Arquivo da tag: thanos

Wallpapers

z

Marvels Heroes

Guarde em sua coleção alguns heróis e vilões do universo da Casa de Ideias.

Na galeria abaixo temos: Capitão América, Cavaleiro da Lua, Namor, Quarteto Fantástico, Hulk, Doutor Estranho, Homem de Ferro, Deadpool entre vários outros na parte dos heróis.

E de vilões temos: Galactus, Magneto, Thanos, Caveira Vermelha, Dentes de Sabre, Doutor Destino e mais alguns.

0 1 2.1 2.2 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 cavaleiro da lua caveira-vermelha coisa Dark_Avengers darth-vader-vs-doctor-doom demolidor falcão galactus gavião arqueiro homem de ferro 1 homem de ferro Hulk 1 hulk 2 Hulk 3 hulk 4 incredible-hulk juggernaut Marvel-Vs-Capcom MODOK Motoqueiro_Fantasma os supremos 1 os supremos  punho-de-ferro quarteto-fantastico

peter-parker

spider-man 1 spider-man 2 spider-man 3 surfista-prateado

Deadpool 0 deadpool 1 Deadpool 2

thanos thanos-imperative the-avengers-silhouette-minimalistic thor ultimate-spider-man Vingadores Wolverine X-Men

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Wallpapers.

HQ

marvel-apresenta 12

O Fim do Universo

A história saiu em Marvel Apresenta edições 12 e 13 e nela temos roteiro e desenhos do consagrado artista Jim Starlin.

O vilão Thanos é quem narra a aventura e logo somos transferidos pro Egito Antigo, pois naquela época havia o reinado do faraó Akhenaton. Sua presença na Terra foi retirada dos livros de história, propositalmente, por seu sucessor (não sei se essa parte é verdade).

Akhenaton foi abduzido há séculos atrás pela Ordem Celestial e seu retorno será catastrófico. Os primeiros a perceberem que algo estranho já estava acontecendo foram Jean Grey e o Professor, mas a presença de Adam Warlock. Unido a da pequena e poderosa Atleza indicam que o perigo é na escala do nível cósmico.

Thor durante este período era o regente de Asgard, e assim possuía o poder de seu pai, a força Odin (foi ameaçado e sentiu-se impotente diante daquilo).

O roteiro se preocupa em nos guiar pro lado fantástico do assunto, pois a presença de Thor (da mitologia nódica) e Zeus da mitoligia grega.

E também Eternidade, Infinito, Lorde Caos e Lorde Ordem as personificações que representam o tempo e o espaço do Universo Marvel que estão perplexas sem saber o que fazer.

É impressionante o momento quando Zeus e Thor convocam um reunião entre as divindades da mitologia mundial. Temos Vishnu, Hórus e outros que nunca tinha lido nada sobre eles (provando que a ameaça deixou a todos preocupados).

Até o Surfista Prateado ficou atônito ao encontrar o Gladiador, que luta pelo Império Shiar, que estava bastante ferido e sua frota fora destroçada facilmente.

Enquanto o Visão alerta Reed é na mansão Xavier que o problema começa, pois tanto Jean quanto Charles tentam contato psíquico com a força invasora. A conclusão é a destruição total da mansão numa explosão monumental.

Akhenaton abduziu os líderes do mundo e notificou-os sobre seu plano real (a total submissão da humanidade ao seu poder).

Jim Starlin mostrou os heróis se reunindo em páginas duplas. Tanto os X-Men, quanto Vingadores (como na abdução dos líderes mundiais). Podemos notar que as expressões de todos sem exceção é de preocupação sobre o que estaria por vir.

Somente o Dr. Destino procurava obter alguma vantagem da iminente catástrofe. O faraó parecia ter um poder de nível incompreensível, porque era capaz de exterminar as maiores doenças que assolam o homem (o câncer e a aids).

A situação só piora quando Akhenaton surge de repente no QG dos Vingadores e mata todos junto com o Quarteto Fantástico.  Enquanto isso o Dr. Destino tenta de maneira furtiva conhecer o passado do faraó para descobrir umeio de roubar o poder que possui.

E Thanos convocou o Capitão Marvel, Genis-Vell (filho do herói original) junto com os Defensores, uma das formações de heróis mais inusitada da Casa de Ideias. Formando a última ofensiva em defesa não apenas da Terra, mas também do universo.

O roteiro tenta ser explícito quanto ao fato que o poder de Akhenaton supera qualquer um dos seres mais poderosos que conhecemos.

A intenção do artista não é apenas mostrar aquele embate entre o bem eo mal, pois vai muito além. Ilustrando a teoria de que tudo no universo está conectado seja a humanidade, um peixe no mar, um leão na floresta ou uma partícula no espaço infinito.

Notamos isso diante da onipotência de Thanos que conseguiu o poder que tanto almejava e que demonstrou a compreensão de “toda” a realidade que está ao nosso redor.

É neste momento que a HQ ganha contornos de poesia e física quântica (algo que Stephen Hawkins deve compreender melhor). O poder absoluto que Thanos absorveu foi logo combatido com a união de todos os heróis, panteão de deuses e seres cósmicos do Universo Marvel.

A conclusão como diz o título é o fim do universo da editora absorvido pela onipotência e fúria insana do vilão. E depois de destruir a tudo e a todos que temos o melhor momento da narrativa.

A conversa franca com Adam Warlock (que vive fora desta realidade) é tão impactante que ambos parecem ser reflexos distorcido um do outro.

A única coisa chata é que a arte de Jim Starlin “tentou” imitar a de George Pérez com vários personagens numa cena só. E a tentativa foi em vão, porque ficou parecendo forçada demais.

O roteiro apesar de ter balanceado mudando de direção, não conseguiu definir se era uma aventura de super-heróis ou se ia imprimir o conceito filosófico que pretendia mostrar. Outro erro foi dizer que não haveria mais mortes no universo da editora e quando acontecesse seriam definitivas, mas mesmo assim vale a pena dar uma conferida.

HQ: Marvel Apresenta: O Fim do Universo Marvel

Roteiro/desenhos: Jim Starlin

Arte-Final: Al Milgron

Editora: Panini Comics

Ano: 2004

Deixe um comentário

Arquivado em HQ.

Meu Texto

dc-vs-marvel-1

As Eternas Crises da DC – Parte 4

DC x Marvel: O Conflito do Século

Apesar de não ter importância alguma atualmente é uma crise de proporções cósmicas, mas que aconteceu nas duas editoras e que vou comentar aqui.

Na época (1997) fizeram muita divulgação sobre o acontecimento que concretizou o sonho da maioria dos fãs de gibis que uniu em crossover as duas maiores editoras do mercado americano.

Foi no gibi Lanterna Verde & Surfista Prateado: Alianças Profanas que tudo começou.

Nesta edição Parallax em busca de poder para mudar o passado viaja para o Universo Marvel atrás do vilão Ciborgue (ou Superman Ciborgue) que destruiu um planeta e encontra o Surfista Prateado.

Enquanto Thanos também viaja para o UDC utilizando Terrax (ex-arauto de Galactus) visando ludibriar o Lanterna Verde (Kyle Rainer)  buscando o poder de Oa para destruir o universo então enganam os respectivos heróis que entram num combate de proporções cósmicas colocando em riscos a ambos os universos.

Thanos e Parallax antagonizam por terem visões diferentes, porque enquanto Hal deseja remodelar o universo em contrapartida Thanos quer destruí-lo totalmente para agradar a Morte.

A história em si é muito fraca, mas deixa a semente para o crossover.  No final está a caixa reluzente que contém as fissuras dos universos.

A trama de Marvel x DC inicia com duas entidades cósmicas que representam uma o Universo DC e a outra o Universo Marvel que acreditavam serem universos distintos.

Ambos são gêmeos extradimensionais que já existiam antes do Big-Bang e de repente redescobrem a existência um do outro. E acabam decidindo que deveria existir apenas um deles.

Como não poderiam lutar devido sua igualdade de poderes que aniquilaria a ambos decidem de comum acordo escolher os mais poderosos guerreiros nos seus respectivos universos. Impondo a condição de que se não lutarem seus mundos iriam desaparecer.

E assim o universo que acumulasse mais derrotas deixaria de existir. As lutas até que são interessantes, pois tivemos Thor x Capitão Marvel (aonde o Capitão perdeu ao retornar para seu alter ego), Superman x Hulk(um confronto titânico no Grand Cânion), Batman x Capitão América (ambos se equivalem em astúcia e inteligência).

Lobo x Wolverine(sendo que Logan inexplicavelmente ganhou), Namor x Aquaman (Namor perdeu esmagado por uma baleia orca) , Thanos x Darkseid (não sei qual deles é pior), Flash x Mercúrio (aonde Mercúrio perdeu),  Superboy x Homem-Aranha (os dois falavam demais) e Mulher-Maravilha x Tempestade (a Guerreira Amazona abdicou da vantagem do poder de Thor para lutar e acabou perdendo).

A melhor parte é que os leitores puderam votar escolhendo o resultado final de alguns confrontos.

Chegou um ponto onde as batalhas ficaram equilibradas restando apenas uma para decidir o destino dos universos.

Na primeira HQ  o Cabeça de Teia estava perambulando por Nova York quando seu sentido de aranha começa a tilintar indo encontrar um mendigo com a caixa de papelão reluzente e some de repente. Indo  totalmente desnorteado parar em Gotham City justamente ao lado do Coringa (que tentava explodir um prédio).

E vemos o mesmo acontecer com o Fanático que lutava contra Gambit, Tempestade e Wolverine indo viajar para Metrópolis enfrentando o Superman (na fase cabeluda).

E assim tanto heróis quanto vilões vão sumindo e reaparecendo em universos diferentes. É interessante lembrar que o Hulk estava na fase que parecia um halterofilista com rabo de cavalo, inteligente e controlando sua raiva.

O Mercenário surge na Batcaverna pegando Robin (Tim Drake) como refém. Quando o Menino-Prodígio reaparece está no quarto de Jubileu e durante esta anomalia temporal eles emendaram um romance.

No comando da redação do Plante Diário temos J. Jonah Jameson que mandou Perry White embora e a inclusão de Peter Parker como novo fotógrafo do jornal. Até que Clark Kent numa matéria conclui que há mudanças na realidade como a conhecemos quando Aço enfrenta o Homem-Absorvente, em Washington.

Então vemos o Lanterna Verde x Duende Verde, Capitão América x Bane, Demolidor x Charada, Batman x  Venom, Capitão Marvel x Dr. Destino e Motoqueiro Fantasma x Etrigan.

Houveram também algumas parcerias entre Doutor Estranho com Starman (David Knight), Supergirl e Mulher-Hulk e Anjo com Gavião Negro.

Havia alguns combates menos importantes como Elektra x Mulher-Gato ou Surfista Prateado x Lnaterna Verde (Kyle Rayner), mas o que podemos notar mesmo é o discurso de todos os personagens.

Eles se questionam, porque lutar quando ambos os universos estão em perigo? Mesmo quando saem vitoriosos não gostam de terem vencido.

Sinceramente as edições não são tão interessantes atualmente. Talvez o único personagem relevante seja Axel Asher (Acesso) que de forma confusa  sempre se achou um zero a esquerda. De repente descobriu ser um guardião e ainda de dois universos que estavam em crise.

Amalgam_universe

A única coisa marcante de Marvel x DC que aconteceu num momento crucial da crise  foi quando os dois guardiões cósmicos (Tribunal Vivo da Marvel e Espectro da DC) se uniram formando algo novo. Surgindo desta forma o Universo Amálgama que consistia na união dos heróis de ambas as editoras.

Enquanto alguns foram bem estruturados outros nem vale a pena comentar , mas vamos lembrar dos melhores.

Tivemos Garra das Trevas (Batman com Wolverine) na edição com arte de Jim Balent e roteiro de Larry Hama. Aonde temos uma mistura de Arma X com a tragédia da morte dos pais de Bruce. Um passado descoberto por Carol Danvers (vulgo Caçadora). A parte boa foi ver Jubileu trajada de Robin (ou na verdade Pardal com shortinho e tudo).

Na aventura o grupo salva o presidente Clinton de ser assassinado pelo Hiena (mistura de Dentes de Sabre com Coringa) mais insano impossível. Garra das Trevas foi o melhor amálgama de todos que pude rever.

Super Soldado (Superman e Capitão América) com arte de Dave Gibbons e roteiro de Mark Waid & Dave Gibbons.  Aqui a história se desenvolve de maneira ligeiramente diferente, pois o foguete de Kal-El chegou a Terra com o bebê morto.

Alguns cientistas coletaram amostras de seu sangue e desenvolveram o soro que concedeu superforça ao soldado (utilizando radiação solar) que aparentemente lembra um misto de Steve Rogers com Kal-El já que não divulgaram seu nome.

Mais só que podemos notar que trata-se de  Kent, pois não há nenhuma menção ao seu primeiro nome.

O uniforme do Super Soldado é um misto de Steve Rogers com Superman. Onde “S” da insígnia forma o escudo do Superman (um dos melhores que vi).

A história foi documentada por Jimmy Olsen (que de forma óbvia tornou-se amigo do herói). Quando na Segunda Guerra houve o combate  contra Ultra-Metallo. Robô construído por Lex Luthor que foi destruído pelo Super Soldado. A consequência foi que o herói morreu (aparentemente é claro).

E foi descongelado pelo Vingadores da Justiça (uma mistura entre  a Liga e Os Vingadores) que não aprecem nesta HQ.

Depois de 50 anos  descobrimos que Jimmy Olsen foi sequestrado pela Hidra a mando de seu comandante Lex Luthor (que ficou parecendo o Caveira Vermelha só que verde), pois injetou um extrato de kriptonita em seu sangue.

A aventura acontece quando Lex tenta se vingar do Super Soldado com um novo Ultra-Robô energizado por Kriptonita marcha para a Casa Branca, mas seus planos são novamente frustrados. Esta edição mostra bastante do universo dos dois heróis sendo bem misturados.

Doutor Mistério (mistura de Doutor Estranho e Senhor Destino) com arte de José Luis Garcia-Lopez e argumento de Ron Marz.

Axel Asher está fugindo de um monstro no esgoto quando ia ser atacado reaparece num lugar diferente. E então vemos o surgimento do Doutor Mistério usando o elmo de Nabu, o olho de Agamoto e a Capa do Doutor Estranho. Seu mordomo-serviçal chama-se MYX (lembrando o anão dimensional Mxypltk).

Usando magia  MYX  convoca os agentes de seu mestre que são: Bruce Banner (Skulk), Frankie Rayner (Jade Nova) e a linda Wanda Zatara (Feiticeira Branca). Sua missão é capturar acesso, pois a questão é a própria existência de seu universo.

Só que o Doutor Mistério não revela sua verdadeira intenção utilizando de seus agentes como peões para concretizar seu objetivo. A Feiticeira Branca captura Acesso levando-o para seu mestre que deseja manter intacto o Universo Amálgama.

Mais aos fragmentos de ambos os universos não estavam mantidos no corpo do confuso rapaz. E ao final descobrimos que o Dr. Mistério era na verdade Charles Xavier.

Em Spider-boy (mistura de Spider-Man e Superboy) com arte de Mark Wieringo e Karl Kesel. Renomados cientistas como Peter Parker, Reed Richards e Victor Von Doom  trabalham para  Projeto Cadmus. Eles tentam recriar o soro do Super Soldado a mando do General Ross.

Só que o projeto é sabotado e seu maior mentor o cientista Peter Parker morre numa estranha e talvez criminosa explosão.  Spider-boy cresce sob os cuidados do General Ross que lhe ensina a velha máxima: “com grandes poderes…”

Esta história mistura elementos de ambos os heróis como o trabalho de Peter como fotógrafo no Clarim Diário e Tana Moon como jornalista.

E ainda vários personagens secundários como os Desafiadores do Fantástico (mistura de Quarteto Fantástico com Desafiadores do Desconhecido). Ou a presença de Hank Pym, Dr Octavius, Susan Storm (agente da Shield) e Ray Palmer trabalhando pro Cadmus.

Aqui Spider-boy enfrenta o Lagarto que esta crescendo graças ao raio acelerador de partículas de Hank Pym. E para detê-lo usa o projeto de estrela anã branca de Ray Palmer. Na narrativa vemos vários personagens do elenco das editoras e no final temos uma grata surpresa a Rainha-Inseto é Mary Jane que alia-se ao herói. Bom, se eu não estiver enganado a Rainha-Inseto é uma antiga inimiga da LJA.

A história é fraca servindo apenas para ver uma pistola que disparadora teias e MJ aparecendo belíssima no final.

A Mulher-Maravilha com arte e argumento de John Byrne. Era uma mistura de Diana com Ororo Munroe (Tempestade). O uniforme da personagem é misto das duas heroínas.

Ororo estava sendo ataca por uma tempestade provocada pelo deus Poseidon e se lembrou de seu medo de se afogar. Bom, na verdade  Ororo tem fobia de lugares fechados. Só que isto foi alterado.

Nesta história seu pai era um arqueólogo que encontrou a sala de tesouros de Poseidon e ao pegar o artefato atraiu uma maldição para sua vida. Quando o professor Malcom resolveu entregar a estátua ao mar de onde retirou.

Poseidon com toda sua fúria afundou o navio no mar matando os pais de Ororo e toda sua tripulação, mas a menina foi salva pela Rainha Hipólita.

E assim Ororo cresceu na Ilha de Themyscira onde conseguiu provar ser digna de se tornar a Mulher Maravilha e ao confrontar o deus do mar mostrou-lhe a insanidade de seu ato. A história não é maravilhosa, porém temos a arte de John Byrne que fala por si só.

O Universo Amálgama teve várias outras histórias mais que não foram tão boas assim.

A sequência de Marvel x DC eu achei bem melhor que esta primeira algo que “talvez” comentarei mais para frente. Vejam a  terceira parte aqui.

1 comentário

Arquivado em Meu Texto