Arquivo da categoria: Falando Sobre

Falando Sobre

monstro do pântano-1982

Os Piores Filmes de HQ – Segunda Parte

Seria bom se pudéssemos esquecer todas as adaptações ruins que já assistimos, mas é justamente devido aos erros cometidos nelas que podemos nos alegrar com que vemos nas atuais.

Mesmo que não consigam agradar a gregos e troianos concluo que hoje em dia seja pelo menos no aspecto visual e “alguns” no roteiro que estamos podendo curtir a melhor  abordagem feita com nossos heróis.

O recente Superman: O Homem de Aço é uma prova disto, pois conseguiu mostrar a mitologia do herói num mundo crível e foi o melhor trabalho feito para ressuscitar o Azulão (bom, chega de enrolação e vamos lá).

1

O Monstro do Pântano – 1982         

Este é um herói com uma história trágica bem ao estilo da Casa de Ideias. O Monstro do Pântano teve seu auge com a entrada de Alan Moore para escrever seus roteiros trazendo boas histórias com muitas mensagens filosóficas que marcaram e redefiniram a mitologia do personagem.

O filme foi dirigido por ninguém menos que Wes Craven, o grande mestre do terror. E foi uma porcaria terrível que tornou-se cult anos depois. Mas se prestarmos atenção todo filme que Craven dirige é ruim de dar dó. Somente as adaptações de seus livros dirigidos por outros diretores valem a pena conferir.

Alice Cable é uma pesquisadora que vai aos Pântanos da Louisiana para ajudar o cientista Alec Holland (Ray Wise) na fórmula biorrestauradora e descobrem que funciona. Só que neste meio tempo o vilão Dr. Anton Arcane junto a seus capangas invadem o laboratório para roubar a fórmula.

Fugindo com a fórmula Alec a vê explodir em suas mãos e desesperado corre para o Pântano.  Neste longa temos a adaptação clássica e fiel dos gibis aonde Alec Holland  foi transformado num monstro composto por material vegetal depois que uma explosão em seu laboratório derrubou alguns produtos químicos nele.

Voltando, a tramoia foi planejada por Damien Ridge, um colega de trabalho que queria mata-lo para ficar com sua esposa. Só que Alec  volta pra se vingar e proteger sua amada.

O roteiro segue na risca o que acontece nas HQs, mas os efeitos especiais são ruins de dar dor de barriga. E pra piorar o Monstro do Pântano parece uma versão de borracha imitando o seriado do Hulk, horrível!

punisher-1989

O Justiceiro – 1989

Dolph Lundgren é um ator de filmes de ação que conseguiu voltar ao auge trabalhando em Os Mercenários que teve a façanha de trazer para as telonas os antigos atores dos anos 80 dos filmes brucutu que tanto adoramos, principalmente, Chuck Norris, o eterno Braddock.

Lundgren estrelou em Os Mestres do Universo que trouxe o poderoso herói He-Man, o defensor de Etérnia para as telonas. Tivemos uma visão totalmente hilária do Esqueleto que não chegou a assustar ninguém, pois parecia demais com a versão animada. Lembro que na época a vilã Maligna esta sim estava interessante e me assustou muito mais que o vilão principal.

Infelizmente Dolph ainda protagonizou O Justiceiro que por si só é um filme que divide opiniões. Além da origem clássica sendo representada na morte da família por outro lado também é motivo de reclamação a ausência da caveira estilizada na roupa do anti-herói.

Sua falta de sucesso veio perante a dois motivos: um foi  definitivamente a repercussão do Batman, de Tim Burton (divisor de águas no modo como se adaptava filmes). E o segundo a excelente fase que o personagem tinha neste período nos gibis (desenhado por Frank Miller).

Na história Frank Castle era mais conhecido como, The Punisher, um vigilante procurado pela polícia, pois já havia matado muitos malfeitores. Quem estava no seu rastro era o detetive Jake Berkowitz (interpretado pelo sumido Louis Gossett Jr.) que vivia num misto de admiração e repulsa pelo que Castle estava fazendo.

O anti-herói se escondia nos esgotos numa guerra solitária contra o crime organizado. Algo totalmente diferente de sua versão nos gibis que usava um furgão equipado de armamentos com o auxilio do Microchip, um hacker que lhe fornecia tudo que precisava.

Voltando, a premissa básica estava toda lá, mas a adaptação contava com um baixo orçamento e Dolph Lundgren nunca teve boa fama como ator. Deixando isso de lado o filme tem várias cenas de ação ao estilo que tínhamos na época.

E se você estiver a fim de deixar seus neurônios descansarem e querendo se divertir um pouco. O filme vale a pena ser visto apenas para poder falar mal depois.

 Elektra-2005

Elektra – 2005

A excelente interpretação de Jennifer Garner no filme do Demolidor rendeu-lhe um longa somente para ela brilhar, mas infelizmente vemos uma péssima adaptação mamão com açúcar.

A atriz já vinha fazendo sucesso por sua brilhante atuação na série de espionagem Aliás – Codinome Perigo, em que interpretava a agente Sydney Bristow.

Na adaptação Elektra não entende porque voltou da morte ficando obcecada por seu renascimento. Após ser treinada na arte do ninjutsu sente-se tomada pela fúria na morte de seus pais.

Então ela foi incumbida da missão de assassinar Mark e Abby Miller que são respectivamente pai e filha (que estavam fugindo do Tentáculo). Porém houve uma mudança repentina durante a tentativa de assassinato e Elektra é forçada a tomar uma importante decisão (que pode salvar ou destruir sua alma).

Elektra descobre que estava agindo pro Tentáculo e resolve proteger a família.

Bom, o filme é horrível e da pior espécie não tendo nada do clima violento característico das HQs. A trama parte pro sobrenatural e a heroína resolve ficar “meiga e simpática” de repente, blarg!

A única coisa de diferente é a participação de Terence Stamp, o eterno General Zod (dos anos 80). Fazendo o papel de Stick, o velhinho que ensina ao Matt a desenvolver seus poderes nos quadrinhos e neste longa é o sensei de Elektra.

Mesmo com a presença de Jennifer Garner no filme recomendo a não ve-lo de maneira alguma, pois é pura perda de tempo (chega a ser muito pior do que Demolidor).

 aço-1997

Aço – 1997

O jogador de basquete Shaquile O’ neal protagoniza esta produção spin-off da franquia do Superman (em nenhum momento o kriptoniano é citado no longa).

Nos gibis John Henry Irons foi salvo pelo Super-Homem quando trabalhava em um prédio que estava em obras. E após sua morte nos anos 90 decidiu adotar uma armadura para combater o crime na ausência do protetor de Metrópolis.

Na verdade naquela época e se não me engano no gibi o Retorno do Super-Homem surgiram quatro heróis que usavam o símbolo do kriptoniano.

Três deles afirmaram pra Lois que eram o Azulão reencarnado: Superboy (um clone), o Superciborgue (um astronauta que virou vilão) e o Super de visor (que era o artefato kriptoniano que assumiu forma humana).

Lembro que Aço nunca afirmou ser o herói que retornou, pois sua intenção era só homenagear o homem que salvou sua vida.

No filme Irons desenvolveu pro governo americano um sofisticado armamento que podia neutralizar o inimigo sem mata-lo. Só que um acidente no momento em que a arma foi testada deixa paralítica sua colega Susan Sparks (Annabeth Gish). Ela ficou tipo a Oráculo pro universo do Morcegão.

Irons deixou de trabalhar pro governo após o fatídico acontecimento. Só que não foi culpa sua, pois Nathaniel Burke (Judd Nelson) sabotou o experimento.

Algum tempo depois Irons presencia um assalto a banco cuja a gangue utiliza seu armamento modificado. E devido a isso une-se a Sparks para criar seu traje de armadura e martelo para combater o crime.

Bom, naquela época (anos 90) Shaquille estava fazendo um sucesso tremendo e aparecia como cantor de rap e ator como podemos notar em: Blue Chips com Nick Nolte, Kaazam (no qual interpreta um gênio) e este filme.

Na verdade o jogador tem um carisma incontestável, porém as adaptações de quadrinhos ainda não tinham amadurecido o bastante (e o resultado que vemos na tela é muito decepcionante).

Sinceramente pode esquecer esta adaptação, pois se quiser assistir algo decente do Aço procure no desenho Superman: A Série Animada na qual  a origem do herói ficou bem melhor.

Por último devo lembrar que a atriz Annabeth Gish trabalhou em Arquivo X como a agente especial Monica Reyes (entrando na oitava temporada e ficando até o final).

liga_extraordinária-2003

A Liga Extraordinária – 2003

Antes da adaptação cinematográfica os personagens mais famosos da literatura universal e principalmente do século XIX foram reunidos nos quadrinhos com roteiro de Alan Moore e arte de Kevin O’neill.

Sob a ótica de Moore os personagens são agentes secretos que tentam manter a paz na Inglaterra vitoriana (e nós temos o prazer de ler suas aventuras). É claro que foi um sucesso absoluto de vendas, pois aonde Alan Moore põe a cabeça pra pensar torna-se um marco na história da nona arte.

Bom, no filme estamos em 1899 e soldados alemães atacam o Banco Nacional da  Inglaterra roubando os mapas de Veneza feitos por Leonardo Da Vinci. Então pouco tempo depois soldados ingleses sequestram os melhores cientistas da Alemanha.

A situação se complica, pois os governantes de ambos os países negam que fizeram os ataques (e a tensão entre eles pode gerar a Primeira Guerra Mundial).

Para impedir que isso aconteça M. (Richard Roxburg), o diretor de uma agência secreta criada pelo governo decide reconvocar a Liga Extraordinária.  Uma equipe que reúne indivíduos com habilidades especiais que é formada em tempos de necessidade para salvar o mundo.

Então temos o caçador Allan Quatermain (Sean Connery), a vampira Mina Parker (Peta Wilson), o homem invisível Rodney Skinner (Tony Curan), o cientista com personalidade dupla Dr. Jekyll/Mr. Hide (Jason Flemyng), o imortal Dorian Gray (Stuart Townsend), Capitão Nemo (Naseeruddin Shah) e agente americano Tom Sawyer (Shane West).

O vilão da vez é O Fantasma, um gênio do crime que deseja conquistar o mundo (algo bem clichê), pois ele vendeu armas avançadas para ambos os lados simplesmente para fomentar a guerra e ficar rico no processo (mesmo que milhões de pessoas morram por causa disso). Então a missão da Liga Extraordinária é detê-lo.

Infelizmente  Sean Conery ficou parecendo um James Bond da terceira idade e pra piorar Mr. Hide  tornou-se também uma versão do Hulk quando transformado e o vilão Fantasma é ridículo, pois não consegue ser convincente.

Algo que me inquietou bastante foi o imortal Dorian Grey, pois se não fizessem nada com seu retrato seu rosto mantinha-se intacto.

O visual do filme é extraordinário (piadinha besta) lembrando o quadrinho, mas o roteiro ficou ao estilo Sessão da Tarde fraquíssimo. Na época disseram que a intromissão de Sean Connery no trabalho do diretor fez o filme naufragar (talvez fosse isso que tenha acontecido).

Dá pra assistir apenas uma vez para sabermos tudo o que não deve ser feito quando se trabalha numa adaptação com tantos personagens envolvidos na trama. Bom, logo estarei trazendo a terceira parte (comentem sobre o que vocês acharam).

Relembre aqui a primeira parte.

Deixe um comentário

Arquivado em Falando Sobre

Falando Sobre

spawn

Os Piores Filmes de HQ – Primeira Parte

Desde que Brian Singer adaptou com exatidão e sucesso Os X-Men para as telonas vivemos sob uma nova onda de filmes de quadrinhos. Seu novo apogeu se deu com Os Vingadores, Batman: O Cavaleiro da Trevas Ressurge e O Espetacular Homem-Aranha, pois suas bilheterias são uma prova incontestável disso.

Vingadores se iguala ao Superman, de Chris Reeve  por traduzir fielmente o colorido das HQs pras telas de cinema, pois agora as adaptações ganharam notoriedade e credibilidade. Tudo começou em 1978 quando Richard Donner fez um excelente trabalho com o kriptoniano. A partir deste filme os produtores tiveram um olhar diferente para os seres de capa, collant e cueca por sobre as calças.

Donner consegue nos fazer acreditar que um homem pode realmente voar e dali em diante houveram várias outras adaptações umas pouquíssimas boas e várias outras ruins.

Todo mundo fala sempre dos melhores filmes de quadrinhos que já assistiram, até mesmo eu já citei alguns, mas que tal lembrar dos piores? Não vou falar de todos mais apenas os quais me lembro. Então vamos a eles?

violator

Spawn – 1997

Quando fui assistir no cinema haviam somente 6 pessoas na sala de exibição contando comigo e o personagem estava no auge nos EUA. O longa contava com os efeitos especiais da Industrial Light and Magic tornando o visual espetacular e só.

Na HQ, Al Simmons é um agente da organização governamental A-6, que dedica sua vida á  bela namorada Wanda Blake e deseja ter ao lado dela um estilo de vida mais pacato. Na sua última missão, ele é traído e assassinado pelo líder da agência, Jason Wynn.

Mas Simmons, desejando estar de novo com Wanda, fez um pacto com o demônio Malebólgia e volta pra Terra cinco anos depois, sem saber que foi destacado pra liderar o exercito do Inferno com os poderes de Spawn.

Bom, pelo menos no período em que foi adaptado os efeitos especiais são de primeira, isto é inegável, Martin Sheen é o único ator de renome e representa bem o vilão Jason Wynn.  A perversa e bonita agente Priest (Melinda Clark) não existia nos quadrinhos sendo ela quem mata Al Simmons.

O único personagem que gostei foi Cogliostro (Nicol Williamson) um mendingo misterioso que ajuda Spawn a descobrir o que aconteceu a ele ensinando-o a usar seus poderes.

Suponho que Cogliostro (que nos quadrinhos parece ser imortal) já tenha sido um Spawn e conseguiu fugir desta sina. Só não sei como e quando, pois eu lia as revistas e nunca vi nada relevante sobre tal assunto.

Nos gibis,  Al é atormentado pelas memórias de sua antiga vida, mas precisa aprender a sobreviver sob sua condição atual. Acaba sendo acolhido pelos mendigos que nem ligam pro seu rosto deformado e protegendo-os por se tornar mais um dos excluídos.

Além do Spawn eu gostava bastante dos detetives Sam e Twitch que mais pareciam uma versão do Gordo e o Magro (Stan Laurel e Oliver Hardy). Sinceramente o filme é uma bomba e foi mal na bilheteria, porque simplesmente é uma perda de tempo assisti-lo.

Apesar de vermos as características do Spawn o roteiro é muito fraco e os efeitos especiais mesmo sendo legais não conseguiram segurar tanto assim nossa atenção e temos péssimos atores interpretando. Se você quiser ver é por sua conta e risco depois não diga que eu não te avisei.

demolidor

Demolidor – O Homem Sem Medo – 2003

Ben Affleck já foi muito criticado em Hollywood, mas conseguiu levar a estatueta do Oscar, 2013 com o filme Argo. E recentemente houve um boato sobre um filme da Liga da Justiça sendo dirigido por ele. Sinceramente ainda bem que não rolou, pois eu acho que seria um fiasco absoluto.

Não pela direção dele, mas porque a DC está querendo fazer a adaptação correndo sem preparar nada de consistente para vermos. Bom, mas vamos falar de um deslize que todo ator têm em sua carreira e o de Ben Affleck é Demolidor.

Condensando 40 anos de história do herói cego numa tacada só somos apresentados a trajetória trágica grega de Matt Murdock. Um menino que perdeu seu pai numa luta forjada e que também perdeu a visão ao ter material radioativo banhado em seu rosto.

Matt Murdock ficou sem sua visão, mas seus outros sentidos foram ampliados a níveis fora do comum. Apesar de ser muito querido pelos fãs de quadrinhos em geral o Demolidor nunca foi um herói top da Marvel, mas atingiu um certo auge durante a clássica Queda de Murdock e só.

Recentemente na web esteve rolando a notícia do gibi a Morte do Demolidor. Bom, já foram tantos heróis que já morreram e voltaram que eu detesto este assunto. A morte nos quadrinhos tornou-se algo corriqueiro e um grande caça níqueis.

Voltando, todo mundo chiou ao saber que Ben Affleck iria interpretar o personagem, pois sua má fama de canastrão e inexpressivo o precedia. Mais pra mim vi uma boa apresentação de Matt Murdock sendo muito bem caracterizado.

O universo do herói cego estava todo ali, mas o roteiro pecou pelo excesso. Aliás Jennifer Garner estava realmente linda como Elektra seu maior e melhor par romântico das HQs. E eu adoro a cena em que Matt “vê” o rosto de sua amada na chuva é muito poética.

A parte ruim é aquela câmara de imersão que Matt usa para dormir e ter dois vilões no seu pé o infame Mercenário (Collin Farel) e o desprezível Rei do Crime que ficou ótimo vivido pelo saudoso ator Michael Clark Duncan.

O fato é que Matt no mesmo filme conhece Elektra e a perde sendo morta pelo Mercenário numa cena igual das HQs, pois poderiam ter feito isso num segundo ou terceiro longa. É um bom filme do Demolidor com belas cenas de ação principalmente no final quando vemos o herói pulando por entre os prédios, mas o roteiro estragou tudo pecando pelo excesso.

E recentemente ainda teve todo este rebuliço na web, porque Affleck irá interpretar o Homem-Morcego. Eu sou contra e pra dizer a verdade se nós que assistimos e damos bilheteria não somos respeitados é porque eles estão apenas interessados em ganhar dinheiro (não sou nenhum inocente).

Sei que há uma grande indústria por trás dos filmes, mas pra mim fazer uma adaptação atualmente deve ir de encontro ao que os fãs querem (respeito como foi feito na trilogia de Chris Nolan).

 geração x

Geração X – 1996

Houve uma época anterior ao sucesso de X-Men aonde Geração X também fazia um grande estardalhaço nas HQs da Marvel então resolveram adaptar para a telinha. O filme conta com o diretor Jack Sholder, o mesmo do ótimo A Hora do Pesadelo 2: A Vingança de Freedy.

Na história temos as aventuras de um grupo de adolescentes com superpoderes, desenvolvidos por mutação (condição genética anormal que aparece na puberdade, causada pelo Fator X, localizado na glândula pienal do cérebro, como aparece explicado no filme).

Por não dominar suas habilidades, os garotos são recrutados para aprimorar seus poderes na escola Xavier, instituição criada pra receber apenas adolescentes especiais. Os escolhidos são Arlee (Suzanne Davis), que tem como alter ego Buff, garota com sérios problemas por achar seu corpo muito feio, devido as constantes transformações; Jubilation Lee (Heather McComb) como Jubileu, que emite fogos de artifícios por suas mãos.

Mondo (Bumper Robinson), com poder de assimilar qualquer tipo de material; Agnelo Espinosa (Agustin Rodriguez), ou Derme, que pode transformar a estrutura de seu corpo; Kurt Pastorius (Randall Slavin), ou Refrax, que emite possantes raios através dos olhos (lembrando muito um outro mutante famoso dos X-Men); e Monet (Amarilis), que supera, tudo e todos por sua inteligência.

E os males de ordem moral e intelectual que abalam os jovens heróis são sanados por dois adultos mutantes. Emma Frost (Finola Hughes), a Rainha Branca com fantásticos poderes telepáticos  e Sean Cassidy (Jeremy Hatchford),  mais conhecido no mundo mutante como Banshee, irlândes que usa como arma seu grito sônico.

O vilão é Russel Trask (Matt Frewer), um cientista louco e egomaníaco que ganha dinheiro preparando campanhas subliminares pra produtos que não são tão bons quanto parecem. Quando descobre que sua arquirrival Rainha Branca é a professora desta equipe, decide sequestrar um mutante pra usar em seus experimentos.

Geração X  é um filme que não consegue adaptar com precisão o grande sucesso que havia nos quadrinhos, porque os efeitos especiais são ruins e o roteiro é pior ainda.

lorelei-ambrosia

Superman 3 – 1983

A franquia do Azulão até que são filmes bem dirigidos, pois continuam o padrão iniciado com Richard Donner, mas os roteiros ficaram fraquíssimos.

Em Superman 3 temos a ilustre presença do saudoso Richard Pryor que foi um dos melhores comediantes da década de 1980. A história deste longa é toda ruim, pois há um vilão convincente Ross Webster (Robert Vaughn) que por azar ficou muito parecido com Lex Luthor.

Temos uma linda e sexy  assistente Lorelei Ambrosia (Pamela Stephenson) que obviamente era uma versão da Senhorita Teschmacher.

Nesta história temos Gus Gorman (Richard Pryor), um gênio da informática que não tem sorte na vida. Até conhecer o Sr. Webster que usa seu intelecto para construir um supercomputador para então destruir o Homem de Aço, mas nesse meio tempo por conta da exposição a kriptonita nosso herói se torna arrogante e egoísta.

E sinceramente foi incrível vermos o Super dividido em dois a personalidade ruim de Kal-El ficou aterrorizante aonde até seu uniforme estava mais escuro. E o embate psicológico entre  Superman e Clark Kent no ferro-velho é inesquecível pra mim.

Infelizmente este filme é muito ruim, mas vale a pena por causa da presença de Christopher Reeve (também da bela Lorelei Ambrosia e só).

superman-4-em-busca-da-paz

Superman 4: Em Busca da Paz – 1987

Após receber uma carta de um menino pedindo pra acabar com a guerra nuclear, Superman decide destruir as ogivas nucleares do mundo inteiro. Só que neste meio tempo nós temos o vilão careca, Lex Luthor de volta que consegue um fio de cabelo do herói.

Quando o Super joga as ogivas no sol acaba criando um  ser movido a energia solar praticamente similar a ele o Homem-Nuclear (Mark Pillow). A parte engraçada e sinistra era que toda vez que o Homem-Nuclear ficava no escuro desligava como se fosse um robô, blargh!

Esta história do Homem-Nuclear me lembrou quando John Byrne reintroduziu o Bizarro nas revistas do kriptoniano. Nela Lex  manda um cientista japonês replicar o herói, pois eles achavam que Kal era humano. O clone surge perfeito, mas depois muda tornando-se a criatura conhecida como Bizarro.

E dali em diante nasce o ódio de Luthor pelo Super-Homem por saber que ele não era humano é memorável.

Bom, voltando as cenas de destaque em Superman IV são as lutas contra o Homem-Nuclear e se há alguma outra coisa interessante não me lembro mais.

Gostou? Logo trarei a segunda parte.

Deixe um comentário

Arquivado em Falando Sobre

Falando Sobre

tron

Tron: Uma Odisséia Eletrônica

Muito antes de nós sonharmos  que um dia poderia existir Matrix  que mostrava de forma incrível as aventuras de Neo pelo mundo virtual. Havia Tron: Uma Odisséia Eletrônica o filme é um expoente, porque marcou o uso de termos técnicos de informática na telona.

Algo bem á frente do seu tempo para a época, mas pra quem assiste com a visão dos filmes de tecnologia atual nota-se que Tron é  lento demais. A ação demora muito a acontecer, porém tornou-se cult por merecimento.

Suas imagens “digitais” que na verdade algumas delas não foram feitas no computador impressionam bastante. O filme é datado como década de 80 não tem como não prestar atenção a este fato, porque é uma parte inerente da trama.

Kevin Flynn (Jeff Bridges) é um programador e inventor de videogames muito proeminente que trabalhava na empresa Encom e foi despedido por Ed Dillinger (David Warner) que tomou seu lugar roubando suas ideias e ocupando o cargo que deveria ser seu (vice-presidente).

Flynn estava tentando hackear os arquivos da Encom querendo encontrar provas que incriminassem Dillinger. Através de um programa pirata chamado CLU, mas seu programa foi capturado pelo Master Control.

O Master Control é um programa que adapta todas as informações de qualquer outro software para sua memória tornando-se mais veloz e inteligente. O Master Control foi um programa criado por Dillinger para proteger a Encom, mas o programa transformou-se em uma inteligência artificial perigosa (com a intenção de invadir os servidores do Pentágono e controlar o mundo). E Dillinger acuado teve que ajudar MC nesta empreitada, pois caso contrário perderia seu cargo.

Kevin tinha dois amigos que ainda estavam trabalhando na Encom Alan Bradley (Bruce Boxleitner),  um programador que estava finalizando um software chamado Tron que iria analisar e controlar todos os processos do Master Control.

E a Dr. Loira Baines (Cindy Morgan) estava terminando um projeto que era uma máquina laser que transportava objetos do mundo material para o virtual.

Só que Dillinger havia cortado o acesso de todos os funcionários aos servidores da empresa. Fato que deixou Alan e Loira muito chateados indo procurar Flynn ajudando-o a invadir a empresa.

A loja do Flynn’s me lembrou a animação Detona Ralph, pois o Consertando Félix Jr. é um jogo que surgiu justamente na mesma época em que Tron acontece.

Quando Flynn estava hackeando os servidores da Encom foi detectado pelo Master Control que o capturou para a realidade virtual.

É neste momento que a aventura digital começa, pois há um mundo totalmente novo e diferente que vislumbramos. Repleto de luzes e formatos com tanques poligonais e motos que deixavam rastros de luz e principalmente uma arena aonde os programas tinham que lutar pela sua vida tipo gladiadores numa arena.

A parte interessante é que todos os personagens possuem um avatar no mundo virtual de Kevin é Clu um desbravador que sempre acredita no usuário. Enquanto Yori é de Lora também interpretada pela atriz Cindy Morgan. Já Alan é Tron que age como um nobre guerreiro típico da cavalaria medieval.

O Master Control tem a voz de Ed Dillinger que também interpreta o vilão Sark que domina como um ditador a “Grade”, o mundo virtual aonde a trama se desenrola. A missão de Clu, Tron, Lora e companhia é derrubar o tirano do poder.

Aqueles trajes florescentes unido ao estilo de luta antigo chamou minha atenção ainda mais quando um lutador tinha que lançar os discos para derrotar seu oponente (ser deletado é igual a morrer).

O que pude perceber é que mesmo num filme antigo com efeitos datados a aventura foi inovadora, mas Tron demorou a ser reconhecido justamente por causa de outro estrondoso sucesso E.T., O Extraterrestre que acabou ofuscando sua história.

Tron também equipara-se a Star Wars por terem históricos equivalentes, pois são filmes que abriram um precedente quando foram feitos.  Cada um mostrando seu ponto de vista e seguindo caminhos bem diferentes, porque Tron é uma viagem pelo mundo digital enquanto Star Wars uma saga espacial.

Pra quem quiser assistir Tron original vale apenas como conhecimento do mito.  Porque como já havia escrito antes é um filme lento, mas serve para entender melhor o que acontece na sequência.

legacy

Tron: O Legado

Esta história de remake pra mim parece ser uma falta de perspectiva dos roteiristas em criar algo inteiramente novo, mas como dizia o velho guerreiro: “nada se cria tudo se copia”. Se na aventura original os “efeitos visuais” foram inovadores desta vez tornaram-se inesquecíveis graças ao uso do CGI.

A história começa nos conectando ao filme anterior com Kevin Flynn (Jeff Bridges)  na década de 80 narrando para seu filho Sam suas aventuras na Grade (que ele transformou num jogo de grande sucesso chamado obviamente de Tron).

Logo é mostrado na tela vários televisores antigos noticiando o sumiço de Kevin. Um fato que  provocou uma grande mudança na direção da Encom. E também na vida de Sam que foi morar com seus avós algo que me lembrou Peter Parker (que teve que morar com seus tios).

Então devido a este  acontecimento temos um salto de 25 anos na história. E Sam Flynn (Garrett Hedlund) tornou-se um especialista em tecnologia (um hacker – termo que não existia na época do longa original). Um bad boy que usa sua inteligência para sabotar a Encom empresa que seu pai ajudou a consolidar no mercado.

Logo por influencia de seu tutor Alan Bradley (Bruce Boxleitner) que havia recebido uma mensagem em seu pager (não sei porque guardou algo tão jurássico).

Na verdade a mensagem fora enviada por Clu, pois como Kevin havia se escondido há muito tempo. O vilão fez um ardil para encontrar alguém do mundo real e traze-lo pra Grade a fim de que seu criador saia da toca.

Então Sam caindo nesta armadilha decide ir até a loja Flynn’s  que está toda empoeirada e quando entra toca no jukebox um grande sucesso da década de 80 do Jorney é Separate Ways (worlds apart) que se não me engano está relacionada ao sumiço de seu pai.

Confesso que fiquei nostálgico, pois me fez viajar a uma parte da minha vida que estava começando a conhecer e gostar de música. Voltando, Sam se encontra  diante de algo realmente extraordinário quando acidentalmente é transportado pro mesmo mundo cibernético que seu pai visitava anos atrás.

Perdido na Grade Sam se vê tendo que aprender a lutar por sua vida e também procurar seu pai a fim de algumas respostas (como seu aparente abandono).

Clu que fora um herói na versão original agora é o vilão da vez. Vemos que a tecnologia em CGI  visualmente melhorou em vários aspectos (já que o vilão é feito de forma digital) com o rosto que Jeff Bridges tinha há 20 e poucos anos atrás (é algo estranho mais depois nos acostumamos com essa peculiaridade).

Desta vez Clu deseja exterminar os ISOS que são basicamente organismos vivos dentro do sistema (só que ele os enxerga como um vírus). De forma incrível Clu levou sua diretriz básica de “perfeição” a níveis que chegam a loucura extrema (vendo a imperfeição que há em nós seres humanos).

Seu alvo é o disco de Kevin que durante anos estava vivendo recolhido como um guru Zen. Após saber que dentro dele há uma forma dos programas da Grade se materializarem no mundo real deseja consegui-lo de qualquer maneira (para invadir e conquistar o mundo de seu criador).

Clu conseguiu formatar as memórias de Tron transformando-o no guerreiro implacável conhecido como Rinzler que detona todos os programas que enfrenta na arena.

Além dos efeitos especiais terem ficado amplamente maiores temos a presença da personagem Quorra (a bela Olivia Wilde), ela também é um ISO que Flynn salvou de ser executada pelos guerreiros de Clu. Quorra ajuda Sam a compreender a Matrix (quer dizer a Grade) e a voltar para o mundo real já que o portal não irá demorar para se fechar (e só pode ser aberto de fora pra dentro).

Bom, pra mim foi estranho ver que  Castor (Michael Sheen), dono da boate Fim da Linha, era uma mistura de Chapeleiro Louco com Willy Wonka (a versão de Johnny Deep). Ele queria aparecer mais que os outros atores do filme ficando aparentemente risível.

Fora isso chamou minha atenção a excelente trilha sonora composta pelo duo francês Daft Punk (fato que há até participação especial).

O Legado transformou a odisseia original num nível nunca antes visto, mas infelizmente devido ao final inconsistente não haverá nenhuma continuação (deu a entender desta forma pra mim).

Deixe um comentário

Arquivado em Falando Sobre

Falando Sobre

amanhecer-esmeralda

Lanterna Verde – A Saga Esmeralda

Antes de Lanterna Verde Origem Secreta houveram três edições que ajudaram a definir e também  odiar o modo que víamos o herói.

Amanhecer Esmeralda

Logo após vermos a épica Crise nas Infinitas Terras chacoalhar e assassinar milhões de pessoas no UDC. No final todo o Multiverso da editora foi destruído restando apenas uma Terra (com novas histórias para serem contadas).

Seus personagens foram ganhando novas adaptações recomeçando do zero. Fato que possibilitou inúmeros leitores a acompanharem suas edições (eu sou um deles).  E aqui temos o cativante reinicio de Hal Jordan em Amanhecer Esmeralda de 1990.

Se em Showcase # 22 a famosa HQ original de 1959 (com arte de Gil Kane e roteiro de John Broome) que mostrava a introdução ao conceito do herói sendo bastante rápida. Desta vez no pós-Crise o desenrolar foi muito mais aprazível nos envolvendo realmente nos acontecimentos que o tornaram um dos maiores Lanterna Verdes de todos os tempos.

Destacando que se antes Hal foi mostrado como alguém destemido desta vez seu aspecto humano ao sentir medo foi o mote principal e também a capacidade de conseguir superar o próprio medo foi sua melhor abordagem.

Amanhecer Esmeralda destacou-se ao contar os primeiros passos do herói  utilizando o anel de poder, pois teve que aprender sozinho a usa-lo.

Hal havia atropelado um homem e seu amigo Andy (irmão de Carol Ferris) estava hospitalizado, mas havia um inimigo que estava perseguindo Abin Sur e decidiu ir atrás do novo Lanterna  destruindo a cadeia aonde tentava redimir sua culpa.

Legião é um ciborgue que usa a cor amarela e sua origem é de um ser  plasmático que reuniu mortos de um planeta que explodiu por culpa dos Guardiões (por isso persegue, caça e mata todo LV que encontra).

O herói quase morre esmagado mais de repente o anel expira sua carga de energia salvando-o por um triz.

Legião deixa um rastro de destruição por onde quer que vá procurando o LV, pois conseguia rastrear sua assinatura de energia. O vilão destruiu todos os lugares em que Hal apareceu uniformizado (matando todos que estavam no hospital incluindo seu amigo).

Como Hal ainda estava “verde” (no sentido de novato) não sabia ainda utilizar o anel direito e somente quando recarregou pode aprender que até que podia falar (usando suas informações a seu favor).

Então o herói decidiu partir pra vingança aprendendo tudo que podia sobre a ameaça que enfrentava.

Quando foi convocado para Oa, Hal recebeu um árduo treinamento com Kilowog (que não foi nada fácil) para poder tornar-se o guardião do setor espacial 2814. Na luta final temos a clássica entrada do herói na bateria central fato que se tornou histórico e algo recorrente algum tempo depois  (na animação da Liga John Stewart faz a mesma coisa).

O filme de Martin Campbell até adota um pouco desta HQ principalmente no trauma que Jordan apresenta sobre seu pai (só que ficou tudo muito diluído e foi mal aproveitado). Mais em Amanhecer Esmeralda temos a rara oportunidade de notar que Jordan não é uma pessoa perfeita.

Hal estava completamente no fundo do poço e sem esperanças para conseguir sair até que encontra em Abin Sur (um bote salva vidas pros problemas que vinha passando).

O  seu medo diante do que estava em sua frente era aparente, mas como sua vida ficou totalmente destruída. Decidiu aproveitar a sorte e usar o anel para encarar um novo futuro.

Amanhecer Esmeralda é a melhor história sobre Hal Jordan até aquele momento, pois diante dos problemas que encontrou conseguiu superar dando uma guinada radical em sua vida. E lançando uma nova perspectiva ao que já havia sido proposto sobre o Lanterna Verde.

Eu não sei porque deixaram a arte com Mark D. Bright, pois importância de Hal merecia alguém de renome maior. Seu estilo é simples e não consegue demonstrar toda carga dramática nas cenas que vimos.

amanhecer-esmeralda-2

Amanhecer Esmeralda 2

Se na primeira parte a ação se concentrava apenas em mostrar como Jordan adquiriu  o anel e tornou-se um Lanterna Verde (nesta edição as coisas estão ligeiramente diferentes).

Hal deseja pagar seus erros diante a sociedade e se entrega as autoridades sem a ajuda de um advogado. O juiz que mandou trancafiar Jordan deveria existir aqui no Brasil, pois as leis quanto acidentes automobilísticos deveriam ser mais pesadas.

A História conta como foram os tumultuados 90 dias em que o herói esteve “preso”, pois além de encarar um dos ladrões que prendeu na edição anterior (foi reconhecido por causa de uma frase).

Só que teve mais, porque Hal ainda precisou conter uma rebelião no presídio, entrar numa briga para evitar um acordo comercial entre khundios, dominions e a cidadela (raças alienígenas que aparecem na saga Milênio).

Era pra ser um simples acordo diplomático, mas o almofadinha do Sinestro acabou transformando a situação numa briga fenomenal e ainda colocou a culpa em Hal.

E desta vez também temos a trama enfocando no término do treinamento de Hal quando os Guardiões escalaram Sinestro para instrui-lo.

Sinestro era o protetor do setor espacial 1417 e sem os anõezinhos azuis perceberem comandava com extrema firmeza. Era tão obsessivo que tudo deveria estar na mais perfeita ordem, pois sua cólera era radical.

Quando Sinestro convida Jordan a ir em Korugar (seu planeta natal). A situação fica muito pior.

Sua ausência culminou numa rebelião que estava sendo secretamente orquestrada por Katma Tui. A “bagunça” ocorrida no planeta chama atenção dos anões azuis que convocam “os punhos dos Guardiões” (robôs enviados pelos anões a fim de corrigir seus subordinados).

A ação ocorre em dois lugares com Hal se dividindo para “ficar” na prisão na Terra e viajando pelo espaço ao lado de Sinestro. Se em Korugar houve uma rebelião aqui também tivemos outra no presídio. E Guy Gardner fora usado de refém (aliás ele apareceu como assistente social e estava praticamente irreconhecível).

A edição é repleta de reviravoltas como a promoção de Katma Tui ao posto de LV, Guy mostrando o temperamento explosivo que lhe rendeu fama e Sinestro  caindo do pedestal pra virar o grande vilão que conhecemos.

O argumento de Keith Giffen não é maravilhoso (só que prende nossa atenção).  Infelizmente a arte de M. D. Bright é bastante ruim, mas a edição reúne elementos que se tornaram clássicos na história de Jordan.

emerald-twilight

Crepúsculo Esmeralda

Essa história acontece logo após o Retorno do Super-Homem quando Coast City foi destruída por Mongul e o Superciborgue. O gibi até que começa bem com arte de Dan Jurgens onde temos o Super-Homem cabeludo em Gotham City, mas Bruce estava ausente e quem protegia a cidade era Azrael (durante a Queda do Morcego).

Bruce estava numa cruzada pessoal a fim de se recuperar dos problemas que Bane havia lhe causado (já que havia quebrado sua coluna). O clone cabeludo de Lex Luthor estava na cidade-motor  querendo pegar kriptonita e também usar a tecnologia alienígena do lugar para usa-la em Metrópolis.

Só que a presença de vários heróis estragou seus planos (nesta época a Super-Moça era apaixonada pelo vilão). A heroína era Matrix uma versão em protoplasma de Lana Lang oriunda da dimensão compacta da qual tornou-se sua única sobrevivente.

Quando todos foram embora Hal ficou consumido pela dor de não poder salvar sua cidade e aquelas pessoas que tanto amava. Tentando entender todo  seu passado recriou seu pai para confronta-lo sobre suas divergências (uma conversa franca e conflituosa).

Se por um lado Hal tentava entender o que acontece trazendo seu pai e sua mãe para dizer algo reconfortante. Por outro ao reconstruir totalmente a cidade sua ruína já estava mais do que evidente (remexendo em suas memórias até o anel se esgotar).

A ira de Hal era tão grande que decidiu voltar pra Oa recarregando seu anel numa projeção holográfica de um anão azul. O que vemos então é odioso, pois Hal enveredou numa cruzada insana em busca de poder para recriar o próprio universo.

Os Guardiões mandaram Lanternas para detê-lo, mas cada um que se opusesse em seu caminho era derrotado matando-os sem dó e nem piedade (e perdendo seus anéis). Um a um todos vão tombando e Hal derrota até Kilowog a cena é simples e rápida (nem parece que o grandão é tão poderoso como dizem).

Então os Guardiões num ato de puro desespero para derrotar o outrora mais poderoso LV da Tropa (lançam mão de sua última jogada).  Libertando Sinestro de sua prisão na Bateria Central e concedendo ao koruganiano um anel para enfrentar Jordan.

Sinistro deixa claro que não venceria Hal diante daquele monte de anéis e incita-o num declarado mano a mano. A luta entre os dois é brutal e acaba com Hal matando Sinestro (a cena é forte e poderia até ser chocante mais a arte ruim não ajuda em nada). A conclusão é que conseguiu novamente entrar na Bateria assumindo o poder de um “deus”.

Eu odeio o que fizeram com Hal, porque foi imperdoável jogarem no lixo toda sua glória de herói. Além de dizimarem toda a Tropa, destruiram seus amigos e transformaram-no num vilão que desejava mudar a catástrofe que ocorreu em Coast City.

E o pior é que não deram nenhuma  importância devida para essa catástrofe, pois só havia Dan Jurgens como artista de peso trabalhando na  edição. O restante eram todos de segundo escalão como Bill Willingham, Fred Haynes e Darryl Banks (quem são estes caras?).

O único saldo relativamente “positivo” desta palhaçada toda foi a ascensão de Kyle Rayner como último Lanterna Verde do universo que ganhou de Ganthet o seu anel (que afinal de contas acho bastante fraco também).

Crepúsculo Esmeralda foi umas das piores edições que já tive a infelicidade de ler na minha vida. Não só pelo que fizeram ao Hal, mas também pelos artistas ridículos que trabalharam na HQ.

2 Comentários

Arquivado em Falando Sobre

Falando Sobre

lex-brainiac

A Teoria da Conspiração

Quando assisti  Um Mundo Melhor fiquei perplexo com aquela Liga da Justiça fascista que controlava o mundo com mão de ferro. Sua contribuição foi  mostrar uma origem melhor para o monstro Apocalypse (numa batalha grandiosa contra o Superman).

Todos pensávamos que seria uma realidade alternativa que “talvez” não viesse acontecer, mas a verdade era que os acontecimentos estavam sendo secretamente manipulados por “alguém” para que aquela realidade viesse ser a nossa.

Então mais a frente descobrimos  que num plano arquitetado por Lex Luthor o canhão de fusão binária é ativado destruindo o complexo do Cadmus (no Novo México).

Lembrando que o canhão foi colocado no Satélite após a invasão thanagariana a fim de proteger a Terra de outras invasões alienígenas. O Questão havia sido sequestrado, pois anteriormente havia descoberto arquivos secretos com o assassinato de LL na Casa Branca.

E para evitar que tal futuro sombrio pudesse acontecer ele decide com suas próprias mãos executar o vilão careca, mas fracassa sendo preso e torturado no Cadmus.

O herói sem rosto parece maluco, mas antes de ser sequestrado diz que há uma sociedade secreta que enriquece  controlando o mundo inteiro. Num quadro mostra um ex-presidente que foi ator (alusão a Ronald Reagan e até boys band tipo Backstreet Boys) que desviam a atenção da população. Algo surpreendente, pois foi uma fonte de inspiração para o título do texto.

Enquanto Superman e Caçadora foram salvar o herói sem rosto temos o Capitão Átomo sendo recrutado pelo General Eiling. Já na intenção de coloca-lo pra enfrentar o kritoninano onde vemos uma batalha histórica entre ambos, pois mesmo o Capitão usando energia do sol vermelho de Krypton.

Podemos notar então que  Kal estava apenas se “contendo” para dar tempo da Caçadora auxiliar o Questão a fugir.

No final da luta quando os agentes de segurança vem socorrer o Capitão o Homem de Aço diz: “não toquem nele é da Liga da Justiça”. Pergunto quem iria desobedecer ao Super enfurecido? (Eu estou fora).

Pra piorar a situação da Liga surge uma histeria da população quanto ao uso do canhão, pois a destruição é tão impactante que a cena parece ser uma reconstituição real de uma explosão nuclear.

As implicações não são poucas, porque o presidente ameaça  o Caçador de Marte duramente. E na Sala de Reunião  em votação secreta a equipe decide se entregar para “limpar” sua imagem e aliviar a tenção (menos o Batman que diz ser um membro esporádico).

Fato que particularmente pra mim está ligado com os acontecimentos de sua lavagem cerebral mostrados em Crise Infinita.

Aqui também temos a melhor adaptação da Poderosa que nos gibis é a prima do Superman original que vivia na Terra 2. Ficamos sabendo que ela é um clone geneticamente melhorado da Supergirl. Dando muita dor de cabeça para a Moça de Aço, pois estavam dividindo as mesmas recordações (Tenebrosa Simetria).

Amanda Waller respondendo a “provocação” mandou Galateia invadir e destruir o QG da Liga. Ela utilizou um exército de Ultimen controlados telepaticamente, mas na verdade foram criados para serem uma resposta a possíveis excessos da Liga da Justiça (caso futuramente algo parecido aos Lordes da Justiça viesse  acontecer). Os Ultimen são versões de heróis do desenho dos Super Amigos: Grande Sombra (Chefe Apache), Juice (Vulcão Negro),  Wind Dragon (Samurai), Downpour (Zan) e Shifter (Jayna) infelizmente faltou El-Dourado.

Na invasão e batalha no Satélite vemos um desfile de heróis conhecidos e de outros de segundo escalão como Rastejante, Cigana, Astek, Soviete Supremo além de muitos socos, raios e explosões no melhor estilo dos quadrinhos.

Quando Amanda estava comandando a invasão ao lado do General, Batman invade questionando que há somente três pessoas com níveis de inteligência fora do comum no UDC (sendo que dois deles estavam no Satélite no momento do disparo).

Eu suponho que sejam o Senhor Incrível 2 (Michael Holt) e Eléktron (Ray Palmer) ou será que ele estava na Torre  na hora do acidente? Em momento algum vemos o Homem-Morcego no Satélite, pois então partindo deste ponto de vista. Devo concluir que o nível de inteligência de Bruce está abaixo de Lex Luthor (eu não gostei disto).

O pior de tudo foi descobrir que o careca estava dividindo seu corpo com um implante do DNA de Brainiac (já que o vilão espacial havia morrido). Isto havia acontecido na versão animada do Superman dos anos 90 episódio em que Brainiac faz Luthor de refém para construir um novo corpo cibernético. Não me recordo do nome em que aconteceu tal história, mas lembro que Lex quase morre de fome e cansaço ficando bastante debilitado e justamente o Super o salva (não é atoa que chamam ele de escoteiro azul).

Após Brainiac revelar tudo que havia tramado Amanda Waller dá tiros  em seu corpo e quase automaticamente os buracos se fecham lembrando o T-1000 do Exterminador do Futuro. Na sequência o Super soca Brainiac com extrema raiva, mas quando vilão transforma o prédio da LexCorp vemos uma versão da nave que era usada durante os anos 1980 nos quadrinhos.

Enquanto a nave era destruída o vilão estava a quilômetros dali, pois sua intenção era encontrar o Coração Negro uma tecnologia alienígena capaz de converter qualquer matéria-prima para utiliza-la. Temos então a conexão                                                                                                                     direta com Um Mundo Melhor, pois os 7 grandes enfrentam um poderoso Brainiac. Luthor está aonde sempre almejou chegar ao unir-se ao alienígena tendo poder, conhecimento e imortalidade sendo praticamente um “deus”.

androides

É no confronto que Brainiac/Luthor recria androides com aparência da Liga fascista só que o Flash estava morto nesta realidade.  E o uniforme que vemos é igual ao de Eobard Thwane, vulgo Professor Zoom ou Flash Reverso (o pior inimigo de Barry Allen).

Os heróis lutam contra versões de si mesmos que dizem todos os seu temores mais íntimos. O adversário do Flash diz que não há lugar para ele entre os maiores heróis da Terra, mas esta frase também é usada para definir Os Vingadores. Todos trocam de oponente demonstrando, porque realmente são os melhores do mundo.

Quando a Liga estava aparentemente derrotada Brainiac/Luthor tenta assassinar Wally mais o Velocista Escarlate corre ao redor do mundo. Atingindo uma velocidade que nunca havia alcançado conseguindo assim arrancar a armadura de Lex e morrendo devido á exaustão, pois estava dentro da força de aceleração.

Ela é a fonte de poder de todos os velocistas e quando morrem sua energia se une a fonte fazendo parte dela para sempre. Lembrando que fato semelhante  havia ocorrido com a morte de Barry Allen em Crise nas Infinitas e também em Superalmanaque DC (“O Mistério do Raio Humano”). Wally estava praticamente sumindo seus amigos se uniram para trazê-lo de volta. É emocionante mostrando que a Liga é mais do que uma simples super equipe, pois agem como se fossem uma família.

Depois de tudo quando Superman fala pra população de sua intenção de desfazer a Liga. O Arqueiro dá um sermão mostrando a importância de Kal-El e da Liga da Justiça seguida de uma aclamação da população. Batman diz pro Arqueiro em latim: “quem guarda os guardiões?” algo que se não me engano é visto em Watchmen, de Alan Moore e Dave Gibbons onde há esta inscrição na parede.

As referências dos roteiristas nos levam há vários assuntos pertinentes ao mundo dos quadrinhos e Liga da Justiça é a melhor animação de todas com a equipe feita pela DC Comics e um prato cheio para nós fãs do assunto.

Comentários sobre os episódios Um Mundo Melhor, Disputa de Poder, Hora H, Pânico nos Céus e Divididos Caímos.

Deixe um comentário

Arquivado em Falando Sobre

Falando Sobre

CA_2

Capitães

Engana-se quem pensa que Steve Rogers foi o único a envergar o manto, pois dizem as lendas que houveram outros homens usando tal alcunha. Conheça alguns personagens que também ajudaram a eternizar o mito.

isaiah-bradley

O Primeiro Capitão da História

Antes do soro ter êxito com Steve  saiba que o Serviço de Saúde Pública dos Estados Unidos  fazia teste com homens negros de 1932 a 1972. A desculpa era para descobrir uma cura para sífilis, mas geralmente  o soro afetava de maneira grave quem era inoculado por ele.

Esse procedimento aconteceu no estado do Alabama e esta experiência ocorreu em 400 homens. Infelizmente vários deles morreram devido a este processo, porém Isaiah Bradley foi o primeiro homem a ser considerado como Capitão América.

Ele é considerado como uma lenda entre a comunidade negra americana. Sinceramente foi uma das histórias mais interessantes que fizeram sobre o Capitão recriar um mito através de outro.

Só que pra mim é bastante difícil acreditar que algo tão cruel e desumano quanto isso tenha acontecido de verdade. Mais infelizmente alguns homens sofreram em Tuskegee por causa da falta de escrúpulos de certas pessoas.

spirit-of-76

Capitão América II

William Nasland era o herói conhecido como O Espírito de 76 foi inspirado pela atuação do Capitão América.

Atuou em 1940 agindo contra a espionagem nazista durante a Segunda Guerra então em 1945 pouco antes do final da guerra. Steve e Bucky sumiram e o presidente Truman convocou Nasland para ser o novo herói acompanhado de Fred Davis que se tornaria o novo Bucky.

Eles lutaram na equipe All-Squadron Winners a equipe que veio a suceder os Invasores. Em 1946 o robô Adam II criado por Phineas T. Horton (o mesmo do Tocha Humana original) planejou um ataque matar John F.Kennedy.

Ao impedir este plano  durante uma feroz batalha  Nasland foi morto enquanto Bucky enquanto estava desacordado. Quando o restante do Esquadrão chegou já era tarde demais.

the-patriot

Capitão América III

O repórter Jeff Mace era o herói Patriota um combatente do crime agindo com um uniforme baseado na bandeira americana (inspirado após ter visto Capitão América em ação). O Patriota era um dos vários heróis que combatiam o crime e a ameaça nazista durante a Segunda Guerra.

Quando terminou a guerra o herói participava do All Winner Squad e salvou o jovem senador John Kennedy . só que o salvamento custou a vida do segundo Capitão e Mace foi convocado para substitui-lo. Casou-se com a heroína Golden Girl que tem o nome de Betty Ross. Então a famosa esposa de Bruce Banner não foi a única personagem com este nome. Atualmente Jeff morreu de câncer numa idade avançada.

anos 50

Capitão América dos anos 50

Durante os anos 70 a Marvel arranjou uma crise na sua continuidade ao dizer que o Capitão agiu exatamente durante o período que esteve congelado. A solução foi criar um “impostor” .

Após o final da Segunda Guerra Steve Rogers havia desaparecido e dado como “morto” (ficamos sabendo que estava congelado). E durante os anos 50 houve outra pessoa usando seu escudo.  O professor de história William Burnside  era um grande fã do bandeiroso tanto que fez plástica para ficar com o rosto parecido com o dele. O fato é que Burnside  descobriu documentos que localizavam o soro do supersolado.

Só que o governo interveio dizendo não as suas intenções. Quando voltou a lecionar descobriu que seu aluno Jack Monroe era outro fã do Capitas, então decidiram de comum acordo aplicarem o soro neles mesmos.

As aventuras que acontecem durante a década de 1950 eram destes  heróis, mas algo deu errado e a fórmula acabou deixando-os loucos. O governo resolveu deixa-los em animação suspensa até ser encontrada uma cura (já vi isso em algum lugar).

john walker

Capitão América V

John Walker era o herói Super Patriota que confrontou o Capitão América dizendo que ele representada os “verdadeiros ideais” da América. E assim começou a difamar publicamente o bandeiroso (eles chegaram a lutar por causa disto).

Quando a Comissão das Atividades Superhumanas chefiada por Valerie Cooper retirou de Steve o direito de usar seu uniforme e escudo.

Walker recebeu de presente de Tony Stark um uniforme e escudo parecidos passando a se denominar de Capitão.

Ao enfrentar diversos vilões teve sua identidade revelada por dois “ex-amigos”: Esquerdista e Direitista (que estavam revoltados por não terem sido aproveitados pela comissão).

A exposição resultou na morte de seus pais pelos Cães da Guarda. Tomado pela fúria Walker assassinou os vilões perdendo o posto de Capitão América (e pedindo para Steve retornar). Ao lado do Capitão descobriram que o comitê fora manipulado pelo Caveira Vermelha e depois assumiu o nome de Agente Americano.

 bucky

Capitão América VI

Bucky foi o assistente de Steve durante a Segunda Guerra. Ele era uma mascote do campo naquele período. Só que  “por um acaso” descobriu a identidade do bandeiroso e passou a ajuda-lo sempre que precisava.

Bucky tornou-se um dos personagens mais importantes da mitologia do herói (assim como Robin é para Batman) e o momento de sua morte é uma das situações mais reprisadas que já pude constatar. Quando todos achavam que estava realmente morto descobrimos o Soldado Invernal.

Desta vez Bucky sofreu lavagem cerebral tornado-se um assassino eficiente que de tempos em tempos era mantido em animação suspensa.

O Capitão ao saber disto resgatou seu velho amigo e devido aos acontecimentos da infame Guerra Civil. Ele assume o lugar de Steve quando morreu ao final desta saga.

Então Bucky novamente “morre” após um ataque do Caveira Vermelha  só que tudo não passou de um plano de Tony Stark. Na verdade a intenção era deixar Bucky fora de problemas com a lei e agir livremente para combater o crime na surdina.

Neste meio tempo Steve retornou, mas não assumiu o manto estrelado agindo como diretor da S.H.I.EL.D.

ultimate

Capitão Ultimate

Só para constar, resolvi comentar sobre  sua melhor versão. No final do ano 2000 a Casa de Ideias renovou seus personagens com o Universo Ulttimate. O primeiro é claro não poderia deixar de ser o Cabeça de Teia, mas aos poucos o universo foi se expandindo (X-Men e Quarteto Fantástico).

Com elementos bastante diversos da Terra-616 que é a continuidade normal tivemos vários personagens renovados (e uma inveja da DC Comics que criou 10 anos depois algo semelhante: Novos 52).

O Capitão desta linha temporal  tem seu histórico de vida parecido com o tradicional, mas no futuro foi encontrado pela Shield e participa da primeira formação dos Supremos (a versão Ultimate dos Vingadores).

Os Supremos surgiram com a intenção de combater super ameaças aos Estados Unidos

Os Supremos fez tanto sucesso que ganhou duas animações pra DVD. Na primeira começa logo com Nick Fury numa expedição para encontrar o corpo do Capitão.

Bruce Banner revela ser um fã do herói e pesquisa uma cura para sua transformação.

Quando Banner se descontrola  transforma-se no Hulk atacando a cidade de Nova York causando um rastro de destruição e matando várias pessoas. Esta tragédia faz com que  o Capitão junto ao Thor, Vespa, Homem-Gigante e Viúva Negra se unam para deter o monstro. Diferente dos gibis aonde fica com a Vespa nesta animação Steve dá uns amassos na Viúva.

Gostei demais do Thor que ficou parecendo mais um hippie do que deus nórdico.

Na segunda animação temos o grupo numa missão de impedir o ataque dos alienígenas Chitauris (os skrulls) que querem encontrar os segredos de Wakanda.

O problema fica no dilema em que se encontra o Pantera Negra em ir contra as leis de sua tribo para se unir aos heróis de fora.  As duas animações são fiéis aos conceitos das HQs mostrando mais violência e tramas adultas.

A empresa deu bola fora em 1999 no desenho The Avengers: United They Stand.

Baseada na versão dos Vingadores da Costa Oeste de 1984 esta série infelizmente mostrava os heróis usando armaduras hi-tech toda vez que partiam pra ação.

A equipe era liderada pelo Homem-Formiga e composta pela Vespa, Tigresa, Gavião Arqueiro Visão, Feiticeira Escarlate, Falcão e Magnum. De tão ruim teve somente 13 episódios. O Capitão participa de Decisão de Comando no qual ajuda seus amigos a combater Zemo e os Mestres do Mal.

Além de participar dos Vingadores o Capitão atuou durante a Segunda Guerra na equipe Os Invasores composta por Bucky, Tocha Humana (original), seu parceiro Centelha e Namor para combater o nazismo.

Com o tempo a equipe tornou-se maior com a inclusão de Union Jack, Spitfire, Miss America, Whizzer entre outros. Há pouco tempo atrás houve um crossover entre Invasores e Vingadores com algumas ilustrações de Alex Ross.

Na história os Invasores viajam para a atualidade e na tentativa de envia-los de volta. Só que tantos os Vingadores quanto os Novos Vingadores encontram um passado alterado pelo Cubo Cósmico sendo usado pelo Caveira Vermelha.

Fonte de Pesquisa: Wikipédia, Guia dos Quadrinhos e Mundo dos Super-Heróis.

Deixe um comentário

Arquivado em Falando Sobre

Falando Sobre

legends

Filmes da Liga

Na web estamos cansados de ver comentários e suposições sobre o futuro filme da LJA. Talvez tenhamos algo para 2015 (sendo pouco provável ainda).

Como fã gostaria que o roteiro fosse bem planejado, pois estão situando o UDC num mundo “praticamente” real. E além de que David S. Goyer (que provou ter um bom conhecimento sobre os melhores do mundo). Ainda Temos Paul Dini, Mark Waid e Brad Meltzer que também poderiam trabalhar neste possível roteiro.

Então como o futuro é bastante improvável vamos olhar para o passado não tão recente. Estou falando sobre os dois desastres que a Distinta Concorrente fez em live- action.

Bom, Legends of the Superheroes feito em 1979 pela rede americana NBC em parceria com a Hanna-Barbera.  Foi um especial de TV em duas partes com alguns personagens da editora (inspirado no grande sucesso dos Super Amigos).

Na equipe temos o Capitão Marvel, Caçadora, Batman e Robin, Canário Negro, Flash Lanterna Verde e Gavião Negro. Enquanto nos vilões tínhamos Solomon Grundy, Mordru, Dr. Silvana, Giganta, Charada, Mago do Clima e Sinestro.

A única parte boa era rever Adam West, Burt Ward e Frank Gorshin interpretando os personagens que os consagraram, pois além do baixo orçamento (os cenários eram piores ainda).

Numa das histórias os heróis foram recrutados por Ciclone Escarlate (herói aposentado criado para o filme) que queria impedir o vilão Dr. Silvana explodisse uma bomba que acabaria com o mundo.

Mais bizarro ainda era Mordru que inventou uma poção que retiraria os poderes da Liga, mas sei lá por qual motivo os vilões também a tomam (situação bastante bizarra).

Fora outras cenas lisérgicas como o Capitão Marvel ver um consultório se materializar na sua frente (e deitar no divã) onde o Charada é o psiquiatra disfarçado. E o Lanterna Verde se consultar com uma cigana ( Sinestro também disfarçado).

Sinceramente não vale a pena comentar o segundo episódio é ruim de dar dó.

Liga-da-Justiça-Filme-TV

Outra bola fora foi o infame filme da LJA (em 1997) que surgiu inicialmente como um piloto para série de TV.  Algo que já foi mostrado diversas vezes pelo SBT (e o pior como se fosse alguma novidade).

Nesta versão temos Ajax, Lanterna Verde (Guy Gardner), Fogo, Gelo,  Flash (Barry Allen), mas que se parece com Wally West e Átomo (Ray Palmer).

O filme é muito ruim e destoa muito do que conhecemos, mas foi baseado na fase cômica (Liga da Justiça Internacional).  Desta vez temos a heroína brasileira Fogo (Michelle Hurd) sendo uma atriz que tenta sorte vestindo umas roupas ridículas, a Gelo (Kimberly Oja) que é uma meteorologista, o Flash (Ken Johnston) que não tem nenhuma autoconfiança, Lanterna Verde ( Matthew Settle) sendo o Guy, mas que transformou-se  numa mistura de Hal Jordan e Kyle Rayner (tudo junto e misturado).

Átomo (Jon Kassir) é o cientista inteligente da turma que na verdade é mais conhecido como Eléktron. Eis aqui um fato curioso o Átomo (Al Pratt) é o herói da Sociedade da Justiça da América.

E quem vemos é Ray Palmer que foi sua segunda versão que nos gibis nós conhecemos como Eléktron.

O personagem foi traduzido como Átomo aqui no Brasil ou foi uma falta de atenção dos tradutores ou alguém que conhecia o herói apenas por este nome.

E ainda temos  Ajax (David Ogden Stiers) o herói telepata e transmorfo que reúne a equipe para combater o vilão Dr. Eno (Miguel Ferrer) que mais parece uma versão do Mago do Clima.

Infelizmente os uniformes são ruins, os efeitos especiais são piores ainda e não veja de maneira nenhuma, porque vai ser uma decepção do início ao fim. A DC depois do estrondoso sucesso do longa dos Vingadores está querendo a todo custo lançar a sua versão pras telonas da LJA, mas o grande problema do meu ponto de vista é o planejamento para tal projeto.

Estamos cansados de saber que a Casa de Ideias trabalhou meticulosamente para que Vingadores desse certo e tenho medo que a Distinta Concorrente ponha os pés pelas mãos fazendo uma adaptação que deixará um hiato de mais alguns anos sem nada nas telonas.

Eu gostaria mesmo que isso não aconteça, pois Superman: O Homem de Aço provou que este novo caminho pode ser consolidado. Na verdade inicialmente o filme será o ponta pé inicial para que haja uma futura Liga e veremos como vai ser o novo capítulo desta novela enrolada.

Deixe um comentário

Arquivado em Falando Sobre

Falando Sobre

superman-fleischer

Superman

Os irmãos Fleischer nos presentearam com duas animações importantes Betty Boop e o Marinheiro Popeyemas ficaram marcados na história quando trabalharam na primeira animação do Super-Homem.

Toda vez que revejo não consigo deixar de pensar que conseguiram realizar numa época tão longínqua uma série com uma qualidade técnica muito avançada tornando-a praticamente atemporal.

A introdução apresentando a origem clássica do herói é uma das melhores ideias que tiveram. Tanto que a Filmation  fez a mesma coisa anos depois (copiou descaradamente pra dizer a verdade).

O famoso seriado televisivo com George Reeves (1950) também tinha o mesmo tipo de abertura. É importante lembrar que o Homem do Amanhã (da Era de Ouro dos gibis) não voava, pois somente podia dar longos saltos.

A parte interessante é que seus superpoderes  desde aquela época já tinham uma explicação científica para torna-la plausível, porque sua força física era baseada nas formigas e os saltos nos gafanhotos (depois vieram acrescentando mais coisas).

Na animação o Super também não podia galgar os céus, porém isto foi mudado ao longo dos episódios. Podemos notar que a introdução também vai mudando.

Nos primeiros temos: “olhem lá no céu!” em outros há variações do mesmo tema como: “capaz de voar mais alto que qualquer avião”; “mais rápido que um raio”; “mais forte que a arrebentação do mar” ou ainda “mais poderoso que um veloz furacão”.

Outra coisa interessante foi o uso de rotoscopia (uma técnica que consiste em redesenhar quadros de um vídeo seguindo uma referência filmada).

A tecnologia da década de 1940 era bastante simples se compararmos com a atual, porém é mostrada de maneira notável tanto nos carros, aviões, máquinas á válvula ou transistores e até máquina de escrever.

O uniforme de Kal-El é azul escuro com o escudo amarelo, preto e o “S” vermelho  que virou referência para Alex Ross na HQ “O Reino do Amanhã”, de 1996. Porém o melhor desta animação é sua forma estilizada, repleta de contrastes e sombras.

Em Superman: A Série Animada (1996) podemos notar que  Bruce Timm trouxe este estilo de volta, pois sua versão não difere em nada dos irmãos Fleischer. Basta prestar atenção nas similaridades. O kriptoniano é forte, mas sofre em alguns momentos para concretizar sua tarefa.

A grande diferença está na abordagem de histórias por conta do espaço de décadas entre elas e a já citada mudança na tecnologia. Podemos ver isso claramente nos vilões enfrentados, porque enquanto na versão de 1941 o Super enfrenta cientistas malucos, bandidos, robôs, chuva de meteoros, esfria um vulcão em erupção ou detém um enorme dinossauro.

Enquanto que em 1996 temos Lex Luthor, Brainiac, Darkseid, Metallo,Mxyzptlk, Live Wire e Vulcana (que foram criadas exclusivamente para animação e depois entraram pra continuidade). Lembrando que Vulcana apareceu na animação da Liga da Justiça.

Lois Lane é uma das minhas musas dos quadrinhos preferidas e aqui em Terra Tupiniquim no período Pré-Crise era chamada de Miriam Lane (não sei explicar porque era assim).

A intrépida repórter  tinha um ótimo faro pra notícia e também seu azar era justamente proporcional para cair numa encrenca. A Lois de Fleischer tinha um ar de pin-up fascinante, porque seu gestual é lânguido e sensual sem ser forçado (agindo de maneira natural).

E quem escreve a maioria das matérias sobre o herói é ela (e não Clark Kentcomo foi mostrado na versão de John Byrne). A melhor parte é que Clark não tem nada de bobo ou atrapalhado. Este tipo foi muito bem aproveitado pelo saudoso Christopher Reeve pro filme,  de 1978.

O Clark Kent de Fleischer é calmo, discreto e troca de roupa em diversos locais. Tanto que numa cabine telefônica fez isso apenas uma única vez (e ficou marcado pra sempre). Ele também troca na sala de limpeza forma que foi imortalizada por George Reeves.

Superman: Recomeço

Quando a Saga Ponto de Ignição terminou a DC Comics trouxe os Novos 52. Uma referência a um novo Multiverso com 52 Terras Paralelas (aonde tinham 52 revistas para vender). Reformulando e reiniciando todo seu panteão com novas histórias e uma nova cronologia.

E uma das principais atrações foi esta nova abordagem do kriptoniano que ficou bastante diferente da versão criada por John Byrne, pois além da cueca vermelha ter desaparecido (já estava na hora mesmo) o herói era motivo de muitas piadinhas por conta disso.

Vindo de um enorme histórico de queda na popularidade, de baixas vendas ao longo dos anos, pois perdeu até para o Morcegão neste quesito.

O Azulão voltou a crescer aos olhos do público nesta volta ás origens clássicas de  sua origem, de 1938. Com todos aquelas frases interessantes do período: mais forte que uma locomotiva, capaz de pular prédios num único salto e mais rápido que uma bala.

Poucos superpoderes como: superforça, invulnerabilidade, superaudição e visão de raio-x. Clark Kent mora num prédio de apartamentos velhos e tem problemas para pagar o aluguel.

Sabemos que detém outra referência marcante deste período inicial ao lutar pelos fracos e oprimidos. Trajando uma calça jeans, botas e uma capa pequena e indestrutível demonstrando um  forte senso de moral entre certo e errado. E agindo contra qualquer pessoa que se opor em seu caminho.

Misturando fatos da cronologia tradicional e trazendo alguns elementos novos (como o traje nano-tecnológico) acabou despertando a atenção dos fãs. E consolidando esta fase no aumento da venda de suas edições.

Os Novos 52 mostrou ser uma grande ideia inicialmente, mas com o tempo revistas foram canceladas, pois o mercado editorial americano é muito concorrido. E pra ser sincero trabalhar com tantas edições assim é história demais pra  manter o nível de qualidade por um bom tempo.

Porém tudo isto irá culminar em Superman: O Homem de Aço filme dirigido por Zack Snyder o famoso diretor de 300 e Watchmen. Mais que também exibe em seu currículo o terrível Sucker Punch (tendo de bom apenas a beleza de suas atrizes) que poderia ter tido um final bem melhor do que foi mostrado. Eu realmente tinha medo se este reinicio nas telonas tivesse apenas a mão deste diretor.

Contudo para alívio geral dos fãs ainda temos  na produção Chris Nolan que demonstrou na recente trilogia do Morcegão a adaptação á altura do herói de Gotham City (acredito que veremos uma boa dose da criatividade dele nisto tudo).

A situação cinematográfica do Homem do Amanhã não é uma das melhores, pois o fracasso de Superman: O Retorno, de 2006 (ainda repercute em nossas memórias).

Posso dizer que  pelos trailers que tenho visto na web O Homem de Aço veio pra confirmar sem sombra de dúvidas que o Superman é o maior herói de todos os tempos (não só dos gibis, mas também do cinema).

A abordagem está mostrando que Kal-El se questiona por ter superpoderes e a grande ameaça do General Zod  fará o herói definitivamente escolher seu caminho.

Falando em Zod notamos que será o mais cruel vilão da história recente de filme de quadrinhos. E pensando que pelo sucesso deste longa haverá sim uma franquia pra Liga da Justiça qual seria o vilão?

Sinceramente não poderia deixar de pensar em Darkseid sendo que o vilão não daria as caras logo de primeira (ficando apenas manipulando alguma marionete) para depois realmente cair na porrada com o kriptoniano.

Fato que demonstra seu M.O. Sendo que  ainda temos o monstro Apocalypse visto que a forma abordada na animação da Liga da Justiça ficou ótima. E você qual vilão gostaria de ver no filme da Liga?

Pra fechar,  será que Superman: O Homem de Aço irá realmente consolidar esta nova imagem do herói kriptoniano? Só o tempo poderá nos responder.

Deixe um comentário

Arquivado em Falando Sobre

Falando Sobre

star-trek-original

Jornada nas Estrelas

Redescobri Star Trek por um acaso, pois foi meu pai  quem me avisou que a Rede TV (Canal 6 aqui no Brasil) estava veiculando a saudosa série clássica.

Qual não foi minha surpresa ao notar que estava tudo diferente, mas como assim?

O que assistimos na época de criança a dimensão dada ao que vemos é maior do que quando estamos mais maduros. Senti isso quando revi Ultraman Jack, pois as naves eram de brinquedo e os prédios de papelão quando o herói gigante lutava com os monstros. E mesmo assim depois de adulto ainda continuo a gostar do herói nipônico.

Star Trek foi pelo mesmo caminho, porque com a tecnologia atual vemos como a série era bastante básica. Toda vez que estavam num planeta estranho o cenário é feito de papelão e matériais plásticos é só prestar atenção. Claro que levo em consideração que foi ao ar durante os anos 60.

Podemos notar também que os comunicadores se assemelham a um telefone celular, então Jornada nas Estrelas (a série era chamada assim aqui no Brasil) consegue o feito de ser uma série a frente de seu tempo.

E mesmo desta forma o que pude constatar é que Star Trek foi uma série inovadora por contar tramas aonde te induziam a “viajar” pelo espaço.

Podemos notar também que a camêra dá um close destacando o rosto dos atores para vermos sua demonstração da cena aonde a luz influiu muito no que está acontecendo.

O aspecto psicológico da tripulação da nave Enterprise sendo bem demonstrado e caracterizado é o que mais chamou minha atenção quando pude ver novamente.

A melhor parte são as personalidades o Capitão Kirk (William Shatner) apesar de ser benevolente em alguns momentos é muito durão e namorador tendo várias mulheres ao longo da série. Jim sempre toma as decisões mais difíceis e têm um senso de honra e justiça muito coerente.

O Sr.Spock (Leonard Nimoy) têm uma das personalidades mais fascinantes que já vi é muito analítico e “quase” sem emoções, mas é um bom amigo e a parte mais “estranha” é que a Tenente Uhura (Nichelle Nichols) era apaixonada por ele.

Comento que é estranho, porque não consigo entender como é gostar de alguém que não demonstra emoção ou sentimentos? (bom, deixa isso pra lá!).

Continuando, o Dr. MCcoy funciona mais como um Grilo Falante sendo a consciência dos três e geralmente com um copo de bebida na mão. Capaz de dizer palavras duras, sinceras e analisar tudo de forma perspicaz.

Mesmo vendo tanto tempo depois é impossível não gostar de  Kirk, Spock, MCcoy, Uhura e cia, pois conseguem nos levar aonde nenhum homem jamais esteve…

Outro dia reassisti ao primeiro filme de Jornada nas Estrelas e confesso que tive a mesma sensação que descrevi lá encima, porque quando vi mais novo não entendi nada e achei o filme longo e chato demais.

Só que agora ( mais velho e com mais experiência) é que pude entender melhor sobre o que a história contava e a parte mais interessante é que aquele satélite que causou todo o problema evoluiu para algo que não conseguia compreender.

Isto me lembrou de um episódio do desenho Liga da Justiça. É   “O Retorno” aonde o androide Amazo, seu nome sendo mencionado apenas como androide do professor Ivo (volta do espaço atrás de Lex Luthor).

Foi uma baderna terrível envolvendo todos os integrantes da LJA aonde John Stewart queria eliminar o androide a qualquer custo por conta do desaparecimento de Oa, no entanto a verdade era que Amazo  tinha evoluído muito além do que havia sido criado,  mas não tinha um propósito definido (porque é apenas uma máquina).

Então de forma surpreendente Lex esculachou o androide ridicularizando-o, mas o Senhor Destino estendeu-lhe a mão para ajudar. Bom, o satélite do filme estava na mesma situação e como Jornada nas Estrelas o filme foi feito antes talvez possa se dizer que houve uma ligeira inspiração para o episódio da Liga da Justiça.

Star Trek provou pra mim mais uma vez ser uma série sem  precedentes, pois no episódio The Alternative Factor, de 1967. Há uma referência a teoria dos universos paralelos algo bem conhecido de nós leitores de HQs.

Neste episódio Lázarus precisa dos cristais de Lithium para pegar um ser sombrio que conheceu e quase o matou. Só que este ser é ele mesmo oriundo de uma Terra paralela e como matéria e anti-matéria não podem co-existir ao mesmo tempo, porque a consequência é a destruição de tudo no universo que conhecemos.

Uma fenda no tecido da existência faz Lázarus cruzar entre o universo positivo e negativo. No final Lázarus se sacrifica decidindo ficar preso entre as dimensões lutando contra ele mesmo indefinidamente pela eternidade. Quer algo mais sinistro do que isso?

Eu não queria falar sobre um episódio específico, porque pra quem gosta cada um tem o seu preferido. Mais este é sobre o meu assunto predileto e eu tinha que comentar, pois eu nunca tinha visto antes. Infelizmente assim como de repente a Rede TV começou a veicular a série clássica também a retirou do ar.

É esta falta de respeito com o telespectador que me deixa irritado, pois era uma das poucas coisas que realmente valia a pena parar pra assistir nas noites de domingo na minha opinião.

star-trek-2009

  Star Trek – O Filme

Em 2009 o produtor J.J Abrahams mestre das séries de ação trouxe a franquia de volta.

Na história o jovem James Tiberius Kirk  é um jovem rebelde, encrenqueiro, sem causa e propósito aparente. Até que  o tempo passa e o Almirante Pike (Bruce Greenwood) tem uma conversa sincera com ele. Fazendo-o  entrar na recém construída nave USS Enterprise.

Neste reboot temos a rara oportunidade de saber como iniciou a forte amizade entre os três personagens principais da série clássica.

São várias cenas impressionantes e de tirar o fôlego. Rever Leonard Nimoy interpretando Spock foi incrível ainda mais contando com uma anomalia temporal. Senti falta do William Shatner se o vulcano apareceu porque não fazer uma aparição do velho Capitão Kirk?

A aparição de Nimoy serviu como elo de ligação entre o novo e o antigo e historicamente falando o diretor conseguiu recriar o mito da TV e do cinema que tem milhares de fãs ao redor do mundo (os trekkers como são reconhecidos os seus fãs). E milhões de outras pessoas que adoram ficção científica (como este que vos escreve).

A proposta do longa foi justamente essa pegar a fatia do público que não era iniciada no universo de Star Trek e traze-la pro filme. A missão não era nada fácil já que a franquia cinematográfica não estava indo muito bem desde 2002, mas decidiram tomar um outro rumo e começar tudo novamente.

Na história  o capitão romulano Nero (Eric “ex-Hulk” Bana) busca vingança contra Spock, por ele não ter evitado a destruição de seu planeta natal Romulus por uma supernova. A perseguição pelo espaço joga tanto Nero e Spock num buraco negro sendo jogados há vários anos no passado.

Nesta perseguição Nero ataca a nave pilotada por George Kirk (Chris “Thor” Hemsworth) e sua esposa estava prestes a dar a luz. O capitão ainda consegue ouvir o choro de seu filho antes de morrer (cena trágica e emocionante).

Enquanto  Kirk (Chris Pine) cresce revoltado e sem rumo aprontando todas. Spock (Zachary “Sylar” Quinto) por ter nascido metade humano é desprezado em seu planeta. Quando ambos entram na Frota Estelar por caminhos distintos podemos notar um atrito de ideias bastante divergente.

E isto me chamou a atenção por ser algo que havia na série clássica, pois na maioria das vezes tanto Spock quanto Kirk divergiam em vários momentos. Pra mim o longa conseguiu de maneira eficaz mostrar isto.

As personificações de Karl Urban (McCoy), Zöe Saldaña (Uhura), Anton Yelchin (Checov) e John Cho (Sulu) estão impecáveis transmitindo esta modernização dos personagens antigos.

além da escuridão

Além da Escuridão – Star Trek

Desta vez o inimigo não está lá fora trata-se de John Harrison (Benedict Cumberbatch) um membro da Frota Estelar que rebela-se e executa um ataque terrorista em Londres. Então Kirk, Spock e a tripulação da Enterprise precisam ir atrás dele no território inimigo, no Império Kinglon (famoso entre os fãs).

Star TrekAlém da Escuridão trará  um grande conhecido nosso trata-se de Peter Weller que interpretou o policial-ciborgue Murphy/Robocop (que será  também revitalizado).

Por enquanto não consegui gostar do que vi  deste novo Robocop (talvez eu possa estar enganado). O ator participou de 24 Horas interpretando Christopher Henderson na quinta temporada.

Jack Bauer é o verdadeiro Capitão América eu considero a terceira e a última como ótimas. Apesar que 24 Horas é 24 Horas não há nada melhor no gênero que esta série.

Bom, o novo Star Trek estreia no Brasil em 14 de junho e pelo que pude acompanhar nos trailers deverá ser mais empolgante e melhor do que vimos no anterior.

Deixe um comentário

Arquivado em Falando Sobre

Falando Sobre

3 mosqueteiros

Os Três Mosqueteiros

“Um por todos e todos por um.”

Honra, amizade, lealdade além de coragem são as características básicas dos Mosqueteiros que sempre chamaram minha atenção.

Os Três Mosqueteiros surgiram no livro do escritor Alexandre Dumas e suas aventuras ocorrem no século XVII durante o reinado de Luís XIII, na França.

D’Artagnan é um jovem  intrépido que deseja ser Mosqueteiro que pertencem a guarda de elite do palácio. Sendo responsáveis em defender o reino e a rainha de uma intriga perpretada pelo Cardeal Richelieu.

A Inglaterra e a França vivem de uma relação diplomática muito delicada e então Richelieu quer se aproveitar de tal fato. Só que D’Artagnan conhece Constance uma acompanhante da rainha e a pedido da moça entra de cabeça na história para ajuda-la.

Então temos Athos, Porthos e Aramis os mosqueteiros mais famosos e condecorados de toda França que se unem a D’Artagnan pra salvar a Rainha Anne e evitar uma guerra entre a França e a Inglaterra.

2011

Os Três Mosqueteiros – 2011

Visto por cima somos introduzidos no filme com a representação de um mapa da Europa no século XVII. Aonde uma maquete demonstra todo cenário político da época.

Os Três Mosqueteiros Athos (Matthew MacFadyen), Porthos (Ray Stevenson) e Aramis (Luke Evans) desempenham  uma habilidade específica funcionando como grupo de ataque e infiltração. Eles ainda continuam famosos mais não se encontram bem de situação financeira (parece até uma analogia a crise financeira atual).

Aramis é um ex-padre que ficou parecido com o Batman em seu M.O., Athos é ultra apaixonado por Milady interpretada pela linda Milla Jovovich e Porthos é o mais forte e engraçado de todos.

Esta adaptação deu uma modificada no status quo da história, mas manteve a intriga e traição da trama original.

Há algumas mentiras escabrosas como Milady ser mais rápida que as balas no corredor e a entrada dela no salão secreto pra roubar o colar da rainha. Os fios esticados parecem laser.

Ficou interessante e incrível, mas a maior mentira de todas foi a licença poética dada aos navios voadores. D’ Artagnan é um jovem, corajoso de origem humilde que sai da zona rural da França com o sonho de ir pra capital e tornar-se um Mosqueteiro como seu pai foi.

O Capitão Rochefort (Mads Mikkelsen) pertence a guarda pessoal do Cardeal Richelieu (Christopher Waltz) que é um homem cínico, cruel e impiedoso que se esconde por trás da Igreja. O elenco está totalmente perfeito tanto na interpretação do Cardeal quanto do Buckingham (Orlando Bloom quase não o reconheci).

O pobre Jussac sofre nas mãos de D’artagnan, pois o rapaz é bastante habilidoso no manuseio da espada.

Eu não gostei da atuação do Freddie Fox (Rei Luís XIII), pois ficou afetado demais quando na verdade ele era pra ser um tipo mimado. Fora isso as cenas de esgrima com as espadas ficaram belíssimas sendo a parte que mais gostei.

O filme consegue trazer o mito dos personagens para a nossa época atualizando-os para esta nova geração que vai ao cinema. No final fica que poderá haver uma sequência dada a sua grandiosidade.

Esta última adaptação me fez pensar nas outras que vieram antes vamos lembrar de algumas delas junto comigo?

douglas faibanks

Os Três Mosqueteiros – Douglas Fairbanks – 1921

O ator além de ter vivido  Zorro, Robin Hood e Robinson Crusoé  também fez diversos outros filmes contribuindo e muito para a história do cinema em sua era de ouro.  Sua forma de mostrar os heróis altivos, corajosos e intrépidos são sua marca registrada.

john wayne

Os Três Mosqueteiros – 1933

Nesta versão ligeiramente diferente os heróis atuam num tipo de Legião Estrangeira. Além de ser ambientada no Norte da África temos estrelando John Wayne como o Tenente Tom Wayne (representando D’Artagnan).

Na história o Tenente Wayne é acusado pelo assassinato do irmão de sua noiva  e promete pegar o verdadeiro assassino, um terroristas árabe e leva-lo a justiça.

1935

Os Três Mosqueteiros – 1935

Versão com Walter Abel e Ian Keith pela RKO Radio Pictures.

1948

Os  Três Mosqueteiros – 1948

Lançada pela Metro-Goldwyn-Mayer (famosa MGM) foi uma versão musical estrelada por Gene Kelly e Lana Turner.

mosquito-mosquete-e-moscardo

Mosquete, Mosquito e Moscardo – Yippee, Yappee and Yahooey – 1964

Mais uma versão canina para o clássico dos Três Mosqueteiros, de Alexandre Dumas. Nesta outra série animada da Hanna Barbera quando o diminuto Rei gritava: “Guardas! Guardas!”

Imediatamente entravam em ação seus leias defensores que anunciavam sua entrada num grito de guerra:  – Yappiii… (Mosquito).
– Yappetêê.. (Moscardo).
– Yappetequii… (Mosquete).

Garantindo toda confusão na corte. Mosquete, Mosquito e Moscardo defendiam o reino caçando unicórnios, lutando contra dragões, salvando belas princesas e é claro dando muita dor de cabeça para o Rei.

O desenho teve uma única temporada com 23 episódios no total.

THREE MUSKETEERS HANNA-BARBERA

Os Três Mosqueteiros – The Three Musketeers – 1968

Baseado no famoso romance de Alexandre Dumas surgiu esta versão criada pelos estúdios da Hanna Barbera. Para servir e proteger a Rainha Anne surgiam os espadachins mais corajosos de toda França.

Os mosqueteiros são soldados fiéis á Monarquia francesa o trio é formado por Athos, Porthos e Aramis, além do jovem e destemido D’Artagnan.

O nome mosqueteiro vem da arma utilizada pelos mesmos, um tipo de espingarda, chamada de mosquetão. Mas apesar do nome, eram famosos por sua habilidade com a espada.

A série animada teve uma temporada apresentando 18 episódios no total.

FILM THE FOUR MUSKETEERS (1974) OLIVER REED, RICHARD CHAMBERLAI

Os Três Mosqueterios – 1973

Aclamada como uma das melhores versões do livro tendo na direção Richard Lester  (mais conhecido por seu trabalho com os Beatles). Estrelando Richard Chamberlain Oliver Reed, Michael York, Frank Finlay, Rachel Welch,Faye Dunaway e Christopher Lee.

A história segue pela mesma trama D’Artagnan (Michael York) segue para Paris sonhando tornar-se um mosqueteiro. Quando é ridicularizado por causa de sua inexperiência por Rochefort (Christopher Lee). O Cardeal Richelieu (Charlton Heston) usa sua grande influência para governar a França através do rei.

D’Artagnan para mostrar seu valor acaba se desentendendo com os Três Mosqueteiros marcando um duelo a determinada hora com cada um deles. É quando todos juntos enfrentam  a guarda do cardeal que a amizade deles tem início.

Mas Richelieu trama um ardil para em que a rainha está apaixonada pelo Duque de Buckinham (Simon Ward) e então D’Artagnan e Os Três Mosqueteiros tentam impedir as tramóias do cardeal.

Como o filme havia sido feito em três horas tiveram que dividi-lo e em 1974 tivemos a continuação Os Quatro Mosqueteiros. Em 1989 todo o elenco e equipe voltaram para filmar O Regresso dos Três Mosqueteiros baseado numa versão que acontece 20 anos depois dos acontecimentos no livro de Alexandre Dumas.

Os_Três_Mosqueteiros_Trapalhões

Os Três Mosqueteiros Trapalhões – 1980

Os Trapalhões povoaram a imaginação de várias crianças durante o período que estavam na telinha. Eu sou feliz por ter tido a chance de ver o Quarteto Fabuloso além de rir bastante com seus filmes  e me divertir com sua magia.

Mais eles também nos mostraram sua versão do clássico de Alexandre Dumas. Algo que encontrei escondido lá do fundo do baú.

Os Três Mosqueteiros (Dedé Santana, Mussum, Zacarias) trabalham na casa da Sra. Ana Rocha (Rosita Tomáz) e tem a difícil missão de ir na Foz do Iguaçu recuperar um colar de esmeraldas,com o qual a fábrica de Sr. Luís está em jogo, e Zé Galinha(Renato Aragão)um pobre que mora no galinheiro se oferece para ajudar.

Ao chegar na Foz do Iguaçu, encontram o bandido, mas ele vende o colar para um bandido em Manaus, já na Amazônia, Zé Galinha pega algumas pedras,encontram o bandido mas ele vendeu para outro bandido no Rio de Janeiro,onde encontram o bandido e finalmente recuperam o colar, e as pedras que Zé Galinha pegou eram, na verdade diamantes.

datgnan

D’Artagnan e Os Três Mosqueteiros – Wanwan Sanjushi  – 1983

Também baseada no livro esta versão é inesquecível para todas as crianças que puderam vê-la. É um anime que foi co-produzido pelos estúdios BRB Internacional S.A. da Espanha mais com realização da Nippon Animation do Japão .

música-tema deste desenho é algo que nunca esqueço, pois sei cantá-la do início até o fim é como se eu a tivesse visto ontem.

Neste desenho temos os mais variados tipos caninos como personagens como: pudlee, pastor-alemão, vira-lata, buldog entre outros animais como gatos e porcos.

Sendo extremamente fiel ao livro exceto pelos animais é claro esta saudosa  animação tem como enredo as tramóias de Richelieu e Milady, mas D’Artagnan unido aos Três Mosqueteiros corajosamente se aventura a lutar contra o vilão.

Mais não é apenas com a espada em punho que nosso herói queria viver, pois apaixonara-se perdidamente por Juliet que conquistou seu amor e seu coração. Além de conhecermos o universo de Alexandre Dumas o desenho era muito convincente em suas cenas de ação e inesquecível para quem teve o privilégio de assisti-lo.

O anime teve uma continuação em 1990 realizado pela BCN que se uniu com a produtora inglesa Thames Television.

Surgindo The Return of Dogtanian, uma continuação narrada 10 anos depois da série original. Nesta história D’Artagnan e Juliete estão casados e tiveram filhos que são versões miniaturas de seus pais.

Sinceramente não lembro se esta versão  foi veiculada por aqui no Brasil e descobri ela apenas pela pesquisa.

Vamos esperar pela continuação do diretor Paul W. S. Anderson e só então  saberemos pra  qual aventura Os Três Mosqueteiros irão nos levar.

threemusketeers1993

Os Três Mosqueteiros, da Disney – 1993

Desta vez  o  Cardeal Richelieu numa pérfida manobra sem o consentimento do Rei conseguiu dispersar todos mosqueteiros. Mais um intrépido D’Artagnan (Chris O’Donell) contraria as ordens do Cardeal se juntando aos Três Mosqueteiros Athos (Kiefer Shuterland), Porthos (Oliver Platt) e Aramis (Charlie Sheen) para tentar impedir seus planos.

Lembro que D’Artagnan se apaixonou pela linda e perigosa Condessa de Winter (Rebecca De Mornay) esta adaptação foi bem de bilheteria. Mais não é uma das minhas preferidas.

Podemos notar um jovem Kiefer Shuterland antes de se tornar o agente (Capitão América de verdade) Jack Bauer da excelente série anti-terrorismo 24 Horas e Charlie Sheen também antes de estrelar Dois Homens e Meio com seu impagável Charlie Harper.

homem-da-mascara-de-ferro

O Homem da Máscara de Ferro – 1998

O filme é recheado de estrelas, pois nele temos John Malkovitch, Jeremy Irons, Gerard Depardieu e Leonardo di Caprio. Desta vez o Rei Luís XIV é um homem cruel que manda para a masmorra o irmão gêmeo para poder ficar no trono.

Mais então o mosqueteiro Aramis (John Malkovitch) descobre o segredo e convence seus companheiros a resgatar o prisioneiro. A parte interessante é D’Artagnan que se recusa a ajudar os amigos nessa empreitada.

O filme foi um fracasso de crítica, mas conseguiu retirar na época os holofotes que estavam em Titanic.

Eu não gosto do Leonardo di Caprio, mas confesso que sua atuação dupla estava excelente e apesar do roteiro misturar os livros da mitologia criada por Alexandre Dumas eu gosto desta adaptação.  Não é um filme excelente ou um clássico eterno, mas vale como curiosidade sobre Os Três Mosqueteiros.

Aliás a versão do O Homem da Máscara de Ferro com o ator Richard Chamberlain é bem melhor e ainda temos outra mais recente O Conde de Monte Cristo com Jim Caviezel que também foi bastante superior.

Só para lembrar, antes de Brandon Routh voar por Metrópolis houve muitos boatos que Jim Caviezel na época famoso pela interpretação de Jesus Cristo iria interpretar o Homem do Amanhã.

ThreeMusketeers

 Os Três Mosqueteiros, da Disney – 2004

Desta vez Mickey, Donald e Pateta são faxineiros desastrados do Palácio que sonham em virar mosqueteiros.

O Capitão é o maldoso Bafo da Onça que nomeia os três desastrados no intento de conseguir roubar o trono da princesa Minnie. Os três tem a chance de provar seu valor quando unem-se para frustrar o plano do vilão.

As animações da Disney tem como marca registrada a qualidade e esta não é exceção. O mais divertido são as músicas clássicas famosas que vemos temos Tchaikovsky, Strauss, Beethoveen que tornam tudo mais ágil e divertido.

Sinceramente dá uma tristeza quando o desenho acaba, pois vale a pena vê-lo.

 Fonte de Pesquisa: InfanTV, Wikipédia e TV Sinopse.

1 comentário

Arquivado em Falando Sobre