação ser concluída e de sua memória ser apagada, Hongo consegue escapar e passa a combater Shocker, adotando o nome Kamen Rider.

Posteriormente, o fotógrafo free-lancer Hayato Ichimonji também é capturado e transformado num ciborgue  idêntico a Hongo, para eliminar o traidor. Hongo, no entanto, salva Ichimonji antes dele ser submetido a uma lavagem cerebral e Ichimonji passa a ocupar o lugar de Hongo como Kamen Rider, já que Hongo deixa o Japão para combater os agentes da Shocker em outras partes do mundo.

Mais tarde, com a volta de Hongo ao Japão, este passa a ser conhecido como Kamen Rider número 1, e Ichimonji, Kamen Rider número 2. É a vez de Ichimonji deixar o Japão para combater uma outra organização, Geldan. Quando Shocker e Geldan se fundem num único grupo, Gel-Shocker, Rider 2 retorna para ajudar Rider 1 a desmantelar a nova organização.

kotarominami

Kamen Rider Black

Historicamente foi a primeira série da franquia exibida em terra tupiniquim. O seriado teve até uma continuação que foi Kamen Rider Black RX (algo que comentarei num outro post).

Foi exibido na extinta Rede Manchete no programa Sessão Super Heróis, em 1991.

Kamen Rider Black (Kamen Raidā Burakku) foi produzido pela Toei Company junto com a Ishinomori Productions e transmitido pela rede MBS entre 4 de outubro de 1987 até 9 de outubro de 1988.

Numa noite, Issamu Minami (Kotaro Minami, no original) e Nobuhiko Aikizuki comemoram o aniversário de 19 anos deles (detalhe é que ambos são irmãos de criação).

Estranhamente uma nuvem de gafanhotos surge atacando a todos, mas ninguém exceto eles  notam tal fato. Foi o primeiro sinal de que algo iria acontecer.

De repente, os irmãos são transportados pra base secreta dos Gorgon, uma terrível organização que deseja enganar os humanos pra dominar o mundo.

Issamu e Nobuhiko foram escolhidos, porque nasceram no mesmo instante que se completava um eclipse solar. Deste modo através de um operação mutante eles adquirem poderes pra se transformarem em Imperadores Solares.

A intenção dos Gorgon era que os irmãos sem memória, lutassem até a morte e o vencedor seria proclamado o sucessor do Grande Rei dos Gorgon.

Mais o pai de Nobuhiko conseguiu salvar Issamu antes de sua lavagem cerebral ser concluída. Só que ele já tem no seu corpo a King Stone, a pedra responsável pela transformação.

Através destes poderes, Issamu diz a palavra “Henshin” podendo se transformar no Kamen Rider Black pra lutar contra os Gorgon e salvar nosso planeta de ser conquistado por essa organização maligna.

Ao longo dos episódios, o herói tenta libertar seu irmão que acaba se tornando seu maior arqui-inimigo o Imperador Secular Shadow Moon.

Sinceramente a melhor parte em acompanhar o seriado era sua temática diferente das demais que foram apresentadas. Havia um tom mais sério, melancólico e até sombrio em suas aventuras.

Issamu vivia numa lanchonete junto com sua irmã de criação Kyoko Akizuki e também com Satie Kida, namorada de Nobuhiko.

Auxiliando o herói em sua jornada tínhamos a Battle Hopper, uma moto orgânica que servia aos Imperadores Seculares. Tinha um instinto quase humano e também podia se auto-regenerar (caso sofresse algum dano grave). Infelizmente foi destruída por Shadow Moon no final da série, quando resistiu ao comando dele pra destruir Kamen Rider Black.

E a Lord Sector que havia sido projetada para os Gorgom, mas é dada à Black no episódio 12. Sector não tem os instintos de um ser vivo como sua predecessora, porém possui radar, computador e atinge a velocidade de 500 km/h.

Apesar de não possuir instintos de um ser vivo (como Battle Hopper), Lord Sector possui um radar, computador e pode atingir a velocidade média de 500 km/h.

Black possui várias técnicas de combate, mas aqueles que se destacam são: Golpe Insectus, Golpe Louva-a-Deus, Raio King Stone entre outros.

Kamen Rider Black apresentou uma temporada com 51 episódios no total.

É um seriado que irá deixar saudade em nossos corações.

Deixe um comentário

Arquivado em Heróis Nipônicos