Arquivo do mês: agosto 2018

Musas de Tinta

Lola Bunny

Surgiu para ser apenas um interesse amoroso do Pernalonga no filme Space Jam: O Jogo do Século que mistura de forma excelente live-action com animação (1996).

Mais desde que surgiu no filme que citei ganhou ao longo dos anos milhares de fãs ao redor do mundo.

Lola Bunny é uma mulher do tipo femme fatale, pois é sedutora, sexy e independente. Mais além disso tudo também demonstra ser inteligente, autoconfiante e uma exímia jogadora de basquete.

Em 2001, Lola reapareceu na série animada Baby Looney Tunes que mostra os personagens em versões infantis. Feita justamente para esse público havia diversas lições de como se comportar e agir.

A única adulta é a Vovó que amorosamente cuida de todos demonstrando sabedoria para lhe dar com as coisas que as crianças aprontam. Seu sobrinho, Floyd ajuda na responsabilidade de cuidar dos bebês.

Só pra constar, no desenho Lunáticos á Solta (Loonatics Unleashed, 2005) misturando ação e comédia num estilo anime temos versões dos Looney Tunes apresentados como se fossem seus descendentes.

Na trama, estamos em 2772 e um meteoro atingiu o planeta-cidade de Ametrópolis. Porém ao invés de destruí-lo tornou-se uma fonte de super-poderes.

Então, a misteriosa Zadavia convoca e supervisiona seis indivíduos formando uma equipe de super-heróis.

O grupo é composto por: Ace Bunny, Lexi Bunny, Danger Duck, Rev Runner, Tech E. Coyote e Slam Tasmanian.

Ace é descendente do Pernalonga, Lexi da Lola, Danger do Patolino, Rev do Papa-Léguas, Tech do Wile E. Coyote e Slam do Taz.

Mesmo sendo boa a série animada não durou muito, pois só teve uma temporada com esparsos 13 episódios.

Continuando, infelizmente a versão da Lola mostrada no Show dos Looney Tunes é bem diferente da primeira (que aprendemos a gostar).

Eu sinceramente não gosto desta versão dela, porque desta vez Lola está bem desequilibrada, fala demais, não consegue se decidir por algo muito simples e persegue o Pernalonga como se fosse uma doida varrida.

Mesmo com tudo contra o Pernalonga gosta dela e até já se apresentou como namorado.

Veremos se na próxima vez que adaptarem a personagem mostrem a Lola como na versão dos anos 90 (que estava infinitamente melhor).

Minerva Mink

É uma das musas que fazia parte do segmento apresentado em Animaniacs.

Minerva Mink é possuidora de uma beleza encantadora e sensualidade exacerbada que deixa em parafuso todos os homens ao seu redor.

Minerva é uma mulher decidida, extremamente vaidosa, adora moda, obcecada por beleza (e gosta de judiar dos homens que se dizem apaixonados por ela).

Sua aparições causam um verdadeiro alvoroço na cabeça dos homens (deixando-os babando ao vê-la), mas a parte engraçada é quando surge algum bonitão, porque Minerva age da mesma maneira besta dos homens.

Apesar de ser extremamente demais, Minerva não está satisfeita com sua vida e deseja apenas ter uma companhia.

Apesar de sua enorme popularidade (protagonizando apenas dois episódios), Minerva foi retirada do desenho pelos produtores que achavam-na muito sexy para ser apresentada para crianças.

Não adiantou nada, pois a quantidade de fan page dedicadas a personagem não são poucas.

Outra personagem de bastante sucesso em Animaniacs foi a Enfermeira (Hello Nurse) que trabalha no estúdio (o fato interessante é que a personagem não tem nome).

Sendo geralmente chamada de forma entusiasmada por Yakko e Wakko quando surge de: “Olááá Enfermeiraaaa!!!” pulando em seus braços (Dot faz o mesmo quando um homem atraente entra em cena).

A Enfermeira lamenta que seja respeitada só por sua beleza e não por sua inteligência, pois no episódio “Desejo de Wakko” vemos que ela tem QI de 192.

Contemple nesta postagem além da musas citas acima outra personagens de desenhos animados.

Na galeria abaixo você irá encontrar: Bettie Boop, Princesa Jujuba, Princesa de Fogo, Ramona Flowers, Geninha, Tina Russo, Jessie de Toy Story, Agente Honeydew entre diversas outras

Deixe um comentário

Arquivado em Musas de Tinta

Super Séries

Agente 86

Sinceramente é um dos seriados mais engraçados que já surgiram em nossa telinha.

Agente 86 (Get Smart, no original) surgiu em 1965 e foi criada por Mel Brooks, Leonard Stern e Dan Melnick.

Dizem as lendas que os criadores deram o projeto inicial pra Rede ABC banca-lo, mas a empresa achou que a série não vingaria. No auge da Guerra Fria o enredo destacava um ataque terrorista na Estátua da Libertade e vetaram o projeto.

Felizmente, Dan e sua turma não desisitiram da idéia e levaram adiante pra outra emissora a Rede NBC que mesmo diante de algo perigoso pra época decidiram dar seu aval pro primeiro epísódio de Agente 86.

A série mostrava as aventuras de Maxwell Smart (Don Adams), um agente secreto que trabalhava pra organização C.ON.T.R.O.L.E.

Suas missões envolviam combater a organização criminosa K.A.O.S. que durante um período foi comandada pelo vilão Siegfried (Bernie Kopell), um agente nazista com sotaque alemão.

O seriado havia sido inspirado no famoso agente secreto James Bond, pois Max tinha diversos gadgets ajudando-o no combate ao crime. O melhor exemplo é o sapato-fone que usava.

A graça do seriado é que Max era atrapalhado, falador, ingênuo, burro e desastrado pra caçamba. Porém para ajudá-lo tínhamos a Agente 99 (Barbara Feldon) que geralmente solucionava a grande maioria dos problemas.

Haviam diversos coadjuvantes como Chefe (Edward Platt) líder da organização que sempre ficava doido com Max, Agente 13 (Dave Ketchum), um mestre dos disfarces inusitados, Agente Larabee (Robert Karvelas) que consegue a grande façanha de ser mais burro que Max.

Ainda temos a Doutora Steel (Ellen Weston), uma intelingentíssima perita em química que agia disfarçada de dançarina, Agente Canino, um cão e Hyme, um robô que foi criado pela K.A.O.S., mas ao se afeiçoar por Max mudou de organização.

Ao longo dos anos a série já foi exibida por algumas emissoras entre as quais cito: Rede Record, Band e atualmente vem sendo reprsiada pela Rede Brasil.

Agente 86 teve 5 temporadas, exibindo um total de 138 episódios e terminando em 1970.

No auge de seu sucesso em 1966, a empresa Dell Comics lançou Get Smart na capa Don Adams e Barbara Feldon surgiam como seus personagens. A arte da revista foi feita pelo hoje consagrado Steve Ditko reconhecido como cocriador do nosso querido Homem-Aranha.

Mas a revista durou somente 8 edições terminando de serem publicadas em 1967.

Continuando, no início dos anos 80 tivemos o filme A Bomba que Desnuda (The Nude Bomb) que traz o retorno de nosso querido e atrapalhado herói.

Desta vez, Max é convocado a retornar, pois seus superiores precisam de seu auxílio para deter a KAOS. O problema é que a organização maligna chantageia o mundo com uma bomba que irá desintegrar todos os tecidos do mundo (deixando as pessoas sem roupa nenhuma).

Smart é apresentado pelo Chefe (Dana Elcar) a uma força-tarefa que inclui seu antigo camarada Larrabee (Robert Karvelas), a eficiente Agente 22 (Andrea Howard), o inventor Carruthers, a sensual Agente 36 (Pamela Hensley) e a dupla de gênios da tecnologia, Pam e Jerry Krovney.

O Agente 13 (Joey Forman), mestre em se disfarçar de lugares inusitados como armários e compartimentos também se junta à equipe por insistência de Smart. A KAOS segue todos os passos de Smart e ele desconfia que algum membro de sua equipe seja um agente duplo.

Infelizmente, o filme não foi um grande sucesso de bilheteria, mas lembro que na época achei divertido. A grande diferença é que mudaram o nome da agência de espionagem que era CONTROLE e virou PITS – Provisional Intelligence Tactical Service.

Agente 86, De Novo? (Get Smart, Again?), é um filme feito direto pra telinha que marca o retorno de Don Adams e Barbara Feldon como seus personagens no antigo seriado, que foi lançado em 1989.

A dupla de agentes veteranos que nesta versão estão casados se une novamente em campo pra deter a KAOS. O problema a ser detido desta vez é uma máquina meteorológica que pode causar alterações terríveis se for usada.

Pra piorar a organização maligna ainda exige a exorbitante quantia de 250 bilhões de dólares, pois caso essa quantia não seja paga vão usar a tal máquina.

Não há nada de nvo nesta versão, pois o tipo de situação que vemos neste filme é o mesmo que havia no antigo seriado.

Por causa do relativo sucesso que o filme anterior havia obtido em 1995, Agente 86 foi novamente pra telinha.

E desta vez Max (Don Adams) é o chefe da CONTROLE enquanto a Agente 99 (Barbara Feldon) era uma congressista política.

O filho deles Zack (Andy Dick) torna-se agente agindo na companhia da Agente 66 (Elaine Hendrix). A intenção era deter que a KAOS contola-se a economia mundial e junto com a dupla tínhamos Trudy (Heather Morgan) uma espiã que se acidentava muito e o Agente 0, um mestre dos disfarces.

Infelizmente essa versão não conseguiu agradar ao público americano tendo somente 7 episódios apresentados numa curtíssima duração na TV.

Alguns anos depois, em 2008 foi lançado Agente 86: O Filme (Get Smart) que teve como protagonista Steve Carell e Anne Hathaway interpretando respectivamente Maxwell Smart e Agente 99.

Na trama, houve um ataque á sede da CONTROLE e a identidade secreta de praticamente todos os seus agentes foi comprometida. Por causa disso e a contragosto Chefe (Alan Arkin) resolve promover Max, um analista de inteligência para agente de campo.

Em seu auxílio envia a única que não teve sua identidade descoberta a Agente 99 ambos competem bastante, porém Max com seu jeito ingênuo e atrapalhado consegue impedir a KAOS.

Steve Carell está perfeito como Maxwell Smart seja na forma de agir e até no jeito de falar.

Podemos notar também a participação de atores famosos como Bill Murray que vive o Agente 13 com suas aparições inusitadas, Dwayne “The Rock” Johnson o Agente 23, um fortão que Max idolatra.

 Terry Crews interpreta o Agente 91, mas sempre será lembrado como o pai do Chris, Alan Arkin que interpeta o Chefe, Terence Stamp, eterno vilão Zod que interpreta Sigfried, líder da KAOS e Masi Oka que faz o cientista Bruce lembrando que o ator surgiu ao estrelato como Hiro Nakamura, na série Heroes.

Só pra consar, gostei demais da interpetação de The Great Khali como o vilão Dalip que rendeu momentos desconcertantes de tão hilários.

É a melhor versão feita com o personagem, porque reaproveitam diversas situações que nos conectam ao seriado antigo. Desde a música tema original até algumas falas e piadas.

Além de ser um filme de comédia, Agente 86 demonstra um roteiro ágil, divertido que não brinca com nossa inteligência e ainda empolga pelas várias cenas de ação e pancadaria mostradas durante sua exibição.

Só pra fechar, o filme teve um spin-off Agente 86: Bruce e Lloyd Fora de Controle (Get Smart’s Bruce and Lloyd: Out of Control), um filme também lançado em 2008.

Sua trama acontece quase que ao mesmo tempo da versão de Steve Carell, pois enquanto Max e Agente 99 estavam numa missão na Rússia.

Bruce (Masi Oka) e Lloyd (Nate Torence) estavam realizando experimentos secretos pra um novo equipamento chamado de “manto de invisibilidade”.

Durante a festa realizada na CONTROLE (que foi mostrada no outro filme) esse manto havia sumido. Então, através das câmeras de vigilância descobriram que a espiã Isabelle (Marika Dominczyk) havia roubado o tal manto.

Bruce e Lloyd precisam viajar até ao Maraguai, um país fictício localizado entre o Paraguai e o Uruguai, pois seu presidente foi o mandante do crime.

Durante essa missão a dupla recebe ajuda de Nina (Jayma Mays), uma médica perita em autópsias já que 86 e 99 não estavam disponíveis.

Espero que tenham gostado.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Super Séries