Arquivo da tag: vixen

Cosplay Girl

z

Vixen

Infelizmente haviam poucas modelos na web vestidas como a heroína, mas as melhores estão aqui.

Na galeria abaixo veja algumas modelos cosplayers que estão prestigiando Vixen  temos também a Canário Negro (Nady Sonika), Lady Fantasma (Kristen Hughey) e Robin (Aigue Marine).

Além delas temos também outras personagens do UDC: Arisia, Artemis, Miss Marte, Mulher Gato e Banshee Prateada, divirta-se!

0 1 3 4 6 7 8 9 10 11 12

black-canary-nadya sonika

14 15 16 17 18 19 20 21 aigue-marine arisia arisia2 arisia3 artemis 1 artemis 2 artemis 3 artemis 4 artemis 5 banshee 1 banshee 2 banshee 3  catwoman 0 catwoman 1 catwoman 2 catwoman 3 catwoman 4 catwoman 5 Death 1 Death 2 dee_and_dee fire and ice harley and poison Ice 0 ice 1 Ice 2 jesse quick 1 jesse quick 2 jesse quick 3 jesse quick 4 jesse quick 5 laira-red_lantern live wire lois lane - supergirl 1 Lois Lane - Supergirl 2 Lois Lane - supergirl 3 mera mera2 phantom-lady phantom-lady-kristen hughey 1 phantom-lady-kristen hughey 2 poison ivy robin_and_poison_ivy super_woman terra

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em cosplay girl

Musas de Tinta

z

Vixen

Seu nome  é Mari (Jiwe) McCabe e por um grande espaço de tempo esteve jogada no segundo escalão da editora. Ela tem a incrível capacidade de copiar qualquer habilidade animal  e basta apenas pensar pra utilizar seu poder.

Uma lenda diz que o guerreiro Tantu, na África antiga, fez um pacto com o Deus Aranha Anansi pedindo para conjurar um totem que conferisse poderes animais pra quem o usasse protegendo os inocentes.

Na verdade Anansi, era um alienígena que fazia constantes visitas a Terra e concedia poderes a um ser humano deixando em contato com a natureza (aconteceu o mesmo com o Homem-Animal).

Diante deste poder Tantu foi o primeiro herói da África e o totem foi passado de geração á geração pra família Jiwe (virando lenda).

Mari cresceu ouvindo esta história. Seu pai era o Reverendo Richard Jiwe, um padre que descende de Tantu. Infelizmente o Reverendo foi assassinado pelo seu meio-irmão, o General Maksai, pois se recusou a entregar a peça.

Mari já havia perdido a mãe há alguns anos atrás e quando se viu sozinha decidiu ir morar nos Estados Unidos. Em Nova Iorque mudou de nome, virando uma modelo famosa e viajando pelo mundo.

Numa de suas viagens ela encontrou o totem roubando-o de seu tio e utilizou seus poderes para tornar-se Vixen.

Na mal falada Liga Detroit a premissa conta que houve uma invasão marciana e na tentativa de repelir tal acontecimento. O Satélite da Liga ficou totalmente destruído e os membros ficaram abatidos quanto ao que aconteceria no futuro da equipe.

Aquaman era o líder e decidiu que permaneceria apenas quem pudesse se dedicar em tempo integral (sem prejudicar sua identidade civil). Foi um desastre, pois vários membros saíram.

Ficando apenas: Caçador de Marte, Homem-Elástico, Zatanna. E a solução foi incluir os novatos Gládio, Vibro, Vixen e Cigana.

Seu QG era um armazém chamado de Bunker  e ficava na cidade de Detroit (dããã… que óbvio!). Este período não é bem vista pelos fãs, porque principalmente veio depois da famosa fase Satélite.

A intenção era renovar a equipe misturando heróis antigos com novos, porém não surtiu efeito. O maior erro foi que não tinha nenhum herói de peso pra chamar atenção (e milagre é que não dá pra fazer).

Essa Liga da Justiça sofreu uma catastrófica derrota feita pelo Professor Ivo, pois seus androides mataram os heróis Gládio e Vibro (durante Lendas).

Depois deste fatídico acontecimento a equipe foi dissolvida e Mari saiu da vida de heroísmo.

Vixen teve um namoro conturbado com o Tigre de Bronze (Ben Turner) quando participou da equipe do Esquadrão Suicida, mas saiu por não conseguir controlar sua agressividade animal.

A heroína ganhou relevância ao entrar numa disputa amorosa com a Mulher-Gavião pelo coração de John Stewart (a parte mais incrível é que elas se tornaram “quase” amigas).

Este fato inusitado é que chamou minha atenção, porque Shayera e Carter Hal são almas gêmeas (bom pelo menos nos gibis foi dito isso).

E sinceramente isto comprova que Liga da Justiça não é um desenho para crianças, porque foi feito para um público mais adulto (e também é claro pros fãs de carteirinha assinada dos personagens).

Na animação podemos ver política, mortes, intrigas, desavenças, muita pancadaria e relacionamentos. Tem até sexo, pois o Flash se deitou com a bruxa Tala quando trocou de cérebro com Luthor (foi uma sugestão, mas deu pra notar que ela não gostou da volta de LL).

Através do excelente trabalho de caracterização de Bruce Timm Vixen ficou extremamente linda, muito provocante e ganhou uma enorme considerável legião de fãs (eu sou um deles).

Confira na galeria abaixo algumas imagens da  Vixen

0 1 2 3 4 5 6.1 7 9 10 11 12 13 14 15 SONY DSC 17 18 19 20 21 22 23 26 27 28 29 30 31 32 33

19 jla-marcio takara

34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 bestnameever bruce timm dave hoover dc_ladies_by_andreatamme deberzer ed benes 1 ed benes 2 Garrett Blair justice-league-international Lady_Godiva liga-de-detroit-1984 MannyHernan Paran_Dul_vs_Vixen wallpaper 1 wallpaper Women_of_DC_by_AdamHughes

Deixe um comentário

Arquivado em Musas de Tinta

Herói

z

John Stewart

Surgiu como um Lanterna Verde reserva para Hal Jordan (durante os anos 70). John ganhou o posto, porque Guy Gardner – o substituto oficial – estava ferido após salvar um grupo de crianças durante um terremoto.

John foi treinado por Jordan e decidiu não usar máscara, pois não tinha nada a esconder (assumir seu papel de herói com cara limpa foi uma ideia inteligente). Sua primeira missão foi proteger um senador corrupto e racista que estava envolvido num crime forjado para incriminar ativistas negros.

John não só solucionou o crime, mas também protegeu o senador (sendo aprovado para entrar na Tropa).

Antes do envolvimento com a Mulher-Gavião (algo que nunca houve nos gibis) e com Vixen relacionamentos que aconteceram no desenho da Liga. Enquanto nos quadrinhos John foi casado com Katma Tui e se não me falha a memória ela foi assassinada pela Safira Estrela.

Na série animada podemos notar que Katma e John tiveram um affair (ela também foi  sua professora de treinamento na Tropa).

No episódio,  “A Noite mais Densa”, John é levado para o planeta Ajuris-5 para ser julgado por ter destruído o planeta Ajuris-4. A história inicia com o herói andando por seu antigo bairro, lembrando Shaft, e logo surgem os Caçadores Cósmicos (robôs que os anões azuis criaram antes da Tropa para vigiar a galáxia).

Lembrando que em Lanterna Verde: Primeiro Voo eles estavam de conluio com Kanjar Ro (um antigo vilão da LJA) numa versão similar com os quadrinhos, pois os Caçadores Cósmicos também queriam vingança contra seus antigos mestres.

A série animada da Liga trouxe John Stewart como Lanterna Verde ao invés de Hal Jordan, pra dizer a verdade até estranhei, mas depois me acostumei com sua atuação. Já estava na hora de darem uma chance pro cara, pois nunca foi o preferido entre os fãs.

Pra mim ficou bem melhor do que colocar Kyle Rayner (ele é chato pra caramba).

Não sei se alguém notou mais estão sempre arranjando uma forma de lançar um novo Lanterna Verde da Terra. O original foi Alan Scott (anos 40), depois renovaram com Hal Jordan (anos 60), John Stewart com o movimento black power (anos 70), Guy Gardner nosso querido cabeça de cuia ascendeu nos anos 80 (este já existia antes), o desenhista Kyle Rayner ganhou destaque nos 90 e recentemente temos um árabe que nem sei qual é o nome.

Voltando, com o status quo renovado, pois no inicio Stewart era apenas um arquiteto. Durante a animação seu perfil foi mudado para ex-mariner, mas com o sucesso merecido atualizaram para ex-mariner formado em arquitetura (atuando também na LJA dos gibis durante aquele período).

Confesso que John Stewart nunca havia sido um dos meus LV preferidos, pois Alan Scott, Jordan e Gardner encabeçavam minha lista, mas suas atitudes estratégicas e sua forma coerente de pensar demonstradas no desenho fizeram mudar minha opinião. Ainda mais que ficou com duas mulheres exuberantes  a linda Shayera Hall e a provocante Vixen .

Não poderia deixar de comentar que minha raiva com John começou na HQ, Odisséia Cósmica, aonde temos a destruição do planeta Xanshi devido sua arrogância ao confiar demais no anel.

Ajax chama-o de idiota mais estava certo, porém o fato reverberou por anos na vida do herói. Em Melhores do Mundo n° 11, com roteiro de Ron Marz e arte de Darryl Banks, temos a história Vingança.

Nela Fatalidade diz ser a última sobrevivente de Xanshi e como o título diz em sua vingança atacava e por consequência matava qualquer LV que encontrasse em seu caminho. Nesse período John estava numa cadeira de rodas, mas Hal o curou quando ainda se autodenominava Parallax.

Kyle Rayner segue Fatalidade indo parar num planeta distante e com seu anel descarregado  luta instintivamente por sua vida. Esta história serviu apenas para consolidar Rayner como LV e também fazer Stewart retornar pra vida.

Confira na galeria abaixo algumas imagens de John Stewart e alguns Lanternas

0 1 2 3 4 5 6 08 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 green_lantern_john_stewart_by_patokaliandy-kubert GuyGardner Hal_Jordan_and_John_Stewart_Young_Justice katma-tui kilowog_by_rennee kyle-rayner Lanternas_Verdes_por_Ethan_Van_Sciver salaak Tomar-Re wallpaper 1 wallpaper 2 wallpaper 3 wallpaper 4

Deixe um comentário

Arquivado em Herói.

Herói

 

 alex-ross

Liga da Justiça da América

A equipe mais famosa dos gibis (e querida dos fãs). Surgiu na edição The Brave and The Bold #28, em fevereiro de 1960 (no evento que ficou conhecido como a Era de Prata). Em outubro do mesmo ano a equipe ganhou um título próprio.

Por falar em Era de Prata devo justificar um erro largamente comentado por várias pessoas, pois afirmam que Barry Allen é o precursor deste momento. Mais na verdade o herói que marca o início é o Caçador de Marte, em 1955.

A LJA não teria a importância que tem hoje se não fosse o surgimento 20 anos antes da Sociedade da Justiça.  A Liga é simplesmente composta por alguns heróis da Sociedade da Justiça redefinidos para aquele período.

Então temos o Flash II (Barry Allen) – uma versão remodelada do Flash I (Joel Ciclone), o Lanterna Verde II (Hall Jordan) – uma versão científica do Lanterna Verde (Allan Scott) e Eléktron (Ray Palmer) – uma versão do herói Átomo (Al Pratt).

Uma curiosidade é que no desenho antigo dos anos 60 Eléktron era chamado de Átomo (igual ao herói original).

Os integrantes da primeira formação eram: Super-Homem (Kal-El), Batman (Bruce Wayne), Lanterna Verde (Hal Jordan), Mulher- Maravilha (Diana Prince), Aquaman (Arthur Curry), Flash (Barry Allen) e Ajax (J’onn J’onzz).

Estes são os mais emblemáticos, porém o caso mais importante foi do Super-Homem. O original chamava-se Kal-L e o renovado Kal-El. Kal-L existia na Terra 2 aonde estava a SJA e todos os heróis da Era de Ouro da editora.

E a Terra 1 com o Super-Homem da LJA e todo panteão que veio dos anos 1960 com isto deu-se início um novo momento nos quadrinhos da DC: as Terras Paralelas.

Aonde heróis consagrados habitavam outras Terras, mas existindo de forma diferente da qual conhecemos.

Foi um conceito bem explorado que acabou virando um monstro de continuidade e eclodiu na Crise nas Infinitas Terras  e por mim poderia ter parado  nesta crise, porque o que veio depois serviu apenas para confundir ainda mais a nossa cabeça.

Outra personagem que teve algumas enrolações foi a Mulher Maravilha que foi membro da SJ. Mais dizem também que a Rainha Hipólita “viajou” ao passado sendo a MM daquela época (algo bastante complexo devo dizer).

Porém nota-se em algumas HQs que foi realmente a Diana Prince original (da Terra-2). A integrante da equipe causando uma confusão de continuidade enorme na cabeça dos fãs.

Na primeira história os heróis se reúnem para combater um grupo de alienígenas. A intenção deles era fazer do planeta Terra seu campo de batalha. E então  decidirem quem reinaria em seu planeta natal. Eram alienígenas com corpos feitos de madeira, pedra, mercúrio, cristal, fogo e um pássaro amarelo.

Os heróis cada um respectivamente foram lutando contra os invasores e tiveram que se reunir numa batalha final para vencê-los definitivamente. Deste momento em diante decidiram formar uma equipe para combater qualquer perigo alienígena surgindo a Liga da Justiça da América.

Depois da Crise (nas Infinitas Terras) devido a reformulação Batman, Super-Homem e Mulher-Maravilha não participaram da formação da equipe.  No pós-Crise enquanto os melhores do mundo divergiam em suas formas de combater o crime.

A Mulher-Maravilha tinha vindo ao mundo do patriarcado somente durante Lendas (então ela não havia surgido na HQ da Liga nos anos 60).

No lugar de Diana incluíram a Canário Negro (Dinah Lance) que também foi reformulada naquele período.

Em 1998, na edição Os Melhores do Mundo # 21 temos Liga Justiça: Ano Um (que guardo com carinho em minha coleção). Com arte de Barry Kitson e argumento de Mark Waid e Bryan Augustyn.

Temos a origem da LJA sendo recontada. A parte interessante nesta renovação foi ver o início do relacionamento (difícil entre eles), mostrando uma ótica mais intimista, valorizando a personalidade de cada um. Ficamos sabendo como se formou a amizade, confiança e liderança na equipe (são edições para qualquer fã ler e apreciar).

Bom, quando comentamos sobre desenho da Liga geralmente pra nós mais velhos vem a memória os Super Amigos, mas a Filmation também mostrou uma versão.

A equipe era composta por Superman, Aquaman, Lanterna Verde, Gavião Negro e Átomo (na verdade era o Eléktron). Infelizmente não havia nenhuma presença feminina pra dar uma graça (não sei por qual motivo).

É claro que se comparada aos dias de hoje é bem fraca, mas é um clássico do gênero. Em 2008 a Warner Home Video lançou um DVD intitulado DC Superheroes: The Filmation Adventures num conjunto de 2 DVDs (contendo 18 episódios). Vale a pena e eu gostaria de ter.

Em 2001 tivemos a Liga da Justiça de Bruce Timm mostrando a melhor caracterização do grupo até a atualidade. E geralmente quando falamos da última versão animada somente BT é lembrado.

Mais também não devemos esquecer de Paul Dini o grande roteirista que ajudou a consolidar o sucesso da franquia.

A melhor parte foi o respeito pela personalidade dos heróis aonde reapresentaram origens melhores que nos gibis (caso da Poderosa e Apocalypse). A trilha sonora é bastante marcante e inesquecível (heroica mesmo).

Apesar da arte estilizada de BT, Liga da Justiça conta com roteiros enxutos que não são feitos para crianças, pois infelizmente aqui no Brasil. Todo e qualquer desenho é rotulado como “infantil” (sinceramente eu não consigo entender isto).

Outro fato interessante foi mostrar vários personagens do UDC (alguns conhecidos e outros que estavam no limbo). Algo que foi posteriormente reaproveitado em Batman: Os Bravos e Destemidos.

Fora alguns episódios memoráveis a melhor coisa na animação foi o respeito na forma como representou a equipe. Liga da Justiça é um prato cheio para os fãs de longa data e uma chance pros novatos conhecerem melhor nossos super-heróis.

A equipe já teve inúmeras formações e uma de suas fases mais conceituadas foi de 1970 (uma época querida pelos fãs mais antigos conhecida como “fase Satélite”).

Período em que Super-Homem agia como seu porta-voz e Batman o estrategista de campo. A equipe lutava contra invasões alienígenas, magos superpoderosos e fez viagens interdimensionais através do Multiverso.

Outro fato marcante eram as constantes discussões entre  Arqueiro Verde e Gavião Negro e as constantes reclamações de Nuclear quando ia fazer plantão no monitor.

Depois desta época áurea a equipe amargou baixas vendas com a “Liga Detroit” nos anos 80 (período pré-Crise). Composta por Ajax, Homem-Elástico (Ralph  Dibny), Zatanna, Gládio (Henry Hank Heywood III), Vibro (Paco Ramone), Vixen (Mari Jiwe Macabe), e Cigana (Cindy Reynolds).

A equipe não fez o devido sucesso que a versão anterior e terminou sendo derrotada e em Lendas pelo vilão Enxofre (seu término marcou a ascensão da Liga Cômica). Numa excelente fase (no pós-Crise) comandada por Keith Giffen , Kevin Maguire e J. M. DeMatteis.

O foco da narrativa era o relacionamento dos heróis (deixando de lado os supervilões ou investigações de crimes) e a inovação foi pegar a maioria dos heróis ditos assim de segundo escalão.

Bom, a parte mais engraçada era ver Gladiador Dourado e Besouro Azul zoando tudo. Eles brilharam constantemente formando uma dupla impagável. Acentuaram a personalidade do “cabeça de cuia” Guy Gardner (alguém que todos “adoravam” odiar).

Foi marcante o momento em que Batman nocauteou Guy com “apenas um soco” (fato que foi muito comentado pelo resto do grupo). E quando ele recebeu uma pancada na cabeça abitolou de vez virando “frufru”.

Billy Batson não tinha um comportamento adulto quando se transformava em Capitão Marvel (recebendo o apelido carinhoso de “Capitão Fraldinha”).

A equipe era formada por diversos heróis: Batman, Capitão Marvel, Besouro Azul, Gladiador Dourado, Canário Negro, Ajax, Doutora Luz, Guy Gardner, Senhor Milagre, Oberon e Senhor Destino.

Mais ao longo das publicações tivemos Soviete Supremo, Fogo, Gelo, Capitão Átomo entre outros. Quando a equipe foi comandada por Maxwell Lord  (seu porta-voz) a equipe começou a trabalhar para ONU tendo sedes em vários países (embaixadas).

A mais divertida era Liga Antártida com membros que ninguém queria por perto. Como o impagável Lanterna Verde G’nort (seu jeito ingênuo lembrava demais o Pateta). Uma das melhores épocas da equipe.

Quando terminou este sucesso (em 1997) tivemos um outro recomeço da equipe com o gibi “Os Melhores do Mundo”. Logo os heróis Superman, Batman, Mulher-Maravilha, Lanterna Verde (Kyle Rayner), Aquaman e Flash (Wally West) tornaram-se os sete magníficos.

Desta vez Grant Morrison trazia roteiros que brincavam com a nossa imaginação (aliado ao estilo diferente de Howard Potter).  Os heróis estavam na Torre de Vigilância na Lua lembrando a fase de 1970. Esta época ficou marcada pelo contexto clássico com algo diferente.

A inclusão de Kyle Rayner (um Lanterna Verde inexperiente que queria demonstrar seu valor),  Wally West (consolidando seu posto de Flash) ou mostrando uma guerra contra o céu (inclusão do anjo Zauriel) e o enigmático Aztek (Curt Falconer).

Ou ainda outros personagens como Grande Barda, Scott Free (Senhor Milagre), o irascível Orion, Oráculo (Barbara Gordon), Connor Hawke (Arqueiro Verde II), Caçadora (Helena Bertinelli) que fora expulsa da Liga (algo aproveitado na animação),  o inteligente Aço (John Henry Irons) e o engraçadíssimo Homem-Borracha (El O’Brien).

Na  quinta  temporada de Smallville tivemos uma formação juvenil da Liga ( que foi bastante comentada) na época.

A equipe era composta por Impulso (Kyle Garner), a versão adolescente do velocista Flash (nos gibis). Aquaman (Alan Ritchson), Ciborgue (Lee Thompson Young) e Arqueiro Verde (Justin Hartley).

A LJA tem diversos outros arcos importantes de histórias e assim que puder estarei comentando alguns.

Confira na galeria abaixo imagens da Liga da Justiça

0.1 0 1 3 4 5 7 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 alex ross 0 alex ross 1 alex ross 2 alex ross 3 alex ross 4 alex ross 5 billy tucci caio cacau dick-giodano Douglas-Shuler jerry ordway jla 1 JLA Unlimited jla jla_year_one jla-1984 jla-filmation jlnfs_cv1_solicit joe jusko justice-league-international kit_kit_kit Legacies michael turner 1 michael turner 2 Phantom-Stranger Super_DC_1976_Calendar_-_Justice_League_of_America_July super_friends_by_vontoten wallpaper 1 wallpaper 3 wallpaper by ed benes wallpaper-by-dave bullock wallpaper-firestorm wallpaper-jim-lee wallpaper-super friend by phill noto yale stewart 0 yale stewart 1 yale stewart 2 yalestewart 3

Deixe um comentário

Arquivado em Herói.